SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 Effects of sertraline in the prevention of low blood pressure in patients undergoing hemodialysisErratum: Zinc alpha 2 glycoprotein as an early biomarker of diabetic nephropathy in patients with type 2 diabetes mellitus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Nephrology

Print version ISSN 0101-2800On-line version ISSN 2175-8239

J. Bras. Nefrol., ahead of print  Epub Aug 01, 2019

http://dx.doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-2019-0098 

Artigos

Avaliação geriátrica em pacientes idosos em hemodiálise

1Kahramanmaras Sutcu Imam Universitesi - Nephrology Avşar Mah. Batı Çevreyolu Blv. Onikişubat Kahramanmaras 46100 Turkey.

O prolongamento da expectativa de vida da população mundial levou ao aumento do número de pacientes idosos que iniciam hemodiálise (HD). Portanto, os nefrologistas devem aprofundar seus conhecimentos a respeito de algumas questões relativas ao avanço da idade, tais como comprometimento cognitivo, fragilidade, demência, depressão, lesões por queda, desnutrição e polifarmácia, todas presentes nas chamadas síndromes geriátricas.1 Embora muito prevalentes entre pacientes idosos em HD, os comprometimentos geriátricos de forma geral são desconsiderados ou ignorados. A avaliação geriátrica detalhada é o único meio de diagnosticar problemas geriátricos.

A disfunção cognitiva e a fragilidade são duas das questões mais relevantes para a população geriátrica, uma vez que estão associadas à elevação das taxas de comorbidades e mortalidade.2 O presente editorial ressalta a importância da avaliação dos pacientes idosos em HD para deficiências geriátricas, particularmente a disfunção cognitiva e a fragilidade, tendo em vista um artigo publicado recentemente sobre o tema.3

No estudo de Viana et al., pacientes com doença renal crônica (DRC) que iniciaram HD de manutenção em idade avançada, foram avaliados em termos de função cognitiva, humor e qualidade de vida. Os pesquisadores agruparam os pacientes em HD entre idosos (idade 65-80 anos) ou muito idosos (idade > 80 anos). Segundo o Mini-Exame do Estado Mental (MEEM) e o teste de fluência verbal (TFV), o comprometimento cognitivo foi mais frequente em pacientes muito idosos. O teste de desenho do relógio (TDR) para funções cognitivas executivas não apresentou diferenças entre os grupos. Os autores também aplicaram a Escala de Depressão Geriátrica (EDG-15) e o teste Medical Outcomes Study Short Form 36 (SF-36) para avaliar humor e qualidade geral de vida, identificando piores escores para o grupo muito idoso apenas no quesito capacidade funcional.3 De forma geral, os resultados indicaram maior prevalência de comprometimento cognitivo e diminuição da qualidade de vida nos pacientes muito idosos com DRC avançada.

Viana et al. identificaram comprometimento cognitivo em 31,8% dos pacientes idosos em HD por meio do MEEM. Somando-se o TFV e o TDR, a prevalência de qualquer déficit cognitivo atingiu 71,6% no grupo de idosos e 93,6% no grupo de muito idosos.3 Com efeito, o uso do MEEM pode levar à subestimação do comprometimento cognitivo em pacientes em HD que apresentam déficits predominantemente cognitivos nos domínios executivos, de atenção e memória. Portanto, devemos combinar o MEEM com outros testes cognitivos como fizeram Viana et al., ou escolher um único teste cognitivo prático que seja mais adequado para pacientes com DRC avançada, como a Avaliação Cognitiva Montreal (MoCA).4,5 Afinal, testar as funções cognitivas de pacientes idosos em HD exige a seleção de uma ferramenta que inclua a avaliação das funções executivas. O teste cognitivo deve ser realizado antes da sessão de rotina de HD e um ponto de corte adequado deve ser determinado levando em conta a idade e a escolaridade do paciente.4 A detecção de depressão por um teste prático como o EDG-15 pode servir para eliminar resultados falsos positivos obtidos durante o exame cognitivo dos pacientes.

Pacientes idosos em HD consistem em uma população especial que frequentemente sofre de complicações relacionadas a comorbidades, principalmente doença vascular. A avaliação geriátrica dessa população deve partir das avaliações de disfunção cognitiva, fragilidade e carga de comorbidades. Fragilidade é definida como declínio da função física e suscetibilidade a complicações relacionadas à doença em populações geriátricas, e é mais prevalente entre pacientes em HD. Nos pacientes em HD, a fragilidade está associada a aumento da incidência de hospitalização, doenças vasculares e mortalidade. Além disso, a fragilidade é um fator de risco para comprometimento cognitivo e lesões por quedas em pacientes idosos em HD.2,6 O índice de fragilidade (IF) permite a identificação de pacientes pré-frágeis e frágeis que apresentam queda de atividade física e reserva fisiológica em relação às suas comorbidades. O IF é uma escala numérica utilizada na avaliação da gravidade da fragilidade.6 A carga de comorbidades pode ser avaliada com ferramentas como a Escala de Avaliação de Doença Cumulativa (CIRS) ou o Índice de Comorbidade de Charlson (ICC).4,7 É recomendável reavaliar todos os pacientes em HD para que sejam implantadas medidas preventivas e estratégias multidisciplinares de tratamento quando for detectada fragilidade ou sobrecarga grave de comorbidades.

Os questionários de qualidade de vida fornecem informações valiosas sobre o estado geral de saúde e as queixas relacionadas à vida diária, mas as equipes clínicas geralmente não dispõem de tempo suficiente para incluir tais ferramentas em sua rotina. Há métodos viáveis para avaliar a qualidade de vida e as atividades da vida diária, tais como o SF-36 e a Escala de Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD) de Lawton.3,7

A população de pacientes idosos com DRC avançada está em crescimento. Além disso, a própria DRC é considerada um estado do envelhecimento acelerado associado à aterosclerose, inflamação, comprometimento cognitivo, déficit físico, anomalias metabólicas e deficiência de Klotho. O estudo de Viana et al. vem novamente nos relembrar da importância dos comprometimentos geriátricos na população em HD. Se não nós, quem prestará atenção a este problema até agora ignorado? As síndromes geriátricas, especialmente o comprometimento cognitivo e a fragilidade, são deficiências que tornam os pacientes em HD dependentes de outras pessoas para exercer as atividades da vida diária.

A realização de avaliações geriátricas precisas em pacientes idosos em HD exige a seleção e/ou personalização de algumas ferramentas de teste. Os pacientes em HD são suscetíveis a sarcopenia, inflamação crônica, doença cerebrovascular oculta e anemia, o que os diferencia da população geral. A avaliação geriátrica dos pacientes idosos em HD deve enfatizar avaliações de comprometimento cognitivo, fragilidade e carga de comorbidades.

References

1 Bell SP, Vasilevskis EE, Saraf AA, Jacobsen JM, Kripalani S, Mixon AS, et al. Geriatric Syndromes in Hospitalized Older Adults Discharged to Skilled Nursing Facilities. J Am Geriatr Soc 2016;64:715-22. DOI: 10.1111/jgs.14035 [ Links ]

2 Shen Z, Ruan Q, Yu Z, Sun Z. Chronic kidney disease-related physical frailty and cognitive impairment: a systemic review. Geriatr Gerontol Int 2017;17:529-44. DOI: 10.1111/ggi.12758 [ Links ]

3 Viana FS, Boechat YEM, Lugon JR, Matos JPS. Differences in quality of life and cognition between the elderly and the very elderly hemodialysis patients. J Bras Nefrol 2019 Mar 18. pii:S0101-28002019005012101. DOI: 10.1590/2175-8239-JBN-2018-0167 [Epub ahead of print] [ Links ]

4 Erken E, Altunoren O, Senel ME, Tuncel D, Yilmaz T, Ganidagli SE, et al. Impaired cognition in hemodialysis patients: The Montreal Cognitive Assessment (MoCA) and important clues for testing. Clin Nephrol 2019;91:275-83. DOI: 10.5414/CN109506 [ Links ]

5 Angermann S, Baumann M, Steubl D, Lorenz G, Hauser C, Suttmann Y, et al. Cognitive impairment in hemodialysis patients: Implementation of cut-off values for the Montreal Cognitive Assessment (MoCA)-test for feasible screening. PLoS One 2017;12:e0184589. [ Links ]

6 Alfaadhel TA, Soroka SD, Kiberd BA, Landry D, Moorhouse P, Tennankore KK. Frailty and mortality in dialysis: evaluation of a clinical frailty scale. Clin J Am Soc Nephrol 2015;10:832-40. DOI: 10.2215/CJN.07760814 [ Links ]

7 Goto NA, van Loon IN, Morpey MI, Verhaar MC, Willems HC, Emmelot-Vonk MH, et al. Geriatric Assessment in Elderly Patients with End-Stage Kidney Disease. Nephron 2019;141:41-8. DOI: 10.1159/000494222 [ Links ]

Recebido: 12 de Maio de 2019; Aceito: 15 de Maio de 2019

Correspondência para: Ertugrul Erken. E-mail: ertugrulerken@hotmail.com

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.