SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 issue3Plant growth, yield and quality of garlic bulbs under soil water deficit conditionsYield of coriander cultivated with cattle manure and mineral fertilization author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Horticultura Brasileira

Print version ISSN 0102-0536

Hortic. Bras. vol.20 no.3 Brasília Sept. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362002000300015 

PESQUISA

 

Seletividade e eficiência agronômica de herbicidas no controle de capim-colchão na cultura da melancia

 

Selectivity and agronomic efficiency of herbicides over Digitaria horizontalis control in the watermelon crop

 

 

Cleber D.G. MacielI; Jamil ConstantinII; Rumy GotoIII

IPós-graduando UNESP, C. Postal 237, 18.603-970 Botucatu, SP
IIUEM, Depto de Agronomia, Av. Colombo, 5790, 87.020-900 Maringá, PR
IIIUNESP, C. Postal 237, 18.603-970, Botucatu, SP

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Foi avaliada a seletividade e a eficiência agronômica dos herbicidas clethodim e sethoxydim, no controle de Digitaria horizontalis (capim-colchão) na cultura da melancia (cv. Crimson Sweet). O experimento foi conduzido em campo, no município de Floresta, PR, em 1995/96, em delineamento de blocos ao acaso, com quatro repetições. Os tratamentos avaliados foram clethodim nas doses de 84; 96 e 108 g i.a./ha adicionado de 1,0 L/ha de óleo mineral (Dytrol), sethoxydim na dose de 230 g i.a./ha adicionado de 1,0 L/ha de óleo mineral (Assist) e testemunhas com e sem capina. Os herbicidas foram aplicados em pós-emergência, quando a melancia apresentava ramas com 1,4 m e a D. horizontalis em estádio de três folhas a três perfilhos e densidade de 240 plantas/m2. Para a aplicação dos herbicidas utilizou-se pulverizador costal de pressão mantida por injeção de CO2, equipado com pontas de jato plano XR110.02 e volume de calda de 200 L/ha. As avaliações de seletividade (Escala E.W.R.C.) e controle das plantas daninhas (0 - 100%) foram efetuadas aos 7; 15 e 30 dias após aplicação dos tratamentos. Os resultados indicaram que o herbicida clethodim, a partir de 96 g i.a./ha, controlou eficientemente a D. horizontalis, sendo estatisticamente superior ao herbicida sethoxydim e à testemunha sem capina. Nenhum dos tratamentos químicos causou fitotoxicidade que afetasse o desenvolvimento e a produção da melancia. A D. horizontalis interferiu no desenvolvimento da cultura, causando redução média de 36,0% da produção da melancia.

Palavras-chave: Citrullus lanatus, Digitaria horizontalis, clethodim, sethoxydim.


ABSTRACT

The selectivity and agronomic efficiency of clethodim and sethoxydim herbicides on D. horizontalis control in watermelon crop was evaluated. The experiment was carried out at Floresta, Paraná State, Brazil, in 1995/96. The watermelon cultivar used was Crimson Sweet and the experimental design was a randomized block with four replicates. The treatments evaluated were clethodim (240 g/L) in the dosage of 84; 96, 108 g i.a./ha with 1.0 L/ha of mineral oil (Dytrol); sethoxydim (184 g/L) in the dosage of 230 g i.a./ha with 1.0 L/ha of mineral oil (Assist); free of weeds and weedy. The herbicides were applied in post-emergency, when the watermelon had branches up to 1.4 m long and the D. horizontalis presented three leaves and three tillers, and density of 240 plants/m2. The injury evaluations (E.W.R.C.), control (0-100%) and weed control. were performed at 7. 15 and 30 days after application of treatments. The clethodim herbicide, in the dosage of 96 g i.a./ha or higher, controlled efficiently the D. horizontalis (100), being more efficient than sethoxydim in controlling weeds. None of chemical treatments affected the watermelon development and production. Weedy plots with D. horizontalis interfered in the culture development, resulting in a 36% reduction on watermelon production.

Keywords: Digitaria horizontalis, watermelon, clethodim, sethoxydim.


 

 

Originária das regiões tropicais da África Equatorial, a melancia (Citrullus lanatus) ocupa lugar de destaque entre as principais olerícolas produzidas e consumidas no Brasil, chegando a situar-se entre as cinco primeiras em termos de volume e valor econômico na comercialização nacional (Nagai, 1987; Castellane & Cortez, 1995).

Apesar da importância econômica da melancia, uma apurada revisão na literatura revela a escassez de informações técnicas que propiciem a utilização adequada de insumos na cultura. No que diz respeito a herbicidas, atualmente poucos produtos estão oficialmente recomendado para a cultura no Brasil. As informações encontradas e utilizadas pelos produtores referem-se a outras espécies da família Cucurbitacea, à qual pertence a melancia. Sonnenberg (1985) relata o uso dos herbicidas DCPA e trifluralin nas culturas da abóbora e do pepino, respectivamente. Rodrigues & Almeida (1988), Lorenzi (1990) e Durigan (1992), recomendam o uso do DCPA na cultura do melão. Cantamutto et al. (1996) relatam o aumento de produtividade pelo uso de pendimethalin e pendimethalin + linuron na cultura do melão transplantado. Os herbicidas DCPA e napropamide são registrados em outros países para controle de plantas daninhas na cultura da melancia, sendo esta uma das poucas referências encontradas no Brasil (Rodrigues & Almeida, 1995). Apesar da ausência de informações e/ou recomendações é bastante comum produtores de melancia lançarem mão, por experiências práticas, do uso de graminicidas como o trifluralin, para evitar a interferência das plantas daninhas na produtividade e qualidade dos frutos.

Com relação a graminicidas utilizados em pós-emergência, os herbicidas clethodim e sethoxydim são mencionados por Rodrigues & Almeida (1995) como sendo seletivos à cultura da melancia, sem contudo estarem oficialmente registrados para a mesma no Brasil. Desta forma, a falta de informações dificulta o controle de plantas daninhas, principalmente considerando que a cultura da melancia normalmente é cultivada em grandes áreas, onde o processo de capina pode ser oneroso e deficiente.

O presente trabalho teve como objetivo avaliar a seletividade e eficiência agronômica dos herbicidas clethodim e sexthoxydim no controle do capim-colchão na cultura da melancia.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi instalado a campo, no município de Floresta (PR), no ano agrícola 1995/96. A semeadura da cultivar Crimson Sweet foi efetuada em 04/09/1995, utilizando-se espaçamento de 2,0 x 2,0 m entre covas e colheita realizada entre 29/11/1995 e 02/02/1996. A adubação de plantio consistiu de 60 kg do formulado 4-14-8 por hectare e, em cobertura, aplicou-se 30 kg de uréia e 60 kg de cloreto de potássio no início do florescimento. Estes e os demais tratos culturais foram desenvolvidos conforme recomendações da EMATER (1991) para a cultura da melancia no estado do Paraná.

O delineamento experimental utilizado foi de blocos ao acaso, com quatro repetições. Os tratamentos constaram do uso de clethodim nas doses de 84; 96; 108 g i.a./ha adicionado de 1,0 L/ha de óleo mineral (Dytrol); sethoxydim na dose de 230 g i.a./ha adicionado de 1,0 L/ha de óleo mineral (Assist) e testemunhas com e sem capina. As unidades experimentais foram constituídas por parcelas de 6,0 x 6,0 m (36 m2) e área útil de 16 m2.

Aplicou-se os herbicidas em pós-emergência aos cinqüenta dias após o plantio, quando as ramas de melancia apresentanvam-se em média com 1,4 m. Utilizou-se pulverizador costal de pressão constante à base de CO2, equipado com pontas de jato plano XR 100.02 espaçados de 0,5 m uma da outra. A pressão de trabalho foi de 2 Kgf/cm2 e o volume de calda aplicado de 200 L/ha. No momento da aplicação, o solo encontrava-se úmido e a temperatura e umidade relativa do ar eram de 26ºC e 75%. O capim-colchão era a espécie infestante predominante na área no momento da aplicação, encontrando-se em densidade populacional de 240 plantas/m2 e estágio de desenvolvimento entre três folhas e três perfilhos (média de dois perfilhos).

As avaliações de controle de plantas daninhas e seletividade dos herbicidas à cultura foram efetuadas aos 7; 15 e 30 dias após aplicação dos tratamentos (DAA). A capacidade de controle dos herbicidas foi obtida por estimativas visuais, comparando-se o controle dos herbicidas com a testemunha sem capina, onde "0%" correspondeu a "sem controle" e "100%" ao "controle total" da planta daninha (Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas, 1995). Considerou-se eficiente o tratamento que apresentou controle superior a 80%. Para avaliação de seletividade foi utilizada uma escala visual de fitotoxicidade constituída por conceitos de notas, onde "nota 1" corresponde a "nenhum dano" causado às plantas e "nota 9" a "morte total" das plantas (E.W.R.C., 1964). Para avaliação de produtividade da cultura (t/ha) somente frutos de tamanho e aspecto comercial foram considerados na avaliação.

Os dados obtidos foram transformados em raíz quadrada de (x+0,5) e submetidos à análise de variância pelo teste F, sendo suas médias comparadas pelo teste de Tukey no nível de 5% de probabilidade.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A disponibilidade hídrica e as demais condições climáticas ocorridas durante a condução do experimento foram adequadas ao desenvolvimento da cultura e para atuação dos herbicidas aplicados quando as plantas de capim-colchão encontravam-se em pleno desenvolvimento vegetativo.

Verifica-se que aos 7 DAA todos os tratamentos químicos proporcionaram controle satisfatório (>80,0%) da planta daninha avaliada, sendo que o clethodim a partir de 96 g i.a./ha apresentou-se significativamente superior ao sethoxydim (230 g i.a./ha). Todos os tratamentos químicos atingiram níveis de controle eficientes (³92,6%) aos 15 DAA, ressaltando-se que neste período o clethodim a 108 g i.a./ha proporcionou máxima eficiência de controle do capim-colchão, assemelhando-se a testemunha capinada e apresentando-se significativamente superior às suas menores doses (84 e 96 g i.a./ha) e ao tratamento com sethoxydim (230 g i.a./ha). Aos 30 DAA, todos os tratamentos químicos proporcionaram elevada eficiência de controle da infestante (Tabela 1). O sethoxydim (230 g i.a./ha.), apesar de ter alcançado alta performance de controle (95,0%), apresentou-se significativamente inferior aos demais tratamentos químicos. Desta forma, os herbicidas clethodim e sethoxydim proporcionaram o controle máximo do capim-colchão na cultura a partir dos 15 DAA, demonstrando a eficiente ação sistêmica destes produtos (Vidal, 1997).

Quanto à seletividade, nenhum dos tratamentos químicos causou qualquer sintoma visual de fitotoxicidade à cultura da melancia, tendo prevalecido a menor nota da escala adotada nas avaliações (Tabela 1) (E.W.R.C., 1964). Estes resultados, concordam com os obtidos por Vidal et al. (2000) e Medeiros et al. (2000), que trabalharam com herbicidas pertencentes ao grupo químico dos ariloxifenoxipropionatos (fluazifop-p-butil e fenoxaprop-p-etil), os quais de forma similar ao clethodim e sethoxydim também são inibidores da acetil-CoA carboxilase (AACase).

Com relação à produtividade, todos os tratamentos químicos mostraram valores semelhantes à testemunha capinada, demonstrando que os herbicidas utilizados no experimento foram altamente seletivos à cultura, não interferindo na produção e qualidade dos frutos. Ainda pode-se observar que, a alta infestação de capim-colchão (240 plantas/m2) exerceu seria interferência à cultura, reduzindo a produção da melancia em 35,85% e 36,60%, respectivamente, em relação à testemunha sem capina e à media dos tratamentos químicos.

Os resultados obtidos com os herbicidas clethodim e sethoxydim, tanto para o controle de capim-colchão como de fitotoxicidade, confirmam a citação feita por Rodrigues & Almeida (1995), demonstrando a viabilidade do uso destes produtos em nosso país para a cultura da melancia.

 

LITERATURA CITADA

ANDREI, E. Compêndio de defensivos agrícolas. São Paulo: Organização Andrei Editora Ltda., 1993. 448 p.        [ Links ]

CANTAMUTTO, A., AYASTUY, M.E., ELISEI, V.R. Evaluacion de herbicides de aplication temprana en el cultivo de melon de transplante. Planta daninha, v. 14, n. 1, p. 26-32, 1996.        [ Links ]

CASTELLANE, P.D., CORTEZ, G.E. A cultura da melancia. Jaboticabal: FUNEP/FCAV-UNESP, 1995, 64 p.        [ Links ]

DURIGAN, J.C. Controle de plantas daninhas nas principais culturas olerícolas: umbreliferas e cucurbitáceas. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE MANEJO INTEGRADO DE PLANTAS DANINHAS EM HORTALIÇAS, 1, 1992, Botucatu. Anais... Botucatu: Faculdade de Ciência Agronômica - UNESP, 1992. p. 157-86.        [ Links ]

EMATER. Manual técnico de olericultura. Curitiba: EMATER - Paraná, 1991. 126 p. (Informação técnica, 11).        [ Links ]

EUROPEAN WEED RESEARCH COUNCIL - EWRC. Report of 3rd and 4 rd meetings of EWRC. Cittee of methods in weed research. Weed Research, v. 4, 1964. p. 88.        [ Links ]

LORENZI, H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. 4ª ed. Nova Odessa: Plantarun, 1994. 299 p.        [ Links ]

MEDEIROS, R.D.; MOREIRA, M.A.B.; LUZ, F.J.F.;OLIVEIRA JUNIOR, J.O.L. Controle de plantas daninhas na cultura da melancia em Roraima. Horticultura brasileira, Brasília, v. 18, 2000. p. 450-451.        [ Links ]

NAGAI, H. Melancia: Citrullus lanatus Schaad. In: PEDRO JUNIOR, M.J. Instruções agrícolas para o Estado de São Paulo. 4ª ed. Campinas: Instituto Agronômico, 1987. p. 144. (Boletim 200).        [ Links ]

RODRIGUES, B.N., ALMEIDA, F.S. Guia de Herbicidas. 2ª ed. Londrina: Benedito Noedi Rodrigues e Fernando Souza de Almeida, 1988. p.        [ Links ]

RODRIGUES, B.N., ALMEIDA, F.S. Guia de Herbicidas. 3ª ed. Londrina: Benedito Noedi Rodrigues e Fernando Souza de Almeida, 1995. 675 p.        [ Links ]

SOCIEDADE BRASILEIRA DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS. Procedimentos para instalação, avaliação e análise de experimentos com herbicidas. Londrina: SBCPD, 1995. 42 p.        [ Links ]

SONNENBERG, P.E. Cultura das cucurbitáceas. In: Olericultura especial: 2ª parte. 3ª ed. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 1985. p. 108-49.        [ Links ]

VIDAL, R.A. Herbicidas: Mecanismos de ação e resistência de plantas daninhas. Porto Alegre: Pallotti, 1997, 165 p.        [ Links ]

VIDAL, R.A., KRUSE, N.D., FLECK, N.G., MEROTTO JUNIOR, A. Seletividade do herbicida fluaziflop-p-butil para cucurbitáceas. Planta Daninha, v. 18, n. 3, p. 413-17, 2000.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Cleber D.G. Maciel
E-mail: maciel@fca.unesp.br

Recebido para publicação em 24 de agosto de 2001
Aceito em 18 de março de 2002