SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número5Propriedades da Escala de Religiosidade de Duke em uma amostra de pós-graduandos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo)

versão impressa ISSN 0101-6083

Rev. psiquiatr. clín. vol.39 no.5 São Paulo  2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832012000500008 

CARTA AO EDITOR

 

Implicações dos estudos brasileiros em psiquiatria e espiritualidade

 

Implications of Brazilian studies in psychiatry and spirituality

 

 

Alexander Moreira-Almeida

Núcleo de Pesquisas em Espiritualidade e Saúde (Nupes), Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil

Endereço para correspondência

 

 

Embora tenha havido grande aumento nas publicações e interesse na área de espiritualidade e psiquiatria, essas pesquisas e publicações ainda têm se concentrado na América do Norte e Europa, refletindo as realidades daquelas regiões do planeta. Até alguns anos atrás, havia poucos dados e reflexões sobre o contexto brasileiro. No entanto, felizmente, essa situação tem se revertido com um crescente número de estudos brasileiros sobre o tema sendo publicados. Nesse aspecto, a Revista de Psiquiatria Clínica tem se destacado como instrumento de difusão de pesquisas, revisões e mesmo instrumentos de investigação na área de espiritualidade e psiquiatria. Vale destacar alguns achados publicados nos últimos dois anos pela revista que têm implicações diretas para a pesquisa e a prática clínica.

Um levantamento nacional1 mostrou o alto nível de religiosidade da população brasileira, indicando que 83% dos brasileiros consideram religião como muito importante em suas vidas e mais de um terço frequenta um serviço religioso pelo menos uma vez por semana. Outro achado relevante foi o sincretismo do brasileiro, já que 10% referiram frequentar mais de uma religião. Provavelmente, esse nível de sincretismo seria ainda maior se fossem investigadas outras formas importantes de participação religiosa, como leitura de livros, ouvir músicas e assistir a programas religiosos de TV ou rádio.

A avaliação da religiosidade em estudos na população brasileira tem sido facilitada pela criação ou tradução/validação de escalas em português. Um estudo recente2 validou, em uma amostra de pacientes psiquiátricos, a P-Durel, uma escala de amplo uso internacional e de fácil aplicação por conter apenas cinco itens.

O alto nível de religiosidade entre populações clínicas brasileiras foi demonstrado em estudos envolvendo gestantes realizando pré-natal3 e pacientes ambulatoriais e internados de um hospital geral4. Nesses grupos, a religiosidade ou espiritualidade apresentou implicações clínicas, correlacionando-se com maior qualidade de vida e menos sintomas depressivos e ansiosos.

Pacientes psiquiátricos internados têm direito à assistência religiosa, mas há dúvidas relacionadas ao possível impacto dessas intervenções em certos transtornos mentais, bem como sobre a capacidade de julgamento de certos pacientes. Tais questões têm importantes implicações éticas e legais. Uma discussão desses aspectos e uma experiência de assistência religiosa em um hospital psiquiátrico foram realizadas por Braghetta et al.5.

Por fim, artigo de outro país dos BRICS, África do Sul, mostra que psiquiatras ligados a uma universidade em Johanesburgo, independentemente de suas posições religiosas ou espirituais, concordam com a necessidade de incorporar, sob certas condições, a espiritualidade na prática e treinamento em psiquiatria6.

Em resumo, esses achados refletem o crescimento de interesse e publicações na área no Brasil e em outros países emergentes. Torna-se necessário avançar os estudos e discussões sobre as relações da espiritualidade com a saúde mental em nosso meio. Nesse esforço, poderemos identificar em que ponto a nossa realidade se assemelha e o quanto diverge dos achados epidemiológicos e também dos aspectos éticos, culturais e clínicos relacionados à América do Norte e à Europa, fonte da maioria dos estudos atualmente disponíveis. De especial interesse para futuros estudos são os aspectos de treinamento e aplicação clínica do grande corpo de evidências já disponíveis sobre as relações entre espiritualidade e saúde mental.

 

Referências

1. Moreira-Almeida A, Pinsky I, Zaleski M, Laranjeira R. Envolvimento religioso e fatores sociodemográficos: resultados de um levantamento nacional no Brasil. Rev Psiq Clín. 2010;37(1):12-5.         [ Links ]

2. Taunay TCDE, Gondim FAA, Macedo DS, Moreira-Almeida A, Gurge LA, Andrade LMS, et al. Validação da versão brasileira da escala de religiosidade de Duke (DUREL). Rev Psiq Clín. 2012;39(4):130-5.         [ Links ]

3. Silva CS, Ronzani TM, Furtado EF, Aliane PP, Moreira-Almeida A. Relação entre prática religiosa, uso de álcool e transtornos psiquiátricos em gestantes. Rev Psiq Clín. 2010;37(4):152-6.         [ Links ]

4. Rocha NS, Fleck MPA. Avaliação de qualidade de vida e importância dada a espiritualidade/religiosidade/crenças pessoais (SRPB) em adultos com e sem problemas crônicos de saúde. Rev Psiq Clín. 2011;38(1):19-23.         [ Links ]

5. Braghetta CC, Lucchetti G, Leão FC, Vallada C, Vallada H, Cordeiro Q. Aspectos éticos e legais da assistência religiosa em hospitais psiquiátricos. Rev Psiq Clín. 2011;38(5):189-93.         [ Links ]

6. Abr JVR, Poggenpoel M, Myburgh CPH, Szabo CP. Experiência e visão de psiquiatras acadêmicos sobre o papel da espiritualidade na prática e no treinamento de especialistas em psiquiatria na África do Sul. Rev Psiq Clín. 2012;39(4):122-9.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Alexander Moreira-Almeida. Rua Itália Cautiero Franco, 497, Granville
36036-241 - Juiz de Fora, MG. E-mail: alex.ma@ufjf.edu.br

Recebido: 19/9/2012
Aceito: 20/9/2012

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons