SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue3Water intake by a group of Alouatta clamitans (Primates: Atelidae), on an Araucaria Pine Forest: seasonal, sex-age and circadian variationsSchooling behavior of Astyanax altiparanae (Teleostei: Characidae) in the Congonhas River, Paraná, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Zoologia

Print version ISSN 0101-8175

Rev. Bras. Zool. vol.25 no.3 Curitiba Sept. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81752008000300025 

SHORT COMMUNICATION

 

Ocorrência de Diglotta brasiliensis (Coleoptera: Staphylinidae: Aleocharinae) em duas praias estuarinas da Baía de Paranaguá, sul do Brasil

 

Occurrence of Diglotta brasiliensis (Coleoptera: Staphylinidae: Aleocharinae) in two estuarine beaches of Paranaguá Bay, southern Brazil

 

 

Leonardo C. da RosaI, III; Carlos A. BorzoneI; Edílson CaronII

ICentro de Estudos do Mar, Universidade Federal do Paraná, Caixa Postal 50002, 83255-000 Pontal do Paraná, Paraná, Brasil. E-mail: capborza@ufpr.br
IILaboratório de Sistemática e Bioecologia de Coleoptera, Departamento de Zoologia, Universidade Federal do Paraná. Caixa Postal 19020, 81531-980 Curitiba, Paraná, Brasil. E-mail: caron@ufpr.br
IIICorresponding author. E-mail: cielcr@furg.br

 

 


RESUMO

Nesta nota são apresentadas as principais características do hábictat de Diglotta brasiliensis Caron & Ribeiro-Costa, 2008, uma espécie recentemente descrita para a região Neotropical. Os indivíduos foram encontrados habitando uma faixa de aproximadamente 4 m de largura da zona intermareal superior de duas praias estuarinas (ambas localizadas no setor euhalino da baía), com as suas densidades variando de 13 a 80 indivíduos/m2. Nesta faixa da praia os sedimentos estiveram compostos de areia média moderadamente a muito bem selecionada e com teor de umidade em torno de 6,5%. O teor de matéria orgânica e de carbonato de cálcio do sedimento variou entre 0,08 a 0,13% e 3,4 a 5,4%, respectivamente. Nesses locais, D. brasiliensis foi encontrada coexistindo com isópodes cirolanídeos do gênero Excirolana Richardson, 1912 (Isopoda: Cirolanidae).

Palavras-chave: Notas ecológicas; preferências de hábitat; região Neotropical; coleópteros de praia.


ABSTRACT

The main habitat characteristics of Diglotta brasiliensis Caron & Ribeiro-Costa, 2008, a recently described species from the Neotropical region, are provided. The specimens were found inhabiting a 4 m wide-strip at the upper intertidal zone of two estuarine sand beaches (both located in the euhaline sector of the bay), with densities ranging from 13 to 80 individuals/m2. In this zone, sediment is composed by moderate to very well sorted median sand with moisture content around 6.5%. The sediment organic matter and calcium carbonate contents varied from 0.08 to 0.13% and from 3.4 to 5.4%, respectively. At these places, D. brasiliensis was found coexisting with cirolanid isopods of the genus Excirolana Richardson, 1912 (Isopoda: Cirolanidae).

Key words: Ecological notes; habitat preference; Neotropical region; seashore beetle.


 

 

Praias arenosas são, junto com manguezais e marismas, os ambientes mais facilmente encontrados no interior de estuário e baías protegidas ao longo da costa sul-sudeste brasileira. As praias estuarinas, embora conspícuas, têm sido negligenciadas mundialmente, principalmente devido ao seu pequeno tamanho e pouca atratividade recreativa (NORDSTROM 1992).

No ano de 2004, o Laboratório de Ecologia de Praias Arenosas do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná iniciou um projeto visando o estudo da morfodinâmica e ecologia das praias estuarinas localizados no Complexo Estuarino da Baía de Paranaguá (Paraná) e Baia da Babitonga (norte de Santa Catarina), região sul do Brasil. A partir do material coletado durante esse projeto, uma nova espécie de Staphylinidae foi descrita, Diglotta brasiliensis Caron & Ribeiro-Costa, 2008 (Aleocharinae, Diglottini). Nesta nota são apresentadas as principais características do hábitat dessa espécie de estafilinídeo em duas praias estuarinas da Baía de Paranaguá, sul do Brasil, no período de março a setembro de 2005.

O desenho amostral empregado durante o estudo consistiu na demarcação de três transectos perpendiculares à linha d'água e distantes dois metros entre si, onde foram distribuídos dez pontos amostrais por transecto. Estes pontos foram distribuídos em desníveis eqüidistantes entre a linha de deposição de detrito e o limite entre a face praial e a planície de maré, feição característica destes ambientes praiais (BORZONE et al. 2003). Em cada ponto foi obtida uma amostra (0,05 m2 de área e 20 cm de profundidade), que foi peneirada "in situ" com uma malha de 0,5 mm e o material retido foi fixado em formalina a 10%.

O perfil topográfico e a salinidade da coluna d'água foram mensurados para cada praia. Em cada ponto foram medidas as profundidades do lençol freático e coletada uma amostra de sedimento para a sua caracterização física (tamanho médio e grau de seleção, e os teores de umidade, matéria orgânica e carbonato de cálcio), as quais foram processadas de acordo com as metodologias propostas por SUGUIO (1973).

Dos treze ambientes de praias estuarinas estudados no Complexo Estuarino da Baía de Paranaguá, D. brasiliensis esteve presente em somente dois deles, Cruz e Pasto (Fig. 1). Ambos ambientes encontram-se localizados no setor euhalino da baía (LANA et al. 2001), onde os valores de salinidade variaram entre 25 (Cruz, 29.III.05) e 30 (Cruz e Pasto, 22.VII.05). As duas praias apresentaram características morfológicas semelhantes, com faces praiais estreitas (em torno de 15 m de largura) e acentuada declividade (entre 6,5° em Cruz e, 8° em Pasto) (Fig. 2).

 

 

 

 

Nas duas praias, os indivíduos de D. brasiliensis ocorreram em uma faixa de aproximadamente 4 m de largura, logo abaixo da linha de deposição de detrito (Fig. 2). Os valores máximos de densidade variaram entre 13 (Cruz) e 80 indivíduos/m2 (Pasto). O sedimento dessa faixa esteve composto por areia de tamanho médio moderadamente a muito bem selecionado e com o teor de umidade em torno de 6,5% (Tab. I). O conteúdo de matéria orgânica e de carbonato de cálcio variou entre 0,08 a 0,13% e 3,4 a 5,4%, respectivamente (Tab. I).

 

 

Nestas faixas, a espécie co-existe com os isópodes cirolanídeos Excirolana braziliensis (Richardson, 1912) e Excirolana armata (Dana, 1853) na praia da Cruz, e somente com E. armata na praia de Pasto. Estes isópodes são organismos típicos de praias arenosas oceânicas (BORZONE et al. 1996, BARROS et al. 2001), existindo em E. braziliensis uma preferência por sedimentos mais grosseiros e com menores teores de umidade (ALVES et al. 1998).

Estafilinídeos são coleópteros extremamente comuns em praias arenosas do mundo inteiro, sendo Bledius Leach, 1819 (Oxytelinae), o gênero com mais espécies citadas na literatura (MCLACHLAN & BROWN 2006). Contudo, Aleocharinae, com mais de 12.000 espécies amplamente distribuídas geograficamente (THAYER 2005), apresenta grande diversidade de espécies em habitat de praia, com cerca de 192 espécies em 47 diferentes gêneros (AHN & ASHE 2004). Diglotta Champion, 1899 possui oito espécies, todas restritas ao habitat de praia podendo ser encontrada sobre a areia e sendo muito ativas em tempo quente (MOORE & ORTH 1979, HAGHEBAERT 1991, CARON & RIBEIRO-COSTA 2008).

Este estudo vem acrescentar maior conhecimento dos Staphylinidae, pois são poucas as informações que existem sobre estes coleópteros, nos diferentes ecossistemas brasileiros.

 

LITERATURA CITADA

AHN, K.-J. & J.S. ASHE. 2004. Phylogeny of the Myllaenini and related taxa (Coleoptera: Staphylinidae: Aleocharinae). Cladistics 20: 123-138.         [ Links ]

ALVES, P.R.P.; A.L.O. FONSECA; C.A. BORZONE; L. LORENZI; G. BOEHS; C.C.R.P. GUIMARÃES; J. PEREIRA-JR; M. HOFSTAETTER; R.S. GODEFROID; E. OLIVIEIRA; S.W. CHRISTO; A.M.K. UEJIMA; J. QUADROS & D.R. FERNANDEZ. 1998. Distribuição espacial de Excirolana braziliensis e E. armata (Isopoda: Cirolanidae) em três praias do litoral paranaense. Atlântica 20: 23-34.         [ Links ]

BARROS, F.C.R.; C.A. BORZONE & S. ROSSO. 2001. The macroinfauna of six beaches near Guaratuba Bay, Southern Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology 44 (4): 351-364.         [ Links ]

BORZONE, C.A.; J.R.B. SOUZA & A.G. SOARES. 1996. Morphodynamic influence on the structure of inter and subtidal macrofaunal communities of subtropical sandy beaches. Revista Chilena de Historia Natural 69: 565-577.         [ Links ]

BORZONE, C.A.; S.G. MELO; K.V. REZENDE; R. VALE & R. KRUL. 2003. Macrobenthic intertidal communities from wave to tide dominated beach environments. A case study in two Brazilian beaches. Journal of Coastal Research 35 (SI): 472-480.         [ Links ]

CARON, E. & C.S. RIBEIRO-COSTA. 2008. First record of the tribe Diglottini from South America with description of Diglotta brasiliensis sp. nov. (Coleoptera, Staphylinidae, Aleocharinae). Zootaxa 1776: 52-58.         [ Links ]

HAGHEBAERT, G. 1991. A review of the Diglotta of the world (Coleoptera, Staphylinidae, Aleocharinae). Bulletin et Annales de la Société Royale Belge d'Entomologie 127: 223-234.         [ Links ]

LANA, P.C.; E. MORONE; R.M. LOPES & E.C. MACHADO. 2001. The Subtropical Estuarine Complex of Paranaguá Bay, Brazil, p. 131-145. In: U. SEELIGER & B. KJERFVE (Eds). Coastal Marine Ecosystems of Latin America. Berlin, Springer-Verlag, 360p.         [ Links ]

MCLACHLAN, A. & A. BROWN. 2006. The ecology of sandy shores. San Diego, Academic Press, XII+373p.         [ Links ]

MOORE, I. & R.E. ORTH. 1979. Diglotta legneri, a new seashore beetle from California (Coleoptera: Staphylinidae). Coleopterist Bulletin 33 (3): 337-340.         [ Links ]

NORDSTROM, K.F. 1992. Estuarine beaches. London, Elsevier Applied Science, 225p.         [ Links ]

SUGUIO, K. 1973. Introdução à sedimentologia. São Paulo, EDUSP, 317p.         [ Links ]

THAYER, M.K. 2005. Staphylinoidea – Staphylinidae Latreille, 1802, p. 296-344. In: N.P. KRISTENSEN & R.G. BEUTEL (Eds). Handbook of Zoology. New York, De Gruyter, vol. 4.         [ Links ]

 

 

Submitted: 26.II.2008; Accepted: 03.IX.2008.

 

 

Editorial responsibility: Márcio R. Pie