SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue3A cladistic analysis of the genera of Macrothricidae Norman & Brady (Crustacea, Cladocera, Radopoda)Notes on the Venezuelan jumping spiders described by Caporiacco (Araneae, Salticidae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Zoologia

Print version ISSN 0101-8175

Rev. Bras. Zool. vol.22 no.3 Curitiba July/Sept. 2005

https://doi.org/10.1590/S0101-81752005000300035 

Chave de identificação de pupas de Simuliidae (Diptera) do sudeste do Brasil

 

Identification key to pupae of Simuliidae (Diptera) from Southeastern of Brazil

 

 

Leonardo H. Gil-AzevedoI, III; Nelson Ferreira Jr.II; Marilza Maia-HerzogI

ILaboratório de Simulídeos e Oncocercose, Departamento de Entomologia, Instituto Oswaldo Cruz. Avenida Brasil 4365, Manguinhos, Caixa Postal 926, 21045-900 Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
IILaboratório de Entomologia, Departamento de Zoologia Instituto de Biologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Caixa Postal 68044, 21944-970 Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
IIIAutor para correspondência. E-mail: lhgazevedo@yahoo.com.br

 

 


RESUMO

Neste trabalho é apresentada uma chave dicotômica de identificação de pupas de Simuliidae com registro de ocorrência para o Sudeste do Brasil. Nós incluímos as 49 espécies que apresentam a pupa descrita. Na chave, além de caracteres comumente usados (e.g. número dos filamentos branquiais, forma do ápice e forma do casulo), foram usados caracteres não usuais (largura e comprimento relativos dos filamentos branquiais; disposição espacial das brânquias; proporção entre comprimento da brânquia e comprimento do casulo; presença e posição do assoalho do casulo). É possível diferenciar 70% das espécies de Simuliidae do Sudeste do Brasil usando apenas caracteres da pupa. Este estágio, muitas vezes, é o único do qual se obtém uma identificação precisa.

Palavras chave: Casulo, morfologia, neotropical, simulídeos, taxonomia.


ABSTRACT

In this work is given a dichotomic identification key to pupae of Simuliidae recorded from Southeastern Region of Brazil. We included the 49 species which already have their pupae described. In the key, besides characters commonly used (e.g. number of gill filaments, shape of apex and shape of cocoon), we used unusual characters (relative width and length of gill filaments; spacial configuration of gills; proportion of gill length to cocoon length; presence and position of cocoon floor). It is possible to recognize 70% of Simuliidae species from Southeastern Region of Brazil only using pupae characters. Often, this is the unique stage which one can access a precise identification of the species.

Key words: Cocoon, morfology, Neotropical, simuliid, taxonomy.


 

 

Os Simuliidae são objetos de diversos estudos sobre controle (ARAÚJO-COUTINHO et al.1988, REGIS et al. 2000), epidemiologia (SHELLEY et al. 1997, EATON et al. 1998) e ecologia de ambientes lóticos (BAPTISTA et al. 1998). Das 87 espécies de Simuliidae registradas no Brasil, 54 ocorrem na Região Sudeste (COSCARÓN 1991, CROSSKEY & HOWARD 1997, PEPINELLI et al. 2003, GIL-AZEVEDO & MAIA-HERZOG 2004, HAMADA & PEPINELLI 2004, GIL-AZEVEDO et al. 2005). Grande parte destas espécies foi bem descrita e ilustrada (D'ANDREATTA & D'ANDREATTA 1950, PY-DANIEL & COSCARÓN 1982, COSCARÓN, 1991). Entretanto, são escassas as chaves para identificação das espécies dessa família no Brasil (COSCARÓN 1991, SHELLEY et al. 1997, HAMADA & ADLER 2001), não havendo chaves para as espécies da Região Sudeste.

Para os Simuliidae o estágio pupal é de grande valor taxonômico (CROSSKEY 1990). Caracteres como o número e o formato dos filamentos branquiais e a forma do casulo são usados largamente para definição das espécies. Além disso, a exúvia pupal auxilia na identificação de adultos obtidos por emersão. A identificação das larvas de último estádio também é possível através da comparação entre os filamentos branquiais das pupas e das larvas dissecadas.

Neste trabalho foi elaborada uma chave de identificação de pupas das espécies de Simuliidae do Sudeste do Brasil.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Neste estudo foram usadas pupas das 49 espécies de Simuliidae com registro de ocorrência para o Sudeste do Brasil que apresentam o estágio pupal descrito (COSCARÓN 1991, CROSSKEY & HOWARD 1997, PEPINELLI et al. 2003, GIL-AZEVEDO & MAIA-HERZOG 2004, HAMADA & PEPINELLI 2004, GIL-AZEVEDO et al. 2005).

Foi examinado material depositado nas Coleções de Simulídeos do Departamento de Entomologia, Instituto Oswaldo Cruz, FIOCruz, Rio de Janeiro, Brasil (IOC; Lutz-IOC); na Coleção de Entomologia do Departamento de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil (DZRJ); na Coleção Entomológica do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, Brasil (INPA); na Coleção de Simulídeos do Museo Nacional de La Plata, La Plata, Argentina (MLP). Não foi possível examinar material de Simulium (Chirostilbia) friedlanderi Py-Daniel, 1987 e Simulium (Psilopelmia) shewellianum Coscarón, 1985. Estas espécies foram analisadas através de dados da literatura.

As pupas foram observadas em microscópio estereoscópio e, quando necessário, dissecadas e montadas entre lâmina e lamínula (CALVÃO-BRITO & MAIA-HERZOG, 2003), para observação em microscópio óptico. Foi usada a terminologia básica para morfologia de pupas (CROSSKEY 1990, STUART & HUNTER 1998).

Material examinado

Lutzsimulium flavopubescens (Lutz, 1910): Lutz-IOC: 5 pupas [em lâmina] (12.112, 12.133, 12.134, 12.136, 12.141) [Brasil, RJ, Itatiaia].

Lutzsimulium hirticosta (Lutz, 1909): IOC: 2 pupas (352-1; 352-2) [Brasil, SP, Serra da Bocaina]. 1 pupa [Brasil, RJ, Xerém (21/II/1979, Shelley leg.)]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RJ, Angra dos Reis (29/VIII/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, rota 101, Deseado (10/VII/1972, Coscarón leg.)].

Lutzsimulium pernigrum (Lutz, 1910): IOC: 7 pupas (343-7; 344-1; 344-11; 344-13; 347-37; 349-4; 349-7) [Brasil, SP, Serra da Bocaina]. 1 pupa (488-1) [Brasil, SP, Campos de Jordão]. MLP: 2 pupas [em lâmina] [Brasil, RS, Canela (07/XI/1981, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RJ, Itatiaia, 1.800m (24/I/1948, d'Andretta leg.)].

Simulium (Chirostilbia) acarayense Coscarón, 1972: MLP: 1 pupa [Brasil, RS, São Lourenço (24/XI/2000, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Paraguai, R. Acaray (12/VII/1971, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Iguazú (10/VIII/1997, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, S.J. do Barreiro (30/VIII/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Barra do Turvo (30/VIII/1979, Coscarón leg.)].

Simulium (Chirostilbia) bifenestratum Hamada & Pepinelli, 2004: INPA: 9 pupas [4 em lâmina] [Brasil, SP, São José do Barreiro (16/V/2003, Hamada & Pepinelli leg.)].

Simulium (Chirostilbia) distinctum Lutz, 1910: IOC: 1 pupa (336-1) [Brasil, SP, Serra da Bocaina]. 5 pupas (441-1; 441-2; 441-5; 441-7; 442-3) [Brasil, MG, Pedralva]. 2 pupas (623) [Brasil, RJ, Rio de Janeiro, PN Tijuca]. MLP: 3 pupas (como S. pruimirimense) [Brasil, SP, Rio Pruimirim (24/V/1979, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa (como S. pruimirimense) [em lâmina] [Brasil, SP, Rio Pruimirim (29/V/1979, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa (como S. pruimirimense) [em lâmina] [Brasil, SP, Capivari, Est. Emílio Ribas (20/I/1952, M. Vulcano leg.)].

Simulium (Chirostilbia) empascae Py-Daniel & Moreira, 1988: DZRJ: 7 pupas [Brasil, RJ, Guapimirim, Rio Iconha (02/VIII/2001, Huamantinco & Nessimian leg.)]. IOC: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RJ, Rio de Janeiro, PN da Tijuca, Represa dos Ciganos (03/III/1983, Maia-Herzog & Carvalho leg.)]. MLP: 4 pupas [1 pupa em lâmina] [Brasil, SC, Joinville (11/VI/1986, Moreira, Sato & Seidel leg.)].

Simulium (Chirostilbia) laneportoi Vargas, 1941: MLP: 10 pupas [Brasil, RJ, Petrópolis (12/V/1979, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, AM Monjolinho, Durinhos (18/X/1986, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, MG, Serra do Cipó, Córrego Vitalino (X/1979, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, DF, Córrego Cachoeirinha (15/III/1975, A. Shelley leg.)].

Simulium (Chirostilbia) obesum Vulcano, 1959: MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Campos do Jordão].

Simulium (Chirostilbia) papaveroi Coscarón, 1982: MLP: 4 pupas [3 pupas em lâmina] [Brasil, MG, Jaboticatuba (28/IV/1973, Coscarón leg.)].

Simulium (Chirostilbia) pertinax Kollar, 1832 [in Pohl]: IOC: 23 pupas (622; 636; 638) [Brasil, RJ, Rio de Janeiro, PN Tijuca]. 8 pupas (637) [Brasil, MG, Carangola]. 7 pupas (257) [Brasil, DF, Brasília]. 3 pupas (466) [Brasil, MG, Delfim Moreira]. 1 pupa (454-12) [Brasil, SP, BR139]. 1 pupa (730-2) [Brasil, PR, Iguaranduva]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RS, Santana da Boa Vista (25/XI/2000, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Morangaba (14/20/V/1994, J. Campos leg.)].

Simulium (Chirostilbia) riograndense Py-Daniel, Souza & Caldas, 1988: MLP: 20 pupas [Brasil, RS, Vale dos Sinos (22/XI/2000, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa (como S. distinctum) [Brasil, SP, Itu, Pau d'Alho (06/IV/1979)]. 2 pupas [em lâmina] [Brasil, RS, Sarapiranga (28/VIII/1988, V. Py-Daniel leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RS, Ouro Fino (19/IV/1984, A. Lozovei leg.)].

Simulium (Chirostilbia) serranum Coscarón, 1981: MLP: 34 pupas [Brasil, MG, Jaboticatuba (28/IV/1975, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, MG, Jaboticatuba (28/IV/1973, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, MT, Chapada (05/II/1986, S. Coscarón leg.)].

Simulium (Chirostilbia) spinibranchium Lutz, 1910: IOC: 11 pupas (201) [Brasil, GO, Cristalina]. 21 pupas (223; 243) [Brasil, DF, Brasília]. 6 pupas (227; 234) [Brasil, GO, Niquelândia]. MLP: 4 pupas [Brasil, SC, São Bento do Sul (24/X/1979, S. Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, DF, Rio Descoberto (8/VI/1976, A. Shelley leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Botucatu (19/V/1986, S. Coscarón leg.)].

Simulium (Chirostilbia) subpallidum Lutz, 1910: IOC: 1 pupa (584) [Brasil, RJ, Teresópolis, Parque Nacional da Serra dos Orgãos]. 1 pupa (711-6) [Brasil, MG, Buritizeiro]. 1 pupa (732-1) [Brasil, PR, Foz do Iguaçú]. 2 pupas (1414) [Brasil, RN, Natal]. MLP: 1 pupa [Argentina, Misiones, San Ignácio (07/IV/1999, Coscarón leg.)]. 1 pupa [Argentina, Corrientes, Galarsa (02/VI/2000, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, PR, Cambará (26/V/1984, Dellome leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Assis (10/IX/1983, Dellome leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, S.J. do Barreiro (30/VIII/1979, Coscarón leg.)].

Simulium (Hemicnetha) brachycladum Lutz & Pinto, 1932 [in Pinto]: IOC: 2 pupas (402) [Brasil, SP, Bananal]. 8 pupas (451) [Brasil, SP, BR139]. 1 pupa (453) [Brasil, MG, BR139]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, BR139 (15/V/1979, Shelley & Luna Dias leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, BA, Itabuna (07/VIII/1986, Coscarón leg.)].

Simulium (Hemicnetha) rubrithorax Lutz, 1909: IOC: 7 pupas (135) [Brasil, GO, Formosa]. 1 pupa (227) [Brasil, GO, Niquelândia]. 5 pupas (163) [Brasil, DF]. 4 pupas (443) [Brasil, MG, Pedralva]. 1 pupa (453) [Brasil, SP, Serra da Bocaina]. 1 pupa (402) [Brasil, SP, Bananal]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, S.J. do Barreiro (30/VIII/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, PR, Bairro dos França (II/1983)].

Simulium (Inaequalium) botulibranchium Lutz, 1910: IOC: 2 pupas (484) [Brasil, MG, Pedralva]. MLP: 2 pupas [em lâmina] [Argentina, Misiones, Oberá (07/II/1966, Bachmam leg.); 1115].

Simulium (Inaequalium) clavibranchium Lutz, 1910: IOC: 7 pupas (484; 582) [Brasil, MG, Pedralva]. 1 pupa (463) [Brasil, MG, BR459]. 1 pupa (462) [Brasil, SP, BR459]. 1 pupa (344) [Brasil, SP, Serra da Bocaina, Faz. do Bonito]. 1 pupa (586) [Brasil, RJ, Teresópolis, PNSO]. MLP: 1 pupa [Brasil, SP, Boracéia (30/X/1979, Coscarón leg.)]. 2 pupas [em lâmina] [121-10; 95.98].

Simulium (Inaequalium) diversibranchium Lutz, 1910: MLP: 1 pupa [Brasil, SP, Boracéia (31/X/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [Brasil, SP, Casagrande (25/VII/1979, Coscarón leg.)]. 3 pupas [em lâmina] [Argentina, Misiones, Campiña (21/VIII/1972, Coscarón leg.); 151.38].

Simulium (Inaequalium) inaequale (Paterson & Shannon, 1927): IOC: 7 pupas [Brasil, RJ, Rio Claro, Córrego Pouso Seco (15/V/1979, Shelley & Luna Dias leg.)]. MLP: 1 pupa [Argentina, Corrientes, Galaza (06/IV/2002, Coscarón leg.). 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones (Coscarón)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SC (G.Moreira leg.)].

Simulium (Inaequalium) mariavulcanoae Coscarón & Wygodzinsky, 1984: IOC: 2 pupas [Brasil, MG, Itamonte (07/VI/2004, Gil-Azevedo & Figueiró leg.)]. MLP: 3 pupas [em lâmina] [Brasil, SP, Boracéia, Salesópolis (13/X/1947, Travassos Filho leg.); 148-24; 147-30].

Simulium (Inaequalium) noguerai d'Andretta & Dolores González, 1964: MLP: 1 pupa [Brasil, RS, Santana da Boa Vista (25/XI/2000, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Ao. Guaraypo (09/VIII/1997, Coscarón leg.)].

Simulium (Inaequalium) petropoliense Coscarón, 1981: MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RJ, Petrópolis (12/V/1979, Coscarón leg.)].

Simulium (Inaequalium) rappae Py-Daniel & Coscarón, 1981: IOC: 2 pupas (483) [Brasil, RJ, Itatiaia]. 1 pupa (472) [Brasil, MG, BR354]. MLP: 1 pupa [Brasil, SP, S.J. do Barreiro (30/VIII/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Boracéia, Rio Claro (25/VIII/1979, Coscarón leg.)].

Simulium (Inaequalium) souzalopesi Coscarón, 1981: MLP: 3 pupas [2 pupas em lâmina] [Brasil, RJ, Petrópolis (12/V/1979, Coscarón leg.)].

Simulium (Inaequalium) subclavibranchium Lutz, 1910: IOC: 7 pupas (484; 582) [Brasil, MG, Pedralva]. 1 pupa (463) [Brasil, MG, BR459]. 1 pupa (462) [Brasil, SP, BR459]. 1pupa (344) [Brasil, SP, Serra da Bocaina, Faz. do Bonito]. 1 pupa (586) [Brasil, RJ, Teresópolis, PNSO]. MLP: 1 pupa [Brasil, SP, Boracéia (30/X/1979, Coscarón leg.)]. 2 pupas [em lâmina] [121-10; 95.98].

Simulium (Inaequalium) subnigrum Lutz, 1910: IOC: 5 pupas (438; 440; 442) [Brasil, MG, Pedralva]. MLP: 1 pupa [Brasil, RS, Vale dos Sinos, Ao. Cascatinha (22/X/2000, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Pto. Leoni (07/VII/2002, Coscarón leg.)].

Simulium (Inaequalium) travassosi d'Andretta & d'Andretta, 1947: MLP: 1 pupa [Brasil, SP, Bragança Paulista (08/V/1949, d'Andretta & d'Andretta leg.)]. 1 pupa [Brasil, SP, estrada velha de Santos (12/VI/1986, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Obiá (07/II/1966, Bachmam leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Boracéia (25/VII/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [1.107].

Simulium (Notolepria) paraguayense Schrottky, 1909: MLP: 1 pupa [Argentina, Misiones, Rio San Pedro (Coscarón, 08/IV/2002)]. 2 pupas [em lâmina] [Argentina, Misiones, Rio Uruguai (Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Cataratas Iguazú (Coscarón leg.)].

Simulium (Psaroniocompsa) anamariae Vulcano, 1962: IOC: 1 pupa [Brasil, RJ, Rio de Janeiro, PN Tijuca (21/II/1979, Shelley leg.)]. MLP: 1 pupa [Brasil, SP, Boracéia (03/X/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Boracéia (22/VI/1957, S. Medeiros leg.)].

Simulium (Psaroniocompsa) angrense Pinto, 1932: IOC: 1 pupa (737) [Brasil, SC, São Bento]. 5 pupas (728; 729) [Brasil, PR, Guararuva]. 1 pupa (734) [Brasil, PR, Clevelândia]. MLP: 1 pupa [Brasil, RJ, Angra dos Reis, Córrego da Gloria (29/VIII/1979)]. 2 pupas [em lâmina] [SP, S.J. do Barreiro (30/VIII/1979, Coscarón leg.)].

Simulium (Psaroniocompsa) auripellitum Enderlein, 1934: IOC: 1 pupa (736-3) [Brasil, PR, Mafranegrinho]. MLP: 1 pupa [Brasil, MG, Serra do Cipó, Córrego Vitalino (06/XI/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Uruguai, Calpica (03/V/1984, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [182.1].

Simulium (Psaroniocompsa) auristriatum Lutz, 1910: MLP: 1 pupa [Brasil, MG, Serra do Cipó, Córrego Vitalino (6/XI/1979, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Boracéia, Salesópolis (13/X/1947, d'Andretta leg.)].

Simulium (Psaroniocompsa) brevifurcatum Lutz, 1910: IOC: 1 pupa (352-1) [Brasil, SP, Serra da Bocainam Faz. do Bonito (06/IV/1978, Shelley & Luna Dias leg.)]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Itú].

Simulium (Psaroniocompsa) incrustatum Lutz, 1910: IOC: 1 pupa [Brasil, PR, Foz do Iguaçu (731-2)]. 1 pupa [Brasil, PR, Guararuva (730-3)]. 1 pupa [Brasil, SC, São Bento (738-1)]. 1 pupa [Brasil, SP, Serra da Bocaina, Faz. do Bonito (350)]. 1 pupa [Brasil, MG, Delfim Moreira (466-1)]. 1 pupa [Brasil, RJ, Itaguaí (622-2)]. MLP: 1 pupa [Brasil, RS, Rio dos Sinos (22/XI/2000, Coscarón leg.)]. 1 pupa. [em lâmina] [Argentina, Corrientes, San Tomé (17/VII/1972, Coscarón leg.)]. 1 pupa. [em lâmina] [Equador, Mindo (08/VII/2001, Coscarón leg.)].

Simulium (Psaroniocompsa) minusculum Lutz, 1910: IOC: 1 pupa (535-4) [Brasil, RR, Cachoeira do Bem Querer (19/XI/1980, Luna Dias & Shelley leg.)]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RR, Rio Surumu (28/X/1987)].

Simulium (Psaroniocompsa) stellatum Gil-Azevedo et al. 2005: IOC: 10 pupas [5 em lâmina] [Brasil, MG, Itamonte (07/VI/2004, Gil-Azevedo & Figueiró leg.)].

Simulium (Psilopelmia) dinellii (Joan, 1912): MLP: 1 pupa [Argentina, Jujuy, Normento (20/I/1998, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SC, Joinville (01/X/1986, Moreira e Seidel leg.)].

Simulium (Psilopelmia) perflavum (Roubaud, 1906): IOC: 2 pupas (586) [Brasil, MG, Pedralva]. 1 pupa (397-20) [Brasil, RO, Igarapé Bate Estaca]. 1 pupa (115A) [Brasil, GO, Mambai]. 1 pupa (158A) [Brasil, DF]. 2 pupa (345) [Brasil, SP, Serra da Bocaina, Faz. do Bonito]. 1 pupa (315) [Brasil, RR, Igarapé Carana]. 1 pupa (863-1) [Brasil, SC, Lontra]. MLP: 1 pupa [Argentina, Corrientes, Galarza (01/VI/2000, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Ao. Del Valle (08/IV/2002, Coscarón leg.)].

Simulium (Psilopelmia) lutzianum Pinto, 1932: MLP: 1 pupa [Equador, Cañer Sacramento (31/XI/1986, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Peru, Tingo Maria (02/X/1983, Coscarón leg.)].

Simulium (Trichodagmia) guianense Wise, 1911: IOC: 1 pupa (908). MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RR, Missão Mucajaí (05/VII/77, Shelley leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, RR, Rio Uraricoera (23/X/1987, Coscarón leg.)].

Simulium (Trichodagmia) hirtipupa Lutz, 1910: IOC: 3 pupas (453) [Brasil, MG, BR139, Faz. Barra do Turvo]. 2 pupas (714) [Brasil, MG, Buritizeiro]. MLP: 1 pupa [em lâmina].

Simulium (Trichodagmia) itaunense d'Andretta & Dolores González, 1964: MLP: 2 pupas [1 pupa em lâmina] [Brasil, RS, Canela, Caracol (16/I/1999, Coscarón leg.)].

Simulium (Trichodagmia) nigrimanum Macquart, 1838: IOC: 4 pupas (243) [Brasil, DF]. MLP: 1 pupa [em lâmina] [Brasil, DF, Rio descoberto (08/VI/1976, Shelley leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Brasil, SP, Chavantes (Coscarón leg.)].

Simulium (Trichodagmia) orbitale Lutz, 1910: MLP: 1 pupa [Brasil, RS, São Nicolau (09/I/1999, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Oberá (30/X/1981, Coscarón leg.)]. 1 pupa [em lâmina] [Argentina, Misiones, Cataratas (17/X/1974, Coscarón leg.)].

Simulium (Trichodagmia) scutstriatum Lutz, 1909: MLP: 3 pupas [2 pupas em lâmina] [Brasil, MG, Serra do Cipó, Jaboticabal (04/VII/74, Sozima leg.)].

Morfologia do estágio pupal e do casulo

A pupa de Simuliidae apresenta duas regiões distintas, cefalotórax e abdome. O cefalotórax é dividido em uma cápsula cefálica e uma cápsula torácica. A cápsula torácica apresenta um par de brânquias arborescentes. Cada brânquia é ramificada em filamentos branquiais, que variam em número, forma, textura e configuração. No cefalotórax são encontrados tricomas (estruturas sensoriais, semelhantes a cerdas longas), que podem variar de simples a ramificados. Utilizando microscópio é possível observar estruturas do tegumento, denominadas tubérculos. (CROSSKEY 1990, STUART & HUNTER 1998) (Figs 1 e 2).

 


 

O casulo apresenta forma de sapato ou de chinelo, com teto (região principal do casulo e que cobre a pupa) e assoalho (região ventral do casulo, em algumas espécies ausente). O conjunto de tramas de seda compactamente organizadas que dá forma ao teto é denominado matriz. O casulo possui uma abertura na região anterior, que pode apresentar uma borda definida ou não. Esta borda pode apresentar estruturas de proteção, como reforço na borda (trama mais densa e endurecida), colar (borda formando um círculo completo – fusionada ventralmente), projeção ântero-dorsal e cesto (várias projeções originadas na borda que se entrelaçam). A fixação do casulo ao substrato ocorre de duas formas: por expansões laterais (se fixa com a parte interna do teto do casulo) ou por abas de adesão (se fixa com a parte externa do teto do casulo) (CROSSKEY 1990, STUART & HUNTER 1998). (Figs 1 e 2).

Chave de identificação para pupas do sudeste do Brasil

1. Casulo assimétrico, não armado (sem forma definida), com trama fracamente      organizada, não formando matriz, sem borda da abertura definida (Fig. 3); brânquia      com 12 a 22 filamentos terminais, nunca distintamente menores que a metade do      casulo ............................... (Lutzsimulium) .............................................. 2
1'. Casulo simétrico, armado (com forma definida), com trama fortemente organizada,       formando matriz, com borda da abertura definida (Fig. 4); brânquia com número de       filamentos terminais variável; se de 12 a 22 filamentos, estes são distintamente       menores que um terço do comprimento do casulo ......................................       (Simulium) ............................................................................................ 4
2. Doze filamentos branquiais terminais ...................................... L. flavopubescens
2'. Mais de 12 filamentos branquiais terminais .................................................... 3
3. Quatorze filamentos branquiais terminais, de comprimento próximo à metade do      comprimento do casulo; cápsulas cefálica e torácica sem tubérculos      .................................................................................. L. pernigrum
3'. De 20 a 22 filamentos branquiais terminais, de comprimento próximo ao comprimento       do casulo; cápsulas cefálica e torácica com muitos tubérculos ........ L. hirticosta
4. Casulo com um par de fenestras ântero-laterais ...... S. (Chirostilbia) bifenestratum
4'. Casulo sem fenestras ântero-laterais ........................................................... 5
5. Casulo com forma de sapato (abertura afastada do substrato, voltada para cima)      (Fig. 3); brânquia nunca maior que a metade do comprimento do casulo ............ 6
5'. Casulo com forma de chinelo (abertura junto ao substrato) (Fig. 5); brânquia de       comprimento variável ............................................................................ 18
6. Mais de 100 filamentos branquiais terminais..S. (C.) obesum
6'. Menos de 60 filamentos branquiais terminais .................................................. 7
7. Doze ou mais filamentos branquiais terminais; filamentos branquiais dispostos      tridimensionalmente; ápices dos filamentos nunca dispostos em fileiras, geralmente      divergentes ............................................ S. (Trichodagmia) ...................... 8
7'. Onze ou menos filamentos branquiais terminais; filamentos branquiais dispostos ao       longo de um mesmo plano bidimensional ou de dois planos bidimensionais paralelos       (Fig. 6); ápices dos filamentos dispostos em uma ou duas fileiras ................... 13
8. Parte do corpo e brânquias expostos; ápice dos filamentos branquiais digitiformes      (Fig. 7), não esclerosado e sem espinhos; filamentos branquiais não rígidos       .............................................................................. S. (T.)      nigrimanum
8'. Apenas ápice das brânquias exposto; ápice dos filamentos branquiais pontiagudos e       escuros (muito esclerosado e apresentando pequenos espinhos) (Fig. 8);       filamentos branquiais rígidos ..................................................................... 9
9. Mais de 12 filamentos branquiais terminais; assoalho presente e contínuo ao teto –       teto parece cobrir a parte ventral da pupa (Fig. 9); cefalotórax com tubérculos       espiniformes (Fig. 10) e arredondados (Fig. 11) .......................................... 10
9'. Doze filamentos branquiais terminais; assoalho presente (Fig. 12) ou ausente; se       presente, assoalho bem distinto do teto – assoalho ligado, pelo lado interno, às       paredes laterais do teto; cefalotórax apenas com tubérculos espiniformes (Fig. 10)       ......................................................................................................... 11
10. Vinte e dois filamentos branquiais terminais; cefalotórax sem espinhos longos;        tubérculos nas cápsulas cefálica e torácica ............................. S. (T.) orbitale
10'. De 45 a 56 filamentos branquiais terminais; cefalotórax com espinhos longos         (Fig. 13); tubérculos apenas na cápsula torácica .................. S. (T.) itaunense
11. Casulo coberto por placas bem esclerosadas e detritos; cefalotórax com espinhos        longos (Fig. 13); brânquias com espinhos em toda sua extensão (Fig. 14)        ...................................................................................... S. (T.) hirtipupa
11. Casulo sem placas ou detritos; cefalotórax sem espinhos longos; brânquias com        espinhos apenas no ápice ..................................................................... 12
12. (11) casulo escuro (denso) (Fig. 5); com reforço na borda (Fig. 15); cápsulas         cefálica e torácica com muitos tubérculos ....................... S. (T.) scutistriatum

12'. Casulo transparente (não denso) (Fig. 4); sem reforço na borda (Fig. 4); cápsulas         cefálica e torácica com poucos tubérculos agrupados em algumas regiões          ................................................................................... S. (T.) guianense

13. Número ímpar de filamentos branquiais terminais, 11 filamentos        ................................................................................... S. (C.) friedlanderi
13'. Número par de filamentos branquiais terminais, sempre menos que 11 filamentos         ....................................................................................................... 14

14. Filamentos branquiais expostos; 6 ou 8 filamentos branquiais terminais – se 8        filamentos, casulo escuro (denso) (Figs 5 e 16) e com cesto (Fig. 16)        ........................................................S. (Hemicnetha) .......................... 15

14'. Filamentos branquiais inclusos no casulo; 8 ou 10 filamentos branquiais terminais –       se 8 filamentos, casulo transparente (não denso) (Fig. 4) e sem       cesto...................................................................................................16
15. Seis filamentos branquiais terminais, com ápices pontiagudos (Fig. 17); casulo sem        cesto ....................................................................... S. (H.) brachycladum
15'. Oito filamentos branquiais terminais, com ápices digitiformes (Fig. 7); casulo com         cesto (Fig. 16) ............................................................. S. (H.) rubrithorax
16. Oito filamentos branquiais terminais, todos voltados para frente; com espinhos na        base das brânquias (Fig. 18); teto compacto – tramas extras pouco evidentes ou        indiferenciáveis da matriz (geralmente inseridas na matriz), matriz nunca vazada        (Figs 4 e 5); tubérculos ausentes no cefalotórax ................... S. (C.) empascae
16'. Dez filamentos branquiais terminais, alguns voltados para trás (Fig. 19); sem        espinhos na base das brânquias; teto não compacto – tramas extras facilmente        diferenciáveis da matriz e agrupadas formando polígonos, a matriz pode estar        vazada em algumas partes (Fig. 15); cefalotórax com tubérculos arredondados        (Fig. 11) ............................................................................................ 17
17a. Filamentos branquiais dispostos em forma de disco (quase formando uma          circunferência completa) (Fig. 19), com comprimentos diferentes e larguras          semelhantes ................................................................ S. (C.) distinctum
17'. Filamentos branquiais dispostos em forma de leque (quase formando uma metade        de circunferência), com comprimentos e larguras semelhantes        ................................................................................. S. (C.) riograndense
18. Oito filamentos branquiais terminais .......................................................... 19
18'. Seis ou menos filamentos branquiais terminais ............................................ 26
19. Casulo achatado dorso-ventralmente (área do casulo observada em vista dorsal        maior do que em vista lateral) ............................ S. (Notolepria) paraguayense
19'. Casulo achatado lateralmente (área do casulo observada em vista lateral maior do        que em vista dorsal) ............................................................................ 20
20. Abertura do casulo com borda irregular (Fig. 20) ...........................................        S. (Psilopelmia)S. (P.) dinellii ou S. (P.) lutzianum ou S. (P.) perflavum ou S.       (P.) shewellianum
20'. Abertura do casulo com borda regular (Fig. 4) ............................................ 21
21. Assoalho contínuo ao teto – teto parece cobrir a parte ventral da pupa (Fig. 9);        comprimento da brânquia próximo ao comprimento do casulo .....S. (C.) serranum
21'. Assoalho bem distinto do teto – assoalho ligado, pelo lado interno, às paredes         laterais do teto (Fig. 12); comprimento da brânquia cerca de metade do         comprimento do casulo ou menor ........................................................... 22
22. Filamentos branquiais com base distintamente grossa em relação ao ápice –        filamentos se afinam em direção ao ápice de maneira acentuada        .............................................................................. S. (C.) spinibranchium

22'. Filamentos branquiais de calibre uniforme .................................................. 23

23. Muitos tubérculos distribuídos aleatoriamente por todo cefalotórax; teto do casulo         geralmente escuro .............................................................................. 24
23'. Cefalotórax com poucos tubérculos, agrupados em algumas regiões; teto do        casulo geralmente claro ........................................................................ 25
24. Comprimento das brânquias ligeiramente maior que a metade do comprimento do        casulo ........................................................................... S. (C.) laneportoi
24'. Comprimento das brânquias ligeiramente menor que a metade do comprimento do         casulo ............................................................................. S. (C.) pertinax
25. Filamentos branquiais agrupados (muito próximos entre si); brânquia cerca de um        terço do comprimento do casulo; cápsula cefálica com tricomas simples ou        bífidos............................................................................ S. (C.) papaveroi
25. Filamentos branquiais não agrupados, dispostos ao longo de um mesmo plano        bidimensional (Fig. 6); brânquia cerca de metade do comprimento do casulo;       cápsula cefálica com tricomas 3-6 ramificados       ................................................. S. (C.) acarayense ou S. (C.) subpallidum
26. Teto transparente e compacto – tramas extras pouco evidentes ou indiferenciáveis         da matriz (geralmente inseridas na matriz), matriz nunca vazada (Fig. 4)         .............................................................. S. (Psaroniocompsa) minusculum
26'. Teto opaco e não compacto – tramas extras facilmente diferenciáveis da matriz e         agrupadas formando polígonos, a matriz pode estar vazada em algumas partes         (Fig. 15) ........................................................................................... 27
27. Menos de seis filamentos branquiais terminais ............................................. 28
27'. Seis filamentos branquiais terminais .......................................................... 32
28. Brânquia de comprimento próximo ao comprimento do casulo; brânquias cobertas        por tubérculos; casulo com projeção ântero-dorsal (Fig. 21) ........................ 29
28'. Brânquia menor do que a metade do comprimento do casulo; brânquias sem        tubérculos; casulo sem projeção ântero-dorsal .......................................... 30
29. Dois filamentos branquiais; ápices dos filamentos branquiais pontiagudos (Fig. 17)         ................................................................................. S. (P.) auristriatum
29. Quatro filamentos branquiais; ápices dos filamentos branquiais digitiformes (Fig. 7)        ...................................................................................... S. (P.) stellatum
30. Superfície da brânquia coberta por cerdas; ápices dos filamentos branquiais        semelhantes (digitiformes) ............................... S. (Inaequalium) petropoliense
30'. Superfície da brânquia sem cerdas; ápices dos filamentos branquiais diferentes         entre si ............................................................................................ 31
31. Superfície da brânquia coberta por espinhos (em toda sua extensão); região apical        da brânquia com expansões (como chifres) .................... S. (I.) botulibranchium
31'. Superfície da brânquia lisa; região apical da brânquia sem expansões         .................................................................................... S. (I.) travassosi
32. Filamentos branquiais de larguras diferentes entre si .................................... 33
32'. Filamentos branquiais de larguras semelhantes entre si ................................ 35
33. Casulo com projeção ântero-dorsal (Fig. 21); brânquia cerca de metade do        comprimento do casulo; ápices dos filamentos branquiais diferentes entre si        .................................................................................... S. (I.) souzalopesi
33'. Casulo sem projeção ântero-dorsal; brânquia de comprimento próximo ao comprimento do casulo; ápices dos filamentos branquiais iguais ........................... 34
34. Os dois filamentos branquiais terminais mais ventrais voltados para trás e mais        curtos ................................................................... S. (I.) diversibranchium
34'. Todos os filamentos branquiais terminais voltados para frente e com o mesmo         comprimento ........................................................... S. (I.) mariavulcanoae
35. Casulo com projeção ântero-dorsal (Fig. 21) ............................................... 36
35'. Casulo sem projeção ântero-dorsal ........................................................... 38
36. Base da projeção ântero-dorsal de comprimento maior que a altura; filamentos        branquiais com ápice pontiagudo (Fig. 17) .............................. S. (I.) inaequale
36'. Base da projeção ântero-dorsal de comprimento próximo ou menor que a altura;        filamentos branquiais com ápice digitiforme (Fig. 7) .................................... 37
37. Projeção ântero-dorsal de comprimento próximo ao comprimento do restante do        casulo; projeção dividida logo após a base; brânquia cerca de uma vez e um        terço maior que o comprimento do casulo; superfície dos filamentos branquiais        coberta por projeções (Fig. 22) .......................................... S. (P.) anamariae
37'. Projeção ântero-dorsal menor que a metade do comprimento do casulo; projeção        não dividida; brânquia de comprimento próximo ao comprimento do casulo;        superfície dos filamentos branquiais lisa .......................... S. (P.) brevifurcatum
38. Filamentos branquiais grossos, com ápice mamiliforme (Fig. 23) ....... S. (I.) rappae
38'. Filamentos branquiais finos, com ápice diferente de mamiliforme ..................... 39
39. Filamentos branquiais com região apical mais alargada do que a basal, formando um        bulbo (Fig. 24); brânquia cerca de uma vez e meia maior que o comprimento do        casulo ............................................................................................... 40
39'. Filamentos branquiais de calibre uniforme; comprimento das brânquias próximo ao        comprimento do casulo ou menor ............................................................ 41
40. Bulbo bem inflado e transição brusca ............................... S. (I.) clavibranchium
40'. Bulbo menos inflado e transição suave ........................ S. (I.) subclavibranchium
41. Cápsula torácica somente com tricomas bifurcados; assoalho ligado às laterais do        teto (Fig. 25) Grupo S. incrustatumS. (P.) angrense ou S. (P.) auripellitum ou        ................................................................................. S. (P.) incrustatum.
41'. Cápsula torácica sempre com tricomas de três ramificações ou mais; assoalho         ligado à parte superior do teto (Fig. 26) .................................................. 42
42. Filamentos branquiais bem reunidos (como se fosse um único filamento)        ..................................................................................... S. (I.) subnigrum
42b. Filamentos branquiais não reunidos, dispostos ao longo de um mesmo plano         bidimensional (Fig. 6) ......................................................... S. (I.) noguerai

 


 

 



 

 



 

 


 

DISCUSSÃO

Caracteres da pupa e do casulo são largamente utilizados na taxonomia dos Simulídeos neotropicais, dentre os quais: número, forma do ápice e superfície dos filamentos branquiais; tipo e distribuição dos tubérculos do cefalotórax; forma do casulo, organização das tramas do teto, aspecto da borda anterior e presença de projeção ântero-dorsal (COSCARÓN 1991, SHELLEY et al. 1997, HAMADA & ADLER 2001). Neste trabalho foram acrescentados caracteres não usuais, como: largura e comprimento relativos dos filamentos branquiais; disposição espacial das brânquias; proporção entre comprimento da brânquia e comprimento do casulo; presença e posição do assoalho do casulo.

Usando apenas caracteres do estágio pupal é possível diferenciar facilmente 36 das 49 espécies de Simuliidae do Sudeste do Brasil. Além disso, muitas vezes, este é o único estágio através do qual se obtém uma identificação mais precisa.

Simulium (Psilopelmia) é uma exceção dentre os subgêneros neotropicais, pois não é possível diferenciar grande parte das espécies do subgênero apenas usando caracteres da pupa. Não foi possível diferenciar, através das pupas, as quatro espécies do subgênero encontradas na Região Sudeste. Entretanto, é possível diferenciá-las usando fêmeas adultas.

Não foi possível diferenciar com caracteres da pupa as espécies do grupo S. incrustatum (S. angrense, S. auripellitum e S. incrustatum) e duas das espécies do grupo S. subpallidum (S. acarayense e S. subpallidum). Além disso, dois conjuntos de espécies dentro do grupo S. inaequale (S. clavibranchium e S. subclavibranchium) e (S. noguerai e S. subnigrum) apresentam diferenças sutis entre si, o que gera problemas na identificação. No entanto, essas dificuldades não são amenizadas utilizando-se qualquer dos outros estágios. Sugerimos que as espécies dos grupos S. inaequale, S. incrustatum e S. subpallidum sejam revisadas.

 

AGRADECIMENTOS

Aos Doutores Sixto Coscarón (MLP) e Neusa Hamada (INPA) que gentilmente permitiram o acesso às suas respectivas coleções. Ao Dr. Guilherme Muricy (MNRJ-UFRJ) pelo auxílio na redação do trabalho e revisão. Aos Doutores Jorge Nessimian (IB-UFRJ), Cátia Mello-Patiu (MNRJ-UFRJ) e Carlos Coutinho (IOC-FIOCRUZ) pela revisão. A Amanda Mendes (MNRJ-UFRJ) pela revisão do inglês e auxílio na edição das figuras. A Viviane Alecrim (IB-UFRJ), André dos Santos (IB-UFRJ), Arion Aranda (IOC-FIOCRUZ) e Dr. Alcimar Carvalho (MNRJ-UFRJ) por testarem a chave de identificação. Este trabalho foi apresentado pelo primeiro autor, no Departamento de Zoologia, IB, UFRJ, como requisito para conclusão do curso de Ciências Biológicas, Modalidade Zoologia. Este trabalho teve apoio financeiro do PIBIC/CNPq.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAÚJO-COUTINHO, C.J.P.C.; M. MAIA-HERZOG, & B.C. SOUZA. 1988. Levantamento das espécies do gênero Simulium no litoral norte do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Entomologia, São Paulo, 32 (1): 11-17.        [ Links ]

BAPTISTA, D.F.; L.F.M. DORVILLÉ; D.F.BUSS; J.L. NESSIMIAN & L.H.J. SOAREAS. 1998. Distribuição de comunidades de insetos aquáticos no gradiente longitudinal de uma bacia fluvial do sudeste brasileiro. pp. 191-207. In: J.L. NESSIMIAN & A.L. CARVALHO (Eds). Ecologia de insetos aquáticos. Rio de Janeiro, PPGE, UFRJ, Series Oecologia Brasiliensis V, 309p.        [ Links ]

CALVÃO-BRITO, R.H.S. & M. MAIA-HERZOG. 2003. Modificação na técnica para montagem de simulídeos (Insecta, Diptera) em lâmina/lamínula. Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba, 20 (4): 773-774.        [ Links ]

COSCARÓN, S. 1991. Fauna de agua dulce de la Republica Argentina 38. Insecta Diptera Simuliidae. Buenos Aires, fascículo 2, 304p.        [ Links ]

CROSSKEY, R.W. 1990. The natural history of blackflies. Chichester, John Wiley, 711p.        [ Links ]

CROSSKEY, R.W. & T.M. HOWARD. 1997. A new taxonomic and geografical inventory of world blackflies (Diptera: Simuliidae). London, The Natural History Museum, 144p.        [ Links ]

D' ANDREATTA JR., C. & M.A.V. D' ANDREATTA, 1950. Espécies neotropicais da família Simuliidae Schiner (Diptera Nematocera), IV - Redescrição do Simulium pertinax Kollar,1832. Papéis Avulsos do Departamento de Zoologia, São Paulo, 9: 193-231.        [ Links ]

EATON, D.P.; L.A.DIAZ; G. HANS; V. DOS SANTOS; V. AOKI; H. FRIEDMAN. 1998. Comparison of black fly species (Diptera: Simuliidae) on an Amerindian reservation with a high prevalence of Fogo Selvagem to neighboring disease-free sites in the state of Mato Grosso do Sul, Brazil. Journal of Medical Entomology, Washington, 35 (2): 120-131.        [ Links ]

GIL-AZEVEDO, L.H. & M. MAIA-HERZOG. 2004. Registros novos de ocorrência de seis espécies de Simuliidae (Diptera) para o estado do Rio de Janeiro. Biota Neotropica, Campinas, 4 (1): 1-3.        [ Links ]

GIL-AZEVEDO, L.H.; R. FIGUEIRÓ & M. MAIA-HERZOG. 2005. Simulium (Psaroniocompsa) stellatum (Diptera: Simuliidae), a new black fly from a high mountain range in southeastern Brazil. Zootaxa, Auckland, 922: 1-12.        [ Links ]

HAMADA, N. & P.H. ADLER. 2001. Bionomics and keys to immatures and adults of Simulium (Diptera: Simuliidae) from Central Amazonia, Brazil. Acta Amazônica, Manaus, 31 (1): 109-132.        [ Links ]

HAMADA, N & M. PEPINELLI. 2004. Simulium (Chirostilbia) bifenestratum (Diptera, Simuliidae), a new Black-fly species from the Atlantic Forest, State of São Paulo, Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 99 (1): 45-52.        [ Links ]

PEPINELLI, M.; S. TRIVINHO-STRIXINO & N. HAMADA. 2003. New records of Simuliidae (Diptera, Nematocera) in the State of São Paulo, Brazil. Revista Brasileira de Entomologia, São Paulo, 47 (4): 653-655.        [ Links ]

PY-DANIEL, V. & S. COSCARÓN. 1982. Simuliidae (Diptera: Nematocera) no Brasil. I. Sobre o Simulium rappae sp.n. Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, 42 (1): 155-163.        [ Links ]

REGIS, L.; S.B. DA SILVA & M.A.V. MELO-SANTOS. 2000. The use of bacterial larvicides in mosquito and black fly control programmes in Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 95 (1): 207-210.        [ Links ]

SHELLEY, A.J.; C.A. LOWRY; M. MAIA-HERZOG; A.P.A. LUNA DIAS & M.A.P. MORAES. 1997. Biosystematic studies on the Simuliidae (Diptera) of the Amazonia onchocerciasis focus. Bulletin of British Museum Natural History (Entomology), Londres, 66: 1-120.        [ Links ]

STUART, A.E. & F.F. HUNTER. 1998. End-products of behaviour versus behavioural characters: a phylogenetic investigation of pupal cocoon construction and form in some North American black flies (Diptera: Simuliidae). Systematic Entomology, Londres, 23 (4): 387-398.        [ Links ]

 

 

Recebido em 10.I.2005; aceito em 21.VIII.2005.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License