SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26The city of São Paulo and its dynamics: graffiti, Clean City Act and urban advertisingEnfhyteusis, land demarcation and land alignment: the performance of Belém’s City Council in urban configuration and land management during the 19th century author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material

Print version ISSN 0101-4714On-line version ISSN 1982-0267

An. mus. paul. vol.26  São Paulo  2018  Epub Dec 03, 2018

http://dx.doi.org/10.1590/1982-02672018v26e26 

ESTUDOS DE CULTURA MATERIAL

O fio e os rastros da moda: comércio e sociabilidade em São Paulo no começo do século XX1

The threads and traces of fashion: commerce and sociability in São Paulo at the beginning of the 20 th century

PHILIPPE ARTHUR DOS REIS1  2

1Universidade Estadual de Campinas / Campinas, SP, Brasil

RESUMO

Entre a passagem do século XIX para o XX a cidade de São Paulo passou por uma série de transformações materiais e nas formas de seus habitantes se relacionarem com o espaço urbano: a instalação de novos equipamentos urbanos; a intensificação da chegada de imigrantes; mudanças no sistema burocrático e administrativo municipal; a introdução de novos gostos e hábitos de consumo; a construção de inúmeras fábricas e de edificações comuns, dentre outros fatores, permitiram a expansão da cidade para além do seu núcleo inicial, conhecido como Triângulo ou Colina Histórica. Os setores médios participaram desse rol de transformações, notadamente na construção de edificações voltadas principalmente para moradia, aproveitando-se das oportunidades que o mercado rentista oferecia. Muitos desses edifícios foram projetados para cumprir uma função mista, congregando moradia e comércio, tipologia usual na porção leste da cidade, em especial no Brás. O bairro, conhecido por seu parque fabril, apresentou uma série de espaços comerciais que se dedicaram ao ramo de vestuário e estética pessoal, com lojas de roupas, alfaiates e profissionais ligados ao âmbito da joalheria. Neste artigo procuramos entender o papel dos proprietários desses espaços na configuração material do Brás e dos bairros próximos. Para tanto, recorre-se aos Sistemas de Informações Geográficas, espacializando diferentes fontes documentais.

PALAVRAS-CHAVE: História urbana; São Paulo; Brás; Moda; Classes médias; Sistema de Informações Geográficas Histórico.

ABSTRACT

The turn of the 20th century witnessed profound transformations in the city of São Paulo and new forms of its inhabitants will be related to urban space. The waves of immigrants who disembarked there, the installation of an urban infrastructure, a rationalization of the municipal bureaucracy, the introduction of new tastes and habits of consumption, the construction of innumerable factories, and a host of other factors culminated in the material production of a city expanding from its original core, known as the Triângulo or Historic Hill. The middle classes took part in this series of transformations, most notably through their involvement in the construction of residential buildings, taking advantage of the opportunities afforded by the rentier financial market. Many of these buildings would eventually be remodeled to combine residential and business functions - a process typical in the eastern part of the city, especially in the neighborhood of Brás. The neighborhood, known for its industrial park, was home to a number of commercial establishments dedicated to clothing and personal care, including stores, tailors, and professionals associated with the jewelry business. This article examines the role of the proprietors these spaces in the material configuration of Brás and nearby neighborhoods through the use of Geographic Information System (GIS), utilizing a variety of documentary sources to spatialize them.

KEYWORDS: Urban history; São Paulo; Brás; Fashion; Middle classes; Historical Geographic Information System

INTRODUÇÃO

A próxima conquista da moda feminina - o triumpho do calção-saia. Crê ella, que o triumpho desse traje, será certo, embora este haja encontrado alguma resistência por parte das senhorinhas e senhoras que pouco se preocupam com as imposições dos costureiros francezes […].

Diversas senhoras e senhorinhas, já se têm apresentado em publico, com o novo traje, não só em Pariz mas tambem em outros paizes, sendo ultimamente no Brasil; em toda a parte, porém, têm sido mal recebidas, excepção feita a S. Paulo, onde até foram victoriadas algumas portadoras das taes calças.3

Os trechos do artigo aqui tomados como epígrafe são parte de uma conturbada discussão no mundo da moda envolvendo o uso da saia-calça, também conhecida como jupe-culotte ou jupe-pantallon por mulheres da sociedade paulistana dos primeiros anos de 1910. Tal contenda foi protagonizada por uma mulher chamada Alice d’Oliveira, que escreveu um bilhetinho azul à direção do jornal A Concórdia por não se conformar com o silêncio do periódico sobre o assunto, desejando que a redação opinasse “sobre as calças femininas”. A resposta veio publicada no mesmo artigo, cujo redator demonstrava surpresa da missiva recebida, lamentando por não ter “a honra de conhecer a senhorinha”. O autor da resposta, Santelmo Romariz, argumenta à leitora que a preocupação dos costureiros parisienses é

proporcionar ao bello sexo, não o mais aconselhável modo de se vestir, de accordo com a commodidade e a moral, mas tendo em vista unicamente o fabuloso lucro que as ininterruptas modificações no vestuário feminino, lhes permittem auferir. E conseguem geralmente seu fim, dada a sabida instabilidade do espírito feminino.

Esse argumento demonstra o posicionamento de homem que expressava valores e modos de comportamento de uma sociedade em processo de urbanização e, ao mesmo tempo, manifestava seu descontentamento diante das mudanças protagonizadas pelo gosto feminino, o qual ganhava projeção.

Mesmo considerando que o calção-saia não tinha nada de elegante, Santelmo Romariz não via razão para vaiar as mulheres que optavam por seu uso, como vinha acontecendo ao longo do conturbado ano de 1911. O colunista interpretava isso como “um acto de descortesia flagrante, para com o sexo frágil, apupa-lo4 porque ele pretende trajar-se de um modo que lhe proporciona toda a commodidade que não encontra nas saias travadas”. Esse argumento ia de encontro ao não posicionamento do jornal A Concórdia, que não fez questão de trazer à memória do público leitor os embates na capital paulista sobre o uso da saia-calça. Publicada em 2 de abril de 1911, a resposta do jornal ao bilhetinho azul de Alice d’Oliveira parece desconhecer que no mês anterior uma grande comoção se fez na cidade, contra e a favor da peça que caía no gosto do público feminino. Hermínia Gonçalves, esposa de José Leonardo Gonçalves, secretário do famoso teatro Polytheama, protagonizou um desses episódios, caminhando com sua jupe-culotte no Hipódromo da Mooca ao som de muitas palmas, caso que foi registrado e estampado num dos jornais de maior circulação em São Paulo (Figura 1).

Figura 1 Uso da jupe-culotte por Hermínia Gonçalves, quando, junto de seu esposo, José Leonardo Gonçalves, visitavam o Hipódromo, na Mooca, espaço de lazer e sociabilidade da porção leste da cidade de São Paulo. Fonte: O Estado de S. Paulo (1917, p. 3). 

Romariz sabia da contestação que ocorria em São Paulo, e certamente tinha contato com a discussão que ganhava ares internacionais, atingindo Buenos Aires (onde há registro de mulheres agredidas por usarem a saia-calça),5 Paris, onde surgiu o traje, e cidades brasileiras como Porto Alegre e Rio de Janeiro. Barbuy pontua que a peça era “associada não só a emancipação feminina, mas aos novos tempos de prática de exercícios físicos recomendada para homens e mulheres, de esporte e ação como atitudes modernas”.6 A escolha do jornalista de enquadrar a São Paulo republicana como espaço sem conflito e possivelmente aberto para as mulheres manifestarem o gosto pela nova indumentária alinhava-se a um ideal de abertura da cidade às mudanças dos hábitos de consumo, que passavam a ficar cada vez mais evidentes na população, nos novos edifícios e padrões urbanísticos e, por que não, nas roupas que ganhavam as ruas paulistanas. Os casos de Alice d’Oliveira e Hermínia Gonçalves são consonantes à ideologia e ao modo de vida que os setores médios paulatinamente assumem ao longo das primeiras décadas do século XX, manifestando seus desejos individuais e consumindo novos produtos que circulavam amplamente, como as jupes-culottes usadas pelas mulheres em São Paulo, além de uma infinidade de produtos franceses, ingleses, alemães e de diversas outras nacionalidades.

As mudanças de comportamento no consumo paulistano se relacionavam diretamente com as transformações urbanas observadas desde o final do século XIX, as quais foram alvo de intensos debates entre diferentes sujeitos ligados ao planejamento da cidade e ao mercado imobiliário.7 Entre 1906 e 1915 a construção de imóveis cresceu em São Paulo como nunca antes visto, principalmente em bairros que circundavam a região central, fenômeno intimamente ligado à população que ali se estabelecia e ao consequente aumento do consumo de bens e serviços oferecidos nas diferentes regiões paulistanas.8 No processo de urbanização da cidade, parte desses bens e serviços tiveram importante papel, sobretudo aqueles que eram de propriedade dos setores médios e populares -raramente explorados para compreender a produção material de São Paulo no começo do século XX.

SÃO PAULO: CIDADE DE DIFERENTES SUJEITOS, AÇÕES E TEMPORALIDADES

A partir da segunda metade do século XIX, São Paulo passou a ser alvo de observação de diferentes sujeitos, que registraram sob variadas perspectivas a materialidade ali construída e os diversos aspectos sociais que caminhavam junto com o intenso processo de urbanização. Fotógrafos, jornalistas, cronistas, arquitetos, engenheiros, políticos, sindicalistas, advogados e muitos outros auxiliaram na formação da ideia comum de uma cidade que crescia para além dos limites do que se convencionou chamar de Centro, ou Triângulo Histórico.9 Tal discurso que se enraizava também serviu de guia para demarcar a história da cidade como um processo de transformação contínuo e linear, por meio de nomes que a identificaram temporalmente como burgo de estudantes, metrópole do café, cidade dos jesuítas ou cidade bandeirante, auxiliando a forjar uma memória histórica em torno de determinados sujeitos em detrimento de outros.

Partícipes desse processo, os setores médios foram alvo de investigações no decorrer do século XX, tornando-se objeto de estudo de diferentes áreas do conhecimento. Saes10 forneceu algumas indicações sobre o perfil político, econômico e social desse grupo no cenário brasileiro da passagem do século XIX para o XX, destacando sua heterogeneidade. Trata-se de sujeitos situados entre aqueles que possuíam altos índices rentistas e a classe operária, mas não necessariamente compunham um grupo unificado como os demais. De acordo com Carone,11 muitos dos sujeitos que formaram os setores médios das cidades brasileiras na Primeira República provinham das diversas mudanças sofridas pela economia interiorana desde o final da primeira metade do século XIX, grupos que aos poucos perderam seus rendimentos e viam na capital um espaço para angariar novos fundos de investimento, dada a vasta população que ali se instalou.12

Atento à explosão industrial do estado, essencialmente na capital, Carone destaca o papel dos imigrantes no processo de formação da cidade, observando que muitos atuaram em diversos ramos de produção e venda de artigos de primeira necessidade, como alimentação e vestuário dos setores médios. Esses homens e mulheres também foram parte significativa do mercado imobiliário rentista então vigente em São Paulo, financiando a construção de casas para aluguel.

Oliveira13 evidenciou como os setores médios e intermediários paulistanos foram ativos em tecer relações sociais por meio de lojas, casas e armazéns, estabelecendo contato com os setores mais remediados e precarizados da sociedade paulistana da segunda metade do século XIX. Além disso, estavam atentos aos fundamentos e aplicações da legislação urbanística em discussão, que recairiam sobre suas construções. Muitos dos sujeitos que compunham os setores médios e intermediários atuaram no centro da cidade de São Paulo e, de forma parecida, em bairros adjacentes como o Brás. Foi ali que muitos constituíram relações sociais, a partir da exploração do mercado imobiliário rentista e do oferecimento de crédito em armazéns, criando vínculos de confiança, além do contato com aqueles que podiam tecer relações diretas com o poder municipal para a execução de melhoramentos no bairro.14

Inicialmente encarado como uma forma de diversificação das fontes de renda, aos poucos o mercado imobiliário rentista se tornou um investimento dos mais diversos grupos sociais, de grandes proprietários a operários, de construtores sem diplomação a engenheiros e arquitetos, de nacionais a imigrantes, que atuaram não só no Brás, mas em boa parte do perímetro urbano paulistano. Participaram do processo até mesmo “famílias pobres que exploravam essas brechas no mercado que se adaptava à crescente demanda”,15 respaldado pelo aumento populacional sentido na cidade. À medida que São Paulo expandia seu número de habitantes, novos espaços se tornavam alvo da especulação imobiliária, o que ia de encontro ao aumento da procura por moradia. A carência de ofertas estimulou os proprietários das chácaras que circundavam as porções centrais da cidade a loteá-las, o que incentivou a construção de edificações voltadas para atender a demanda dessa população, principalmente nos bairros que passavam a contar com relativa infraestrutura, como linhas férreas, linhas de bonde, água encanada, esgoto e energia elétrica (Figuras 2 e 3).

Figura 2 Largo do Brás, diante da Avenida Rangel Pestana parcialmente arborizada, com trilhos de bonde e servida por energia elétrica (como se pode observar pelos fios nos postes), mas à noite iluminada por combustores de gás. À direita a Igreja Matriz de Bom Jesus do Brás, sem as torres; ao fundo, comércios com toldos, aparentemente como os da região central. Fotografia: Aurélio Becherini, 1914. Fonte: Museu da Cidade de São Paulo. 

Figura 3 Continuação da Avenida Rangel Pestana vista a partir do Largo do Brás. Note-se a série de toldos que se espraiava pela via, demarcando o comércio varejista, além do bonde, um dos símbolos de modernização da época. Fotografia: Aurélio Becherini, 1914. Fonte: Museu da Cidade de São Paulo. 

As construções nas Figuras 2 e 3 demarcam não apenas o crescimento material da cidade, mas, quando cotejadas com outras fontes, também permitem identificar seus proprietários e usos. Como parte do registro da capital paulista que se construía no começo do século XX, a série Obras Particulares, do Arquivo Histórico Municipal de São Paulo, permite identificar alguns desses sujeitos e compreendê-los como agentes do processo de urbanização da cidade. A coleção descreve, principalmente pela descrição das obras que esses indivíduos desejavam realizar em seus terrenos, bem como as redes de contato que eles estabeleciam com a municipalidade por meio de requerimentos costumeiramente escritos à mão, quase sempre acompanhados de uma planta para representar os desejos de construção ou reforma do requerente (que podia ser o proprietário ou um construtor, ou eventualmente um terceiro).16 Além das intenções do mundo privado, destaca-se que junto dos requerimentos encontramos as respostas dos representantes da municipalidade, como fiscais, engenheiros e arquitetos que trabalhavam na busca de um ordenamento da cidade, sendo amparados por um conjunto de leis que regulavam a construção, como o Código de Posturas, de 1886, e o Código Sanitário Estadual, de 1894.17

A série Obras Particulares permite então conhecer a materialidade dos imóveis, suas tipologias e programas edilícios, por contemplar alguns dos seus usos nos respectivos endereços. Quando analisada junto com outras séries documentais, possibilita reconstituir o perfil de certas ruas e a tessitura (planimetria e volumetria) dos bairros da cidade. Ao analisar o conjunto com maior atenção, é possível identificar os proprietários e construtores desses imóveis, bem como os agentes públicos que estiveram atentos às diretrizes legais em cada pedido de construção feito à Prefeitura Municipal desde o final do século XIX, além de seus respectivos pareceres e dos embates que travavam entre si e com o mundo privado. Logo, pode-se compreender as partes da materialidade, as relações sociais e tensões entre os diferentes moradores da São Paulo do começo do século XX.

A documentação indica que muito do que foi edificado na cidade entre 1906 e 191518 cumpria essencialmente funções residenciais, sobretudo nos bairros que se formavam nas bordas do centro, como Vila Mariana, Lapa, Mooca, Brás e Belenzinho. Podemos observar também uma série de fábricas, comércios, cocheiras, escolas e outros pedidos que evidenciam os sujeitos que investiam nessas e em outras construções de São Paulo. Agentes da urbanização das cidades modernas, os setores médios ganham relevância como financiadores da construção de São Paulo desde a segunda metade do século XIX, pois se tornam o principal grupo a explorar as brechas do mercado rentista em diversas ações comerciais. Assim, muito do que foi construído na cidade sob a chancela oficial até o ano de 1915 esteve intimamente ligado a esse grupo, que financiou a construção de casas em série, vilas operárias, cortiços, casas com padrão mínimo (também conhecidas como “casas de operários”, conforme apontam os títulos das Figuras 4 e 5).19 Nesse cenário, muitas vezes moradia e comércio se conjugavam no mesmo lote, aproveitando o cômodo da frente da residência para explorar o potencial do varejo, como aponta o “Projecto para construcção de 2 casas operarias nos fundos do terreno sito à rua Barão de Ladário nº 150” (Figura 4), cujo proprietário, Pedro Gomes da Silva, buscou deixar um espaço livre de 160 m² na frente do terreno. Já o “Projecto de uma casa para Trabalhadores”, de Micheli Lavieri, na rua Azevedo Júnior entre os números 9 e 11, aproveitou ao máximo o lote ao determinar que a diminuta casa ocupasse o terreno e atendesse aos preceitos higiênicos em voga, como incidência de luz solar (Figura 5).

Figura 5 Projecto de uma casa para Trabalhadores, rua Azevedo Junior, entre os números 9 e 11. Fonte: Arquivo Histórico Municipal de São Paulo. 

A reconstituição da materialidade do Brás entre 1906 e 1915 pode ser lida como um processo com ritmos, compassos e descompassos, visível ao analisarmos um minucioso conjunto de fontes, para além da série Obras Particulares, em busca dos possíveis usos dos imóveis edificados, como armazéns, lojas, botequins, armarinhos e outros comércios - os quais, em grande parte, não foram esboçados naqueles pedidos de reforma ou construção. Essa multiplicidade de usos das construções não se circunscreveu ao bairro do Brás, mas foi uma dinâmica que se espraiou por toda a cidade, como atestam as pesquisas de Borin sobre a Barra Funda; de Carvalho sobre a Vila Mariana; de Gennari sobre o Brás e a Mooca; e de Schneck sobre o bairro do Bixiga.20

Assim, enriquecemos o debate a respeito da materialidade do Brás cruzando os pedidos de construção e reforma com os almanaques comerciais, cujas páginas trazem as lojas, os envolvidos nas atividades mercantis, endereços de repartições públicas, nomes de profissionais que atuavam em escritórios particulares e mesmo aqueles que prestavam serviços cotidianamente, como profissionais liberais. Os almanaques proporcionam ao pesquisador uma informação riquíssima: endereço completo de cada item publicado, às vezes com telefones, telégrafos e caixas postais, viabilizando análises profundas sobre as regiões que podem ser estudadas. Tais materiais, quando aliados às fontes cartográficas, oferecem melhor compreensão da atuação dos sujeitos no processo de produção espacial da cidade. A análise das fontes numa perspectiva de conjunto permite não apenas reconstituir a materialidade, mas também entrever as intenções dos agentes produtores em estabelecer seus empreendimentos comerciais em determinados espaços em detrimento de outros.

O FIO E OS RASTROS DA MODA: O BRÁS E A PRODUÇÃO DE TECIDOS E ROUPAS PARA SÃO PAULO

Acompanhando a construção de edifícios e o estabelecimento de novos habitantes na cidade, novos gostos se faziam, e outras demandas se apresentavam. Desde finais do século XIX a produção de artigos ligados à indústria têxtil teve significativo crescimento, auxiliado pela adoção de maquinários que aumentavam a produção e possibilitavam atender o crescente mercado interno de serviços, como hospitais, ambientes militares e fabris, mas principalmente o público em geral, que podia contar com uma maior variedade desses produtos. Se “nada se igualou, no Triângulo, à quantidade de oficinas e lojas voltadas para o ramo do vestuário”,21 no Brás não fora diferente. O bairro contou com uma imensa rede de armarinhos e lojas de fazendas, fábricas e lojas de calçados, chapelarias, alfaiatarias, fábricas e lojas de bordados, rendas, meias, tecidos de lã, tecidos de aniagem, tinturaria, colchoaria. Assim, o Brás atendia o operariado e os setores médios da região e até mesmo de outras porções da cidade, formando um polo de venda dos mais variados artigos de tecido e vestuário de São Paulo no começo do século XX.

Sobre a produção de tecidos na capital paulista, muito se observou a partir dos grandes complexos industriais formados nas bordas da cidade, deixando de lado os pequenos e médios comerciantes e produtores do artefato. A indústria têxtil avançou sobremaneira em São Paulo, formando uma das principais forças de empregabilidade do operariado local, ao mesmo tempo que atendia o consumo da população que ali se estabelecia. Segundo Carone, grande parte desse tecido era voltado para uso doméstico ou para o vestuário de um público com poucos recursos, pois a maioria das fábricas produzia “tecidos crus e tintos, chitas, morins e brins, tecidos riscados, zefirs, cassinetas, colchas, atoalhados, xales, etc.”.22 Para o historiador, essa indústria não atendia a totalidade da população paulistana, pois “os tecidos para vestimentas da classe média e alta” não eram fabricados no Brasil; assim, o estado de São Paulo importava grande volume desses produtos a fim de suprir suas demandas,23 visto que os imigrantes, além de trabalharem e consumirem nas cidades,

possuíam, em geral, necessidades mais sofisticadas do que os nativos, alargando assim o mercado interno. Em suma, os imigrantes transplantavam novas atitudes, técnicas e atividades; têm maior ambição; seu consumo incluía artigos industriais em maior quantidade e qualidade; era outra sua atitude diante do trabalho; eram, em conjunto, melhor qualificados profissionalmente, sua mentalidade de poupança era mais desenvolvida; características essas mais condizentes com o crescimento econômico capitalista.24

A leitura de Carone pode ser contestada, pois além de induzir um juízo de valor sobre a presença do imigrante na cidade, não percebe que a produção e o consumo de novas roupas era um fator comum às cidades do final do século XIX, justamente por conta das ondas migratórias que ocorriam no contexto capitalista. Barbuy investigou o consumo de roupas e artigos de luxo na região central de São Paulo, espaço que, para a autora, polarizou um destacado número de lojas e locais voltados à venda desses produtos na cidade, especificamente para as camadas altas. Trata-se de alfaiates e costureiras que vendiam e confeccionavam, a partir de seus tecidos elegantes, chapéus e vestidos conforme uma suposta moda europeia, a qual dominava o cenário paulistano, essencialmente sob inspiração de lojas francesas como À la Belle Jardinière, Au Bon Marche, Au Paradis des Enfants, dentre muitas outras que se consagrariam como espaços do requinte e da moda.

No caso do Brás, o comércio de luxo não foi intenso, mas abundavam em suas ruas as lojas de vestuário comum, formando uma clientela oriunda de diferentes áreas da cidade. Tais clientes procuravam roupas para o dia a dia e para trabalhos cotidianos, que pudessem suprir as necessidades do corpo e ao mesmo momento satisfazer aspectos sociais da moda. Um desses aspectos é representado pela sátira ao velho rifão (Figura 6), usando calças, terno, chapéu, sapatos e barba, imagem que remete à típica figura do homem burguês.25

Figura 6 Caricatura de um “velho rifão”, vestido segundo a moda masculina do começo do século XX. Fonte: A Concórdia (1906, p. 2). 

Uma das capas do jornal do bairro (Figura 7) fornece algumas pistas de como a população do Brás e região se vestia nos primeiros anos de 1900. Apesar da aparente harmonia entre homens e mulheres na imagem - todos de mãos dadas, indicando união e uma identidade do bairro sede do jornal - o periódico se intitulava um “orgam defensor das classes proletárias”. O que nos chama a atenção na encenação das personagens é que o movimento só é possível em função das roupas, sobrepostas aos corpos que parecem caminhar e dançar: enquanto os vestidos se movimentam conforme as mulheres dão um passo à frente, e as saias e camisas frisam partes de seus corpos, as justas roupas dos homens, formadas por calças, camisas e paletós, e eventualmente chapéus, sugerem a ideia de balanço e comando. Analisando as roupas e os gestos dos sujeitos na imagem, realmente poderíamos dizer que representam “proletários”, ou a proposta do periódico era construir e firmar uma imagem para o bairro ligada ao mundo do trabalho? Podemos ir além, questionando se esses sujeitos da capa do jornal A Concórdia não seriam representações dos setores médios, que utilizavam de conceitos referentes ao mundo do trabalho a fim de serem identificados como defensores do proletariado.

Figura 7 Jornal A Concórdia (1906, p. 1). Fonte: Acervo Arquivo Público do Estado de São Paulo. 

O entrecruzamento dos anúncios de comércios no Brás, presentes no Almanak Laemmert (edições de 1901 a 1915) e nos jornais do bairro, com os projetos de construção e reforma das Obras Particulares, ou com vistas da série Polícia e Higiene,26 permitiu-nos elaborar um banco de dados que foi organizado segundo os endereços mencionados em cada fonte, rua a rua, com numeração ordenada de modo crescente. Nosso objetivo de mapear a produção de comércios ligados ao mundo da moda e o vestuário no Brás e em regiões próximas pôde ser atingido por meio de uma metodologia de espacialização cartográfica, contando com apoio de um software livre de Sistemas de Informações Geográficas (SIG), o gvSIG. Uma das principais funções do gvSIG consiste em auxiliar pesquisadores a armazenar, gerenciar, manipular, processar, exibir e publicar diferentes dados, localizando espacialmente aquilo que o pesquisador deseja. Para Rabelatto e Freitas, o uso de ferramentas como o SIG fornece ao historiador novas possibilidades de pesquisa, uma nova forma de análise da história,

ao possibilitar apresentar dados de maneiras diferentes (por exemplo, com diferentes simbologias, sistemas de classificação, vários detalhes ou projeções) potencializa-se a interpretação, validação e exploração da maneira como a mensagem transmitida no mapa é afetada e, assim, problematiza-se o objeto do estudo.27

Contamos com o apoio de três bases cartográficas para a realização deste trabalho: a Planta Geral da Capital de São Paulo, organizada pelo então intendente municipal Pedro Augusto Gomes Cardim em 1897; a Planta industrial e commercial da cidade de São Paulo, editada por Thomas & Cia em 1911;28 e a Planta da cidade de São Paulo levantada pelaDivisão Cadastral, de 1916. As três plantas apresentam valiosas informações que, quando sobrepostas e analisadas em conjunto, permitem aferir questões que eventualmente não puderam ser encontradas pela única observação das já citadas fontes escritas e iconográficas. Logo, a confecção de mapas, além de auxiliar na localização dos pequenos e médios espaços dedicados à produção de artigos de vestuário e ornamentação pessoal, trouxe para o debate questões que até então pareciam exógenas, como redes de transporte e espaços de interesse social em São Paulo.

O conjunto cartográfico nos permite entrever ruas e espaços de diferentes interesses nas quase duas décadas estudadas, sejam eles equipamentos públicos ou particulares. Essas localizações tinham íntima relação com a instalação de comércios na cidade, como lojas de roupas, armarinhos e barbearias que atendiam aos moradores, operários e diversos outros sujeitos daquela região.

A metodologia aqui adotada tem referência nos trabalhos de Beatriz Bueno, que buscou identificar nas ações de determinados sujeitos da São Paulo do século XIX à primeira metade do XX as transformações materiais que a cidade enfrentou, essencialmente no processo de demolição e construção de edificações. Com apoio do SIG, Bueno reconstituiu espacialmente a localização e as modificações materiais de imóveis da região central de São Paulo, descortinando relações com o mercado imobiliário, o que permitiu identificar proprietários, locatários, valores fiscais, usos, datas, construtores e outros pontos que serviram de subsídio para compreender a história urbana e, sobretudo, para debater o lugar comum de substituição da arquitetura colonial pela eclética.29

Convém destacar que as plantas cartográficas apresentaram algumas balizas para a compreensão do processo de urbanização do Brás. Um primeiro ponto constatado é o arruamento, tentativa de representação fiel das ruas que existiam entre 1897 e 1916, como aquelas situadas na Vila Gomes Cardim, na região do Tatuapé, evidenciadas na primeira planta. Organizada pelo então intendente municipal, Gomes Cardim, essa planta estava associada às intenções de projetar na cidade áreas com possibilidade de rentabilização imobiliária, pois muitas nem sequer haviam sido loteadas. Kusvaney destaca que “a planta em questão consiste em um conjunto de intenções - públicas e privadas - com relação ao futuro da cidade, que crescia vertiginosamente em termos populacionais, ao mesmo tempo que transformações sociais e econômicas ocorriam”.30

Outro aspecto identificado foi a imprecisão geográfica de alguns pontos nas plantas, como vias terrestres e cursos fluviais. Apesar de haver sincronia entre os mapas na localização dos equipamentos urbanos, a mesma precisão não se deu na elaboração desses registros, resultando numa distorção espacial. O fato de não possuírem a mesma escala não nos impediu de cotejá-los com o Mapa Digital da Cidade, reunindo suas informações. O caso se aplica principalmente à Planta industrial e commercial da cidade de São Paulo, de 1911 - um registro pictórico, não um desenho preciso do tamanho das ruas e seus lotes, tendo como únicos espaços de representação da cidade o centro e o Brás. No entanto, sem essa planta os resultados aqui apresentados não existiriam, visto que nela consta a numeração de cada lote diante da rua.

Atrelada à identificação espacial das ruas e edifícios, e posteriormente de seus usos, a busca da localização exata desses elementos nas plantas tornou-se um dos principais pontos a considerar, pois, dada a proliferação intensa de edificações na cidade, constantemente os números eram alterados. O que nos auxiliou na delimitação espacial de imóveis, serviços e lojas ligadas ao mundo da moda da porção leste da cidade foi o cotejamento das diferentes fontes reunidas: endereço nos anúncios de almanaques comerciais e jornais; endereço dos pedidos de reforma e construção das obras particulares; informações extras, como pontos de referência do imóvel (esquina de uma rua, igreja, fábrica, antes ou depois de determinado número etc.); além do croqui de localização da obra, informando iconograficamente onde seria realizada a reforma ou construção. Por fim, a análise dos livros de emplacamento, também guardados no Arquivo Histórico Municipal de São Paulo, nos permitiu aferir a mudança dos endereços da Avenida Rangel Pestana até nossa data limite.31 Buscamos reconstituir espacialmente a localização exata desses edifícios, não em favor de uma suposta “verdade espacial”, mas em nome do compromisso com a história dos sujeitos envolvidos na urbanização e, assim, com a história da cidade.

O uso de SIG, com a visualização das informações coletadas, permitiu uma série de constatações e estimulou novas perguntas a partir da espacialização das casas comerciais ligadas ao mundo da moda, em paralelo com a urbanização da porção leste da cidade de São Paulo desde o final do século XIX até o ano de 1915. Nosso objetivo não foi abarcar a totalidade desse tipo comercial na época, mas evidenciar o dinamismo presente em outra área da cidade que não a central, e assim compreender o papel do comércio de roupas, artigos e serviços ligados ao vestuário, como joalheiros e barbeiros, na formação da materialidade de São Paulo. Essa perspectiva não se encaixa no lugar comum de compreender o Brás como um bairro unicamente operário e fabril.

Numa analogia com o trabalho do historiador italiano Carlo Ginzburg,32 nossa proposta é identificar “o fio e os rastros” no processo de formação do Brás e dos bairros próximos, uma área que se destacou ao longo do tempo pelo comércio de roupas, principalmente para as camadas médias e pobres da cidade. O bairro, identificado por memorialistas e cronistas como um espaço industrial e continuamente associado a operários e imigrantes, foi por nós esmiuçado de modo a identificar o que ali se produziu materialmente entre o final do século XIX e o ano de 1915, evidenciando uma série de tipologias edilícias e sujeitos que não aqueles reiterados pela historiografia. Por exemplo, constatamos que o grande conjunto arquitetônico do bairro foi o de residências, com variados programas de necessidades e partidos arquitetônicos,33 e que a maioria dos proprietários se aproveitava da carestia habitacional para construir novas casas, bem como para fazer de um dos cômodos (quase sempre a supressão de um quarto ou sala de frente para a rua) um comércio, transformando o imóvel em um edifício misto.34

Ao longo do século XX a porção leste de São Paulo ficou conhecida como espaço fabril que produzia gêneros de primeira necessidade para o município e mesmo para outras regiões do estado e do país. Tal compreensão foi forjada por monografias e crônicas que, apesar de destacarem um interessante rol de documentos, recaem em ideias generalizantes e vangloriam a ação do empresariado, como o trabalho de Torres,35 discípula de Ernani Silva Bruno. Fábricas de fundição, alimentos, materiais para construção e de móveis compunham grande parte da paisagem urbana dessa porção da cidade, mas não foram as únicas edificadas, visto o elevado número de pequenos e médios empreendimentos executados até 1915 (data base da disponibilização on-line da série Obras Particulares). Propomos uma compreensão da pluralidade material da cidade, notadamente dos diversos sujeitos envolvidos na sua produção.36

Dois autores do começo do século XX voltaram seus olhares para os espaços industriais de São Paulo, sobretudo para o Brás e sua produção têxtil. Um deles, o geógrafo Alfredo Moreira Pinto, autor de A cidade de São Paulo em 1900, faz um balanço de sua visita à capital paulista naquele ano, destacando diversos aspectos históricos e geográficos dessa viagem, como um mapeamento de igrejas, repartições públicas, instituições dedicadas à educação e profissionalização, jornais, grupos e associações com pretensão “científica” e “literária”, mercados, espaços de lazer, hotéis, cemitérios, logradouros, subdivisões do município e, principalmente, suas fábricas. Ainda na introdução, o autor demarca o “mal-estar” causado pelas transformações observadas na cidade, visão alimentada por lembranças de quando era estudante da Faculdade de Direito, pois “o Braz, a Mooca e o Pary eram então insignificantes povoados com algumas casas de sapê, que a medo erguiam-se no meio de espessos mattagaes”.37 O autor complementa:

era então S. Paulo uma cidade puramente paulista, hoje é uma cidade italiana! Naquelles tempos usavas calças de brim, paletós sacco e chapeo de palha; hoje envergas casaca, usas colarinho a Luiz XIV, gravata de setim branco, botinas de verniz e tens à cabeça um vistoso caster ou debaixo do braço o aristocrático claque.38

Pela leitura do trecho nota-se que o autor enxerga as mudanças materiais da cidade por meio dos novos gostos de vestuário, decorrentes da chegada em massa do elemento imigrante, no caso de italianos, encarados até então com um olhar positivo, como consumidores e operários da capital. Ao citar a Fábrica de Tecidos do Braz, de Antônio Álvares Penteado, entre a rua Rodrigues dos Santos e em frente às ruas Florida e Cruz Branca,39 Pinto destaca o fato de ela ser a primeira de grande porte na capital paulista, instalada ainda no final do século XIX, com um complexo industrial formado por duas fábricas, uma destinada à produção de tecidos de lã e outra, à produção de aniagens para confecção de sacos para exportação de café. O complexo contava com seiscentos operários, que produziam diariamente cerca de 60 mil metros de tecido, em mais de 2 mil teares, e 80 mil parafusos. Essa produção era exportada para outras regiões do país, como os estados do Sul e o Rio de Janeiro.40

Interessante é notar que essa descrição minuciosa do empreendimento fundado em 1889 não se circunscrevia ao destaque de sua exata localização e do seu número de operários; a intenção do autor era trazer à tona o interior das fábricas, dentre elas, uma que produzia aniagem e media cerca de 20 mil m², alimentada por cem máquinas auxiliares com dois vapores do sistema compound, que propiciavam economia de vapor, água e combustível. Além das máquinas, quatro caldeiras forneciam energia para a fábrica, alimentadas a carvão mineral e água, esta vinda da região da Mooca “por meio de tubos, que atravessam diversas ruas do Braz, a um outro grande reservatório situado a quatro quilômetros da fábrica, em terrenos do mesmo proprietário, com capacidade de 50.000.000 de litros”.41 Essa energia era manipulada pelo trabalho de mais de mil operários, a maioria italianos, dos quais 90% eram mulheres. Dois anos depois da publicação, esses operários fizeram uma intensa greve na antevéspera de Natal, registrada pelo jornal Correio Paulistano em 24 de dezembro de 1902.42

O outro autor do começo do século XX a abordar o cenário industrial de São Paulo foi Antônio Francisco Bandeira Júnior, que também observou a Fábrica de Tecidos do Braz. No livro A indústria no Estado de São Paulo, de 1901, Bandeira Júnior listou um total de 145 empreendimentos fabris na cidade, com variações nas datas de fundação, no número de máquinas e na quantidade de funcionários, apontando a nacionalidade destes, caso fossem estrangeiros, além dos números da produção anual. O autor afirma que a Fábrica de Tecidos do Braz teve um papel essencial no bairro. O autor antevia:

dentro de poucos anos, será o primeiro bairro comercial, por isso que reúne todas as condições necessárias a uma Village desse gênero. Bem cêdo o compreendeu o perspicaz Snr. Penteado, escolhendo-o para edificar os soberbos edifícios onde funccionam as fabricas e mais outro em que habitam muitos dos seus numerosos operários.43

Segundo Bandeira Júnior, a fábrica de aniagem ocupava uma área de 12 mil m², e suas “oficinas e todas as dependências são vastas, claras, arejadas e limpas, observando-se logo à primeira vista, que a construcção obdeceu á todas as regras da arte e da hygiene, indispensáveis ás obras dessa natureza”. A descrição do autor demonstra a preocupação em assegurar que a produção de tecidos ali realizada estava em sintonia com a legislação em vigor na cidade de São Paulo desde finais do século XIX, particularmente com o Código Sanitário de 1894. A fábrica de aniagem empregava oitocentos operários, que produziam os tecidos com rapidez: “a primeira officina é destinada ao preparo dos fios, que passam aos carreteis, destes para os medideiros, destes para as machinas de engomar, indo finalmente para os teares, em número superior a seiscentos”.44 Já a fábrica destinada aos tecidos de lã, fundada em 1898, se situava num edifício de 10 mil m², também servido pelos motores do sistema compound e “gosando das mesmas vantagens de locomoção”; empregava cerca de 150 operários de ambos os sexos.45

Com um sistema de produção distribuído em sete etapas, a fábrica seguia alguns padrões de divisão do trabalho. Na primeira seção os empregados trabalhavam em máquinas de urdir e engomar tecidos, passar os rolos, fazer estulos e carreteis. Na segunda, diversas máquinas de lavagem preparavam os tecidos para a etapa seguinte, dedicada à tinturaria, com maquinismos e tanques. A quarta seção se destinava ao processo de secagem, e a quinta às máquinas de tesourar (tirar o grande volume de pelos que permanecia no tecido, trabalho realizado com auxílio de tesouras cilíndricas), o que facilitava a próxima fase, responsável por alisar os tecidos nas calandras. Na última etapa do sistema de produção, com a máquina chamada decatril, o tecido era imerso num banho de vapor que tirava todo o “lustre desnecessário”, para que então pudesse ser “medido, pesado, dobrado, enrolado e enfardado afinal, recebendo logo a marca e o número correspondente”.46

Bandeira Júnior destacou uma terceira fábrica de tecidos, localizada na divisa do Brás com o Belenzinho: a Fábrica a Vapor de Tecidos São Paulo. Fundada em janeiro de 1897, por Alexandre Ranzini,47 produzia “artigos de primeira qualidade”: anualmente, eram 15 mil metros de casimira, 3 mil metros de xales e 2 mil metros de palas com o trabalho de 32 funcionários, entre nacionais (um homem, seis mulheres e uma criança) e estrangeiros (doze homens, dez mulheres e dois menores).48 O espaço não contou com a mesma atenção dos anteriormente tratados na obra de Bandeira Júnior - o que se evidencia nos elogios às primeiras empresas e a seus respectivos proprietários -, talvez não apenas pelo tamanho, mas pela possível descendência estrangeira do empresário, que aos poucos enriquecia e não podia ser igualado aos nacionais.

No levantamento dos pedidos de reforma e construção da série Obras Particulares aparecem muitos outros empreendimentos fabris do Brás dedicados à produção de tecidos e gêneros de vestuário que não foram descritos nas obras de Moreira Pinto e Bandeira Júnior. Dos grandes complexos industriais encontrados podemos destacar as Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo (IRFM), a Companhia Nacional de Tecidos de Juta (CNTJ), a Companhia Paulista de Aniagem (antiga Fábrica Santana, incorporada à CNTJ), o Cotonifício Rodolfo Crespi, a Fábrica Brasileira de Alpargatas e Calçados, a Companhia de Calçados Clark, e a Tecelagem de Seda Ítalo-Brasileira (posteriormente incorporada ao grupo Matarazzo).

As IRFM tiveram papel de destaque na produção artigos de primeira necessidade na capital paulista, pois, além de tecidos, dedicavam-se ao ramo alimentício, em espaços como o Moinho Matarazzo, na rua Monsenhor Andrade, e a fábrica de goma de arroz, na Avenida Celso Garcia. Com um núcleo fabril que buscou racionalizar sua produção, é de destacar que as IRFM utilizavam carvão como força motriz para o maquinário ali instalado, assim como a Fábrica de Tecidos do Braz e a Fábrica a Vapor de Alexandre Ranzini.

Já a Alpargatas, fundada pelo escocês Robert Fraser, que chega ao Brasil no ano de 1907, formava na rua Concórdia49 um complexo industrial que se espraiava diante da ferrovia, com espaços dedicados à montagem de calçados, estoque e posterior distribuição para venda na cidade e no país. A fábrica passou por intensas transformações ao longo do tempo, conforme registrado nos pedidos de reforma e construção da série Obras Particulares.50 A Figura 8 evidencia esse processo, caracterizado pelo aumento do espaço produtivo e pela otimização da distribuição, construindo-se uma nova fachada de frente à estrada de ferro. Contando com uma loja na Avenida Rangel Pestana, a Alpargatas destacava em seus anúncios que a sede não estava no Brás, mas no disputado centro da cidade, com escritório na rua da Quitanda 8A (Figura 9).

Figura 9 Anúncio da Fábrica Brazileira de Alpargatas e Calçados. Fonte: Almanak Laemmert, edição de 1909

Pudemos identificar diversos outros espaços dedicados à produção e venda de artigos do mundo da moda nos pedidos de construção de particulares, nas inspeções da Diretoria de Polícia e Higiene, e sobretudo nos anúncios dos almanaques comerciais. Procuramos então espacializar cada empreendimento fabril do bairro, dos grandes aos pequenos, junto com os equipamentos sociais demarcados na cartografia e as linhas ferroviárias e de bondes, a fim de compreender a distribuição do que era produzido. Sobre os bondes, apesar de os vetores utilizados se referirem às linhas que circulavam na região no ano de 1933, tivemos a atenção de analisar se os mesmos traçados corresponderiam à nossa época de estudo, o que se confirmou a partir da análise da Planta geral da cidade de São Paulo com indicações diversas, de 1914.51

A Figura 10 sintetiza visualmente a localização desses estabelecimentos produtivos em consonância com os equipamentos de interesse público. Uma primeira observação permite deduzir que as maiores fábricas estavam situadas nos grandes eixos viários, muito próximas às linhas férreas e de bonde, facilitando a distribuição dos produtos para dentro e fora da cidade de São Paulo. Entre os trilhos da linha São Paulo Railway (letra I, que identifica a estação Brás), a Fábrica de Tecidos do Brás, as duas unidades da Fábrica Brasileira de Alpargatas, a Companhia Cooperativa das Fábricas de Chapéus, a Companhia de Calçados Clark e o Cotonifício Crespi se destacam diante dos demais empreendimentos fabris, principalmente os dois últimos, que contavam com um ramal instalado em suas proximidades, além de se situarem em vias servidas por bondes. As demais fábricas ligadas à produção de roupas e tecidos ficavam em ruas atendidas por bondes ou estavam muito perto da rede de transportes.

Figura 10 Fábricas de tecidos e roupas e estabelecimentos de interesse social do Brás e região, 1900-1915. Elaboração: Carlos Thaniel Moura e Philippe Arthur dos Reis. 

Se as linhas de bonde elétrico, instaladas gradativamente a partir de 1900, facilitavam a instauração desse parque fabril na cidade de São Paulo,52 percebe-se como também influíam sobre a localização dos diversos equipamentos sociais no Brás e em bairros limítrofes, como Mooca, Pari e Belenzinho. Evidentemente muitos desses equipamentos já existiam antes de a área ser ocupada pelas linhas de transporte, a exemplo das estações ferroviárias, da Hospedaria dos Imigrantes e do Gasômetro. Contudo, pode-se inferir como as linhas de bonde valorizaram determinadas áreas, pois proporcionavam a circulação de moradores, operários, estudantes e outros sujeitos envolvidos nas dinâmicas sociais do Brás. À medida que São Paulo crescia em número de residências e novos moradores, a demanda por serviços como transporte, educação e saúde aumentava. No ano de 1902 a capital paulista já contava com pelo menos 286 mil habitantes, dos quais 68.790 residiam no Brás,53 ou seja, quase 25% de toda a população da cidade, o que explica em parte a elevada quantidade de pedidos de construção de residências para o bairro, bem como a ampla rede comercial, especialmente nas ruas por onde passavam os bondes, sobretudo no eixo formado pelas Avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia.54 Formada a partir dos anúncios do Almanak Laemmert entre 1900 e 1915, a Tabela 1 sintetiza a quantidade de comércios dedicados à produção e venda de artigos de vestuário no Brás.

Tabela 1 Relação de estabelecimentos comerciais do Brás especializados no ramo de vestuário, armarinhos e fazendas (1900-1915) 

ESTABELECIMENTO COMERCIAL RUA QUANTIDADE
Alfaiatarias e roupas feitas Carneiro Leão 1
Celso Garcia 10
Concórdia 1
Concórdia, Largo da 2
Concórdia, Travessa da 2
Correia de Andrade 1
Gasômetro 3
Maria Marcolina 4
Monsenhor Anacleto 1
Monsenhor Andrade 4
Piratininga 1
Rangel Pestana 20
Santa Rosa 2
Visconde de Parnaíba 1
TOTAL 53
Armarinhos e fazendas Barão de Ladário 1
Brigadeiro Machado 1
Carneiro Leão 2
Celso Garcia 36
Concórdia 2
Concórdia, Largo da 2
Gasômetro 3
Joli 1
Maria Marcolina 2
Monsenhor Andrade 5
Oriente 2
Piratininga 6
Rangel Pestana 10
Rodrigues dos Santos 1
Visconde de Parnaíba 1
TOTAL 75
Fábricas e lojas de calçados Benjamim de Oliveira 1
Brás, Travessa do 1
Casemiro de Abreu 1
Claudino Pinto 1
Celso Garcia 34
Concórdia 5
Concórdia, Largo da 2
Domingos Paiva 1
Gasômetro 12
Maria Marcolina 2
Mooca 2
Piratininga 2
Rangel Pestana 16
Santa Rosa 1
São Caetano 1
TOTAL 82
Chapelarias e camisarias Celso Garcia 12
Gasômetro 2
Maria Marcolina 2
Monsenhor Andrade 1
Rangel Pestana 10
Santa Rosa 2
São Caetano 1
Vinte e Um de Abril 3
TOTAL 33
Tinturarias Largo da Concórdia 1
Concórdia 1
Gasômetro 1
Monsenhor Andrade 1
Rangel Pestana 2
Visconde de Parnaíba 2
TOTAL 8

Nos primeiros anos do século XX, à medida que a população paulistana aumentava, a produção de roupas e tecidos em larga escala seguia um ritmo acelerado. As fábricas ocupavam um papel central no sistema produtivo da indústria têxtil, com quase 50% da população empregada nesse ramo em 1919.55 Porém, a Tabela 1 indica que esse número era muito maior, pois outros empreendimentos também disputavam o mercado, como pequenas fábricas, lojas e bazares. Dispondo de uma grande quantidade de fontes, que permitiram aferir a localização desses diferentes espaços, elaboramos as Figuras 13 e 25. Com base na Planta industrial e commercial da cidade de São Paulo, de 1911, e na numeração e pontos de referência de comércios que se dedicavam ao gênero do vestuário, em anúncios de almanaques, relatórios de fiscalização da Diretoria de Polícia e Higiene e nos processos de construção e reforma de obras particulares, lote a lote do Brás pôde ser preenchido conforme uma separação que convencionamos situar no campo do consumo de roupas.56 Assim, as tinturarias seriam espaços dedicados a conferir nova tonalidade de cores às roupas, como informa o anúncio de Antonio Ponziani (Figura 11), que divulgava o uso de produtos químicos nos processos de lavagem e tingimento de roupas, além de outros serviços ligados ao vestuário. Armarinhos e fazendas eram lojas que vendiam roupas no varejo, bem como aviamentos para a produção de pequenas confecções de roupas e camisarias. As chapelarias englobavam lojas especializadas em chapéus. Por fim, o grupo dos alfaiates, profissionais que se dedicavam à produção artesanal de roupas sob medida para terceiros. Assim como no primeiro mapa (Figura 10), era imprescindível a demarcação das linhas ferroviárias e das linhas de bonde para compreendermos a distribuição espacial, e mesmo a dos equipamentos de uso social na região.

Figura 11 Anúncio da Grande tinturaria nacional de Ponziani Antonio. Fonte: A Concórdia (1904, p. 4). 

Figura 12 Anúncio da Loja da África. Fonte: A Concórdia (1907, p. 16). 

Figura 13 Lojas de vestuário e estabelecimentos de interesse social do Brás e região, 1900-1915. Elaboração: Carlos Thaniel Moura e Philippe Arthur dos Reis. 

Figura 14 Anúncio da Casa Ferraz. Fonte: Braz S. Paulo (1902, p. 3). 

Figura 15 Anúncio da Fábrica Luiz Paleari, de J. Bosisio & Filho. Fonte: Braz S. Paulo (1902, p. 3). 

Figura 16 Anúncio da Fábrica de João Panariello. Fonte: Braz S. Paulo (1902, p. 3). 

Figura 17 Anúncio da loja de calçados Clark. Fonte: A Concórdia (1911, p. 3). 

Figura 18 Anúncio da Casa Clark, loja de calçados do Brás. Fonte: A Concórdia (1909, p. 4). 

Figura 19 Anúncio da Casa Clark, loja de calçados do Brás. Fonte: A Concórdia (1907, p. 18). 

Figura 20 Anúncio da loja de calçados Clark. Fonte: A Concórdia (1907, p. 6). 

Figura 21 Anúncio da Alfaiataria Vasco da Gama, localizada num espaço privilegiado do comércio de roupas do Brás, entre a Avenida Rangel Pestana e o Largo da Concórdia. Fonte: A Concórdia (1906, p. 3). 

Figura 22 Anúncio da casa de roupas masculinas Aux 600.000 Paletots, situada na rua Direita nº 38A, publicado no Almanaque para 1895. Fonte: Barbuy (2006, p. 181). 

Figura 24 Projecto de 2 casas para o Snr. José Pinto Da Silva, na rua Xavantes no. 69 e 71. Fonte: Arquivo Histórico Municipal de São Paulo. 

Figura 25 Espaços de beleza e ornamentação pessoal e estabelecimentos de interesse social do Brás e região, 1900-1915. Elaboração: Carlos Thaniel Moura e Philippe Arthur dos Reis. 

A Figura 13 confirma a dinamização das Avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia, pois evidencia a polarização do comércio ligado ao vestuário na porção leste da cidade entre 1900 e 1915, essencialmente na região próxima da linha férrea e de espaços frequentemente usados pelos moradores, como a Igreja Matriz Bom Jesus do Brás (nos mapas identificada pela letra F, além de aparecer nas Figuras 2 e 3), o Primeiro Grupo Escolar do Brás (letra G), as estações ferroviárias do Brás (letra I), do Norte (letra J) e do Teatro Colombo na Praça da Concórdia (letra K). Se atentarmos para cada categoria por nós formulada, podemos verificar que os alfaiates se destacaram no bairro, pois ao menos 49 deles atuaram não apenas no principal polo da Avenida Rangel Pestana com a Avenida Celso Garcia, mas em outras vias, como nas ruas do Gasômetro, Piratininga, Maria Marcolina, Monsenhor Andrade, Concórdia e Santa Rosa, todas servidas por linhas de bonde. O mesmo pode ser observado a respeito do comércio de armarinhos e fazendas, que, além das citadas, podiam ser encontrados nas ruas Barão de Ladário, Oriente e Carneiro Leão, esta última não servida por bonde, mas muito próxima da Avenida Rangel Pestana e com uma densa ocupação que remontava ao final do século XIX, conforme atestam os pedidos de obras particulares encadernados.

Os armarinhos tinham destaque no Brás, pois comercializavam produtos que não se circunscreviam ao vestuário cotidiano, mas abarcavam fantasias e até mesmo perfumes. Exemplo é a Loja da África, propriedade de Amorim & C., que se dizia “a mais barateira de S. Paulo” (Figura 12). O empreendimento em muito se assemelhava à conhecida Loja do Japão, de Manoel Garcia da Silva, na rua São Bento nº 42, que aos poucos deixou de ser um bazar de variedades acentuadamente orientais para vender “leite condensado, presunto, peixe em conserva, artigos de papelaria, vinhos e licores, além dos produtos importados da China e do Japão e dos charutos de rapé, mais tradicionais”.57 Outros estabelecimentos, como a Casa Ferraz, partilhavam da ideia de bons preços para angariar maior clientela (Figura 14).

As chapelarias seguiam a mesma tendência de ocupação do espaço comercial de roupas, pois também estavam em vias servidas por linhas de bonde, e a grande maioria se localizava no principal eixo comercial do Brás, entre a avenida Rangel Pestana e o Largo da Concórdia. Lojas e fábricas como a de Luiz Paleari (Figura 15) circulavam a ideia da importância do chapéu como elemento da indumentária masculina. Barbuy contabilizou um total de 74 estabelecimentos que comercializavam a peça nas ruas do centro da cidade em 1901,58 e até 1915 contabilizamos 33 chapelarias nas ruas do Brás, ou seja, quase a metade daquelas que constavam na região do Triângulo, atendendo possivelmente os moradores dessa área e até mesmo de outros bairros paulistanos que buscavam melhores preços (e, por que não, qualidade?) em comparação com o centro.59 O elevado número de estabelecimentos que comercializavam chapéus não parece estranho, pois era um componente que conferia elegância ao vestuário masculino e cumpria uma função identitária entre os homens da cidade,60 como demonstrado pela caricatura do velho rifão (Figura 6).

Se os chapéus marcaram a moda do começo do século, os calçados não fugiram à regra. Conforme anúncios que demarcavam a qualidade e o preço das lojas do Brás, calçados eram vendidos junto com outros produtos, até alimentos, na fábrica de João Panariello (Figura 16), na travessa do Brás nos 30 e 32,61 espaço privilegiado por estar muito próximo à igreja matriz do bairro e por contar com um ramal da linha de bondes.

Se alguns anúncios propagandeavam bom preço e localização nas principais ruas do Brás, outros passavam a investir num maior apelo comercial, utilizando-se de ilustrações dos produtos, como os calçados Clark, que disputavam o mercado anunciando bom preço, qualidade, durabilidade, resistência, firmeza e, acima de tudo, conforto (Figuras 17 a 20).

Atendendo o público masculino, feminino e infantil, os calçados Clarck podiam alcançar boa parte do Brás e região, pois, sendo produzidos nas proximidades da rede de bondes, tinham distribuição garantida para todas as áreas da cidade. Tratava-se de uma loja que não tinha como público-alvo os setores populares, mas aqueles que possuíam maiores rendimentos, como os setores médios. Vale notar as Figuras 17, 18 e 20, nas quais percebemos que, para atrair clientes, as propagandas utilizam uma linguagem persuasiva: os calçados ofereciam “perfeita elegância”, conforto, resistência, durabilidade, além de serem produzidos a partir de um “systema americano”, custando apenas 10$ e 12$ os sapatos masculinos, 9$ os femininos, e 8$ os sapatos para meninos. Outro elemento nessa propaganda, também presente na Figura 19, chama a atenção: o fato de a Casa Clarck rotular seu produto como “paulista” para se afirmar no mercado local, implicitamente contribuindo para o ufanismo regional alimentado desde finais do século XIX.62

O mapa das lojas de vestuário (Figura 13) evidencia que uma parcela considerável de alfaiates dominava os imóveis da Avenida Rangel Pestana, além de outros se situarem nas proximidades e na Avenida Celso Garcia. Segundo Barbuy, a partir das duas últimas décadas do século XIX as alfaiatarias tiveram notável crescimento, e algumas se tornaram grandes estabelecimentos “sem perder as características da confecção de roupa sob medida”.63 A Alfaiataria Vasco da Gama exemplifica o desejo de identificação dos setores médios com o mundo do consumo internacional, ao enfocar, em sua propaganda de 1906, “modelos parisienses” - a figura de um homem vestindo sobretudo, cartola e bengala (Figura 21), muito parecido com o modelo anunciado pela casa de roupas masculinas Aux 600 Mil Paletots, situada na rua Direita nº 38A (Figura 22).

Outro importante elemento da vida social paulistana no começo do século XX eram as barbearias e os salões de cabeleireiro, que, junto com perfumarias, joalherias, relojoarias e ourives, demarcaram os espaços ligados à estética pessoal. Cada estabelecimento desses pode ser entendido como exemplo comercial com importante papel no processo de urbanização da cidade de São Paulo. A Figura 23 remete a um desses empreendimentos. Trata-se do pedido de construção de um “Salão para barbearia” feito por José Pinto da Silva em junho de 1913, que aproveitou ao máximo o espaço ocioso de seu terreno, onde meses antes havia iniciado a construção de duas casas geminadas (Figura 24). Atesta-se assim a diversificação das formas de rendimento dos setores médios paulistanos por meio do mercado imobiliário rentista e comercial. A Figura 25 permite aferir a localização espacial dos empreendimentos e também suas relações com os comércios descritos no mapa representado pela Figura 13. A produção da Figura 25 se deu graças à sistematização da Tabela 2, que contabiliza o número dos comércios relacionados à estética pessoal nas ruas do Brás e região.

Tabela 2 Relação dos estabelecimentos comerciais do Brás especializados em cabelos e adornos, 1900-1915 

ESTABELECIMENTO COMERCIAL RUA QUANTIDADE
Barbearia e cabeleireiros Benjamin de Oliveira 1
Bresser 1
Brigadeiro Machado 1
Carneiro Leão 5
Celso Garcia 17
Concórdia, Largo da 2
Cruz Branca 1
Gasômetro 8
Maria Marcolina 5
Miler 1
Monsenhor Andrade 5
Rua Oriente 2
Piratininga 6
Rangel Pestana 35
Rodrigues dos Santos 1
Santa Rosa 4
São Caetano 3
Xavantes 1
TOTAL 99
Joalheria, relojoaria e ourives Celso Garcia 5
Gasômetro 3
Monsenhor Andrade 1
Piratininga 4
Rangel Pestana 7
TOTAL 20
Perfumarias Carneiro Leão 3
Celso Garcia 5
Concórdia 1
Concórdia, Largo da 1
Monsenhor Andrade 1
Piratininga 5
Rangel Pestana 12
Visconde de Parnaíba 1
TOTAL 29

É de impressionar o número de barbeiros e cabeleireiros existentes na região do Brás e adjacências. Pudemos localizar os 99 precisamente no mapa; assim como os demais comércios do mundo da moda, estavam situados no eixo das Avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia, mas com maior presença entre as ruas do Gasômetro, Maria Marcolina, Piratininga e Monsenhor Andrade. As perfumarias não fugiram à regra, localizando-se principalmente na avenida Rangel Pestana, como a Casa Armênia (Figura 26), que lembra um armarinho convencional, mas também se dedicava à venda de diferentes produtos ligados ao vestuário.

Figura 26 Anúncio da Casa Armênia. Fonte: A Concórdia (1907, p. 5). 

Já as lojas dedicadas ao comércio de relógios, ouro e pedras preciosas, numericamente eram muito menores que os demais estabelecimentos comerciais ligados ao vestuário, mas compunham uma parcela significativa, espalhadas entre as Avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia e também presentes nas ruas Concórdia, Piratininga, Carneiro Leão e no Largo da Concórdia. Dentre essas lojas se sobressaem a Santos Velho, especializada na produção de cordões e correntes (Figuras 27 e 28), e a Casa Portugueza, que usava os bons serviços e o preço de chamariz da clientela local (Figura 29).

Figura 27 Anúncio da Casa de Joias e Relojoaria Santos Velho. Fonte: A Concórdia (1907, p. 17). 

Figura 28 Anúncio da Casa de Joias e Relojoaria Santos Velho. Fonte: A Concórdia (1907, p. 5). 

Figura 29 Anúncio da Casa Portugueza. Fonte: A Concórdia (1909, p. 3). 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Entender a dinâmica dos usos de uma cidade como São Paulo requer um esforço que vai além de simplesmente rever lugares comuns e conferir crítica às fontes, sejam elas novas ou comumente utilizadas. Nas palavras do historiador Carlo Ginzburg, “é necessário examinar os pormenores mais negligenciáveis”,64 dados e espaços que passaram pelos olhos dos pesquisadores e que estiveram à margem das discussões historiográficas. A noção do Brás como bairro exclusivamente operário e fabril, ideia que aos poucos se afirmou graças aos grandes entrepostos fabris e à mão de obra ali empregada, parece não se sustentar quando evidenciamos a pluralidade comercial, sobretudo no que se refere à moda. Os comércios elencados nas Tabelas 1 e 2 permitem vislumbrar um bairro dotado de dinamismo e intensa atividade urbana, com ampla concorrência e oferta aos consumidores de classes populares e médias que ali residiam ou de outras partes da cidade. Estas constatações contrariam as obras de memorialistas e cronistas, que recordam chaminés, sistemas produtivos e operários do Brás.

As redes comerciais do mundo da moda, visualmente demonstradas nos mapas por nós elaborados, explicam o relacionamento dos consumidores com o bairro, sobretudo com os equipamentos nos arredores, os quais podiam ser alcançados pelos trilhos do bonde ou mesmo a pé. Nesse sentido, a Avenida Rangel Pestana é o melhor exemplo de via que, além de aglutinar a maioria dos alfaiates, chapelarias, armarinhos, lojas de calçados, barbeiros, perfumarias e joalherias, contava com uma frota de bondes em direção ao centro da cidade e a outros bairros, como Belém, Mooca e Pari. A avenida permitia circulação de consumidores e a dinamização de ruas paralelas, também ocupadas por comércios, mas principalmente por casas mínimas, geminadas e alguns sobrados.

Equipamentos como o Gasômetro, a Hospedaria dos Imigrantes e o Palácio das Indústrias marcaram a paisagem junto com fábricas de grande porte, como as Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo, a Alpargatas e as fábricas ligadas a Armando Álvares Penteado. Reunindo documentos que evidenciavam a existência de comércios na região, como as séries Obras Particulares e Polícia e Higiene, somadas aos anúncios do Almanak Laemmert e dos jornais A Concórdia e Braz S. Paulo, pudemos perceber que o bairro não se construiu apenas com grandes empreendimentos, mas também com intensa presença de pequenos e médios comerciantes. Esses espaços, identificados nos mapas, permitem aferir o papel de seus proprietários na urbanização da cidade e as redes que passaram a construir nas duas primeiras décadas do século XX. Não seria fortuito dizer que conheciam os melhores espaços para investimento de seus capitais, no caso, em vias que contavam com redes de transporte, além de aproveitarem ao máximo o uso de suas edificações, seja denotando um uso misto (com moradia e comércio, por exemplo), ou congregando num mesmo espaço a venda de roupas com alimentos. A maioria desses sujeitos, identificados nominalmente nos anexos deste artigo, parece ser imigrante ou descendente de estrangeiro, polarizando a rede de pequenos e médios comércios no Brás e possivelmente em outros bairros da cidade. Assim, sintetizamos a discussão a partir de um novo questionamento: seria a nacionalidade o motivo de esses sujeitos não constarem como proprietários e investidores nos livros de Alfredo Moreira Pinto e Francisco Bandeira Júnior?

O Brás, assim como outras regiões de São Paulo, contou com uma imensa variedade de espaços comerciais e fabris. Contudo, ainda estamos presos a fios que ligam sua história a uma compreensão generalizada de determinados sujeitos e que não percebe os rastros de outros na composição da materialidade urbana, ignorando possíveis tensões e embates em sua costura. Se pelos mapas apresentados percebemos a diversidade comercial do bairro e das intensões dos proprietários ao instalarem comércios de roupas e demais artigos da moda, sobretudo em vias de grande circulação e nas proximidades de equipamentos sociais, pelas fotos e plantas arquitetônicas compreendemos o quanto esses indivíduos estavam inseridos nas dinâmicas de produção da materialidade da cidade, além de serem nítidos conhecedores de questões sociais como aumento dos fluxos populacionais e demandas por serviços. Se foram motivo de intriga para a elite local ainda não sabemos, mas é certo que, por serem pequenos e médios proprietários, causavam certos desconfortos, assim como as jupes-culottes de Alice d’Oliveira e Hermínia Gonçalves, que até então não eram roupas bem-vistas pelo público masculino, mas abriram o debate sobre a vida na cidade, podendo mesmo ter contribuído para a venda de peças em lojas e armarinhos ou aumentado as encomendas para as costureiras da São Paulo do começo do século XX.

REFERÊNCIAS

LAVIERI, Micheli. Projecto de uma casa para trabalhadores. São Paulo, 1911. (Série Obras Particulares n. 1911.000.342, Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

LIVROS DE EMPLACAMENTO - Avenida Rangel Pestana. São Paulo, 1908- 1912. (Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

OBRAS PARTICULARES. São Paulo: Fundo Prefeitura Municipal, 1893-1905; 1906-1923; 1924-1935. (Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

PLANTA de construção da nova fábrica da “S. Paulo Alpargatas Co”, na rua da Concórdia. São Paulo, 1915. (Série Obras Particulares n. 1915.001.178, Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

POLÍCIA e Higiene. São Paulo: Fundo Prefeitura Municipal, 1906-1923; 1924-1935. (Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

PROJECTO de 2 casas para o Snr. José Pinto Da Silva”, na rua Xavantes, 69 e 71. São Paulo, 1913. (Série Obras Particulares n. 1913.005.539, Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

PROPRIEDADE do Ill. S. José Pinto da Silva, na rua Xavantes, 67. São Paulo, 1913. (Série Obras Particulares n. 1913005.539, Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

SILVA, Pedro Gomes. Projeto para construção de 2 casas operárias nos fundos do terreno sito á rua Barão de Ladário, nº 18C. São Paulo, 1913. (Série Obras Particulares n. 1913.000.591, Arquivo Histórico Municipal de São Paulo). [ Links ]

FONTES IMPRESSAS

BANDEIRA JÚNIOR, Antonio Francisco. A indústria no Estado de São Paulo em 1901. São Paulo: Typographia do Diario Official, 1901. [ Links ]

BRAZ S. PAULO. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 22 out. 1902. [ Links ]

A CONCÓRDIA. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 4 set. 1904. [ Links ]

______. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 1º abr. 1906. (Arquivo Público do Estado de São Paulo). [ Links ]

______. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 1º jan. 1907. (Arquivo Público do Estado de São Paulo). [ Links ]

______. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 3 out. 1909. (Arquivo Público do Estado de São Paulo). [ Links ]

______. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 2 abr. 1911. (Arquivo Público do Estado de São Paulo). [ Links ]

ALMANAK Laemmert. Rio de Janeiro, 1901-1915. (Acervo da Biblioteca Nacional, Hemeroteca Digital Brasileira). [ Links ]

CÂMARA MUNICIPAL. Lei nº 38, de 24 de maio de 1893. Estabelece a aprovação de plantas para as novas edificações. Diário Oficial do Município de São Paulo, São Paulo, SP, 24 maio 1983. Seção 1, p. 12. [ Links ]

FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS. Annuario estatístico estadual. São Paulo, 1902. [ Links ]

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo: Acervo Estadão, 13 maio 1911. (Arquivo Público do Estado de São Paulo). [ Links ]

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo: Acervo Estadão, 20 mar. 1917. (Arquivo Público do Estado de São Paulo). [ Links ]

PINTO, Alfredo Moreira. A cidade de S. Paulo em 1900: impressões de viagem. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1900. [ Links ]

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Histórico demográfico do município de São Paulo. São Paulo, 2010. Disponível em: <Disponível em: https://goo.gl/2ZoSZ3 >. Acesso em: 19 out. 2018. [ Links ]

SÃO PAULO. Código de Posturas do Município de São Paulo. Diário Oficial do Município, São Paulo, 6 out. 1886. Seção 1, p. 8503. [ Links ]

______. Decreto nº 233, de 8 de março de 1894. Estabelece o Código Sanitário. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 8 mar. 1894. n. 815, p. 9605. [ Links ]

CARTOGRÁFICAS

CARDIM, Gomes (Org.). Planta Geral da capital de São Paulo. São Paulo: Arquivo Histórico Municipal de São Paulo, 1897. [ Links ]

COMISSÃO GEOGRAPHICA E GEOLÓGICA. Planta Geral da cidade de São Paulo com indicações diversas. São Paulo: Biblioteca Digital Luso Brasileira, 1914. [ Links ]

DIVISÃO CADASTRAL. Planta da cidade de São Paulo. São Paulo: Arquivo Público do Estado, 1916. [ Links ]

PLANTA industrial e commercial da cidade de São Paulo. São Paulo: Thomas & Cia, 1911. (Acervo do Museu Paulista). [ Links ]

ICONOGRÁFICAS

ALBUQUERQUE, Francisco de; MARTIN, Jules. Mapa da Capital da Pcia. de S. Paulo. S. Paulo seos edificios públicos, hotéis, linhas férreas, igrejas, bonds, passeios, etc. São Paulo: Arquivo Público Municipal, 1877. [ Links ]

BECHERINI, Aurélio. O Largo do Brás. São Paulo, 1914. (Acervo Fotográfico do Museu da Cidade de São Paulo, Tombo: DC/0000464/E e DC/0000465/E). [ Links ]

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ABUD, Katia Maria. O sangue intimorato e as nobilíssimas tradições: a construção de um símbolo paulista - o bandeirante. 1985. 342 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade de São Paulo, 1985. [ Links ]

BARBUY, Heloisa. A Cidade-exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860-1914. São Paulo: Edusp, 2006. [ Links ]

BEIGUELMAN, Paula. A formação do povo no complexo cafeeiro: aspectos políticos. São Paulo: Edusp, 2005. [ Links ]

BRESCIANI, Maria Stella. Imagens de São Paulo: estética e cidadania. In: FERREIRA, Antonio Celso; LUCCA, Tânia; IOKOI, Zilda (Orgs.). Encontros com a História: percursos históricos e historiográficos de São Paulo. São Paulo: Editora Unesp, 1999. p. 11-45. [ Links ]

______. Melhoramentos entre intervenções e projetos estéticos: São Paulo, 1850-1950. In: ______. (Org.). Palavras da cidade. Porto Alegre: Editora da UFRS, 2001. p. 343-366. [ Links ]

BORIN, Monique Felix. A Barra Funda e o fazer da cidade: experiências da urbanização em São Paulo (1890-1920). 2014. 158 f. Dissertação (Mestrado em História), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. [ Links ]

______. Aspectos do mercado imobiliário em perspectiva histórica. São Paulo (1809-1950). São Paulo: Edusp, 2016. [ Links ]

CARONE, Edgard. A evolução industrial de São Paulo (1889-1930). São Paulo: Senac, 2001. [ Links ]

CARVALHO, Clara Cristina Valentim Anaya de. Os setores médios e a urbanização de São Paulo: Vila Mariana, 1890-1914. 2015. 268 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2015. [ Links ]

CORONA, Eduardo; LEMOS, Carlos. Dicionário da Arquitetura Brasileira. São Paulo: Edart, 1972. [ Links ]

D’ELBOUX, Roseli Maria Martins. Joseph-Antoine Bouvard no Brasil. Os melhoramentos de São Paulo e a criação da Companhia City: ações interligadas. 2015. 792 f. Tese (Arquitetura e Urbanismo) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. [ Links ]

FAUSTO, Boris. Negócios e ócios: histórias da imigração. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. [ Links ]

______. Trabalho urbano e conflito social: 1890-1920. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. [ Links ]

FERREIRA, Antonio Celso. A epopeia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Editora Unesp, 2002. [ Links ]

GENNARI, Luciana Alem. As casas em serie do Brás e da Mooca: um aspecto da constituição da cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). São Paulo: FAUUSP, 2005. [ Links ]

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. [ Links ]

HOBSBAWM, Eric. Quem é quem ou as incertezas da burguesia. In: ______. A era dos impérios (1875-1914). São Paulo: Paz e Terra, 2010. p. 261-300. [ Links ]

KUVASNEY, Eliane. Os mapas como “operadores espaciais” na construção da cidade de São Paulo do início do século XX. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 64, p. 167-182, 2016. [ Links ]

LODY, Jorge. Arquitetura e cidade: obras particulares em São Paulo, 1906-1915. 2015. 316 f. Tese (Arquitetura e Urbanismo) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. [ Links ]

MARINS, Paulo César Garcez. Um lugar para as elites: os Campos Elíseos de Glette e Nothmann no imaginário urbano de São Paulo”. In: LANNA, Ana Lúcia Duarte. São Paulo, os estrangeiros e a construção das cidades. São Paulo: Alameda, 2011. p. 209-244. [ Links ]

OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. Entre a casa e o armazém: relações sociais e experiência da urbanização - São Paulo, 1850-1900. São Paulo: Alameda, 2005. [ Links ]

RABELATTO, Martha; FREITAS, Frederico. Desafios e possibilidades ao uso de sistemas de informações geográficas na história. In: ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 5., 2011, Porto Alegre. Anais… Porto Alegre: UFRGS, 2011. p. 1-21. [ Links ]

REIS, Philippe Arthur dos. Construir, morar e vier para além do centro de São Paulo: os setores médios entre a urbanização e as relações sociais do Brás (1870-1915). 2017. 384 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. [ Links ]

______. Propostas de habitação para São Paulo: Celso Garcia e os embates na Câmara Municipal. In: SEMINÁRIO URBANISTAS E URBANISMO NO BRASIL, 3., 2017, Recife. Anais… Recife: UFPE, 2017a. p. 100-113. [ Links ]

______. O desdobrar da lei: diálogos e ideias para a implementação de uma política habitacional em São Paulo no começo do século XX. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 24., 2018, Guarulhos. Anais... Guarulhos: Unifesp, 2018, p. 1-18. [ Links ]

SAES, Décio. Classe média e política na Primeira República (1889-1930). Petrópolis: Vozes, 1975. [ Links ]

SCHNEK, Sheila. Bexiga: cotidiano e trabalho em suas interfaces com a cidade (1906-1931). 2016. 358 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016. [ Links ]

SEGAWA, Hugo. Prelúdio da metrópole: arquitetura e urbanismo em São Paulo na passagem do século XIX ao XX. São Paulo: Ateliê, 2000. [ Links ]

STIEL, Waldemar Corrêa. História dos transportes coletivos em São Paulo. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil: Edusp, 1978. [ Links ]

TORRES, Maria Celestina Teixeira Mendes. O bairro do Brás. São Paulo: Oficina da Gráfica Municipal, 1969. [ Links ]

1Este artigo é dedicado a uma “costureira de mão cheia”, minha avó, Etelvina Faustina de Almeida.

3A Concórdia (1911, p. 1).

4Ato de desrespeito, conhecido na contemporaneidade como ato de perseguição com vaias, assobios; zombar, escarnecer.

6Barbuy (2006, p. 204).

9A região formada pela convergência das ruas Direita, XV de Novembro e São Bento.

10 Saes (1975).

12Em 1872 a cidade contava com 31.385 habitantes, e em 1890, com 64.934. Dez anos depois há um incremento de mais de 14%, alcançando a marca de 239.820 habitantes. Esse crescimento continuaria constante, e em 1920 São Paulo teria 579.033 residentes, número que seria duplicado vinte anos depois, com uma população de 1.326.261 habitantes. Cf. Prefeitura de São Paulo (2010).

14Sobre os sentidos do conceito de “melhoramentos”, cf. Bresciani (2001).

15Oliveira (2005, p. 57).

16Todo particular interessado em construir na cidade, a partir de 1893 era obrigado (de acordo com a lei nº 38, de 24 de maio daquele ano) a apresentar à então Diretoria de Obras e Viação um memorial descritivo daquilo que desejava executar, junto com uma planta que representasse visualmente as obras pretendidas. A partir desses documentos os técnicos da municipalidade analisavam se as intervenções respeitariam os padrões higiênico-sanitários (cf. Figuras 4, 5, 9, 21 e 22). A série Obras Particulares faz parte do Fundo Prefeitura Municipal de São Paulo, sob guarda do Arquivo Histórico Municipal de São Paulo. Constituída por 429 volumes encadernados, que compreendem o período de 1893 a 1905, e mais de novecentas caixas organizadas em ordem cronológica (1906-1921) e alfabética pela denominação do logradouro, o conjunto documental foi parcialmente digitalizado e informatizado. Atualmente estão disponíveis on-line as plantas de obras particulares de 1906 até 1915, além da documentação referente ao Fundo Particular Ramos de Azevedo, Severo & Villares. Por meio do banco de dados interno - Sistema de Registro, Controle e Acesso ao Acervo (Sirca) e do portal: <www.projetosirca.com.br> - os pesquisadores conseguem informações como nome do interessado pela obra, construtor, endereço, data do requerimento e a notação que possibilita identificar no acervo arquivístico as caixas em que esses registros estão depositados. Sobre o assunto, cf. Reis (2018).

18Ver nota 16.

19O título não significava que as obras se destinavam apenas a esse grupo profissional, mas era usado para solicitar redução (e até isenção) de impostos à prefeitura, que desde 1908 incentivava os proprietários a construírem “casas para operários”, visando sanar o déficit habitacional da cidade.

20Cf. Borin (2014); Carvalho (2016); Gennari (2005); Schneck (2010).

21Barbuy (2006, p. 172).

22Carone (2001, p. 97).

23Carone (2001, p. 99).

24Carone (2001, p. 105).

25Cf. Hobsbawm (2010).

26A série Polícia e Higiene é composta por registros que denunciam irregularidades, autorizações e manifestações da sociedade à Prefeitura Municipal. Infelizmente, por não se encontrar organizada em sua totalidade (abarca apenas os anos de 1906 até partes de 1908), não pudemos avançar na pesquisa.

28Quem atribui a data é Barbuy (2006, p. 208).

29Bueno (2016).

30 Kuvasney (2016, p. 175). Outro fator que coloca em xeque a existência daquelas vias é a ausência de pedidos de reforma e construção delas até cerca de 1906 - a menos que tenham existido projetos irregulares e não remetidos para aprovação da Diretoria de Obras e Viação.

31Entre 1886 e 1887 houve a primeira mudança na numeração dos edifícios da cidade, por meio de um sistema que permaneceu até a década de 1930 (Barbuy, 2006, p. 254-256).

33Sobre os conceitos de “programa” e “partido”, cf. Corona; Lemos (1972).

34 Reis (2017).

35 Torres (1969), apesar de resgatar aspectos que identificaram historicamente o Brás, como a presença das indústrias e o papel do imigrante, não tocou em um tópico que também passou a ser sinônimo do bairro: as inúmeras greves de operários que manifestavam seus descontentamentos quanto às precárias condições de trabalho, aos baixos salários e até mesmo em relação a fatores que extrapolavam o universo fabril, como melhorias urbanas. Assim, ao ser interpretado genericamente como um espaço industrial e operário, a narrativa comumente atribuída ao Brás converge com o objetivo de entender a cidade de São Paulo separada por áreas de produção e de morada das suas diferentes classes sociais, neste caso um espaço habitado por pobres e com ênfase na produção industrial, ante outros bairros supostamente formados pela burguesia e sem o incômodo das fábricas e do comércio popular.

36Em linha semelhante, Marins (2011) propõe uma nova leitura dos bairros de Higienópolis e Campos Elíseos, pois, surgidos a partir da ação de Frederico Glette e Victor Nothmann no final do século XIX, convencionou-se demarcá-los como “bairros de elite”, associados às transformações urbanísticas que ocorriam na cidade incorporadas pelo elemento estrangeiro. Com base em textos memorialísticos, o historiador percebe como tal discurso foi incorporado na produção historiográfica, gerando “uma dimensão imaginária relativa à cidade, formada por diferentes circuitos de representações coletivas somadas” (p. 210).

37 Pinto (1900, p. 8). Sobre as ambiguidades e o “mal-estar” dos cronistas que passaram a retratar as mudanças da cidade de São Paulo no começo do século XX, cf. Bresciani (1999).

38Pinto (1900, p. 9).

39Atual rua Coronel Francisco Amaro.

40Bresciani (1999, p. 98 e 207).

41Pinto (1900, p. 208).

42 Beiguelman (2005, p. 183).

44Bandeira Júnior (1901, p. 3).

45Bandeira Júnior (1901, p. 6).

46Bandeira Júnior (1901, p. 6).

47Seria ele parente de Felisberto Ranzini, arquiteto do Escritório Técnico de Ramos de Azevedo? Relacionado ao nome de Alexandre Ranzini no Almanak Laemmert de 1901 consta um espaço dedicado à venda de “fazendas, modas, armarinhos e ateliers de costuras” na rua da Quitanda, nº 16.

48Bandeira Júnior (1901, p. 76).

49Atual Rua Doutor Almeida Lima.

50A título de exemplo, podemos destacar os seguintes processos: S.P. Alpargatas Co., Proposed extension of factory, 1915, OP1915. 001.178; São Paulo Alpargatas Company, 1911; OP1911. 001.047; Julio Micheli, Projecto de novo pavilhão para uso de tinturaria, 1908, OP1908.000.665; e Julio Micheli, Projecto de pavilhão para depósito na Fabrica Brazileira de Alpargatas, 1909, OP1909.000.740.

51Os vetores utilizados para a confecção desses mapas foram obtidos no site do Grupo Hímaco da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), disponível em: <www2.unifesp.br/himaco>. Acesso em: 15 jan. 2018.

52Vale recordar que antes dos primeiros bondes elétricos em São Paulo (a linha para o Brás era de número 2), ofereciam-se serviços de transporte por meio de tílburis, representados no Mapa da Capital da Pcia. de S. Paulo (Albuquerque; Martin, 1877). Em 1901 foi instalada a linha 6 - Penha, e no ano posterior, outras seis estações: 8 - Mooca, 10 - Mooca via Avenida Rangel Pestana, 12 - Bresser via rua Piratininga, 14 - Bresser via rua Maria Marcolina e 18 - São Caetano. A linha 24 - Belém passa a funcionar em 1909, além de outras linhas instaladas e reformuladas nas décadas seguintes (Stiel, 1978).

54O antigo caminho que ligava a cidade de São Paulo ao Rio de Janeiro era conhecido e oficializado como Estrada da Intendência. A partir de 1908 passa a se chamar Avenida Celso Garcia, em homenagem ao vereador falecido naquele ano, que era muito ligado aos interesses da população residente no Brás. Cf. Reis (2017a).

55 Fausto (2016, p. 134).

56A relação das fontes que culminaram na elaboração das figuras 10, 13 e 25 pode ser vislumbrada a partir das duas tabelas constantes nos apêndices do artigo. Em ambas tabelas podemos perceber uma extensa pluralidade comercial no bairro do Brás, que a partir dos mapas por nós produzidos, traduzem a importância da utilização dos métodos de espacialização com apoio dos Sistemas de Informação Geográficas para a história das cidades e dos agentes nela envolvidos. Enquanto na tabela A há o levantamento pormenorizado dos processos de fiscalização da Diretoria de Polícia e Higiene (PH) e dos pedidos de construção e reforma da Diretoria de Obras e Viação, também conhecidas como Obras Particulares (PH) (disponíveis no acervo do Arquivo Histórico Municipal de São Paulo), com seus endereços, nomes de proprietários, eventualmente seus construtores e a notação arquivística, na tabela B há o levantamento dos usos que muitos dos imóveis elencados anteriormente tinham, com os nomes dos seus representantes (possivelmente locatários ou proprietários), endereço e o ano do Almanak Laemmert no qual as informações foram obtidas. Quando analisadas conjuntamente, as tabelas permitem identificar sujeitos comuns da São Paulo do começo do século XX, que edificaram e viviam de pequenos e médios rendimentos diante dos grandes complexos industriais vizinhos, ou seja, foram aqueles que numericamente produziram parte considerável da materialidade urbana e constituíram no Brás um espaço dedicado à produção e venda de artigos ligados ao vestuário, por exemplo.

57Barbuy (2006, p. 171).

58Barbuy (2006, p. 194).

59Em suas memórias, o historiador Boris Fausto relata diversas impressões da cidade na primeira metade do século XX, e traz um dado interessante: ao lembrar que as ruas do centro eram voltadas quase que exclusivamente ao comércio de artigos de luxo - sua família, de classe média, moradora da região da Consolação, com frequência ia às lojas da ladeira General Carneiro, “aguentando o incômodo dos vendedores das pequenas lojas de carregação, enfileiradas ao longo da ladeira”, ou as liquidações da Casa Kosmos, o que Fausto denomina como um ritual obrigatório que “consistia em misturar-se à multidão de fregueses da loja para comprar camisas, gravatas pintalgadas de bolinhas, capas ou cuecas, a preço razoável” (Fausto, 1997, p. 174-175). Talvez a ideia comum de cidade setorizada, com bairros exclusivos para determinados sujeitos, não se encaixe tanto nas memórias do historiador como nos mapas que produzimos, pois os diversos espaços comerciais, aliados às diferentes linhas de bonde, proporcionavam uma ampla circulação pela cidade.

60Relembramos o caso da jupe-culotte vestida por Hermínia Gonçalves e escrita na carta de Alice d’Oliveira. A peça era um exemplo da afirmação feminina nesse contexto, mas nos anúncios de almanaques e jornais não foi identificada como um produto a ser vendido nos estabelecimentos pesquisados.

61Atual rua Jairo Góis.

63Barbuy (2006, p. 181).

64Ginzburg (2006, p. 144).

2Bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), mestre em História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) e doutorando em História na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professor e membro do coletivo Passeando pelas Ruas. O autor agradece à leitura do amigo Josafá Crisóstomo, e ao amigo Carlos Moura pelo apoio na confecção dos mapas. E-mail: <philippe arthur@hotmail.com>

APÊNDICE A

Tabela A Proprietários de imóveis em ruas do Brás que se dedicavam ao comércio de roupas e artigos congêneres 

ENDEREÇO PROPRIETÁRIO CAIXA NOTAÇÃO CONSTRUTOR
Rua da Alfândega IRFM OP45 OP1909.000.046
Rua Assunção IRFM OP68 OP1910.000.236
Rua Assunção IRFM PH27 OP1907.000.111
Rua Barão de Ladário s/n Companhia de Tecidos de Juta OP152 OP1912.000.525 Alexandre Leslie
Rua Barão de Ladário s/n Companhia de Tecidos de Juta OP80 OP1910.000.309
Rua Belém Francisco Guedes OP104 OP1911.000.509
Belenzinho Borges e Kirch OP16 OP1907.000.241
Rua Borges de Figueiredo junto ao 98 OP52 OP1909.000.440 José Kanz
Rua Bresser 125 Manoel Ferreira OP266 OP1914.000.722
Rua Bresser 351 (antigo 225) Angelo Lochini PH14 OP1912.000.764
Rua Bresser 55 A. Marcondes e Cia OP118 OP1911.000.589
Rua Brigadeiro Machado 59 Henrique Fachlam OP402 OP1914.000.801
Rua Casemiro de Abreu 72 Domenico Spadula OP OP1915.001.000
Rua Catumbi 42 Fratelli Mortari OP124 OP1910.000.926
Avenida Celso Garcia Companhia de Tecidos de Juta OP124 OP1911.000.981
Avenida Celso Garcia 58 OP1914.001.140
Avenida Celso Garcia 64 Antonio Messina OP222 OP1913.001.347 Benedicto Bettoy
Avenida Intendência 109 Chieffi, Biola e Erwenni OP23 OP1907.000.818
Avenida Celso Garcia 385 Pedro Scarrone OP1915.001.081
Avenida Celso Garcia 433 e 465 Companhia Nacional de Tecidos de Juta OP224 OP1913.001.471 Alexandre Leslie
Avenida Intendência 442 Alberto Bertachi PH27/OP42 OP1908.001.045
Avenida Celso Garcia 449 IRFM OP124 OP1911.000.969 Henry Rogers, Son e Cia
Avenida Celso Garcia 449 IRFM OP119 OP1911.003.903
Avenida Celso Garcia 455 Companhia de Tecidos de Juta OP370 OP1915.001.092
Avenida Celso Garcia 455 Companhia de Tecidos de Juta OP306 OP1915.001.091
Avenida Celso Garcia 538 Lombardi Companhia OP284 OP1914.001.182
Rua Claudino Pinto Salim Farah Maluf OP194 OP1913.001.471 L. de Faria e Maia
Largo da Concórdia 65 Companhia de Tecidos de Juta OP248 OP1914.001.289 Raul dos Santos Oliveira
Rua Concórdia s/n Companhia de Tecidos de Juta OP195 OP1913.001.518
Rua Concórdia 101 e 103 PH54 OP1910.000.710 Raul dos Santos Oliveira
Rua Concórdia 147 Fábrica Brasileira de Alpargatas e Calçados OP38 OP1908.000.665 Julio Micheli
Rua da Concórdia 147 Fábrica Brasileira de Alpargatas e Calçados OP60 OP1909.000.740 Julio Micheli
Rua da Concórdia 147 Fábrica Brasileira de Alpargatas e Calçados OP371 OP1915.001.178
Rua da Concórdia 16 Fábrica Brasileira de Alpargatas e Calçados OP124 OP1911.001.047
Travessa da Concordia s/n Companhia de Tecidos de Juta OP224 OP1913.001.520
Rua Conselheiro Belisário junto ao 52 Manoel Vieira da Luz OP123 OP1911.001.087 José Kanz
Rua Domingos Paiva 14 Fábrica Brasileira de Alpargatas e Calçados PH119 OP1907.000.401 Julio Micheli
Rua do Gasômetro 101 Alfredo Chauvet OP182 OP1907.000.677 Fernando Simões
Travessa Intendência 19 Companhia de Tecidos de Juta OP286 OP1914.002.379 Raul dos Santos Oliveira
Travessa Intendência 37 José Quedas OP125 OP1911.001.847
Travessa Intendência Boyes & Kirk OP284 OP1906.000.820
Rua Javary Rodolpho Crespi OP17 OP1907.000.900
Rua João Boemer 4 Senhores Tenore & Decannilis OP161 OP1912.002.483
Rua João Boemer 4,6 e 8 Sabino & Chieff OP134 OP1911.001.962
Rua João Boemer 58, esquina da rua Itapira-çaba Cezar A. Maluf OP87 OP1912.002.492
Rua Joaquim Carlos 50 Affonso Asteritto OP194 1913003094
Rua Joli 47 Companhia Ítalo Brasileira OP222 OP1913.003108 Benedicto Bettoy
Rua Joli 47 Cristiano Auvel OP7 OP1906.000.918 Augusto Fried
Rua Joli Esquina da rua Carlos Botelho Pedro Avignon OP258 OP1907.000.928
Rua Julio de Castilho 47 Sebastião Ferreira dos Santos OP182 OP1914.002.748 Joaquim Carlos Augusto Cavalheiro

Fonte: Séries Polícia e Higiene (PH) e Obras Particulares (OP) do Arquivo Históco Municipal de São Paulo.

APÊNDICE B

Tabela B Comércios dedicados ao consumo de artigos de estética pessoal com seus endereços e proprietários  

COMÉRCIO ENDEREÇO Nº. PROPRIETÁRIO ANO DO ALMANAQUE
Armarinhos e Fazendas Rua Barão de Ladário 55 e 57 Artigos Japoneses Fujisaki & Co. O Japão em São Paulo 1915
Barbearia e cabeleireiro Rua Benjamin de Oliveira 66 Thomaz Campanilo 1909
Barbearia e cabeleireiro Rua Brigadeiro Machado 20 Glycerio Gonçalves 1913, 1914
Alfaiate Rua Carneiro Leão 51 Domingos Nina 1914
Barbearia e cabeleireiro Rua Carneiro Leão 3 Antonio Fernandes Rodrigues 1901
Importação, exportação e representação / Ourives Rua Carneiro Leão 13B Marciano Amelio 1908, 1909
Ourives Rua Carneiro Leão 13C Mariano Amelio
Barbearia e cabeleireiro Rua Carneiro Leão 50 Gabriel Ramos 1901
Barbearia e cabeleireiro Rua Carneiro Leão 87 Alderise Amadeu 1901
Ourives Rua Carneiro Leão 133 Salvatore Sefiere 1901
Barbearia e cabeleireiro Rua Carneiro Leão 146 José Ciccivizzo 1908,191
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia s/n Assad Mustaf 1914
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 3A José Bernardo Gomes 1909
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 5 José Bernardo Pereira 1909
Chapelaria Avenida Celso Garcia 7 e 9 Agostinho Antonucci 1914
Alfaiate Avenida Celso Garcia 17 Francisco Angena 1901
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 21 Auf. Maria 1908
Armarinhos e fazendas / sapateiro Avenida Celso Garcia 25 Aref Muana / Roque Mariani & Filho 1914
Barbearia e cabeleireiro / Joalheria, relojoaria e ouriversaria Avenida Celso Garcia 36 Angelo Loppe / Emilio Bracco 1901, 1914
Chapelaria e camisaria / Sapataria / Fábrica de calçados / Perfumaria Avenida Celso Garcia 48 Antonio Lamana & C / Luiz Gargulli / n/c / Antonio Lamannat & C 1909, 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 50 M. Andrade 1914
Chapelaria Avenida Celso Garcia 60 Antonio Sopransi & Celeste 1914
Alfaiate Avenida Celso Garcia 65 José M. de Barros 1914
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 71 Domingos Resplendente 1909
Armarinhos e fazendas /Chapelaria Avenida Celso Garcia 75 Joleles Calag/ Salim Salomão 1908, 1914
Barbearia e cabeleireiros Avenida Celso Garcia 80 Eugenio Frabrizio 1901
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 97A Name Nassur 1914
Barbearia e cabeleireiros Avenida Celso Garcia 101A n/c 1909
Alfaiate Avenida Celso Garcia 102 Antonio Chaves de A. e Silva 1914
Barbearia e cabeleireiros Avenida Celso Garcia 105 Raphael Maroni 1909
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 117 Sedec Hayar 1908
Barbearia e cabeleireiros Avenida Celso Garcia 124 José Sparlino 1909
Barbearia e cabeleireiros Avenida Celso Garcia 126 Domingos Gomes 1909
Armarinhos e fazendas / Joalheria, relojoaria e ouriversaria Avenida Celso Garcia 141 Issa Geraub / Raphael Motta 1914
Alfaiate Avenida Celso Garcia 151 João Russo 1914
Joalheria, relojoaria e ouriversaria/Armarinhos e fazendas/Gramofones Avenida Celso Garcia 153 Nicola Duiacei e Luiz Olivia/Mario Jorge/Luiz Oliva 1901,1908, 1914
Armarinhos e fazendas/Chapelaria Avenida Celso Garcia 155 Zaki & Benjamin Curi 1914
Barbearia e cabeleireiros/Sapateiro Avenida Celso Garcia 163 Thomaz Amorati 1909, 1914
Armarinhos e fazendas / Quitanda Avenida Celso Garcia 165 José / Affonso Amirada 1914
Armarinhos e fazendas / Chapelaria Avenida Celso Garcia 203 Badih Tuina (Tuma) Estefan 1914
Sapateiro/Joalheria, relojoaria e ouriversaria Avenida Celso Garcia 228 Pellegrino Giuseppe/João Cariolano 1914
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 230 Antonio da Costa 1901
Joalheria, relojoaria e ouriversaria Avenida Celso Garcia 233 Pascoal Calderano 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 235 Manif & Dayan Hauma 1908
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 235A Isaac Abdo 1914
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 236 Antonio Esteves da Costa 1909
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 269 João Ribeiro 1909
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 271 Janile Mansur 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 279A Joseph Said 1908
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 285 Antonio Abdú 1908
Barbearia e cabeleireiro Avenida Celso Garcia 286 João Fonseca 1909
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 291A José Miguel Marchi 1908
Alfaiate Avenida Celso Garcia 302 Francisco Cavelucci 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 303 Assad Antonio Jacob 1908
Alfaiate Avenida Celso Garcia 308 Alexandre Tomeu 1914
Chapelaria Avenida Celso Garcia 317A Luiz de Lourenzi 1914
Chapelaria / Sapateiro Avenida Celso Garcia 327 Mauricio Cerrato 1914
Armarinhos e fazendas / chapelaria Avenida Celso Garcia 331 Antonio Assad Abdo 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 333 Taufic Tuma Estefan 1914
Barbearia e cabeleireiros / Perfumaria Avenida Celso Garcia 340 João Manoel de Souza / João Manuel de Souza 1909
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 347 José Antonio Queiroz 1908
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 393 José Antonio de Queiroz 1914
Sapateiro /Alfaiate Avenida Celso Garcia 398 Anastacio Maricola / Eleuterio San Juan 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 422 Antonio Elias 1908
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 428 Antonio Abrahão 1914
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 440 Antonio Isaac Manoel 1908
Armarinhos e fazendas Avenida Celso Garcia 505 Feliciano Antonio 1914
Loja de calçados Rua Concórdia 15A Antonio Manoel da Silva 1909
Fábrica Brazileira de Alpargatas e Calçados Rua Concórdia 16 Alpargatas 1909
Armarinhos e fazendas / Alfaiate Rua Concórdia 51 Jacomo Folco & Filhos 1910/1908
Armarinhos e fazendas Rua Concórdia 103 Sahd Pinto & Cia 1910
Fábrica e loja de calçados de lona Rua Concórdia 194 João Gonzalez Martin 1901
Barbearia e cabeleireiro Largo da Concórdia 2A Pedro Zambone 1909
Alfaiate com tinturaria Largo da Concórdia 3 Angelo Cancioni 1913/1914
Alfaiate Largo da Concórdia 4 José Matheus de Barros 1909
Barbearia e cabeleireiro Largo da Concórdia 6 Emidio Bordignon 1913
Barbearia e cabeleireiro Rua da Cruz Branca 1 Vicente de Oliveira Mene 1909
Alfaiate Rua Correia de Andrade 2 Achiles Laippi 1909
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro s/n Raymundo Nonato Moreira de Mattos 1909
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro s/n Avelino da Costa Lima 1909
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro s/n Vicente Mantanaro 1909
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro 13 Francisco Chiasco 1908
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro 13 Francisco Chiasco 1908
Fábrica de calçados Rua do Gasômetro 13 e 15 R. Hespanhol & Irmão 1910
Loja de calçados Rua do Gasômetro 24 Antonio Diciatteo 1901
Fábrica de calçados Rua do Gasômetro 33 Eduardo Rodrigues 1910,191
Alfaiate Rua do Gasômetro 38 Oscar Cesar 1908,1909
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro 49A Francisco Garcia 1908,191
Tinturaria Rua do Gasômetro 53 Avino Angelo 1908
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro 58 José Scardini / 1908, 1909
Alfaiate Rua do Gasômetro 63 n/c 1910
Acessórios para calçados Rua do Gasômetro 65 / José Reccate 1910
Loja de sapatos Rua do Gasômetro 66 José Guerra 1908
Joalheria / Alfaiate Fábrica de calçados Rua do Gasômetro 73 Giovani D'Alesio J. / Aristides Lavure 1901, 1908, 1910
Joalheria, relojoaria e ourives / Bar e bebidas Rua do Gasômetro 75A Francisco (Frederico?) Matheus/Miguel Eurico 1901, 1909
Joalheria, relojoaria e ourives Rua do Gasômetro 75C Berton Rinaldi 1901
Barbearia e cabeleireiro Rua do Gasômetro 80 Emilio Vitelli 1910
Chapeus para senhoras Rua do Gasômetro 81 Iolo Petronieri 1910
Barbearia e cabeleireiro / Loja de sapatos Rua do Gasômetro 87 Dante Cicqueriva e Figli / Denotti Spina 1911
Armarinhos e fazendas Rua do Gasômetro 98 José Sabba 1909
Fábrica de formas para calçados Rua do Gasômetro 101 Alfredo Chauvet 1908,191
Fábrica de calçados Rua do Gasômetro 115 João Navajas 1911
Fábrica de calçados Rua do Gasômetro 158 R. Hespanhol & Irmão 1911, 1913
Alfaiate Rua Maria Marcolina 89A Cirpiano Parada 1913, 1914
Barbearia e cabeleireiro Rua Maria Marcolina 56 Antonio Francisco 1909, 1913
Armarinhos e fazendas, camisaria / Roupas feitas Rua Maria Marcolina 57 Riskallah Yunes - atacado 1913, 1915
Roupas feitas Rua Maria Marcolina 60 Said Guebara e Irmãos 1915
Barbearia e cabeleireiro Rua Maria Marcolina 82 Miguel Pastore 1908, 1909
Barbearia e cabeleireiros Rua Maria Marcolina 109 Joaquim Mendes 1913,191
Fábrica de calçados e chapelaria Rua Maria Marcolina 118 Luiz Argento 1913,191
Barbearia e cabeleireiro Rua Maria Marcolina 137 Claudio Caude 1908,191
Oficina de calçados Rua Maria Marcolina 161 Sepentino Serraceno 1913
Barbearia e cabeleireiro Rua Maria Marcolina 173 Claudio Caude 1908
Armarinhos e fazendas Rua Maria Marcolina 189 José Miguel Addur & Irmão 1913
Barbearia e cabeleireiro Rua Miler s/n D. Maria Thereza Catajara 1909
Alfaiate Rua Monsenhor Anacleto 24 A. de Barros 1910
Perfumaria Rua Monsenhor Andrade 16 Verinero Fiori 1908,191
Armarinhos e fazendas Rua Monsenhor Andrade 32 Thomaz Iervolino 1911
Armarinhos e fazendas Rua Monsenhor Andrade 34 Demetrio Jorge 1909
Alfaiate Rua Monsenhor Andrade 35A José Merente 1914
Alfaiate Rua Monsenhor Andrade 37 Salvador Achani 1909
Barbearia e cabeleireiro / Charutaria / Joalheria, relojoaria e ouriversaria Rua Monsenhor Andrade 45 Chievegai Serafino 1909
Armarinhos e fazendas / chapelaria Rua Monsenhor Andrade 50 Afeo Chefi / Zaky e Benjamin Cury 1909, 1914
Barbearia e cabeleireiro Rua Monsenhor Andrade 55 Achilles Albarello 1909
Armarinhos e fazendas Rua Monsenhor Andrade 94B Genesso Concilio - importação de fazendas 1909
Barbearia e cabeleireiro / Alfaiate Rua Monsenhor Andrade 74 Felicio Villona / Nure Abud 1901, 1910
Tinturaria Rua Monsenhor Andrade 80 Stefano Caputo 1911
Barbearia e cabeleireiro Rua Monsenhor Andrade 105 Achilles Albarello 1910
Alfaiate Rua Monsenhor Andrade 144A Eugenio Pizzoti 1914
Armarinhos e fazendas Rua Oriente 69 Antonio Jorge 1909
Barbearia e cabeleireiro / Charutaria Rua Oriente 76 Antonio Jorge 1909
Armarinhos e fazendas / Barbearia e cabeleireiro Rua Oriente 158 Miguel Elias / Alipio Pires Cavalheiro 1909
Barbearia e cabeleireiro / Charutaria / Joalheria, relojoaria e ouriversaria Rua Piratininga 2 Angelo Laparia / Francisco Uglioni / Saverio de Limon 1906, 1909, 1910
Joalheria, relojoaria e ourives Rua Piratininga 14C João Martins 1908,191
Armarinhos e fazendas Rua Piratininga 35 Saram Assad 1910
Armarinhos e fazendas Rua Piratininga 43 Alfredo Issa e Ohenote 1910
Barbearia e cabeleireiro Rua Piratininga 43E João Mariorano 1909
Barbeiro e cabelereiro Rua Piratininga 51 Januario Saleppi Irmão 1901
Armarinhos e fazendas Rua Piratininga 55 Marchetti Antonil 1910
Barbearia e cabeleireiro Rua Piratininga 58A Domingos Matroni 1901
Armarinhos e fazendas Rua Piratininga 77B José Zaitan 1910
Alfaiate Rua Piratininga 104 / Vicente Centre 1906
Joalheria, relojoaria e ourives Rua Piratininga 106 Colombo Emanuele 1901
Barbearia e cabeleireiro Rua Piratininga 106A Cazemiro Nazareth 1909
Loja de calçados / Joalheria, relojoaria e ouriversaria Rua Piratininga 106C Angelo Sinigliglia / Colombo Manuel 1908, 1910
Joalheria, relojoaria e ourives Avenida Rangel Pestana s/n Jorge Palmieri 1901
Barbearia e cabeleireiro / Loja de calçados Avenida Rangel Pestana 9 José Santini / Luiz Pinto Vigo 1905(?)
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 15 Marone Raphael 1901
Chapéus para homens Avenida Rangel Pestana 23 Betamini Marchiani 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 25 Berlindo, Moniz & C 1906
Bar e bebidas / Alfaiate Avenida Rangel Pestana 31 José Pizzi / Gabriel Caputo 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 34 Affonso S. Alves 1906
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 35 Miguel Mortara 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 41 Geovane Pergamo / Giovanni Pergamo 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 43 Seraphim Adamo 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 50 Raphael Ramos 1906
Loja de calçados Avenida Rangel Pestana 53 R. Hespanha & Irmão / R. Hespanha & Filho 1906
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 68 José Petrillo 1908 (?)
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 70 Manoel Rodrigues Orphão 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 70A Thomaz Filosso 1901
Loja de calçados Avenida Rangel Pestana 73 M. de Rezende 1908
Chapelaria Avenida Rangel Pestana 80 Alberto Merlino 1901
Loja de calçados Avenida Rangel Pestana 81 Olivieri Orazio 1906
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 85 Francisco Amirato 1901
Alfaiate / Perfumaria Avenida Rangel Pestana 89 Elias Demetrio / Elias Demetrio 1909, 1914
Barbearia e cabeleireiro / Fumos Avenida Rangel Pestana 94 Paschoal Buglioni / José Natano 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 94A Paschoal Buglioni / José Natano 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 95 Luiz Lafemena 1906
Chapéus para senhoras Avenida Rangel Pestana 99A Alexandre Casagrande 1906
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 102 Sucio Fiori 1901
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 104 Jacob Galante 1901
Joalheria, relojoaria e ourives Avenida Rangel Pestana 104A Oreste Giovanini 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 106 Geraldo Boscio 1906
Armarinhos e fazendas Avenida Rangel Pestana 108 Salvador Mellili / Giacomo Albano & Fratello produtos Italianos 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 108 e 114 Antonio Caruso 1901
Barbearia e cabeleireiro / Fumos Avenida Rangel Pestana 114 Henrique Avensi 1906
Armarinhos e fazendas / Sapateiro Avenida Rangel Pestana 119 Salvatore Ferreri / Alfredo Pessoa 1901, 1905
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 120B Monteiro & C 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 124 Francisco Amnirado / Januario Vitello 1901, 1906
Perfumaria Avenida Rangel Pestana 129 Jorg & Rafic Dimitre 1909
Armarinhos e fazendas Avenida Rangel Pestana 135 Maria Luiza C. Araújo s/d
Chapelaria / Alfaiate Avenida Rangel Pestana 137 Salvador Pelusso / João Irad e Filhos 1906, 1914
Perfeumaria Avenida Rangel Pestana 140 JPedro & Monteiro 1909
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 141 Pedace Bruno & Cia 1906
Barbearia e cabeleireiro / Alfaiate Avenida Rangel Pestana 144 Vicente Costabile / Manune & Irmão / Adão Ferrari 1906, 1908
Chapelaria / Loja de Calçados Avenida Rangel Pestana 147 Agnelo Taciullo / E. Canzatto & Filho 1901
Chapéus de Sol Avenida Rangel Pestana 147 e 149 Julieta Augusta Ferreira 1901
Joalheria, relojoaria e ourives Avenida Rangel Pestana 149 Irena Galdo 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 151 Raffaelli Marroni / 1901
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 153 Viúva Domingos & C 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 156A Isidoro Capel 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 156B Salvador Pugliesi 1906
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 159 Ernesto Ricciardi 1906
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 161 José Cleto 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 166 Diogo Vito 1906
Chapelaria / Loja de Calçados Avenida Rangel Pestana 167 Antonio Cardoso Alves / João Rosso 1901
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 170 Manoel Rodrigues Orphão 1906
Loja de calçados / Joalheria, relojoaria e ouriversaria Avenida Rangel Pestana 171 Luiz Cardamone / José de Lourenzo 1901
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 173 Moyses Mirheg Cinati 1914
Loja de calçados Avenida Rangel Pestana 174 Salvador Avino 1906
Fábrica de calçados / Concerto de relógios Avenida Rangel Pestana 185 Abramo Gemianini / Casa Crimiti 1901, 1914
Loja de calçados / Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 192 José Pelegrino /Affonso Pelegrino 1901, 1906
Loja de calçados / Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 196 Francisco Ribeiro Neves / Benedito de Miranda/ 1901, 1906
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 198 / Vicente da Silva 1901
Chapelaria Avenida Rangel Pestana 199 Carminne Pastore 1908 (?)
Loja de calçados Avenida Rangel Pestana 202 Venture Luz 1901
Alfaiate / Joalheria, relojoaria e ourives Avenida Rangel Pestana 206 Gilberto de Almeida Fernandes 1901
Alfaiate / Perfumaria Avenida Rangel Pestana 206A Leonetto Adami 1909, 1914
Perfumaria Avenida Rangel Pestana 207 Nassib e Elias Trabulsi 1909
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 208 Luiz Bragetti 1906
Concerto de relógios Avenida Rangel Pestana 211 Formisami Germia 1901
Armarinhos e fazendas Avenida Rangel Pestana 215 Lindolpho Augusto Guimarães 1901
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 215A Genaro Osmano 1901
Perfumaria Avenida Rangel Pestana 219 Diogo de Aguiar 1908
Alfaiate / Perfumaria Avenida Rangel Pestana 225 Moyses Murheg Cinante (Moyses & Mirheg Arranti) / Antonio Calloco e Saverio Calloco 1904, 1908, 1914
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 225A Ricelli Giuseppe 1901
Alfaiate / Ouriversaria / Perfumaria Avenida Rangel Pestana 231 Marcos Gasparian / Antonio dos Santos / Marcos Gasparian 1901, 1909, 1914
Perfumaria Avenida Rangel Pestana 232 Affonso Peliguni 1909
Companhia de Calçados Clark Limited Avenida Rangel Pestana 233 Calçados Clark 1914
Barbearia e cabeleireiro Avenida Rangel Pestana 237 Maria Catapon / Miguel Prato 1901, 1906
Barbearia e cabeleireiro / Loja de calçados / Avenida Rangel Pestana 247 Martano Alfano, Spinneli & Irmão / Salvador Feliz 1906, 1908
Alfaiate Avenida Rangel Pestana 248 Francisco & Carmo Trabulsi 1914
Perfumaria Avenida Rangel Pestana 262 Felipe Tuma Stefan 1909
Companhia de Calçados Rocha / Concerto de relógios Avenida Rangel Pestana 269 Antonio dos Santos 1914
Perfumaria Avenida Rangel Pestana 275 Andrea Alfano 1909
Barbeiro e cabeleireiro Rua Rodrigues dos Santos 26 Basílio Aurichi 1908
Barbearia e cabeleireio Rua Santa Rosa s/n Antonio Giovedi 1909
Barbearia e cabeleireiro Rua Santa Rosa 1A Miguel Romano 1901, 1909
Alfaiate Rua Santa Rosa 18 Pedro Pasmaresco 1914
Barbeiro e cabelereiro Rua Santa Rosa 31 Contato Giuseppe 1901
Barbeiro e cabelereiro Rua Santa Rosa 63 Maximine Ferrarésé 1901
Alfaiate Rua Santa Rosa 110 José Manzione 1914
Chapelaria Rua Santa Rosa 11 Ognibene Raffaelo 1909
Chapelaria Rua Santa Rosa 29 Augustino Chasco 1901
Barbearia e cabeleireiro Rua São Caetano 156 Antonio Sprovieri 1901
Armarinhos e fazendas Rua Visconde de Parnaíba 136 Giacomo Falcão 1909
Perfumaria Rua Visconde de Parnaíba 200D Arthur Lopes 1909
Chapeus de feltro e de palha para homens Rua Vinte e Um de Abril 28 e 30 J. Bossio & Filho 1910

Fonte: Almanak Laemmert.

Recebido: 31 de Outubro de 2017; Aceito: 25 de Julho de 2018

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons