SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue4Transperineal repair for rectocele: grade of satisfaction and postoperatory dispareunia and recurrenceThe relation between metastases in regional lymph nodes and prognostic factors in the sporadic adenocarcinoma of the large bowel author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Coloproctologia

On-line version ISSN 0101-9880

Rev bras. colo-proctol. vol.29 no.4 Rio de Janeiro Oct./Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0101-98802009000400005 

ARTIGOS ORIGINAIS

 

Retalhos de avanço no tratamento da fissura anal crônica - Experiência inicial

 

Advancement flap in the treatment of chronic anal fissure: Inicial experience

 

 

Maria Auxiliadora Prolungatti CesarI; Lívia Alkmin UemuraII; Mariah Prata Soldi PassosIII

IMestre e Doutora em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Professora Assistente Doutor do Departamento de Medicina da Universidade de Taubaté
IIMédica. Ex-Aluna do Departamento de Medicina da Universidade de Taubaté
IIIMédica. Ex-Aluna do Departamento de Medicina da Universidade de Taubaté

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A fissura anal é uma laceração do canal anal relacionada ao trauma, hipertonia esfincteriana e isquemia. A maioria cicatriza espontaneamente ou com tratamento conservador, e poucas requerem tratamento cirúrgico. O objetivo deste trabalho é verificar os resultados clínicos e alterações manométricas de pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico da fissura anal com avançamento de retalhos em v-y. Métodos: Estudo prospectivo, realizado nos anos de 2007, 2008 e 2009, que abrangeu nove pacientes portadores de fissura anal crônica submetidos ao avançamento de retalho anal. Foram avaliadas as pressões do canal anal ao repouso, contração e esforço evacuatório; no pré e pós-operatório. Resultados: Na amostra, todos os pacientes apresentaram hipertonia esfincteriana prévia. seis (66,6%) obtiveram resolução total dos sintomas e das lesões. Um (11,11%) sofreu deiscência parcial do retalho, sem sintomas clínicos; e outros dois (22,22%), infecção com perda dos mesmos e persistência da fissura. A análise manométrica das pressões de repouso, contração e evacuação nos grupos não mostrou alteração estatisticamente significativa (p>0,05), o que comprova que a cirurgia não incluiu manipulação dos esfíncteres. Conclusão: Os retalhos anais mostraram-se efetivos no tratamento da fissura anal, com cicatrização da lesão, sem que ocorram alterações nas pressões anais desses pacientes.

Descritores: Fissura, manometria, procedimentos cirúrgicos.


ABSTRACT

The anal fissure is a laceration of the anal canal related to trauma, hypertonic sphincter and ischemia. The majority heals spontaneously or with conservative treatment and only a few requires surgical treatment. The objective of this study is to verify the clinical results and manometric alterations of patients submitted to the surgical treatment of the anal fissure with advance of v-y skin flaps. Methods: Prospective study, accomplished in 2007,2008 and 2009, in witch nine patients with chronic anal fissure were submitted to v-y advance. The pressures of the anal canal at rest, contraction and at evacuation effort were evaluated in the pre and postoperative. Results: In the sample, all the patients had presented previous hypertonic sphincter. six (66.6%) had gotten total resolution of the symptoms and the injuries. One (16.6%) suffered partial dehiscence of the flap, without clinical symptoms; and another two (22,2%), infection with loss of the same and persistence of the fissure. The manometric analysis of the pressures at rest, contraction and evacuation did not show significant statistical alteration (p> 0,05), what proves that the surgery did not manipulated the sphincters. Conclusion: The anal flap had revealed an effective treatment of the anal fissure with total healing of the injury, without alterations in the pressures of the sphincters.

Key words: Fissure, manometry, chirurgical procedures.


 

 

INTRODUÇÃO

A fissura anal é uma laceração da pele que recobre o canal anal e que se manifesta por dor severa e sangramento vivo. Está relacionada ao trauma (constipação e fezes endurecidas), hipertonia esfincteriana e isquemia (1).

Na fase aguda inicial da doença muitas fissuras cicatrizam espontaneamente ou com tratamento conservador (2) e a minoria requer tratamento cirúrgico. As lesões crônicas, com duração maior do que dois meses, com papila anal hipertrófica, plicoma sentinela e exposição do esfíncter interno, quase sempre necessitam de correção cirúrgica (2,3).

Na avaliação desses pacientes a manometria anal tem sido utilizada na pesquisa da hipertonia esfincteriana (4,5).

O objetivo desse estudo é verificar os resultados clínicos e alterações manométricas em pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico da fissura anal através da utilização de retalhos de avanço em v-y.

 

METODOLOGIA

Trata-se de um estudo prospectivo, realizado nos anos de 2007, 2008 e 2009, que abrangeu nove pacientes portadores de fissura anal crônica refratária ao tratamento clínico, com indicação cirúrgica. Foram avaliados as pressões do canal anal e os resultados clínicos quanto à cicatrização e a presença de sintomas no pós-operatório.

Foram excluídos do estudo aqueles que apresentavam cirurgias prévias anorretais ou presença de outra doença anorretal concomitante.O trabalho foi aprovado pelo CEP-UNITAU e todos os pacientes assinaram um termo de concordância com o tratamento e com os exames propostos.

 

CIRURGIA

Realizada com o paciente em decúbito dorsal e bloqueio espinhal com raquianestesia. Os retalhos foram confeccionados em formato triangular, de aproximadamente 3 mm de base e 5 mm de altura; retirados da margem anal próxima à área (fissura) a ser recoberta. Foram realizados o desbridamento do leito fissurário e avanço do retalho em V-Y sobre o mesmo. A sutura do retalho no leito foi feita com fio catgute 3-0 cromado, em pontos simples; e o curativo com gaze embebida de gel anestésico, retirado em 24h.

Os cuidados pós-operatórios incluíram antibiótico cefalexina 2g/dia por 24 horas, antiinflamatório não hormonal por quatro dias, a cada 8h; analgésico não opióide por cinco dias e banhos de assento quatro vezes ao dia durante duas semanas.

 

MANOMETRIA ANAL

A manometria anal foi realizada sem preparo intestinal prévio, no pré-operatório e no 40º dia pós-operatório, com o aparelho Alacer, acoplado a um cateter flexível de 5 mm de diâmetro, com oito orifícios radiados em sua extremidade distal, por onde há perfusão de água numa velocidade de 18 ml/minuto. Durante o exame, o paciente permaneceu em decúbito lateral esquerdo com as pernas fletidas sobre as coxas. O cateter, lubrificado em solução inerte, era delicadamente introduzido no ânus do paciente até cinco centímetros da borda anal, sendo então retirado a cada centímetro e registrando-se as medidas abaixo descritas:

° Pressão Máxima de Repouso (PR): aferida com o paciente em situação de relaxamento. Reflete a atividade do esfíncter interno do ânus;

° Pressão Máxima de Contração (PC): obtida com o paciente em situação de contração. Afere a atividade do esfíncter externo do ânus e músculo pubo-retal;

° Pressão Mínima de Evacuação (PEv): medida com o paciente em situação de esforço evacuatório. Representa a atividade dos esfíncteres anais no momento da evacuação;

° Ponto de Maior Pressão: é o ponto do canal anal em que a pressão de repouso apresenta o maior valor;

° Comprimento Manométrico do Canal Anal: valor, em centímetros, do canal anal funcional, obtido através das pressões de repouso.

A avaliação pós-operatória foi semanal no primeiro mês e quinzenal no segundo mês, momentos em que eram observadas a viabilidade do retalho e a presença de sintomas.

Para análise dos dados , os pacientes foram divididos em grupo 1 (pré-operatório ) e grupo 2 (pós-operatório).

A análise estatística foi realizada com intervalo de confiança de 95% e os testes estatísticos utilizados foram ANOVA (A Parametric Test for Inequality of Population Means) e Mann-Whitney/ Wilcoxon .

 

RESULTADOS

A amostra foi representada por cinco (55,55%) pacientes do sexo feminino e quatro (44,4%) do masculino; com idade média de 37,3 anos, com mínima de 20 e máxima de 55 anos.

Os pacientes apresentavam, em média, 4,9 anos de evolução do quadro antes do tratamento cirúrgico; e todos os seis pacientes realizaram tratamento clínico por, pelo menos, 60 dias antes de serem submetidos ao avanço de retalho para o tratamento da fissura anal. Em relação à localização das lesões, sete (77,77%) eram na linha média posterior, um (11,11%) na anterior e um (11,11%) na lateral direita. Todos apresentaram, à manometria, hipertonia esfincteriana prévia. (Tabela 1)

 

 

Os resultados das pressões de repouso, contração e evacuação obtidos nas manometrias estão dispostos nas tabelas 2, 3 e 4 respectivamente. Em todas as variáveis analisadas não houve diferença estatisticamente significante exceto na pressão de evacuação a 1 cm do canal anal.

 

 

 

 

 

 

A tabela 5 demonstra as maiores pressões de repouso e contração no pré e pós-operatório e não apresentam diferença estatisticamente significante. O mesmo ocorreu quando observamos os pontos de maior pressão de repouso e contração.

 

 

Seis dos nove pacientes operados, obtiveram resolução total dos sintomas e das lesões que, recobertas pelos retalhos íntegros, não eram mais visíveis ao exame clínico. Um paciente sofreu deiscência parcial do retalho inicialmente, mas manteve-se assintomático e apresentou cicatrização total da fissura. Outros dois (22,22%) sofreram infecção e perda do retalho anal, com persistência da fissura e de suas manifestações; sendo submetidos à esfincterotomia um mês após a primeira cirurgia. As cicatrizações foram obtidas com sucesso e houve cura da doença.

 

DISCUSSÃO

O avanço de retalhos anais tem sido uma alternativa terapêutica no tratamento da fissura anal em pacientes com complicações obstétricas, recorrência das fissuras após esfincterotomia e para o tratamento de estenoses anais. Dentre as vantagens, os retalhos anais evitam lesões do esfíncter interno e proporcionam menor dor pós-operatória, cicatrização rápida e retorno precoce às atividades. As complicações incluem incontinência leve, cicatriz de mau aspecto, infecção e sensibilidade anormal (6,7). Em nossa casuística, apenas os dois pacientes que apresentaram perda do retalho após infecção queixaram-se de dor intensa no pós- operatório. Nenhum referiu incontinência, cicatriz não estética ou deformidades.

Uma queda da pressão de repouso no pós-operatório comparada com a do pré-operatório poderia ser interpretado como esfincterotomia parcial interna associada ao retalho anal, impossibilitando afirmar com certeza qual procedimento foi o responsável pela cicatrização da fissura .Em nosso estudo, onde as pressões não se alteraram após a cirurgia, é demonstrada ausência de lesão, mesmo que mínima, do esfíncter interno do ânus.

Outro estudo, com quarenta pacientes com fissuras crônicas, comparou as técnicas de avanço de retalho e esfincterotomia interna lateral. Vinte pacientes, com idade média de 34 anos, foram submetidos à esfincterotomia, enquanto outros 20, com idade média de 32, à reconstrução com retalho. Todos os pacientes do primeiro grupo cicatrizaram sem intercorrências, enquanto três do segundo não obtiveram sucesso com a cirurgia. Nenhum paciente apresentou incontinência e o grau de satisfação foi semelhante em ambos os grupos (7). Em nossa casuística, uma paciente apresentou deiscência parcial do retalho no 13° pós-operatório, mas sem sintomas clínicos; e evoluiu com cicatrização completa da fissura mantendo-se sem a lesão há cerca de uma ano. Outros dois apresentaram infecção e foram reoperados (esfincterotomia lateral) em um mês com resolução do quadro. Não houve caso de estenose.

As alterações manométricas não ocorreram mesmo depois de as fissuras estarem totalmente cicatrizadas e o paciente sem dor. Em alguns pacientes as pressões foram maiores tanto no repouso quanto na contração após a cirurgia (como pode ser observado nas tabelas 2, 3 e 5). Esse dado garante que realmente não houve manipulação do esfíncter , e sugere ainda outros fatores importantes na gênese e manutenção da fissura além da hipertonia esfincteriana.

O retalho anal em v-y nos pareceu ser boa opção para o tratamento cirúrgico da fissura anal crônica. As pressões manométricas de repouso, contração e evacuação no pré e pós-operatório mostraram não haver manipulação ou lesão dos esfíncteres interno e externo, com menor risco de incontinência e com resultados semelhantes à técnica mais utilizada (esfincterotomia lateral interna).

 

CONCLUSÃO

Os retalhos anais de avanço mostraram-se efetivos no tratamento da fissura anal, com cicatrização da lesão e sem alterações nas pressões anais desses pacientes.

 

REFERÊNCIAS

1. MALLMANN AC; CARVALHO LP; KOSHIMIZU RT Tratamento da fissura anal. In: Cruz GMG . Coloproctologia terapêutica. Rio de Janeiro: Revinter LTDA; 2000. 2161-8.         [ Links ]

2. MCCALLION K; GARDINER KR. Progress in the understanding and treatment of chronic anal fissure. Postgrad Med J 2001;77:753-8.         [ Links ]

3. FERREIRA CAB; LACOMBE DLP; MIGUEL W. Tratamento cirúrgico da fissura anal - esfincterotomia ou fissurectomia. Rev Bras Coloproct 1981;3(1):161-7.         [ Links ]

4. CRUZ GMG . Propedêutica da constipação intestinal. In: Cruz GMG Coloproctologia Propedêutica Geral. Rio de Janeiro: Revinter LTDA; 2000; 656-82.         [ Links ]

5. CESAR MAP; JEHÁ MR; FERRETTI CEA; CESAR RP; PAULA PR; BASSI DG; SPERANZINI MB; ORTIZ JA. Avaliação manometrica anal pré e pós tratamento da fissura anal crônica com nifedipina tópica 0,2%. Rev bras Coloproct, 2007;27(2): 185-189.         [ Links ]

6. NYAM DC; PEMBERTON JH. Long-term results of lateral sphincterotomy for chronic anal fissure with particular reference to incidence of fecal incontinence. Dis Colon Rectum 1999; 42: 1306-1310         [ Links ]

7. LEONG AFPK; SEOW-CHOEN F. Lateral sphincterotomy compared with anal advancement flap for chronic anal fissure. Dis Colon Rectum 1995;38:69-71.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
MARIA AUXILIADORA PROLUNGATTI CÉSAR
Hospital Universitário de Taubaté - Serviço de Clínica Cirúrgica
Av Granadeiro Guimarães, 270 - Centro - Taubaté-SP
CEP: 12.020-130
E-mail: prolungatti@uol.com.br

Recebido em 27/11/2008
Aceito para publicação em 16/02/2009

 

 

Trabalho realizado no Hospital Universitário de Taubaté - UNITAU.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License