SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue3Burnout in psychiatric practice: a case reportMetabolic alterations due to the use of antipsychotics in schizophrenic patients: molecular and neuroendocrinological considerations author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul

Print version ISSN 0101-8108

Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul vol.28 no.3 Porto Alegre Sept./Dec. 2006

https://doi.org/10.1590/S0101-81082006000300016 

CARTA AOS EDITORES

 

Trauma e sintomas de estresse pós-traumático em dependentes químicos*

 

 

Sibele FallerI; Gilda PulcherioII; Marlene StreyIII

IPsicóloga, Instituto de Prevenção e Pesquisa em Álcool e Outras Dependências (IPPAD) e Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas (CEPAD), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS
IIPsiquiatra, IPPAD, Porto Alegre, RS. Mestre em Psicologia Social e da Personalidade, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS
IIIPsicóloga, IPPAD, Porto Alegre, RS. Professora, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, PUCRS, Porto Alegre, RS

Correspondência

 

 

Prezados Editores,

Estima-se que a prevalência de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) na população varie de 1 a 14%1, podendo alcançar índices de 60 a 80% em populações traumatizadas2. As investigações com grupos específicos de pessoas que procuram tratamento têm encontrado que 30 a 50% de usuários de substâncias psicoativas são portadores de TEPT3.

A exposição ao trauma é a condição sine qua non para o desenvolvimento do TEPT, e um estudo epidemiológico americano encontrou que cerca de 90% da população tinha sido exposta a algum evento traumático4. Pelos comportamentos de risco, os dependentes químicos configuram-se como um grupo de grande vulnerabilidade para traumas e TEPT.

A condição comórbida entre uso de substâncias psicoativas e TEPT tem sido, ainda, pouco estudada em nosso meio, e nos propomos a investigar a ocorrência de traumas psicossociais e presença de sintomas de TEPT em uma amostra de dependentes químicos. Foram avaliados, na primeira consulta, 23 pacientes, com, no mínimo, 1 mês de abstinência, que procuraram o Instituto de Prevenção e Pesquisa em Álcool e outras Dependências (IPPAD) para tratamento, no período de março a julho de 2006. Eles responderam à Specific Traumatic Events4, lista de eventos, desenvolvida em acordo com os critérios do Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM-IV) e Davidson Trauma Scale5 (DTS), que investiga freqüência e severidade dos sintomas de TEPT.

Os pacientes são do sexo masculino, com idades entre 18 e 30 anos (39,1%), ensino fundamental incompleto (30,4%), e utilizam apenas álcool (13%). Todos apresentam dependência grave da substância psicoativa e internações hospitalares anteriores, sendo que 38,1% tiveram três ou mais hospitalizações.

Todos os pacientes (100%) estiveram expostos a algum evento traumático durante sua vida. O evento mais prevalente foi ter sido "assaltado ou ameaçado com arma", relatado por 56,5% dos dependentes químicos. A "morte súbita e inesperada de algum parente ou amigo próximo" foi vivenciada por 54,5% da amostra, tendo sido relatada como o "pior" evento por 28,6% dos respondentes. Estudos epidemiológicos têm mostrado a alta prevalência desse trauma na população, com um risco moderado para TEPT4.

Algum sintoma de TEPT foi relatado por todos os participantes do estudo, e 47,6% tiveram "imagens, memórias ou pensamentos dolorosos sobre o evento" na última semana, com 9,5% experimentando diariamente esse sintoma. Do total de pacientes, 24% sentiram-se perturbados de forma moderada a extrema. Mais da metade (57%) relatou "dificuldades para se sentir satisfeito com as coisas de sua vida". Destes, 19% sentiram-se muito perturbados, e 14,3% classificaram sua perturbação como extrema.

Esse sintoma pode confundir-se com o de transtorno depressivo, que ocorre em altas prevalências, tanto em traumatizados que não desenvolveram TEPT como em portadores de TEPT e dependentes químicos. Daí a importância de uma investigação comórbida criteriosa e atenção aos traumas em dependentes químicos como prevenção para o desenvolvimento de TEPT.

 

REFERÊNCIAS

1. American Psychiatric Association. DSM-IV: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4.ed. Porto Alegre; Artmed; 1995.

2. Kapczinski F, Margis R. Transtorno de estresse pós-traumático: critérios diagnósticos. Rev Bras Psiquiatr. 2003;25(Supl 1):3-7.

3. Brady KT, Randall CL. Gender differences in substance use disorders. Psychiatr Clin North Am. 1999;22(2):241-52.

4. Breslau N, Kessler RC, Chilcoat HD, Schultz LR, Davis GC, Andreski P. Trauma and posttraumatic stress disorder in the community. Arch Gen Psychiatry. 1998;55(7):626-32.

5. Davidson JR, Book SW, Colket JT, Tupler LA, Roth S, David D, et al. Assessment of a new self-rating scale for post-traumatic stress disorder. Psychol Med. 1997;27(1):153-60.

 

 

Correspondência:
Gilda Pulcherio
Rua Dona Lida Monteiro, 450, Bairro São Caetano
CEP 91720-300 - Porto Alegre, RS
E-mail: gilda@ippad.com.br

 

 

*Pesquisa realizada no Instituto de Prevenção e Pesquisa em Álcool e Outras Dependências (IPPAD) e aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS (CEP 06/03028 em 13/03/06).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License