SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número2A videolaparoscopia no diagnóstico e tratamento da obstrução intestinalCólico ou colônico? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Coloproctologia

versão ISSN 0101-9880

Rev bras. colo-proctol. v.27 n.2 Rio de Janeiro abr./jun. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-98802007000200019 

RESUMO DE ARTIGOS

 

 

Luis Claúdio Pandini - TSBCP

 

 

Tan JJY; Tjandra JJ. Laparoscopic Surgery for Crohn's Disease: A Meta Analysis. Dis Colon Rectum 2007; 50: 576-585.

Este estudo de meta análise foi realizado para determinar a segurança e eficácia da cirurgia laparoscópica na doença de Crohn. O tempo operatório na cirurgia laparoscópica foi maior que a cirurgia convencional, mas houve benefícios imediatos significantes para os pacientes. A morbidade foi menor com a laparoscopia e a taxa de recidiva da doença foi semelhante. A conclusão do estudo mostrou que a cirurgia laparoscópica na doença de Crohn é tanto eficaz quanto segura.

 


 

Pautrat K; Bretagnol F; Huten N et al. Acute Diverticulitis in Very Young Patients: A Frequent Surgical Management. Dis Colon Rectum 2006; 50: 472-477

Este estudo retrospectivo foi realizado para identificar a gravidade e o tratamento precoce da diverticulite em pacientes jovens (< 50 anos). Os autores concluem que a diverticulite em pacientes jovens com menos de 40 anos parece ser mais agressiva e ter curso fulminante, requerendo tratamento cirúrgico precoce para complicações (abscessos, perfuração colônica) em 40% dos casos. A utilização de estomias foi mais freqüente nestes pacientes.

 


 

Brennan DJ; Moynagh M; Brannigan AE; et al. Routine Mobilization of the Splenic Flexure is not Necessary During Anterior Resection for Rectal Cancer. Dis Colon Rectum 2007; 50: 302-307.

Neste estudo os autores operaram um total de 100 pacientes com câncer retal com média de 8 cm (4 a 15 cm) da margem anal. A mobilização da flexura esplênica foi feita seletivamente somente para os casos onde a anastomose poderia ficar tensa. A conclusão dos autores foi que a rotina da mobilização da flexura esplênica não é necessária para uma ressecção anterior segura no câncer retal. Evitando a liberação da flexura esplênica o tempo operatório é menor e não aumenta a morbidade pós operatória, deiscência da anastomose ou recidiva local.

 


 

Nicksa GA; Dring RV; Johnson K H; et al. Anastomotic Leaks: Whats is the Best Diagnostic Imaging Study? Dis Colon Rectum, 2006; 50: 97-203.

O propósito deste estudo foi avaliar a efetividade da tomografia computadorizada (TC) e do enema com contraste solúvel na identificação da deiscência da anastomose gastro intestinal baixa. A conclusão dos autores foi que a intervenção precoce em pacientes que apresentam deiscência da anastomose melhorou os resultados, especialmente com respeito à mortalidade, e neste estudo o exame com enema solúvel foi superior à tomografia quando as duas modalidades foram utilizadas. Esta diferença foi mais pronunciada quando a anastomose era distal. Nas anastomoses próximas nenhum estudo radiológico foi efetivo em confirmar a deiscência.

 


 

Chin F K; Kallam R; O´ Boyle C et al. Bacterial Translocation May Influence the Long-Term Survival in Colorectal Cancer Patients. Dis Colon Rectum 2006; 50:323-330.

O objetivo deste estudo foi investigar a associação da translocação bacteriana com a doença específica a longo prazo, e a sobrevida livre de doença em pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico do câncer colorretal. Foram retiradas amostras dos linfonodos mesentéricos e enviados para cultura antes da introdução da antibioticoterapia profilática. Foram isoladas bactérias em 15% dos pacientes. Não houve associação entre bactérias e metástase linfonodal, obstrução intestinal e complicações sépticas. Os autores concluem que pacientes com câncer colorretal e translocação bacteriana em linfonodos mesentéricos apresentam pior prognóstico com relação a sobrevida com doença e sobrevida livre de doença.

 


 

Ehrenpreis ED; Chang D; Eichenwald E. Pharmacotherapy for Fecal Incontinence: A Review. Dis colon rectum 2006; 50: 641-649.

Este interessante artigo de revisão faz uma análise do tratamento clínico com os inúmeros medicamentos utilizados na incontinência fecal.

A revisão do tratamento incluiu os medicamentos formadores de bolo fecal, agentes constipantes incluindo loperamide, codeine, atropina e diphenoxilato, agentes injetados dentro do esfíncter anal, drogas pra aumentar a função do esfíncter anal.

Os autores também mostram uma nova classificação que facilita a identificação das diferentes categorias medicamentosas para o tratamento da incontinência fecal.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons