SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue57"We can't do nothing but decide ice cream flavors". Adolescents: from subject of necessities to subject of rights author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos CEDES

Print version ISSN 0101-3262On-line version ISSN 1678-7110

Cad. CEDES vol.22 no.57 Campinas Aug. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622002000200001 

APRESENTAÇÃO

 

 

As sociedades modernas são, no dizer de Giddens,1 "sociedades cerradas", sociedades da negação que, enquanto tal, colocam questões de diferentes ordens àqueles que educam e investigam as realidades concretas. Por esta razão, falar de educação e culturas juvenis constitui desafios ao conhecimento, à prática educativa e à compreensão da diversidade social. Compreende-se que não basta reconhecer a existência da diversidade, mas que é preciso ter acesso a ela, aos seus significados próprios e aos significados que se constróem na relação entre indivíduos, grupos e realidades.

Escrita a várias mãos, a presente coletânea, para além de expor os diferentes contextos de construção do modo de ser jovem, revela que a vida não se circunscreve a etapas específicas e lineares, mas que resultam das experiências cruzadas entre o indivíduo e o coletivo. É assim que os vários textos conduzem o olhar para as sociedades onde os sujeitos sociais ¾ jovens e/ou adolescentes ¾ estão e vivem, para compreender, na lógica de suas vidas, o que está em jogo.

O jovem é um sujeito que vive o tempo presente e que, portanto, está entre dois tempos ¾ o ontem e o amanhã. No entanto, há, no tempo dos jovens, muitos tempos sobrepostos que atuam em oposição, complementaridade e conflito, e disso resulta ser o jovem um ser liminar, que desafia a ordem instituída, a ordem da modernidade e do equilíbrio. Nesta conjuntura, a escola como instituição cumpre um papel específico, o de enquadrá-lo a essa mesma ordem. Mas este, como sujeito aberto ao experimento e à experiência, transgride o que dele se espera para dizer o que ele pensa do mundo e, desta forma, expõe o que o mundo pensa e faz dele. Torna-se, então, um problema. Um problema social por suas realidades adjetivadas: favelada, negra, pobre, trabalhadora, urbana, rural... Um problema político a demandar um conhecimento capaz de fomentar práticas de intervenção e embasar políticas públicas. Um problema sociológico e, como tal, uma realidade para ser decodificada, investigada. O jovem é, vive e representa os aspectos diurnos e noturnos da vida social2 e, à medida que se mostra ou busca se impor, transforma sua ambigüidade em ambivalência, plurivalência, "jogando" com os saberes constituídos pela experiência da vida social, a sua experiência, a experiência de seu grupo, do grupo ou grupos a que pertence. Tudo em acordo com suas histórias de vida, nas trajetórias construídas com diferentes agências e agentes presentes na sociedade.

Neste sentido, os artigos aqui reunidos contemplam pesquisas e trabalhos realizados com jovens e adolescentes, nos quais são vistos como sujeitos ativos, produtores de cultura em contextos educacionais variados, das periferias de grandes centros ao universo rural-regional. Pesquisadores em diferentes instituições de educação formal, não-formal e informal, bem como em diferentes estados, enfocam sobre políticas públicas, ações interventivas na área de saúde sexual e reprodutiva dos jovens e noções de adolescência; juventude(s); cultura; relacionamento amoroso e diferenciação sociocultural.

Tais pesquisas foram feitas nos estados da Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro. Discutem práticas educacionais de formação, intervenção e socialização, entendendo assim a educação como um processo mais amplo, além da escolaridade. Portanto, pensando a educação deste modo, abrimos o debate para a sua compreensão de forma integral, no que diz respeito ao entendimento "(...) da ação educativa proposta e realizada por diversas instituições, cuja ação, enquanto educativa, visaria influenciar o comportamento humano no sentido de sua adequação aos objetivos e valores da sociedade".3

A equipe do Programa de Apoio ao Pai (Papai), do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco, coordenado pelos psicólogos Jorge Lyra e Benedito Medrado, apresenta-nos uma experiência de pesquisa-intervenção de educação não-formal com um grupo de adolescentes de camadas baixas, na qual, ao se discutir noções correntes de adolescência, buscou-se uma (re)construção de outros sentidos do que é ser adolescente.

Na tentativa de demonstrar a construção social do relacionamento amoroso dos adolescentes, a mestre em Educação e professora da Secretaria Municipal de Educação de Campinas, Sheyla Pinto da Silva, por meio da convivência em salas de aula, observou atitudes e comportamentos dos jovens hoje e reflete sobre o que cada época histórica proclama como ideais nas artes da sedução e desempenho sexual.

No debate feito pela equipe da Associação Brasileira Interdisciplinar de aids (Abia), Richard Parker, professor do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e da Escola de Saúde Pública da Columbia University em Nova Iorque, e Luís Felipe Rios, pesquisador do Cepesq/Ims/Uerj, doutorando em Saúde Coletiva no Ims/Uerj, com respeito à adultez, apresentam os resultados de recente análise dinâmica contextual sobre as oportunidades e barreiras para a saúde sexual e reprodutiva dos jovens brasileiros. Identificam algumas lacunas nas pesquisas e intervenções de educação não-formal até a inserção da Educação Sexual nos Parâmetros Curriculares Nacionais na segunda metade da década de 1990.

Em "Adolescentes como autores de si próprios", a psicóloga Viviane M. de Mendonça Magro, doutoranda da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, observando como os participantes do hip hop assumem o papel de protagonistas de seu próprio processo educativo, comunica-nos outros modos de ser adolescente que os reconhecem como capazes de construir ações significativas no campo social.

O professor substituto do Departamento de Antropologia da Universidade Federal da Bahia, Ari Lima, observando funkeiros, timbaleiros e pagodeiros da cidade de Salvador, jovens suburbanos, pobres e "negros-mestiços" com baixo grau de escolaridade, rediscute suas notas etnográficas e reflete sobre como, num contexto racializado da associação entre juventude negra e música, surgem experiências que se desenvolvem como marcas identitárias, crítica social e ratificação de hierarquias raciais, de classe e gênero. Seu artigo demonstra a importância da música, um instrumento configurador da experiência juvenil e negra afro-diaspórica que, ao mesmo tempo, acaba repondo antigas dessemelhanças que não estão nos genes.

Por fim, a pesquisadora Vanda Silva, doutoranda em Ciências Sociais no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas, chama atenção para os jovens que vivem entre o rural e o urbano na região do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, afetados pelos processos socioeconômicos que dificultam a vida dos que vivem da agricultura. Também reflete sobre a possibilidade de falar em culturas juvenis no rural; projetos que visam diminuir a evasão e repetência escolar da região e o programa de assistência do Fundo Cristão ao trabalhador rural, crianças e jovens.

Este Caderno só vem demonstrar o caráter das múltiplas realidades juvenis e que, sobre os jovens brasileiros, ainda há muito para se conhecer, dizer e refletir.

 

Notas

1. Ver GIDDENS, A. Sociologia. Madrid: Alianza Editorial, l995.

2. Para Cabral, os aspectos diurnos da vida sociocultural correspondem àqueles de maior legitimação na sociedade, enquanto que os aspectos noturnos correspondem àqueles que são reprimidos e não encontram uma forma óbvia de expressão, mesmo fazendo parte da vida sociocultural. Ver CABRAL, J. de P. A difusão do limiar ¾ margens, hegemonias e contradições na antropologia contemporânea. Mana-2, l996, p. 35

3. Ver DEMARTINI, Z.B.F.; LANG, A.B.S.G. Considerações a respeito dos conceitos de Educação e de Rural. Educação e trabalho: um estudo sobre produtores e trabalhadores na agricultura paulista. São Paulo, Ceru e Fflch/Usp, 1983 (Coleção Textos, 6), p. 13-14.

 

 

NEUSA MARIA MENDES DE GUSMÃO
Professora do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas à Educação (Decisae, Gepedisc, FE/Unicamp)

VANDA SILVA
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License