SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue54On the actuality of the concept of culture industry author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos CEDES

Print version ISSN 0101-3262On-line version ISSN 1678-7110

Cad. CEDES vol.21 no.54 Campinas Aug. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622001000200001 

APRESENTAÇÃO

 

 

As recentes transformações geradas pelas amplas possibilidades de comunicação em tempo real teriam acarretado, na opinião de alguns, o fim da crítica à Indústria Cultural. A tão propalada democratização da informação, ampliada pela possibilidade de acessar gratuitamente à Internet, passa a impressão de que por aí seriam resolvidos problemas advindos da marginalização e exclusão cultural e social.

Tal impressão, porém, gerada pelo boom das novas tecnologias da comunicação, não resiste a uma indagação mais apurada. Sabe-se, por exemplo, que o uso da Internet restringe-se a menos de 5% da população brasileira. Porém, mesmo que essa porcentagem aumente, isto diria respeito somente a uma certa democratização quantitativa já observada na utilização de outros meios de comunicação. O Brasil está entre os países com maior quantidade per capita de aparelhos de televisão. O número de telefones vem crescendo aceleradamente. O sistema bancário se informatiza facilitando as transações financeiras. Mas será que tudo isso vem gerando uma maior eqüidade?

A resposta é dada pelas últimas estatísticas que classificam o Brasil entre os piores países (se não o pior) quando se trata de medir a distribuição da renda gerada. Parece que o incremento da informática e das comunicações não tem contribuído para diminuir a exclusão social, econômica e cultural. Além disso, as maiores possibilidades geradas pelo "progresso" dos meios de comunicação nem mesmo contribuem para se pensar, criar e organizar novas formas de produção e distribuição de riqueza material e simbólica, uma vez que, apropriadas pela indústria cultural, ampliam as possibilidades de ganhos para esta última, promovendo apenas um "verniz" pretensamente democrático nas relações sociais.

A subsunção induzida dos indivíduos, órgãos e instituições no fortalecimento da sociedade de consumo e, consequentemente, na mudança de valores e práticas socioculturais, em grande parte promovida pela mídia, no chamado "mundo globalizado" requer de nossa parte atenção para que não nos deixemos levar pelas ilusões criadas para nos confundir e seduzir.

Nesta direção, os questionamentos e reflexões dos autores presentes nessa publicação pretendem mostrar que as discussões sobre as influências e determinações da Indústria Cultural na sociedade e, consequentemente, na educação, ainda estão longe de serem dadas por encerradas.

No primeiro artigo, Sobre a atualidade do conceito de Indústria Cultural, Antonio A. S. Zuin mostra a atualidade e a pertinência das discussões sobre a Indústria Cultural. A preocupação central de Zuin, neste artigo, é com a semiformação decorrente das novas relações estabelecidas a partir da mídia e sua universalização, na qual a educação desempenha um papel fundamental. A superação destas relações, tanto pela resistência à perda da individualidade quanto pelo desenvolvimento de uma educação crítica, é o desafio posto pelo autor.

Na mesma direção, Newton Ramos-de-Oliveira, em Do ato de ensinar numa sociedade administrada, analisa, a partir de conceitos da Teoria Crítica, a constante tensão entre as necessidades de mudanças e, ao mesmo tempo, de adaptação do ser humano. Refletir sobre estas tensões e seu aprofundamento pela Indústria Cultural é tarefa primeira que se impõe àqueles que pretendem uma educação crítica.

A produção e a reprodução da cultura em um processo industrial são analisadas por Carlos Eduardo A. Miranda, em Uma educação do olho ¾ As imagens na sociedade urbana, industrial e de mercado. A circulação industrial de imagens e sons em movimento ¾ cinema, TV, vídeo, redes, entre outros ¾ é entendida pelo autor como parte de um programa de educação visual, cujas origens históricas antecedem o atual desenvolvimento industrial e que, contemporaneamente, assumem características peculiares devido à crescente incorporação de novas tecnologias. Para ele, há uma revalorização da racionalidade instrumental e do pensamento "cartesiano", educando o olho a ver o homem e o mundo conforme as possibilidades e os limites destas formas de representação da realidade. A junção destas imagens no processo de escolarização, na ausência de uma atitude crítica em relação aos seus processos de produção e circulação e sem o conhecimento histórico de suas origens, incorpora a escola, de forma conservadora, no programa de educação visual acima referido e educa, de forma alienada, o olho a ver a realidade.

O artigo de João Augusto Gentilini, Comunicação, cultura e gestão educacional, leva a discussão da Indústria Cultural para o campo da administração em geral e da gestão educacional. A partir de categorias analíticas sugeridas pelos filósofos da Escola de Frankfurt, discute o conceito de racionalidade, predominante na sociedade industrial, e faz proposições para a criação de um outro modelo de gestão. Este teria uma outra visão da organização, da comunicação, do poder e da autoridade, não mais sob a ótica da racionalidade técnica e instrumental, mas sob os pressupostos da racionalidade comunicativa.

Trazendo a discussão para o contexto brasileiro, em Indústria Cultural: Algumas determinações políticas, culturais e sociais na educação procuro refletir sobre a pretensa democratização dos meios de comunicação de massa que, uma vez apropriados pela Indústria Cultural, acabam por aumentar a marginalização e exclusão sociais. Tais conseqüências podem se estabelecer, também, na educação se a instalação das novas tecnologias nas escolas não for acompanhada por uma mudança dos objetivos educacionais, visando a uma formação emancipadora.

Partindo para a análise das relações e influências da Indústria Cultural na educação e na escola, os três trabalhos finais apresentam algumas preocupações que estão sendo objeto de pesquisa de participantes do Grupo de Estudos e Pesquisas: Indústria Cultural e Educação (Gepice). Estes trabalhos não se constituem propriamente em artigos em sentido estrito, mas pretendem focalizar alguns aspectos da dominação da Indústria Cultural presentes nas escolas.

No primeiro, A Indústria Cultural invade a escola brasileira, Eliziara M. O. Medrano e Lucy Mary S. Valentim propõem uma reflexão sobre alguns pontos de marcante influência da indústria cultural nas escolas e, consequentemente, nas atitudes das crianças que promovem, ao mesmo tempo, a massificação e a individualização das mentes e das experiências vividas. Com isso, criam-se necessidades que, por meio de apelos visuais, efeitos especiais e publicidade, seduzem e despertam o desejo de consumo.

Em Arte, Indústria Cultural e Educação, Luci Mara Bertoni destaca a mudança de valores e de práticas sócio-culturais entre os indivíduos, que são reforçadas pela mídia. Na área educacional são focalizadas as mudanças ocorridas no currículo escolar quanto à atual disciplina Educação Artística. Descaracterizadas, as Artes, especialmente a música, transformam-se em um meio para os jovens tornarem-se "iguais", sem perceberem que estão sendo colocados à margem de sua própria cultura.

Finalmente, Carlos Eduardo S. Motta, em Indústria Cultural e o sistema apostilado: A lógica do capitalismo, coloca em questão a fragmentação do conhecimento reforçada nas escolas pelo sistema apostilado. Em nome da racionalidade e da modernização, o critério predominante passa a ser a "utilidade" direcionada quase exclusivamente para os vestibulares.

 

 

LEDA APARECIDA PEDROSO

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License