SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue3A serotonina inibe reações de pânico? Um estudo de depleção de triptofano em pacientes portadores de transtorno de pânico em remissão após tratamento com paroxetinaTratamento farmacológico de psicose e agitação em pacientes idosos com demência: quatro décadas de experiência author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Archives of Clinical Psychiatry

Print version ISSN 0101-6083

Rev. psiquiatr. clín. vol.30 no.3 São Paulo  2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832003000300006 

RESUMO COMENTADO

 

Transtorno de ansiedade social como fator de risco para depressão

 

 

Mariangela Gentil Savoia

Doutora em Psicologia pela USP. Psicóloga pesquisadora do AMBAN - Instituto de Psiquiatria do HCFMUSP

Endereço para correspondência

 

 

Stein M.B., Fuetsch M., Muller N.M., Lib R., Wittchen H. Social anxiety disorder and the risk of depression. Arch Gen Psychiatry 58: 251-6, 2001

Os autores se propõem a estudar a relação entre ansiedade social e depressão, hipotetizando que o transtorno de ansiedade social antecede os transtornos depressivos. Tendo em vista que o transtorno de ansiedade social tem a sua primeira manifestação na adolescência, os autores averiguaram essa hipótese em uma amostra de 3.021 adolescentes e adultos jovens (14 a 24 anos). Os dados foram coletados como parte de um estudo longitudinal prospectivo em dois momentos, na linha de base e no seguimento. Foi verificado que a ansiedade social em adolescentes e em adultos jovens é um preditor importante não só para a depressão, mas também para a gravidade desta. Uma comparação relevante é que a ansiedade social com início na adolescência tem um impacto mais deletério do que quando ocorre a primeira manifestação da doença após essa fase. Os autores discutem algumas inferências apontadas pela literatura referentes ao papel da esquiva e da ansiedade na contribuição para o isolamento social e conseqüente depressão.

Não é discutido o papel do desenvolvimento de habilidades sociais que costumam ser adquiridas na fase da adolescência, o que talvez explique o porquê de os adultos jovens apresentarem um melhor prognóstico de depressão do que os adolescentes.

A relevância deste trabalho está em tentar esclarecer a ocorrência da co-morbidade entre depressão e ansiedade social, o que é freqüente. Van Ameringen et al., 1991, evidenciaram uma prevalência de 70% de depressão maior em fóbicos sociais. A indicação de que a gravidade do transtorno depressivo está relacionada com a idade inicial em que se manifesta a ansiedade social pode levar o profissional de saúde a pensar em um trabalho preventivo.

 

Referência bibliográfica

Van Ameringen, M.; Mancini, C.; Styan, G.; Donison, D. Relationship of social phobia with other psychiatrc illness. J Affect Disord 21: 93-9, 1991.

 

 

Endereço para correspondência
Instituto e Departamento de Psiquiatria da FMUSP
Rua Dr. Ovídio Pires de Campos s/n
São Paulo, SP - CEP 05403-010

Recebido: 19/5/2003
Aceito:5/6/2003