SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 issue4Arteriovenous fistulas in hemodialysis: factors of success and the role of nephrologists author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Nephrology

Print version ISSN 0101-2800On-line version ISSN 2175-8239

J. Bras. Nefrol. vol.40 no.4 São Paulo Out./Dec. 2018  Epub Nov 14, 2018

http://dx.doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-2018-0180 

Editoriais

Paratireoidectomia no tratamento de DMO-DRC Brasil: muitas limitações, mas ainda fundamental

1Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina, Belo Horizonte, MG, Brasil.

2Centro de Nefrologia do Hospital Evangélico de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG, Brasil.

O hiperparatireoidismo secundário (HPS) é uma complicação comum e grave no curso da doença renal crônica (DRC), com impacto direto sobre a morbidade e mortalidade desses pacientes.1 Apesar dos avanços no tratamento clínico do HPS com o uso de análogos de vitamina D e calcimiméticos, a falência terapêutica ainda ocorre em parcela significativa dos pacientes.1,2

Nos pacientes com presença de níveis de paratormônio (PTH) persistentemente elevados (> 800 pg/mL por > 6 meses) associados à resistência ao tratamento clínico, uma proliferação monoclonal com hiperplasia nodular está provavelmente presente com redução da expressão de receptores sensíveis a cálcio e de vitamina D. Nesses casos, a paratiroidectomia (PTx) deve ser considerada, especialmente se associada à hipercalcemia, hiperfosfatemia ou calcificação vascular ou tecidual.3

A PTx é necessária em 15% dos pacientes após 10 anos e em 38% dos pacientes após 20 anos de hemodiálise. Está associada a 15%-57% de melhora na sobrevida dos pacientes em hemodiálise e melhora da hipercalcemia, hiperfosfatemia, calcificação tecidual, densidade óssea e qualidade de vida.3

Esse procedimento está em declínio no mundo. Dados americanos mostram que, entre os anos 1990 e início dos anos 2000, as taxas de PTx alcançaram 10/1000 pacientes-ano. Desde então, houve redução progressiva nas taxas de PTx, atingindo um nadir de aproximadamente 3.3 por 1000 pacientes-ano em diálise, em 2004.4 Apesar disso, observou-se aumento da média dos níveis de PTH, refletindo, provavelmente, a introdução do uso dos calcimiméticos e a incerteza em relação aos níveis ideais de PTH.3

A PTx é um procedimento desafiador que exige grande habilidade e experiência dos cirurgiões. Atualmente, existem técnicas adjuvantes realizadas no intraoperatório, como a criopreservação, monitorização neurofisiológica, dosagem de PTH e exame de imagem com sestamibi, que tem como objetivo melhorar os resultados cirúrgicos. Entretanto, esses métodos ainda são pouco disponíveis, especialmente nos países em desenvolvimento. O trabalho de Neves e cols., publicado nesta edição, avalia os resultados de cinco anos de um centro de referência com número elevado de procedimentos, sem técnicas adjuvantes. Observou-se baixa taxa de complicação e insucesso. Um dado importante descrito no texto é que todos os procedimentos foram realizados por um único cirurgião, o que indubitavelmente reflete uma experiência singular com impacto em bons resultados, mesmo na ausência de técnicas adjuvantes.

Os dados deste estudo mostram baixa sensibilidade dos exames de imagem no pré-operatório das PTx para a localização das glândulas ectópicas e supranumerárias. De fato, a literatura é controversa nesse ponto, especialmente em relação aos desfechos cirúrgicos.5 O padrão-ouro ainda é a exploração e a localização das glândulas no intraoperatório pelo cirurgião. Esse dado coloca em evidência a necessidade de rever a recomendação da realização desses exames no pré-operatório (quais situações seriam imprescindíveis e qual a combinação de exames), sobretudo se levarmos em consideração a baixa disponibilidade na maioria dos municípios, especialmente na rede pública, além do fato de ser operador dependente. Acima de tudo, é importante ressaltar que a indisponibilidade de exames de imagem para a localização pré-operatória das glândulas não deve impedir ou contraindicar a realização da cirurgia.6

Nessa casuística, a maior parte das PTx foi realizada pela técnica de paratireoidectomia total com autoimplante. A literatura não mostra diferenças significativas nos desfechos cirúrgicos entre as diferentes técnicas (total com implante e subtotal),3 entretanto a PTx subtotal tem menor risco de hipoparatiroidismo permanente no pós-operatório. Os efeitos dos baixos níveis de PTH não são claros, mas sempre existe a preocupação de se transformar uma doença de alta remodelação para baixa remodelação, com seus potenciais efeitos adversos em relação à calcificação vascular e ausência de possibilidades terapêuticas nesse contexto. Diante disso, a avaliação do impacto do hipoparatiroidismo persistente deveria, idealmente, ser realizada para definir a escolha da melhor técnica cirúrgica em cada centro.

A publicação, em 2017, do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Distúrbio Mineral e Ósseo do Ministério da Saúde incluiu um maior número de opções terapêuticas, como os calcimiméticos.7 Espera-se que a recente maior disponibilização desses novos medicamentos possa reduzir o número de PTx nos próximos anos, como já observado em outros países após o início do uso dos calcimiméticos. Entretanto, atualmente já existe um número significativo de pacientes considerados refratários ao tratamento clínico. Além disso, apesar do grande avanço com o novo protocolo, a medicação é liberada apenas para os pacientes em hemodiálise ou diálise peritoneal, não contemplando os transplantados renais, e somente para pacientes com hiperparatiroidismo grave, os quais têm alta probabilidade de ser refratários ao tratamento clínico. Dessa forma, a PTx ainda permanece como uma opção imprescindível de tratamento do HPS no Brasil. O estudo de Neves e cols. demonstra que, em centros com equipes especializadas, esse procedimento pode ser realizado de forma segura, com baixas taxas de complicação e altas taxas de sucesso, mesmo sem as técnicas adjuvantes.8

References

1 Goldenstein PT, Elias RM, Pires de Freitas do Carmo L, et al. Parathyroidectomy improves survival in patients with severe hyperparathyroidism: a comparative study. PLoS One. 2013;8(8):e68870. [ Links ]

2 Oliveira RB, Silva EN, Charpinel DM, et al. Secondary hyperparathyroidism status in Brazil: Brazilian census of parathyroidectomy. J Bras Nefrol. 2011;33(4):457-462. [ Links ]

3 Lau WL, Obi Y, Kalantar-Zadeh K. Parathyroidectomy in the Management of Secondary Hyperparathyroidism. Clin J Am Soc Nephrol. 2018;13(6):952-961. [ Links ]

4 Kim SM, Long J, Montez-Rath ME, Leonard MB, Norton JA, Chertow GM. Rates and Outcomes of Parathyroidectomy for Secondary Hyperparathyroidism in the United States. Clin J Am Soc Nephrol. 2016;11(7):1260-1267. [ Links ]

5 Lee JB, Kim WY, Lee YM. The role of preoperative ultrasonography, computed tomography, and sestamibi scintigraphy localization in secondary hyperparathyroidism. Ann Surg Treat Res. 2015;89(6):300-305. [ Links ]

6 Andrade JS, Mangussi-Gomes JP, Rocha LA, et al. Localization of ectopic and supernumerary parathyroid glands in patients with secondary and tertiary hyperparathyroidism: surgical description and correlation with preoperative ultrasonography and Tc99m-Sestamibi scintigraphy. Braz J Otorhinolaryngol. 2014;80(1):29-34. [ Links ]

7 Document G. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Disturbio Mineral e Ósseo Ministério da Saúde. In:2016. [ Links ]

8 Neves MC, Rocha LA, Cervantes O, Santos RO. Initial surgical results of 500 Parathyroidectomies for Hyperparathyroidism related to chronic kidney disease - mineral and bone disorder. Braz. J Nephrol 2018. [ Links ]

Recebido: 23 de Agosto de 2018; Aceito: 28 de Agosto de 2018

Correspondência para: Lilian P. F. Carmo. E-mail: lilianpfreitas@yahoo.com.br

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.