SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue104Afranio Peixoto, medical expertise and manufacture of the multiple body in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos CEDES

Print version ISSN 0101-3262On-line version ISSN 1678-7110

Cad. CEDES vol.38 no.104 Campinas Jan./Apr. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/cc0101-32622018178994 

APRESENTAÇÃO

Corpo e educação: história, práticas e formação

Ana Clara Bortoleto Nery 1  

Tony Honorato 2  

1Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - Marília (SP), Brasil. E-mail: neryanaclara@gmail.com

2Universidade Estadual de Londrina - Londrina (PR), Brasil. E-mail: tonyhonoratu@gmail.com

A proposta de formação integral do sujeito encontra forte respaldo na forma escolar criada a partir do século XVI (VICENT; LAHIRE; THIN, 2001). Essa forma surge em meio a processos de uso, disciplinarização e pedagogização do corpo como fatores essenciais para o surgimento da natureza de um novo sujeito civilizado. Desde o século XIX, o tema “a saúde do corpo social” é fortemente debatido e as atividades físicas ampliam seus espaços e lugares sociais. Um conjunto de preceitos, normas e intervenções - como aulas de ginástica, exercícios militares, higiene, escotismo, jogos ao ar livre, trabalhos manuais, capoeira, esportes e atividades na natureza - ganha escopo e traz para a escola e para as formas de expressão do ser no mundo a função precípua de educar os corpos.

Na contramão desse processo, assistimos em 2016 à indicação, por parte do Ministério da Educação do Brasil, de que a Educação Física, em processo de institucionalização desde o século XIX, não deveria mais ser obrigatória no Ensino Médio como vinha acontecendo desde 1970. Entretanto, nos últimos anos, assistimos à proliferação de academias de ginástica, o exacerbado culto ao corpo, o aumento de índices de obesidade de escolares, a ampliação de espectadores ávidos pelas proezas atléticas e a organização de megaeventos esportivos, temas a serem discutidos no processo de formação de professores, de ensino-aprendizagem escolar e nos diferentes modos de estar no mundo hodierno. Tais situações nos colocam as seguintes inquietações: Quais sentidos sobre a educação do corpo foram historicamente construídos pelas escolas e instituições correlatas na realidade brasileira e internacional? Quais práticas compuseram a forma escolar em nome da pedagogização dos gestos, dos sentidos, das técnicas e da saúde do corpo? Como o conhecimento da experiência corporal dos homens vem sendo criado e recriado na relação com a natureza e a cultura? Quais dispositivos estiveram presentes no engendramento da educação física no currículo da instrução pública primária, secundária e de formação de professores?

As perguntas nos indicam que a temática do dossiê Corpo e educação: história, práticas e formação é pertinente pela demanda de apresentação de evidências empíricas e de debates teórico-metodológicos acerca das compreensões sobre os sujeitos constituídos histórica e socialmente em suas práticas corporais, experiências sensitivo-existenciais e formações educativas (não)escolarizadas. Assim, o dossiê traz a lume referências sobre as racionalidades médicas, as inovações pedagógicas, as questões biopolíticas, os valores estéticos escolares, as ecologias corporais, as disciplinas formativas e as políticas públicas de instrução voltadas a educar os corpos nas instituições e nas formas de viver o mundo sociocultural nas realidades brasileira e estrangeira.

O dossiê Corpo e educação: história, práticas e formação conta com nove artigos elaborados por reconhecidos pesquisadores das áreas de Educação e Educação Física. Os autores estão vinculados a programas de pós-graduação stricto sensu, a cursos de graduação e a institutos de pesquisa de universidades públicas em países como Argentina, Chile, França, Portugal e Brasil. A abrangência geográfica e a diversidade de assuntos abordados representam uma qualitativa amostra da produção de conhecimento sobre a temática corpo nos campos da Educação Física e da Educação em diálogo com o campo das Ciências Humanas. A organização dos textos segue a sequência da temporalidade e das temáticas. Objetivamos propiciar uma leitura que possibilite perceber como, a partir de práticas escolarizadas e não escolarizadas, o corpo é evidenciado em diferentes lugares e épocas.

Assim, o artigo Afranio Peixoto, perícia médica e a fabricação do corpo múltiplo no Brasil, de autoria de José Gonçalves Gondra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ), analisa o corpo educado no século XIX a partir da questão dos limites e das possibilidades de intervenção sobre os corpos no interior da ordem médica, entrecruzando com o campo da Educação, pautada na racionalidade científica, nos efeitos disciplinares e biopolíticos. O autor elegeu como fonte empírica um manual do médico Afranio Peixoto utilizado nos cursos de Medicina ofertados na cidade do Rio de Janeiro.

O artigo Das piruetas aos saltos: as diferentes manifestações da gymnastica (Rio de Janeiro - segunda metade do XIX), proposto por Anna Luiza Romão e Andrea Moreno (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG), revela como a gymnastica tornava-se, então, alvo de atenção escolar e em clubes, principalmente porque seria por meio dessa prática que o corpo se exercitaria e se educaria na modernidade desejada. A narrativa se desenvolve tendo como referência histórica a intervenção e a trajetória dos professores Paulo Vidal e Vicente Casali.

Considerando a crescente introdução dos saberes e das práticas corporais nas escolas primárias, Tony Honorato (Universidade Estadual de Londrina - UEL) e Ana Clara Bortoleto Nery (Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Neto” - UNESP) apresentam o manuscrito A educação do corpo na formação de professores nas escolas normais paulistas (1890-1931). Tendo como fonte os impressos pedagógicos, os autores debatem o porquê da presença das práticas corporais - gymnastica e escotismo - na formação de normalistas que deveriam empreender uma regeneração social nas escolas primárias do período republicano por meio dos bons hábitos de um corpo saudável e forte socialmente.

O artigo intitulado De fortificar la voluntad a desarrollar la personalidad: cuerpo y emociones en la educación chilena (1900-1950), de autoria de Pablo Toro Blanco (Universidad Alberto Hurtado - UAH), apresenta a realidade chilena a partir da história das emoções. Ao desenvolver uma interpretação hermenêutica da literatura educacional, a análise privilegia as mudanças na conceitualização sobre o corpo do escolar, particularmente as atribuições de sentido emocional praticadas na Educação Física como base da nova natureza dos sujeitos controlados e disciplinarizados.

Em O modelo pedagógico da Escola Oficina nº 1: corpo, regras e práticas no quotidiano de uma instituição alternativa, Maria João Mogarro (Universidade de Lisboa - ULisboa) discorre sobre a criação e o funcionamento de uma escola alternativa com origem e financiamento da maçonaria e à sombra do movimento operário anarco-revolucionário. Em Portugal, a Escola Oficina nº 1 refletiu numa espécie de controle dos corpos e das almas em nome de uma educação integral dos alunos no início do século XX.

Sobre a realidade brasileira, Elizabeth Figueiredo de Sá (Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT), no artigo A educação dos corpos infantis no projeto mato-grossense de formação do cidadão republicano (1910-1930), analisa as finalidades que permearam a implantação da disciplina gymnastica no ensino público primário mato-grossense. Os saberes e as práticas gímnicos influenciaram na construção da identidade entre os alunos, o que estaria em consonância com um projeto de formação nacional do novo cidadão idealizado, no caso, a reforma da instrução pública empreendida por Leowigildo Martins de Mello e Gustavo Kuhlmann.

Nos anos 1930, também acontecia a institucionalização, não escolar, de práticas corporais que foram decisivas para compreendermos a educação do corpo na cultura brasileira: estamos a falar da capoeira. Assim, no artigo Educação, jogo de corpo e mandiga na capoeira de Bimba, Ricardo de Figueiredo Lucena (Universidade Federal da Paraíba - UFPB) e Nilene Matos Trigueiro (Instituto Federal do Ceará (IFCE) Campus Juazeiro do Norte) narram como a capoeira escrava, criminalizada e violenta foi ressignificada, sob a influência de Mestre Bimba, ao final do século XIX, transformando-se em esporte nacionalmente conhecido como “ginástica” brasileira a ser ensinada, no início do século XX.

Ao apresentar a estética escolar como objeto histórico-educativo para a compreensão do corpo, Myriam Southwell (Universidade Nacional de La Plata), no texto Discurso y metáfora: dos claves para analizar el cuerpo en la escuela, analisa os Anais de Educação da Argentina (1858-atual), interpreta que, ao longo dos séculos XIX e XX, as sociedades modernas converteram a escola em uma ferramenta privilegiada para levar a cabo os potentes processos de padronização dos costumes, das práticas e dos valores, tendo como referência o regime estético objetivado no discurso político sobre as sensibilidades e as emoções dos corpos.

Pensando a educação do corpo como uma forma de expressão do ser no mundo, o artigo Corpo, expressão e educação na natureza, de autoria de Terezinha Petrucia da Nóbrega (Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN), Bernard Andrieu (Universidade Paris Descartes - França), Luiz Arthur Nunes da Silva (UFRN) e Laís Saraiva Torres (UFRN), problematiza, ao analisar a obra de Georges Hébert e Émile Jaques-Dalcroze, a questão da passagem da natureza à cultura e da cultura à natureza. Como desdobramento, o naturismo funda e atualiza os princípios da ecologia corporal com o processo de educação.

Assim, ao divulgarmos este dossiê com o conjunto de artigos aqui reunidos, nossa expectativa é ampliar análises e debates sobre a temática Corpo e Educação balizados pelas questões da história, das práticas corporais e das dinâmicas formativas dos sujeitos.

REFERÊNCIA

VINCENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.3, p. 7-47, jun. 2001. [ Links ]

Received: April 24, 2017; Accepted: September 12, 2017

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons