SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 issue36Quando os discursos não se encontram: imaginário do professor de história e a reforma curricular dos anos 80 em São PauloFormação da Alma e do Caráter Nacional: Ensino de História na Era Vargas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de História

Print version ISSN 0102-0188On-line version ISSN 1806-9347

Rev. bras. Hist. vol. 18 n. 36 São Paulo  1998

https://doi.org/10.1590/S0102-01881998000200005 

Representações e Linguagens no Ensino de História1

 

Ernesta Zamboni2
Universidade Estadual de Campinas

 

 

Resumo

O objetivo deste texto é refletir sobre as representações e linguagens mais usadas na produção do conhecimento histórico, no ensino funda-mental. Enfocamos o uso da fotografia, do desenho, da narrativa dos cronistas, dos conceitos e do livro didático como representações do real.
Palavras-chave: Produção do Conhecimento; Representação; História.

Abstract

The objective of this text is to think about the most common ways of expressions used in the production of historical knowledge for the elementary education. We focused in the use of photography, drawings, the narrative of the chroniclers, the concepts and the text book as a representation of the construction of the real world.
Key words: Production of Knowledge; Representation; History.

 

 

O propósito deste texto é refletir sobre as representações constantes de diferentes linguagens como a fotografia, o desenho e o texto escrito usados na construção do conhecimento histórico em sala de aula. O tema Representações no ensino de História nos reporta a uma infinidade de situações pela multiplicidade de sentidos que o termo evoca. Esta multiplicidade está associada às mudanças paradigmáticas, a uma crise dos valores contemporâneos, ao fim de uma visão homogênea e absoluta em considerar e analisar os fenômenos sociais e históricos, à visão unitária do mundo, ao questionamento dos discursos científicos, à idéia de progresso, de nação e formação de nacionalidade que caracterizaram, e às vezes ainda caracterizam, o ensino de história em determinada época.

Vivemos em uma era que se define pela expansão das relações virtuais em inúmeras instâncias sociais, redimensionando, conseqüentemente, as categorias espaço e tempo, relações sociais e cultura. Era na qual o espaço é cada vez menor, o tempo cada vez mais veloz, e as relações sociais mais voláteis. Assim, a consideração pelo imaginário deixa de ser uma visão deformadora do conhecimento para se tornar um objeto de estudo na vertente da história cultural e das mentalidades, desenvolvendo-se no momento em que as posturas interpretativas também não dão conta do real.

Essas transformações ocorrem em diferentes momentos do social e o processo educativo não está excluído e nem independente de todas estas mudanças. Elas envolvem um conjunto de relações existentes entre os significantes (imagens e palavras) e os seus significados (as representações).

Nesta articulação a sociedade constrói a sua ordem simbólica, que, se por um lado não é o que se convenciona chamar de real (mas sim uma sua representação), por outro lado é também uma outra forma de existência da realidade histórica (...)3

Tratando-se das análises das representações construídas para atender às exigências educacionais, o nosso olhar dirige-se a várias situações - uma delas ligada à apreensão e construção do conhecimento em sala de aula, isto é, a relação de aprendizagem existente entre os professores e os alunos -, e a outra, às múltiplas mercadorias produzidas pela indústria cultural, como vídeos, livros, filmes, pinturas, gravuras, fotografias, enfim, todos os materiais considerados didáticos.

No processo de produção de tais materiais as mudanças são mais evidentes na escolha das temáticas propostas pela História Nova, às quais foram incorporadas as propostas curriculares, do que no tratamento metodológico a elas atribuído. Nesses materiais, o conhecimento histórico é visto como uma verdade absoluta, homogeneizadora, sem problematização: por exemplo, o tema Trabalho nos livros paradidáticos é enfocado de forma compartimentada, sob a ótica de modelos pré-determinados, criados pela história tradicional - o trabalho compulsório sempre relacionado ao indígena, o escravo ao negro e o assalariado aos imigrantes. Não há texto que mostre as permanências, as simultaneidades, as semelhanças e os diferentes olhares sobre o tema Trabalho.

Nos livros paradidáticos, aparentemente, os seus autores teriam a liberdade e a possibilidade de aproximar o conhecimento histórico da antropologia, da psicologia, da história da cultura, podendo atribuir à história um olhar especial e próximo do cotidiano, sem certezas absolutas, e com uma infinidade de possibilidades, apresentando em suas explicações causas necessárias e nunca suficientes. Na prática, entretanto, isto não acontece. As análises estão fundamentadas na sociologia e na economia como modelos explicativos absolutos.

Consideramos que a essência do conhecimento histórico são as ações humanas repletas de emoção, de sensibilidades, de contradições traduzidas no fato histórico. Concordamos com Pesavento ao afirmar que

Todo fato histórico - e, como tal, fato passado - tem uma existência lingüística, embora o seu referente (real) seja exterior ao discurso. Entretanto, o passado já nos chega enquanto discurso, uma vez que não é possível restaurar o real já vivido em sua integridade. Neste sentido, tentar reconstituir o real é reimaginar o imaginado, e caberia indagar se os historiadores, no seu resgate do passado, podem chegar a algo que não seja uma representação (...)4

Também é parte do conhecimento e do fato histórico o tratamento dado à cultura e ao documento. Como nos lembra Le Goff, o trabalho com o documento

(...) escrito, arqueológico, figurativo, oral, que é interrogar os silêncios da História (...) algo que nos foi dado intencionalmente, ele é o produto de uma certa orientação da História, de que devemos fazer crítica, não só segundo as regras do método positivista, que obviamente continuam necessárias a um certo nível, mas também de uma maneira que eu qualificaria de quase ideológica. É preciso para explicar e reconhecer o documento o seu caráter sempre mais ou menos fabricado5.

Próximo ao documento trabalha-se o conceito de cultura, entendida como manifestação de todos os comportamentos humanos e diretamente ligada à ideologia, tomada como a sistematização de valores e crenças - nada inocentes - e que estão presentes na vida cotidiana, no processo de interação entre os sujeitos. Na ideologia há uma intenção explícita.

Como este procedimento com documentos e suas representações é apresentado nos materiais didáticos ?

Sabemos que os materiais didáticos são expressões de representações e "em cada um deles devemos adotar um procedimento específico para analisá-los". A fotografia como linguagem documental representa uma dada realidade em um determinado momento. O fotógrafo é um sujeito que conhece o tema que está sendo registrado, uma pessoa que tem um olhar direcionado e cheio de significados e significantes. Entre os dois momentos fotográficos, a criação e a produção, o fotógrafo é envolvido em um conjunto de decisões que vão desde a escolha do filme (marca, asa, cor) até a qualidade do papel no qual o filme será revelado. São os detalhes referentes à intensidade de luz, cor, velocidade, aproximação, tipo de lente existentes no momento da fotografia, que dão ao fotógrafo a concretude de suas intenções. Não é indiferente fotografar uma dada realidade como um filme branco e preto ou com filme colorido: os resultados são distintos. Quando se quer dar à fotografia um ar mais intimista, explora-se o filme em branco e preto, jogando com momentos em claro e escuro, sempre na dimensão dos contrastes. Assim, também não é indiferente ao fotógrafo a utilização de um papel brilhante ou opaco, ou mesmo dar à fotografia um tom amarelado, envelhecido. A fotografia é um tipo de representação que expressa a relação existente entre dois sujeitos: o fotografado e o fotógrafo. Este último tem uma ideologia e uma intenção expressas na escolha do outro sujeito a ser retratado, atribuindo-lhe símbolos de vida. Para o fotógrafo é uma representação particular, única. Como diz Benjamin "o espírito dominando a mecânica, reinterpreta seus resultados mais exatos como símbolos de vida"6. Nesse sentido, a representação do real é em si mesma uma transformação do próprio real. Ao pensar neste real, o fotógrafo pensou em todos os referenciais que estão ao seu redor. Portanto, a fotografia não é apenas uma ilustração, é um documento direcionado. Cada fotografia tem um significado e gera significantes, cada pessoa que olha uma fotografia ou um desenho, passa a lê-los com um determinado olhar e busca nestas representações uma mensagem.

Borges7, ao trabalhar com a recuperação da memória e a construção da história dos índios guaranis, mesclou diferentes representações imagéticas: as planchas de Debret, a fotografia e os desenhos dos índios. Entre os vários procedimentos adotados com a intenção de reavivar a memória dos índios sobre os fatos vividos por seu povo, o pesquisador utilizou várias planchas de Debret, entre elas as xilogravuras criadas por Hans Staden localizadas no livro Duas viagens ao Brasil.

O desenho de Debret a respeito do apresamento indígena nos campo de Curitiba não deixa de ser o olhar europeu sobre um povo e um dado local. Se nos detivermos na representação das figuras femininas e das crianças, nos traços das pernas, da forma do corpo e do cabelo, concluiremos que elas estão mais próximas das figuras européias do que da mulher indígena.

(plancha nº 20)8

a05f1.JPG (68282 bytes)

 

No processo de observação da plancha foi solicitado aos índios que escrevessem algo sobre a cena9. A escrita produzida é também um tipo de representação. Depois disso, pediu-se aos mesmos índios que além da escrita, representassem-na por meio de desenho e que escrevessem, com base neste, um texto.

 

a05f2.JPG (74240 bytes)

 

A partir da representação de Debret, os índios produziram uma segunda, diferente da anterior. No novo desenho, as índias estão vestidas, o perfil das mulheres está mais próximo do real vivido. O texto10, por sua vez, evoca a autoridade do cacique, a necessidade das relações de parentesco, bem como as conseqüências do não atendimento às suas decisões.

Este é um dos exemplos que mostra como o trabalho do historiador é um trabalho sobre palavras, que por sua vez constituem representações construídas sobre outros referenciais carregados de valores, de traços culturais e ideologias. Nas representações citadas estão expressas as preocupações dos autores de manter valores e permanências existentes no seu grupo, como, por exemplo, a importância de se respeitar a autoridade do cacique. Este trabalho que envolveu a observação, a recuperação de uma memória, a análise de uma determinada representação e a produção de novas representações foi objeto de produção/transmissão e construção de representação, integrando um enfoque compreensivo de comunicação de massa.

Todos os produtos culturais, ao serem apropriados, o são por grupos inseridos em contextos sócio-culturais específicos, portanto, há modos específicos de apropriá-los. Qual é a construção da representação de um real expresso por meio das palavras?

Com relação à produção do conhecimento em sala de aula, lidamos diretamente com a construção e elaboração de imagens e palavras. Nesse aspecto, a compreensão dos sentidos das palavras é de fundamental importância. Estudos de Vygotsky sobre a formação do pensamento e da linguagem da criança afirmam que "o significado das palavras é um fenômeno do pensamento verbal, ou da fala significativa - uma união da palavra e do pensamento"11. Quando uma palavra adquire determinado significado, pode ser aplicada a outras situações: é a aplicação de um conceito a novas situações concretas, é um tipo de transferência.

Exemplo do que se tem afirmado aqui são as representações criadas pelos alunos de conceitos e situações que nos parecem unidimensionalmente compreensíveis. Silva, em sua investigação a respeito do processo de construção de conhecimento em uma 5ª série do ensino fundamental, com o objetivo de conhecer as idéias prévias dos alunos sobre os bandeirantes, propôs a seguinte pergunta: "O que vocês sabem sobre os bandeirantes?"12 e solicitou a representação de seus conhecimentos por intermédio de desenhos. Depois destes dois tipos de representação, constatou que a palavra "bandeirante" estava associada ao mundo conhecido pelos alunos, como a Rodovia Bandeirantes, grupo dos escoteiros, a bandeira, os exploradores de terras e de ouro e a personagens históricos. Portanto, a palavra "bandeirante" tinha para os alunos diferentes significados.

Para o professor trabalhar a dimensão histórica dos bandeirantes, dotando o tema de real significação histórica para os alunos, foi fundamental a exposição inicial das diversas significações que a palavra "bandeirante" continha.

O procedimento adotado pelo pesquisador está correto pois durante o processo de aprendizagem é necessário que o professor trabalhe as representações dos conceitos espontâneos das crianças e a sua capacidade de defini-los. O aluno aprende um conceito no momento em que sabe usá-lo em situações concretas e, paulatinamente, vai interiorizando-o a ponto de aplicá-lo em outras situações; é a chamada fase da transição do conhecimento concreto para o abstrato ou vice-versa13.

Outro exemplo de "como se dá o processo de conhecimento em História e Geografia em classes da 2ª série" é a pesquisa desenvolvida por Camargo em uma escola pública de Campinas14. O trabalho tinha como objetivo estudar a exploração e o desenvolvimento da criatividade e do imaginário no interior da sala de aula, tendo como referências o livro didático e a relação entre a professora e os alunos. A hipótese da pesquisadora era a do furto do imaginário infantil no interior da sala de aula, provocado pela ação docente e pela estrutura e conteúdo do texto didático. Em uma das aulas o tema era o Folclore, e a professora perguntou aos alunos o que eles sabiam sobre os índios15. Uma criança disse que eram seres do outro mundo e outra, que eram duendes. Sem explorar o referencial que levou as crianças a essas afirmações, ou mesmo despertar o interesse delas para novos referenciais culturais, a professora perdeu a oportunidade de trabalhar com as semelhanças e diferenças, permanências e mudanças existentes entre os grupos culturais e sociais. Ela simplesmente respondeu: "os índios são os indígenas", transmitindo assim uma falsa informação.

Este é mais um dos inúmeros exemplos que focalizam o distanciamento existente entre a fala dos professores, o texto do livro didático e o universo cultural dos alunos. Se a professora tivesse pedido aos alunos que explicassem o porquê de suas respostas, teria penetrado no seu universo cultural, identificado as razões que os levaram a responder daquele modo, explicado e/ou proposto uma pesquisa na qual as crianças encontrariam os fundamentos das suas representações, ampliando-as.

Os documentos históricos também contêm uma infinidade de situações que nos permitem trabalhar com diferentes representações sobre o mesmo objeto. Um deles é o da representação sobre o tatu feita por cronistas antigos. Pero Magalhães Gandavo assim o descreve em História da Província de Santa Cruz (1576):

(...) o mais fora do comum dos outros animais (...) chama-lhe tatus e são quase como leitões: tem um casco como de cágado, o qual é repartido em muitas juntas como lâminas e proporcionadas de maneira que parece totalmente um cavalo armado. Têm um rabo comprido todo coberto do mesmo casco. O focinho é como de leitão, ainda que mais delgado e só botam fora do casco a cabeça. Têm as pernas baixas e criam-se em covas como coelhos. A carne destes animais é a melhor e mais estimada que há nesta terra e tem o sabor quase como de galinha (...)16

E Gabriel Soares de Souza em 1587 no Tratado descritivo do Brasil assim o faz:

(...) é um animal estranho, tem as pernas curtas, cheias de escamas, o focinho comprido cheio de conchas, as orelhas pequenas e a cabeça que é toda cheia de lâminas redondas (...) quando este animal tem outro, mete-se todo debaixo destas armas, sem lhe ficar nada de fora (...); tem as unhas grandes, com que fazem as covas debaixo do chão, onde criam. Mantêm-se de frutas silvestres e minhocas, andam devagar e, se caem de costas, têm trabalho para se virar, e têm barriga vermelha cheia de verrugas (...)17

Em ambas as representações, o tatu é descrito a partir de referências conhecidas, com o objetivo de dar concretude às suas falas: Gandavo compara-o com outros animais que fazem parte do seu universo conhecido "são quase como leitões", "têm casco como de cágado", "criam-se em covas como coelhos", "o sabor quase como de galinha". Enquanto isso, Gabriel Soares de Souza utiliza-se de outros referenciais: "a cabeça é toda cheia de lâminas redondas", "quando este animal tem outro, mete-se todo debaixo destas armas", "mantém-se de frutas silvestres e minhocas", "tem barriga vermelha cheia de verrugas". Nestas representações sobre o tatu, animal desconhecido pelos europeus, ambos criam uma representação baseada no significante, isto é, numa imagem sobre o tatu.

Os contos camponeses medievais foram criados no fazer social, por sujeitos que viviam no acontecer cotidiano, subjugados pelo poder do senhorio, dos poderosos, sem nenhuma lei que os amparasse e os protegesse. Criar, imaginar e narrar histórias baseadas no cotidiano, em uma sociedade fundamentada na oralidade, eram os meios encontrados pelo povo para manifestar sentimentos de alegria, tristeza, injustiça, revolta, dificuldades e comportamentos imaginários de que os camponeses lançavam mão ou não para sair do estado de miséria em que viviam. Estes contos camponeses transmitidos oralmente no final do século XVII, foram registrados por Charles Perrault e reconhecidos nos salões literários franceses, sendo fundamentalmente, os atuais contos infantis, tão bem estudados e explorados por Darnton. São as versões das histórias da Cinderela, Joãozinho e Maria, Chapeuzinho Vermelho, Mamãe Ganso, O Gato de Botas.

A representação existente na História do Gato de Botas mostra que a única saída para o estado de pobreza e miséria em que viviam os pobres, era o uso da esperteza e da astúcia, bem como da ignorância e ingenuidade dos mais favorecidos. É a figura do gato que coloca em prática todas as artimanhas necessárias para que o seu proprietário possa casar-se com a filha do rei e sair da situação de pobreza em que vivia. Os pobres só conseguiam conquistar um status melhor na sociedade por meio do casamento e da esperteza.

Outras histórias representam a pobreza, a fome, a doença e o alto índice de mortalidade de mulheres, são os contos de Joãzinho e Maria e a Cinderela e/ou Gata Borralheira. No primeiro conto, um lenhador é instigado pela mulher, por motivos de extrema miséria, a abandonar o casal de filhos, do primeiro casamento, na floresta. As crianças se salvam porque são atraídas pela casa da bruxa que era coberta de doces, e quando nela se encontravam, conseguem escapar de morrer na panela de água fervente, pela esperteza. No segundo conto, a Cinderela só consegue sua liberdade com a ajuda de uma fada e pelo fato de se casar com o príncipe. Nas histórias, a madrasta geralmente personifica a maldade.

O uso dos contos como linguagem e representação para se conhecer a história também é uma porta para adentrar o universo cultural e construir a história das camadas populares da sociedade que, analfabetas, acabaram desaparecendo, quase sem deixar vestígios. Como afirma Darnton, "rejeitar os contos populares porque não podem ser datados nem situados com precisão, como outros documentos históricos, é virar as costas a um dos poucos pontos de entrada no universo mental dos camponeses, nos tempos do Antigo Regime".18

Com relação aos livros paradidáticos e didáticos, eles entram na sala de aula como objetos, cuja intenção é apresentar um conhecimento já organizado, fechado. Têm um status especial, foram produzidos para a sala de aula. Portanto, cada um deles tem uma forma particular de organização. Os textos são curtos, bem divididos e com uma linguagem especial. São colocados na sala de aula como sujeitos que intermediam a relação de conhecimento entre o professor e o aluno. Muitos apresentam uma parte introdutória com orientações de como usá-los e explorá-los. As imagens são postas ao lado dos textos, muito mais como meras ilustrações do que como um outro texto a complementar o principal. Em inúmeros livros didáticos não há fontes que indiquem a origem das ilustrações. Quanto às palavras usadas nos textos, são destituídas de sentido para os alunos; eram válidas para uma determinada época, mas hoje não há uma atualização das palavras usadas, distanciando-se do universo lingüístico dos alunos. Como exemplo cito: "bandeirantes", "o bloqueio continental", "a tomada" de Constantinopla, o "esfacelamento" do Império romano, a "queda do Império Romano", "Inconfidência Mineira" "Inconfidência Baiana". Além destas palavras estarem desatualizadas, há nos livros o uso de outras que expressam claramente a ideologia do autor, como por exemplo a palavra "inconfidente" para os grupos de pessoas que participaram dos movimentos em Minas Gerais e Bahia e cujo objetivo era a separação do Brasil de Portugal, ou ainda a denominação de "rebeldes e arruaceiros" aos brasileiros que lutaram por seus direitos na "Noite das Garrafadas", em 1824.

Segundo Vygotsky, o significado de uma palavra representa um amálgama tão estreito do pensamento e da linguagem, que fica difícil dizer se se trata de um fenômeno da fala ou de um fenômeno do pensamento. Uma palavra sem significado é um som vazio; o significado, portanto, é um critério da palavra, seu componente indispensável19.

Se o texto é formado por um conjunto de representações, com a ausência de significados não há aprendizagem. Assim também a teoria da associação é igualmente inadequada para explicar o desenvolvimento do significado das palavras, como no caso do "bloqueio continental".

Os paradidáticos são mais fáceis de serem produzidos por sua natureza temática. Os temas e os procedimentos geralmente são atuais, muitos deles síntese de trabalhos acadêmicos. Alguns autores, com a intenção de transmitir uma visão crítica da história, quando se referem a determinados sujeitos, criam representações que acabam adulterando o conhecimento e provocando o seqüestro dessa mesma história. Uma das figuras que mais sofre esse tipo de tratamento é D. Pedro I. Em alguns livros20, ele é apresentado como pessoa irresponsável, inconseqüente, mulherengo, sem vontade firme. Representações desta natureza transmitem aos jovens a idéia de que a independência ocorreu por um ato voluntarioso, distanciando-o de um processo político, no qual diferentes sujeitos estavam envolvidos. Por outro lado, a representação de Tiradentes, um herói construído pelos republicanos, assemelha-se à figura de Jesus Cristo.

Concluindo, quero enfatizar a existência de inúmeras outras linguagens que produzem também outras representações utilizadas em sala de aula e que são diretamente voltadas para a produção e compreensão do conhecimento histórico, principalmente em uma sociedade imagética como a nossa, caracterizada pela comunicação de massa, pela força das imagens produzidas para e pela televisão. Todos esses processos representativos são mão única, isto é, temos diante da televisão uma atitude passiva, sem diálogo.

A nossa escolha na análise de algumas representações foi determinada pela presença e mediação do professor em todo processo interativo, pois a produção da aprendizagem não é simples nem fácil, é eivada de representações e clarezas. Por não ser um processo unidimensional, exige uma série de elaborações intelectuais e é neste contexto que inserimos o presente estudo.

 

Notas

1 Este texto foi apresentado no 3º Encontro de Professores de História em Curitiba, na UFPR no mês de julho de 1998.

2 As idéias contidas neste texto são resultantes de pesquisas desenvolvidas na pós-graduação e os exemplos usados foram autorizados pelos meus orientados: Cláudio Borges da Silva, Paulo Humberto Porto Borges e Simone Cristina Camargo.

3 PESAVENTO, Sandra Jatahy. "Em busca de uma outra história: Imaginando o Imaginário". In Revista Brasileira de História. São Paulo, Contexto/ANPUH, vol. 15, nº 29, 1995, p.16.         [ Links ]

4 Idem, p.17.

5 LE GOFF, Jacques e outros. A Nova História. Lisboa, Edições 70, s/d, p. 34.         [ Links ]

6 BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. 3ª ed., São Paulo, Brasiliense, 1987, p. 105.         [ Links ]

7 BORGES, Paulo H. P. Ymã, Ano Mil e Quinhentos: Escolarização e Historicidade Guarani Mbya na aldeia de Sapukai. Dissertação de Mestrado, Campinas, UNICAMP, 1998 (mimeo).         [ Links ]

8 DEBRET, Jean B. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/EDUSP, tomo I, 1989, p. 20.         [ Links ]

9 BORGES, Paulo H. op. cit. O índio Adílio da Silva Benitez escreveu: "Antigamente o povo guarani vivia bem em suas aldeias. Mas os brancos chegaram com bastante gente para começar guerra com o guarani e muita gente acabou morrendo. Agora, já não tem tanta gente. O povo branco encontra-se em todo lugar e sobraram poucos guarani", p. 88.

10 Idem. "São duas mulheres presas carregando cinco crianças que estão chorando de fome, e mais dois soldados que estão acompanhando. Elas estão presas. Elas conversam: Puxa, a gente devia ter ouvido o cacique. Agora, a gente está presa e nenhum parente nunca mais vai saber o que aconteceu com a gente. A gente está presa porque não ouviu o cacique". Valdo da Silva Vera, p. 87.

11 VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, Martins Fontes Editora, 1991, p. 69.         [ Links ]

12 SILVA, Cláudio B. Labirintos da Construção do Conhecimento Histórico. Dissertação de Mestrado. Campinas, UNICAMP, 1966, (mimeo).         [ Links ]

13 VYGOTSKY, L. S. op. cit., p. 69.

14 CAMARGO, Simone C. O furto do imaginário em sala de aula. Trabalho de Iniciação Científica e TCC. Campinas, UNICAMP, 1998, (mimeo).         [ Links ]

15 É necessário chamar a atenção para o erro que comete a professora ao incluir a temática "indígena" no tema "folclore". O referencial da professora é estereotipado, além de estudar de forma equivocada os povos indígenas. Este procedimento pode reforçar preconceitos e dicriminações.

16 AMADO, Janaína e GARCIA, Ledonias F. Navegar é Preciso. Grandes descobrimentos marítimos europeus. São Paulo, Atual, 1989, p. 43.         [ Links ]

17 Idem, pp. 43-44.

18 DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos e outros episódios da história cultural francesa. Rio de Janeiro, Graal, 1986, p. 32.         [ Links ]

19 Idem, p. 105.

20 Coleção Cotidiano da História. São Paulo, Ática, 1989.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License