SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue3Low temperature and calcium carbide effect on emergence of yam tuber-seedsBRS Eliza: a fresh market potato cultivar, with smooth skin and early and late blight resistance author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Horticultura Brasileira

Print version ISSN 0102-0536On-line version ISSN 1806-9991

Hortic. Bras. vol.19 no.3 Brasília Nov. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362001000300022 

INSUMOS E CULTIVARES EM TESTE

 

Produção de mudas de alface, pepino e pimentão em substratos combinando areia, solo e Plantmax®

 

Production of lettuce, cucumber and sweet pepper seedlings in substrate with different combinations of sand, soil and Plantmax®

 

 

Oscar José SmiderleI; Ariane Busch SalibeII; Adriana Hissae HayashiII; Keigo MinamiII

IEmbrapa Roraima, C. Postal 133, 69301-970 Boa Vista, RR
IIESALQ/USP – Depto. de Produção Vegetal, C. Postal 09, 13418-900 Piracicaba, SP

Endereço de correspondência

 

 


RESUMO

O efeito do substrato comercial Plantmax® e sua combinação com solo e areia, foi avaliado de acordo com a resposta biológica de três culturas olerícolas (alface, pepino e pimentão), sendo o experimento conduzido em casa de vegetação na ESALQ/USP em Piracicaba de abril a junho de 1996. Os tratamentos consistiram do substrato comercial Plantmax® e da mistura deste com areia, com solo, na proporção 1:1 em volume, e mistura dos três, proporção 1:1:1. O substrato Plantmax® propiciou menor velocidade de emergência para alface e pepino e maior para pimentão. Resultou, também, em maior altura de plântulas nas três diferentes culturas. O menor comprimento de raízes das três olerícolas foi obtido com o substrato Plantmax® + solo + areia. A maior produção de matéria seca de plântulas e raízes de alface e de pimentão foram obtidas com o substrato Plantmax®. Por outro lado, a menor produção de matéria seca foi obtida com a mistura dos três componentes para a cultura do pepino. O desempenho obtido nas misturas de Plantmax® com solo ou com areia, indicam ser uma alternativa técnica viável ao uso de substratos comerciais.

Palavras-chave: Lactuca sativa, Cucumis sativus, Capsicum annuum, meios de cultivo.


ABSTRACT

The effect of commercial substrate Plantmax® and it's combination with soil and sand, was evaluated according to the biological response of three vegetable crops (lettuce, cucumber and sweet pepper). The experiment was carried out in plastic tunnels, at ESALQ/USP, Piracicaba-SP, from April to June, 1996. The treatments consisted of the commercial substrate Plantmax®, the mixture of Plantmax® with sand, Plantmax® with soil and the mixture of Plantmax® with both soil and sand. Lower lettuce and cucumber seedlings emergence and faster sweet pepper seedlings emergence were observed with Plantmax® substrate. It also resulted in bigger size of seedlings of these three different plant species. Smaller roots of these three species were observed with the mixture of Plantmax® plus soil plus sand. Higher production of seedling dry matter in lettuce and sweet pepper was obtained with the Plantmax® substrate. Lower cucumber seedling dry matter production was obtained with the mixture of these three substrates. The performance obtained with the mixture of Plantmax® with soil or sand, indicates it as a viable alternative to the use of commercial substrate.

Keywords: Lactuca sativa, Cucumis sativus, Capsicum annuum, earthworm compost.


 

 

Uma das etapas mais importantes do sistema produtivo é a produção de mudas (Silva Júnior et al., 1995) tendo em vista que delas depende o desempenho final das plantas nos canteiros de produção (Carmello, 1995). Aumentos substanciais de produtividade obtidos nos sistemas de produção de mudas, devem-se em grande parte pelo uso de substratos artificiais. O grande desenvolvimento da produção e comercialização especializada de mudas de hortaliças, tem-se baseado em pesquisas de melhores fontes e combinações de substratos (Giorgetti, 1991). Em virtude de ser um dos fatores de maior influência, especialmente na fase de germinação e emergência, deve ser dada especial atenção à escolha do substrato (Fachinello et al., 1995), cujas características físicas, químicas e biológicas devem oferecer as melhores condições para que haja uma excelente germinação e se favoreça o desenvolvimento das mudas (Hoffmann et al., 1995; Andriolo, 2000; Minami & Puchala, 2000). Há necessidade de verificar cientificamente, para cada espécie vegetal, qual o substrato ou a combinação de substratos que possibilite obter mudas de melhor qualidade.

O substrato deve garantir por meio de sua fase sólida a manutenção mecânica do sistema radicular da planta, do suprimento de água e nutrientes pela fase líquida e oxigênio e transporte de dióxido de carbono entre as raízes e o ar externo pela fase gasosa (Lamaire, 1995; Minami & Puchala, 2000). Um bom substrato proporciona retenção de água suficiente para a germinação, além de permitir a emergência das plântulas, conjuntamente com atributos de boa aeração para permitir a difusão de oxigênio para as raízes, baixa resistência à penetração das raízes e boa resistência à perda de estrutura (Silva Júnior & Visconti, 1991). Em caso de substratos saturados pela nebulização intermitente, estes devem manter quantidade adequada de espaço poroso para possibilitar o suprimento de oxigênio, indispensável para o processo de germinação, permitindo a iniciação e o desenvolvimento radicular, além de prevenção do desenvolvimento de patógenos nas sementes. Desse modo, deve-se optar por substratos que não sejam fontes, em potencial, de inóculo de organismos patogênicos.

Substratos para produção de mudas vêm sendo estudados para um manejo aprimorado, proporcionando melhores condições de desenvolvimento e formação de mudas de qualidade (Silva Júnior & Visconti, 1991; Silva Júnior & Giorgi, 1992; Andriolo, 2000). A vermiculita é normalmente um bom agente na melhoria das condições físicas do solo e, ainda, apresenta-se quimicamente ativa, liberando íons magnésio (Mg) para a solução do solo e absorvendo fósforo e nitrogênio na forma amoniacal (Túllio Júnior et al., 1986), fazendo parte junto com a matéria orgânica na composição do Plantmax® (Lédo et al., 2000).

Deve-se ressaltar a importância da mistura de diferentes componentes para a composição de um substrato estável e adaptado à obtenção de mudas de boa qualidade em curto período de tempo e em virtude das escassas informações de substratos para a produção de mudas de espécies oleráceas (Menezes Júnior, 1998). Objetivou-se no presente trabalho avaliar o efeito do substrato comercial Plantmax® e sua combinação com solo e areia, no desenvolvimento de mudas de alface, pepino e pimentão.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Os substratos constaram do substrato comercial Plantmax® e suas combinações, sendo então: I) Plantmax®; II) Plantmax® + solo, na proporção de 1:1 em volume; III) Plantmax® + areia, na proporção de 1:1 em volume; IV) Plantmax® + areia + solo, na proporção de 1:1:1 em volume. O solo utilizado foi obtido do horizonte "A" de uma terra roxa estruturada, encontrada sob uma vegetação nativa da região de Piracicaba. Este solo foi previamente tratado com brometo de metila e posteriormente passado em peneira (3 mm). Os substratos foram submetidos a avaliação física e biológica.

Na avaliação, das propriedades físicas, realizada segundo Fretz et al. (1979), determinou-se, em recipiente, no laboratório, o espaço poroso total, a retenção de água na capacidade de campo e o espaço de ar na capacidade de campo, de cada uma das misturas de substratos estudadas.

Para análise biológica, o trabalho foi conduzido em ambiente protegido, de casa de vegetação, no campo experimental do Departamento de Produção Vegetal da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", USP, em Piracicaba-SP. Foram realizados três experimentos (um para cada cultura) para avaliar os quatro substratos na produção de mudas de três olerícolas: alface cultivar 'Gorga', pepino cultivar 'Caipira', e pimentão cv. 'Magda-Casca Dura'.

Os substratos foram preparados, através da homogeneização manual, e colocados em células de bandejas de polipropileno expandido, com 128 células. A semeadura foi realizada em 16 de abril de 1996.

Em cada célula, foram colocadas duas sementes e permitiu-se o desenvolvimento de apenas uma plântula por célula ao longo do período. As contagens foram realizadas diariamente até os 21 dias após a semeadura (DAS), quando se obteve a percentagem de emergência e o índice de velocidade de emergência (IVE), segundo Popinigis (1985). Foi calculado, também, o tempo para emergência de 100% das plântulas e o tempo para atingir 50% da emergência final.

O delineamento estatístico utilizado foi inteiramente casualizado com quatro tratamentos (substratos), seis repetições com seis células (plântulas) por parcela. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade de erro. Antes da análise, os dados de percentagem de emergência foram transformados em arco seno de (%/100)0.5.

Aos 12 DAS foi feita medição da altura (cm) das seis plântulas de cada parcela e, aos 21 e 40 DAS foram coletadas as seis plântulas de cada parcela, para se medir a altura (cm) das mesmas e o comprimento (cm) de suas raízes e subseqüente obtenção da massa (g) de matéria seca de plântulas e de raízes. Após a retirada das plântulas, do interior das células, estas foram lavadas com água, acondicionadas em papel jornal, individualizadas e postas para secar em estufa a 60oC até atingir massa constante (72 horas).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Para os dados obtidos nas determinações físicas, observou-se que as médias de densidade, de espaço poroso total, quantidade de água retida na capacidade de campo (CC) e espaço de ar na capacidade de campo (CC) para o substrato Plantmax® e suas combinações com solo e areia foram bem diferenciadas (Tabela 1). O substrato Plantmax® + solo + areia, apresentou maior densidade, menor quantidade de água retida e menor espaço poroso total enquanto o substrato Plantmax® + areia apresentou maior espaço poroso total e espaço de ar na capacidade de campo. O Plantmax® apresentou menor densidade e menor espaço de ar na CC em relação aos demais.

As diferenças observadas nas características físicas devem ter influenciado as respostas obtidas com relação à análise biológica, tendo em vista que o substrato propicia ancoragem às plantas, de modo a que elas se sustentem, e ao mesmo tempo, regula o suprimento de água e ar para as raízes, possibilitando bom desenvolvimento das culturas (Taveira, 1996; Minami & Puchala, 2000).

Ocorreram diferenças no índice de velocidade de emergência de plântulas (IVE), em cada substrato para as três olerícolas avaliadas. Isto deve ter ocorrido por algum fator genético inerente das culturas. Diferenças entre as três hortaliças também foram observadas quanto ao tempo médio, em dias, para atingir 100% de emergência de plântulas de alface (10), pepino (12,5) e pimentão (22) (Tabela 2).

Os resultados obtidos mostram que as combinações de solo e areia com Plantmax® aumentaram o índice de velocidade de emergência de plântulas de alface em relação ao substrato comercial Plantmax®, possivelmente por proporcionar maior aderência para as sementes e por apresentar maior espaço de ar (Tabela 2). O substrato Plantmax® + solo proporcionou maior comprimento de raízes (Tabela 2) enquanto o substrato Plantmax® propiciou maior massa de matéria seca das plântulas e das raízes de alface (Tabela 3). Estes dois substratos apresentaram menor densidade com boa quantidade de água retida na CC, mostrando estarem balanceados em sua composição (Minami & Puchala, 2000) o que resultou em maior produção de matéria seca de alface. Já Luz et al. (2000) não obtiveram respostas diferenciais entre o Plantmax® e outros substratos comerciais estudados.

Na cultura do pepino, o substrato Plantmax® + areia possibilitou maior velocidade de emergência (Tabela 2), possivelmente por apresentar espaço poroso total e espaço de ar na capacidade de campo superior aos encontrados para os demais. O substrato Plantmax® proporcionou maior desenvolvimento de plântulas formando mudas de qualidade e a combinação de Plantmax® + solo + areia, com maior densidade e menores espaço poroso total e quantidade de água retida na capacidade de campo, resultou, também, em menores comprimento e massa de matéria seca de raízes, além de menor massa de matéria seca de plântulas (Tabelas 2 e 3), diferindo de Carneiro Jr et al. (2000) que não obtiveram influência de substratos no peso da matéria seca da parte aérea e no número de frutos. A composição do substrato influiu de forma negativa para os parâmetros medidos, possivelmente pelo menor espaço poroso apresentado.

Os resultados obtidos na cultura do pimentão mostraram que o substrato Plantmax® + areia, propiciou menor percentagem de emergência de plântulas e que o substrato Plantmax® resultou na maior altura de plântulas aos 21 e 40 DAS, além de proporcionar maior índice de velocidade de emergência e comprimento de raízes aos 40 DAS em relação aos demais (Tabela 2). O Plantmax® propiciou maior massa de matéria seca das plântulas de pimentão aos 40 DAS (Tabela 3), similar ao obtido por Braz et al. (1996). Foi obtido resultado semelhante, também com Plantmax®, por Luz et al. (2000) produzindo maior peso de matéria seca de parte aérea e de raízes, em tomate. Os substratos Plantmax® e Plantmax® + solo resultaram em maior produção de massa de matéria seca das raízes de plântulas de pimentão (Tabela 3).

O substrato Plantmax® resultou em maior massa de matéria seca de plântulas e de raízes de alface, enquanto que a menor massa de matéria seca de plântulas e de raízes de pepino foi obtida com a combinação Plantmax® + solo + areia (Tabela 3). Essa combinação apresentou maior densidade e menor espaço poroso total em relação aos demais, além da menor quantidade de água retida, características da combinação estabelecida que podem ter levado a esses resultados por um possível desbalanço de sua composição química e física, indicada por Minami & Puchala (2000) como necessária ao bom desenvolvimento das mudas, e permitir manejo aprimorado de água e de nutrientes, conforme Andriolo (2000).

Na determinação das propriedades físicas dos quatro substratos, observou-se diferença significativa, sendo que ao se combinar o substrato Plantmax® com solo e areia, ocorreram alterações nessas propriedades, as quais podem ter sido também químicas conforme indicado por Minami & Puchala (2000).

Plantmax proporcionou maior rapidez de emergência e maior altura de plântulas, para as três hortaliças estudadas, podendo ser considerado como substrato apropriado para produção de mudas, com características desejáveis. Observou-se uma redução da massa de matéria seca das mudas de alface, pepino e pimentão quando produzidas no substrato Plantmax® + solo + areia. Sendo assim, não se indica a utilização desta mistura em nível comercial. Pelo desempenho obtido na produção de mudas, das três hortaliças, os substratos Plantmax® + solo e Plantmax® + areia revelaram-se adequados, podendo ser utilizados como substratos alternativos para a produção de mudas de alface, pepino e pimentão, permitindo um manejo aprimorado.

 

LITERATURA CITADA

ANDRIOLO, J.L. Fisiologia da produção de hortaliças em ambiente protegido. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 18, suplemento, p.26-32, 2000.         [ Links ]

BRAZ, L.T.; SILVA, M.R.L.; CASTELLANE, P.D. Efeito de diferentes substratos na formação de mudas de pimentão. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 14, n. 1, p. 75, 1996.         [ Links ]

CARMELLO, Q.A.C. Nutrição e adubação de mudas hortícolas. In: MINAMI, K. Produção de mudas de alta qualidade em horticultura. São Paulo: T.A. Queiroz, 1995. p. 27-37.         [ Links ]

CARNEIRO JR, A.G.; SENO, S.; FERREIRA FILHO, H.F. Avaliação de cinco diferentes substratos para o cultivo de pepino fora do solo. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 18, suplemento, p. 494-495, 2000.         [ Links ]

FACHINELLO, J.C.; NACTHIGAL, J.C.; HOFFMAM, A.; KLUGE, R.A. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. 2. ed. Pelotas: UFPel, 1995. 178 p.         [ Links ]

FRETZ, T.A.; READ, P.E.; PEELE, M.C. Plant Propagation. Lab Manual. 3. ed., Minneapolis: Burgess Publishiny Company, 1979. 317 p.         [ Links ]

GIORGETTI, J.R. Produção e comercialização de mudas de tomate. In: ENCONTRO NACIONAL DE PRODUÇÃO E ABASTECIMENTO DE TOMATE, 2., 1991, Jaboticabal. Anais... Jaboticabal: UNESP, 1991. p. 242-244.         [ Links ]

HOFFMANN, A.; RAMOS, D.; PASQUAL, M. Substratos na produção de mudas frutíferas. Lavras: UFLA, 1995. Circular Ano IV, n. 37.         [ Links ]

LAMAIRE, F. Physical, chemical and biological properties of growing médium. Acta Horticulturae. v. 396, p. 273-284, 1995.         [ Links ]

LÉDO, F.J.S.; SOUSA, J.A.; SILVA, M.R. Desempenho de cultivares de alface no Estado do Acre. Horticultura Brasileira, Brasília, v.18 n. 3, p. 225-228, 2000.         [ Links ]

LUZ, J.M.Q.; PAULA, E.C.; GUIMARÃES, T.G. Produção de mudas de alface, tomateiro e couve-flor em diferentes substratos comerciais. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 18, suplemento, p. 579-581, 2000.         [ Links ]

MENEZES JÚNIOR, F.O.G. Caracterização de diferentes substratos e seu efeito na produção de mudas de alface e couve-flor em ambiente protegido. Pelotas: UFPel, 1998 (Tese mestrado).         [ Links ]

MINAMI, K; PUCHALA, B. Produção de mudas de hortaliças de alta qualidade. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 18, suplemento, p. 162-163, 2000.         [ Links ]

Popinigis, F. Fisiologia da Semente. Brasília, 2.ed.,1985. 289 p.         [ Links ]

SILVA JÚNIOR, A.A.; GIORGI, E. Substratos alternativos para a produção de mudas de tomate. Florianópolis: EPAGRI, 1992. 23 p. Boletim Técnico, 59.         [ Links ]

SILVA JÚNIOR, A.A.; VISCONTI, A. Recipientes e substratos para a produção de mudas de tomate. Agropecuária Catarinense. Florianópolis, v. 4, n. 4, p. 20-23, 1991.         [ Links ]

SILVA JÚNIOR, A.A.; MACEDO, S.G.; STUKER, H. Utilização de esterco de peru na produção de mudas de tomateiro. Florianópolis: EPAGRI, 1995. 28 p. Boletim Técnico 73.         [ Links ]

TAVEIRA, J.A.M. Produção de mudas: substratos. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Curitiba: SENAR, 1996. 88 p. Manual do instrutor.         [ Links ]

TÚLLIO JR, A.A.; NOGUEIRA, R.R.; MINAMI, K. Uso de diferentes substratos na germinação e formação de mudas de pimentão (Capsicum annum L.). O Solo, Piracicaba, n. 78, p. 15-18, 1986.        [ Links ]

 

 

Endereço de correspondência
Oscar José Smiderle
E-mail: ojsmider@cpafrr.embrapa.br

Aceito para publicação em 11 de julho de 2.001

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License