SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue3Revising the empty nest's syndrome concept author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo)

Print version ISSN 0101-6083On-line version ISSN 1806-938X

Rev. psiquiatr. clín. vol.36 no.3 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832009000300006 

CARTA AO EDITOR

 

Uma reavaliação do diazepam intramuscular para emergências psiquiátricas

 

 

Pedro Vieira da Silva Magalhães

M.D., M.Sc., Molecular Psychiatry Laboratory, Hospital de Clínicas de Porto Alegre e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Endereço para correspondência

 

 

Mesmo que medicações orais sejam preferidas sempre que possível, o uso intramuscular (IM) de psicotrópicos é frequentemente necessário em emergências psiquiátricas. O uso de benzodiazepínicos tem sido recomendado em diretrizes recentes por terem eles menor incidência de efeitos colaterais, especialmente sintomas extrapiramidais, quando comparados com antipsicóticos típicos1.

O lorazepam tem sido o benzodiazepínico de escolha em razão da confiabilidade de sua absorção; sua formulação parenteral, entretanto, não está disponível no Brasil. Isso provavelmente explica a adição de prometazina, um anti-histamínico sedativo, ao haloperidol em emergências2. Essa combinação tem a virtude de ter sido testada em vários ensaios clínicos randomizados de alta qualidade, com centenas de pacientes expostos3. A adição de prometazina ao haloperidol, entretanto, não foi comparada à combinação de benzodiazapíco e antipsicótico, que é prática-padrão, ao menos em países onde o lorazepam parenteral está disponível1.

O uso intramuscular de diazepam foi pouco explorado em pesquisa clínica; isso está provavelmente relacionado a dificuldades farmacocinéticas na sua administração glútea por via IM. Embora a absorção de certas drogas após injeção IM possa ser errática, levando à resposta clínica imprevisível, músculo é mais vascular que tecido subcutâneo, com a absorção mais rápida após administração no deltóide e mais vagarosa após injeções no glúteo4. Dois estudos demonstraram que o uso IM de diazepam foi tão efetivo quanto o de lorazepam contra a ansiedade5 e como sedação antes de eletroconvulsoterapia em pacientes com psicose crônica6.

Alguns estudos demonstraram que a administração no deltoide torna a absorção do diazepam mais confiável. Em um ensaio clínico randomizado, do tipo cross-over, a absorção do diazepam após injeção no deltoide foi rápida e completa7. Em outro experimento com sujeitos saudáveis, a absorção foi mais rápida e teve efeito clínico mais pronunciado após administração no ombro que na coxa8.

Com os dados farmacocinéticos disponíveis, é possível argumentar que a administração deltoide de diazepam em adição ao haloperidol poderia ser testada em um ensaio clínico em comparação ao haloperidol e prometazina. Entre os benzodiazepínicos disponíveis no Brasil, o diazepam tem vantagens claras sobre o midazolam, já que é aproximadamente 15 vezes mais barato e amplamente disponível em serviços de emergência para o tratamento de convulsões. Caso a administração deltoide de diazepam se demonstre efetiva em emergências psiquiátricas, deverá haver benefício para os pacientes por terem outra opção útil no tratamento da agitação.

 

Referências

1. Allen MH, Currier GW, Hughes DH, Reyes-Harde M, Docherty JP. Expert Consensus Panel for Behavioral Emergencies. The Expert Consensus Guideline Series. Treatment of behavioral emergencies. Postgrad Med. 2001 (Spec No):1-88.         [ Links ]

2. Huf G, da Silva Freire Coutinho E, Fagundes HM Jr, Oliveira ES, Lopez JR, Gewandszajder M, et al. Current practices in managing acutely disturbed patients at three hospitals in Rio de Janeiro-Brazil: a prevalence study. BMC Psychiatry. 2002;2:4.         [ Links ]

3. Huf G, Alexander J, Allen MH. Haloperidol plus promethazine for psychosis induced aggression. Cochrane Database Syst Rev. 2005 Jan 25;(1):CD005146.         [ Links ]

4. Tuttle CB. Intramuscular injections and bioavailability. Am J Hosp Pharm. 1977;34(9):965-8.         [ Links ]

5. Ananth J, Van den Steen N. Intramuscular lorazepam. A double-blind comparison with diazepam and placebo. Neuropsychobiology. 1983;9(2-3): 139-41.         [ Links ]

6. Rousos AP, Hazlewood R, Orr R. Intramuscular diazepam as anti-anxiety agent in SCC-modified EST. Dis Nerv Syst. 1969;30(11):752-7.         [ Links ]

7. Divoll M, Greenblatt DJ, Ochs HR, Shader RI. Absolute bioavailability of oral and intramuscular diazepam: effects of age and sex. Anesth Analg. 1983;62(1):1-8.         [ Links ]

8. Korttila K, Linnoila M. Absorption and sedative effects of diazepam after oral administration and intramuscular administration into the vastus lateralis muscle and the deltoid muscle. Br J Anaesth. 1975;Aug;47(8): 857-62.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Pedro Vieira da Silva Magalhães
Laboratório de Psiquiatria Molecular
Hospital das Clínicas
Rua Ramiro Barcelos, 2350
90035-003
E-mails: pedromagaz@gmail.com e maga@ufpel.tche.br

Recebido: 6/10/2008
Aceito: 29/10/2008

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License