SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue4Body image in eating disordersBinge eating disorder author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo)

Print version ISSN 0101-6083On-line version ISSN 1806-938X

Rev. psiquiatr. clín. vol.31 no.4 São Paulo  2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832004000400007 

ARTIGO ORIGINAL

 

Peculiaridades do tratamento da anorexia e da bulimia nervosa na adolescência: a experiência do PROTAD*

 

Peculiarities in the treatment of anorexia and bulimia nervosa in adolescence: the PROTAD experience

 

 

Vanessa Pinzon; Ana Paula Gonzaga; Alícia Cobelo; Eunice Labaddia; Patrícia Belluzzo; Bacy Fleitlich-Bilyk

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Os transtornos alimentares são patologias severas, tendo aspectos especiais na adolescência. Este artigo objetiva apresentar a rotina de atendimento e as abordagens empregadas em um serviço de assistência brasileiro especializado no tratamento de transtornos alimentares nessa população.

Palavras-chave: Transtornos alimentares, tratamento, adolescência.


ABSTRACT

The particular aspects of eating disordes in adolescents are reviwed. This article presents the multidisciplinary approach used in this population.

Keywords: Eating disorders, treatment adolescense.


 

 

Introdução

Os transtornos alimentares constituem patologias graves, complexas e com alto grau de morbidade, sobretudo na adolescência, quando freqüentemente iniciam e afetam ampla e severamente o desenvolvimento do indivíduo. Apresentam prognóstico reservado e, caracteristicamente, envolvem a família. O tratamento-padrão deve ser multidisciplinar. Os melhores resultados parecem ocorrer naqueles casos de intervenção precoce durante a adolescência, evitando as formas crônicas e imutáveis das doenças alimentares (Lock et al., 2001). Bryan Lask enfatiza que o sucesso de um programa de atendimento integrado e completo depende de uma equipe multiprofissional e do emprego simultâneo de várias estratégias (Lask e Bryant-Waugh, 2000). Treasure, Todd e Szmukler enfatizam que nenhuma modalidade de tratamento pode ser indicada como única ou isoladamente melhor (Szmukler et al., 1995).

Tais pressupostos embasaram a formação do PROTAD, em funcionamento desde novembro de 2001. Representa a primeira experiência brasileira de um serviço multidisciplinar voltado para o tratamento especializado de adolescentes com transtornos alimentares. Sua equipe é formada por psiquiatras, nutricionistas, psicólogos, psicopedagogos e endocrinologistas. Funciona em uma instituição pública, de caráter eminentemente acadêmico, tendo como população-alvo as classes sociais menos favorecidas, e seus profissionais integrantes são todos voluntários.

O presente artigo tem como objetivo compartilhar com a comunidade científica em geral a rotina de atendimento e as abordagens empregadas com o suporte teórico que as norteia.

 

Estrutura de atendimento do PROTAD

Atendimento familiar

Em um estudo de revisão de literatura nas últimas três décadas, um dado é colocado como único e inquestionável: a maior eficácia da terapia familiar para pacientes jovens no início da doença dentre todas as outras abordagens terapêuticas (Kaplan, 2002). A maioria dos trabalhos publicados concorda que a terapia familiar, assim como o aconselhamento para pais, constituem o método mais eficaz no tratamento dos pacientes dessa faixa etária (Eisler et al., 2000; Geist et al., 2000; Robin et al., 2001).

No PROTAD, esse trabalho é realizado através de três tipos de intervenção. As entrevistas familiares são feitas por terapeuta familiar com todas as famílias de pacientes de forma individualizada, com o objetivo de diagnóstico familiar e para manejos pontuais, quando necessários. O grupo de mães é realizado quinzenalmente também por terapeuta familiar e possui como foco de trabalho psicodinâmico a relação mãe-filho ou mãe-filha. O grupo psicoeducativo multifamiliar, conduzido por terapeuta cognitivo-comportamental, visa a oferecer informações sobre os transtornos alimentares, o tratamento e outros assuntos igualmente relevantes, como a adolescência.

Atendimento cognitivo-comportamental

No modelo cognitivo-comportamental, as alterações na cognição, levando a sentimentos de angústia e resultando em comportamento anormal, são o foco dos transtornos alimentares (Garfinkel e Garner, 1982). A perda de peso pode ser vista como alívio para a angústia e inquietação da adolescência, podendo constituir uma tentativa de controle sobre os outros e sobre si mesmo. No tratamento com adolescentes, o método cognitivo-comportamental ajuda a fazer a ligação entre pensamentos e sentimentos e facilita a expressão das emoções (White e Freeman, 2003).

Em nosso serviço, o atendimento é feito em grupo por terapeuta cognitivo-comportamental, reunindo pacientes com diferentes diagnósticos alimentares. Tem periodicidade semanal e duração de uma hora. Há reforço de que a auto-avaliação positiva possa desenvolver-se do sucesso em pequenas atividades e conquistas pessoais. É fundamental que os pacientes entendam a interação entre pensamentos, sentimentos e disfunções de comportamentos. Observam que o peso não é o problema real, mas que outros problemas mais importantes estão dirigindo e mantendo o transtorno alimentar.

Atendimento nutricional

A "terapia nutricional" para os transtornos alimentares deve ser um processo integrado, no qual o nutricionista e a equipe trabalham juntos para modificar os comportamentos relacionados ao peso e à alimentação (Ednos, 1984; Ednos, 2001). Além disso, a família tem papel fundamental no seguimento do plano alimentar.

No PROTAD, o tratamento nutricional é feito por nutricionista, a qual avalia o peso e a alimentação atual do paciente, passando conceitos sobre uma alimentação adequada, a fim de desmistificar falsos mitos e crenças. A realimentação é feita de forma gradativa envolvendo diretamente o paciente e seus responsáveis. As combinações são avaliadas pelas informações trazidas no diário alimentar, juntamente com o peso de cada atendimento e através de discussões com a equipe multidisciplinar.

Atendimento psicodinâmico

Os artigos apontam a importância da inclusão do tratamento psicodinâmico no intuito de ajudar o paciente com transtorno alimentar a entender o significado dos sintomas manifestados (Zerbe, 2001). Tratando-se de adolescentes, a maioria dos autores elege a psicoterapia grupal como procedimento de escolha "por corresponder à natural inclinação dos adolescentes de procurar, no grupo de iguais, a caixa de ressonância ou continente para suas ansiedades existenciais" (Osório, 2000 pg.79). Porém, ainda são poucos os estudos sobre o tratamento de adolescentes com transtornos alimentares em grupos psicodinâmicos.

Os grupos, em nosso serviço, são orientados por psicanalistas e co-orientados por psicólogos, reúnem pacientes com diferentes tipos de doença alimentar, ocorrem semanalmente e têm duração de uma hora.

Atendimento médico

A consulta médica oportuniza a identificação e manejo dos sintomas através de técnicas cognitivo-comportamentais de forma individualizada e a avaliação da necessidade de medicação.

Abordagens cognitivo-comportamentais adequadas para jovens com transtornos alimentares vêm sendo desenvolvidas progressivamente. Uma das mais consagradas é o diário alimentar (Hawton, 1989).

Em nosso serviço, o diário alimentar integra todos os atendimentos psiquiátricos. Ele permite ao profissional e ao paciente conhecer e manejar as peculiaridades da doença.

Outro aspecto relevante do atendimento psiquiátrico diz respeito às medicações; os antidepressivos são as que possuem maior aplicabilidade (Casper, 2002). No tratamento da anorexia nervosa, o enfoque medicamentoso, mais freqüentemente, dá-se depois do peso restabelecido.

Os inibidores seletivos de recaptação de serotonina são comumente considerados naqueles pacientes com transtorno psiquiátrico comórbido (Crow e Brown, 2003). Na bulimia nervosa, o emprego desses fármacos visa a diminuir tanto compulsões e vômitos muito intensos e resistentes à abordagem psicoterápica, quanto os quadros psiquiátricos associados. A fluoxetina tem sido a medicação de escolha (Kotler e Wash, 2000).

 

Considerações finais

A diversidade de fatores envolvidos nos quadros alimentares na adolescência, a necessidade de equipes multidisciplinares com profissionais distintos e a utilização de diferentes métodos terapêuticos facilitam desacordos quanto às abordagens mais relevantes a serem empregadas no tratamento dos quadros alimentares. Daí, a necessidade de uma equipe que consiga conviver e valorizar as diferenças e compartilhe dos mesmos princípios. Desde o início do PROTAD, observou-se que contribuem para a formação e manutenção de um trabalho com tais características uma rotina de reuniões semanais com a participação de todos os membros da equipe, decisões conjuntas, discussão periódica dos casos e continência das experiências vividas pela equipe.

A realização desse trabalho numa instituição acadêmica e financiada por recursos públicos exige a utilização de técnicas que reúnam capacidade terapêutica e atenção a um maior número possível de indivíduos. As intervenções em grupo, amplamente usadas nesse serviço, são um excelente exemplo dessa união.

Cientes da necessidade de validação científica de nosso trabalho, a análise do impacto do tratamento oferecido pelo PROTAD deverá ser o foco de futuras publicações.

 

Referências bibliográficas

CASPER, R.C.- How Useful are Pharmacological Treatments in Eating Disorders? Psychopharmacol Bull 36(2): 88-104, 2002.        [ Links ]

CROW, S. & BROWN, E.- Investigational Drugs for Eating Disorders. Expert Opin Investig Drugs 12(3): 491-9, 2003.        [ Links ]

EDONOS, J.- Position of American Dietetic Association: Nutricional Intervention in the Treatment of Anorexia Nervosa, Bulimia Nervosa, and Eating Disorders not Otherwise Specified. Am Diet Assoc 194(8): 902-7, 1994.        [ Links ]

EDNOS, J.- Position of American Dietetic Association: Nutricional Intervention in the Treatment of Anorexia Nervosa, Bulimia Nervosa, and Eating Disorders not Otherwise Specified. Am Diet Assoc 101(7): 810-9, 2001.        [ Links ]

EISLER, I.; DARE, C.; HODES, M.; RUSSELL, G.; DODGE, E. & LE GRANGE, D.- Family Therapy for Adolescent Anorexia Nervosa: the Results of a Controlled Comparison of two Family Interventions. J Chil Psycol Psychiatry 41(6): 727-36, 2000.        [ Links ]

GARFINKEL, P.E. & GARNER, D.M.- Anorexia Nervosa: A Multidimensional Perspective. Brunner/ Mazel, New York, 1982.        [ Links ]

GEIST, R.; HEINMAMAA, M.; STEPHENS, D.; DAVIS, R. & KATZMAN, D.K.- Comparison of Family Therapy and Family group Psychoeducation in Adolescents with Anorexia Nervosa. Can J Psychiatry 45(2): 173-8, 2000.        [ Links ]

HAWTON, K.; SALKOVSKIS, P.M.; KIRK, J. & CLARK, D.M. — Cognitive Behaviour Therapy for Psychiatric Problems: a Practical Guide. Oxford University Press, New York, USA, 1989.        [ Links ]

Kaplan, A.S.- Psychological Treatments for Anorexia Nervosa: a Review of Published Studies and Promising new Directions. Can J Psychiatry 47(3): 235-42, 2002.        [ Links ]

Kotler, L.A. & Wash, B.T.- Eating Disorders in Children and Adolescents: Pharmacological Therapies. Eur Child Adolesc Psychiatry 9(1): I108-16, 2000.        [ Links ]

Lask, B. & Bryant- Waugh, R.- Anorexia Nervosa and Related Eating Disorders in Childhood and Adolescence. Psychology Press, 2nd edition, London, UK, 2001.        [ Links ]

Lock, J.; Le Grange, D.; Agras, S.W. & Dare, C. - Treatment Manual for Anorexia Nervosa: A Family-Based Approach. The Guilford Press, New York, 2001.        [ Links ]

Osório, L.C.- Grupos Teorias e Práticas., Ed. Artmed, Porto Alegre, 2000.        [ Links ]

Robin, A.L.; Siegel, P.T.; Moye, A.W.; Gilroy, M.; Dennis, A.B. & Sikand, A.- A Controlled Comparison of Family versus Individual Therapy for Adolescents with Anorexia Nervosa. J Am. Acad Child Adolesc Psychiatry 40(2): 129-30,2001.        [ Links ]

Szmukler, G.; Dare, C. & Treasure, J. — Handbook of Eating Disorders: Theory, Treatment and Research. John Wiley & Sons Ltd, New York, 1995.        [ Links ]

White, J.R. & Freeman, A.S. - Terapia cognitivo-comportamental em grupo para populações e problemas específicos. Editora Roca, São Paulo, 2003.        [ Links ]

Zerbe, K.J.- The Crucial Role of Psychodynamic Understanding in the Treatment of Eating Disorders. Psychiatric Clinics of North America 24(2): 305-13, 2001.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
AMBULIM
Rua Dr. Ovideo Pires de Campos, 785 — 2º andar
05403-010 — São Paulo — SP
e-mail: ambulim@hcnet.usp.br
Fone: (11) 3069-6975.

Recebido: 02/09/2004 - Aceito: 15/09/2004

 

 

* Programa de Atendimento, Ensino e Pesquisa em Transtornos Alimentares na Infância e na Adolescência — Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares — IPq — Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License