SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue1Yield of strawberry cultivars polinized by jatai bees under protected environment'Brasileirinha': an ornamental bicolor squash (Cucurbita moschata) cultivar for immature fruit consumption author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Horticultura Brasileira

Print version ISSN 0102-0536On-line version ISSN 1806-9991

Hortic. Bras. vol.25 no.1 Brasília Jan./Mar. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362007000100019 

PÁGINA DO HORTICULTOR

 

Incidência de insetos e doenças em cultivares e populações de cebola

 

Incidence of insects and diseases in onion cultivars and populations

 

 

Germano LD Leite; Veríssimo Gibran M de Sá; Rafael EM Guanabens; Candido A da Costa; Farley Willian S Silva

UFMG, ICA, C. Postal 135, 39404-006 Montes Claros-MG; E-mail gldleite@ufmg.br

 

 


RESUMO

A cebola é uma das hortaliças mais importantes no Brasil. Contudo, é atacada por insetos e doenças, tais como Thrips tabaci Lindeman, Botrytis squamosa, Alternaria porri e Colletotrichum gloeosporioides f.sp. cepae. Este trabalho teve como objetivo avaliar a incidência de tripes, queima-das-pontas, mancha-de-alternaria e mal-de-sete-voltas em oito populações elite do programa de melhoramento genético de cebola da Embrapa ("CNPH 6415", "CNPH 6074", "CNPH 6244", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte" e "Pera Norte" x "Primavera") e oito variedades comerciais (Granex 429, BRS Cascata, Belém IPA 9, Crioula Alto Vale, Bola Precoce, Primavera, Régia e 1015 Y). Em regiões de alta incidência de C. gloeosporioides, os materiais recomendados são "CNPH 6415", "CNPH 6074" e "CNPH 6244"; de A. porri são "CNPH 6415", "CNPH 6074", "CNPH 6244", "BRS Cascata", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte", "Belém IPA 9", "Bola Precoce", "Primavera" e "Régia"; e de T. tabaci são "CNPH 6415", "CNPH 6074", "Granex 429", "Bola Precoce", "Primavera" e "Régia". As populações "CNPH 6415" e "CNPH 6074" apresentam resistência a esses três agentes etiológicos. Por outro lado, "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda" e "1015 Y" são suscetíveis a C. gloeosporioides, A. porri e T. tabaci. Todos os materiais estudados sofrem ataque considerável de B. squamosa.

Palavras-chave: Allium cepa, Thrips tabaci, Alternaria porri, Botrytis squamosa, Colletotrichum gloeosporioides.


ABSTRACT

Onion (Allium cepa L.) is one of the most important vegetable crops in Brazil. It is attacked by insects and diseases, such as Thrips tabaci Lindeman (Thysanoptera: Thripidae), Botrytis squamosa (J.C. Walker), Alternaria porri (Ellis) and Colletotrichum gloeosporioides f.sp. cepae Penz. This work evaluated the incidence of thrips, onion leaf blight, purple blotch, and smudge in eight elite populations of the Embrapa's onion breeding program ("CNPH 6415", "CNPH 6074", "CNPH 6244", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte" and "Pera Norte" x "Primavera") and eight commercial onion varieties ("Granex 429", "BRS Cascata", "Belém IPA 9", "Crioula Alto Vale", "Bola Precoce", "Primavera", "Régia" and "1015 Y"). In regions of high incidence of C. gloeosporioides, the recommended materials are "CNPH 6415", "CNPH 6074" and "CNPH 6244"; "CNPH 6415", "CNPH 6074", "CNPH 6244", "BRS Cascata", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte", "Belém IPA 9", "Bola Precoce", "Primavera" and "Régia" are recommended for A. porri high incidence; and of T. tabaci are "CNPH 6415", "CNPH 6074", "Granex 429", "Bola Precoce", "Primavera" and "Régia". The onion populations "CNPH 6415" and "CNPH 6074" are resistant to those two diseases and thrips. On the other hand, "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda" and "1015 Y" are susceptible to C. gloeosporioides, A. porri and T. tabaci. All the studied materials were considered susceptible to B. squamosa.

Keywords: Allium cepa, Thrips tabaci, Alternaria porri, Botrytis squamosa, Colletotrichum gloeosporioides.


 

 

A cebola é uma das hortaliças mais importantes e amplamente cultivada no mundo, sendo produzidas anualmente cerca de 52 milhões de toneladas, avaliadas em seis bilhões de dólares. No Brasil, o valor anual da produção alcança 200 milhões de dólares, sendo as principais regiões produtoras o Sul e Sudeste.

O desempenho da cultura é condicionado, em parte, pela adaptação da cultivar às condições agroecológicas, sendo o clima quente e seco favorável à cultura, bem como os solos de textura média ou arenosos leves (Filgueira, 2003), condições que ocorrem, por exemplo, no Norte de Minas Gerais. Outros fatores, como as doenças fúngicas, principalmente a queima-das-pontas causada por Botrytis squamosa (J.C. Walker), a mancha-de-alternária causada por Alternaria porri (Ellis) Cif. e o mal-de-sete-voltas causado por Colletotrichum gloeosporioides f.sp. cepae Penz, além do ataque de insetos, especialmente do tripes Thrips tabaci Lindeman, são importantes na cultura, causando grandes perdas na produção, podendo inclusive inviabilizá-la (Agrios, 1988; Cardoso et al., 1995; Kimati et al., 1997; Zambolim et al., 2000; Gallo et al., 2002; Filgueira, 2003; Loges et al., 2004; Pedrosa et al., 2004).

Este trabalho teve como objetivo avaliar a incidência de tripes, queima-das-pontas, mancha-de-alternária e mal-de-sete-voltas em populações de cebola, sob sistema convencional de cultivo no Norte de Minas Gerais.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido em horta da UFMG, em Montes Claros-MG (longitude 43º53'W, latitude 16º43'S e altitude 650 m), região de clima Aw (tropical de savana, inverno seco e verão chuvoso), de junho a outubro de 2004.

O delineamento experimental foi em blocos casualizados com três repetições, onde cada parcela consistiu de quatro fileiras com 4 m de comprimento e 1,20 m de largura (unidade experimental de 4,80 m2), totalizando 230,4 m2 de área total. A área útil foi de 1,80 m2 por parcela, constituída pelas duas fileiras centrais e 3 m internos de cada uma. Os tratamentos constituíram-se de oito populações do programa de melhoramento genético de cebola da Embrapa: "CNPH 6415", "CNPH 6074", "CNPH 6244", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte" e "Pera Norte" x "Primavera" e oito variedades: Granex 429, BRS Cascata, Belém IPA 9, Crioula Alto Vale, Bola Precoce, Primavera, Régia e 1015 Y. O transplantio das mudas foi realizado 45 dias após a semeadura, em espaçamento de 20 x 7 cm com irrigação por micro-aspersão. A partir desse período iniciaram-se as avaliações. A adubação foi a recomendada por Filgueira (2003). Não foram utilizados defensivos agrícolas.

Avaliou-se semanalmente, do transplantio até a colheita, por meio de contagem direta, o número de tripes presentes na bainha da primeira folha expandida de dez plantas/parcela, adaptando as metodologias de outros autores (Edelson et al., 1986; Shelton et al., 1987; Domiciano et al., 1993; Gonçalves, 1997). Nessas mesmas amostras (dez plantas/parcela) foram também avaliadas a presença ou ausência (visualmente) de lesões causadas por mancha-de-alternária, mal-de-sete-voltas e queima-das-pontas (Leite et al., 2004).

Os dados foram submetidos à análise de variância e teste de média de Scott-Knott e correlação de Pearson, todos a 5% de probabilidade.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Considerando o ciclo completo da cultura, observou-se, em média, maior número de ninfas de tripes em "CNPH 6244", "BRS Cascata", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte", "Pera Norte" x "Primavera", "Belém IPA 9", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda", "Crioula Alto Vale" e "1015 Y" (2,97/folha) comparado com as demais (1,38/folha) (Tabela 1). Somente a partir do mês de setembro foi possível discriminar os diferentes materiais de cebola em estudo, quando notou-se maior ataque de ninfas dessa praga em "CNPH 6244", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda" e "1015 Y" (média de 5,84/folha) (Tabela 1). Os materiais de cebola mais visitados por adultos de tripes, considerando o ciclo completo da cultura, foram "Granex 429", "CNPH 6244", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte", "Belém IPA 9", "CNPH 6400 Chata", "Crioula Alto Vale" e "1015 Y" (média de 0,63/folha). Considerando a população de tripes como um todo (ninfas + adultos) e o ciclo completo da cultura, os materiais mais atacados foram "CNPH 6244", "BRS Cascata", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte", "Pera Norte" x "Primavera", "Belém IPA 9", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda", "Crioula Alto Vale" e "1015 Y" (3,54 insetos/folha).

 

 

Gonçalves et al. (1997) observaram altas infestações de tripes a partir de outubro nas variedades Baia Periforme, Jubileu, EMPASC 351 Seleção Crioula e Norte 14. Já Loges et al. (2004) relataram que a cultivar Duquesa e os híbridos Dessex e Granex Ouro foram moderadamente resistentes a essa praga. Leite et al. (2004) notaram maior número de tripes na cultivar Crioula Alto Vale, seguida por Aurora, CNPH 6400, Conquista, Serrana, Primavera, Vale-Ouro IPA 11, Franciscana IPA 10 e Piraouro, destacando a "Franciscana IPA 10" como a mais resistente.

Observou-se incremento populacional de tripes em todos os materiais a partir de julho, principalmente nos meses de setembro e outubro. Provavelmente esse fato se deva ao aumento de temperatura média do ar e redução da umidade relativa do ar, já que as mesmas correlacionaram significativamente com a população de tripes (r = 0,92 e r = -0,90 respectivamente). Lall & Singh (1968), Gonçalves et al. (1997) e Leite et al. (2004) relataram que o aumento da temperatura e a queda da umidade relativa do ar favoreceram T. tabaci em cebola. Por sua vez, irrigações constantes, como do presente trabalho, apresentam efeito adverso a esta praga (Kannan & Mohamed, 2001).

As cultivares precoces, plantadas em geral em julho, sofrem maiores infestações de tripes no final do ciclo da cultura, quando está se completando a formação dos bulbos, em geral em outubro (Lorini & Dezordi, 1990). Nessa fase, o ataque do tripes pode até ser benéfico por favorecer o envelhecimento das folhas e promover a cura dos bulbos (Shelton et al., 1987). Portanto, as perdas com essa praga serão menores (Lorini & Dezordi, 1990). A população de tripes atingiu o nível de controle (3 tripes/folha) (Shelton et al., 1987) em quase todas as linhagens e cultivares deste presente estudo no mês de setembro, contudo, já na fase final da maioria delas. Dessa forma, justifica-se o controle químico, em futuras lavouras, apenas para aquelas que terminarem o ciclo no mês de outubro.

As lesões ocasionadas por tripes podem favorecer a incidência de mancha-de-alternária e a queima-das-pontas, como relatado por Zambolim et al. (2000). No presente estudo, não se detectaram diferenças estatísticas entre os materiais de cebola quanto à incidência de queima-das-pontas (média de 34,51%). Os materiais mais atacados por A. porri, considerando todo o ciclo da cultura, foram "Granex 429", "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda" e "1015 Y" (49,19%). Na média geral, "Granex 429" foi a mais atacada por mal-das-sete-voltas (47%), seguida por "Valencianita" x "Aurora", "CNPH 6400 Chata", "Régia" e "1015 Y" (31,43%). Leite et al. (2004) não detectaram diferenças entre as variedades Crioula Alto Vale, Aurora, "CNPH 6400", Conquista, Serrana, Primavera, Vale-Ouro IPA 11, Franciscana IPA 10 e Piraouro em relação à incidência de mancha-de-alternária e de queima-das-pontas.

Em geral, notou-se maior incidência de queima-das-pontas nos meses de agosto e outubro; de mancha-de-alternária nos meses de setembro e outubro; e mal-das-sete-voltas em setembro. Apesar de não ter sido detectado efeito dos fatores climáticos sobre mal-das-sete-voltas e queima-das-pontas, a provável explicação para a queda na incidência de queima-das-pontas no mês de setembro seja devido a menor umidade relativa comparada aos meses de agosto e outubro (agosto = 59%; setembro = 43% e outubro = 51%). No presente trabalho, observou-se correlação significativa e positiva da temperatura do ar e negativa da umidade relativa do ar (r = 0,97 e r = -0,90 respectivamente) sobre a incidência de mancha-de-alternária. A queima-das-pontas e mal-das-sete-voltas são favorecidos por temperaturas baixas e altas umidades relativas, sendo o contrário verdadeiro para a mancha-de-alternária (Zambolim et al., 2000).

Em regiões de alta incidência de mal-das-sete-voltas, os materiais de cebola recomendados seriam "CNPH 6415", "CNPH 6074" e "CNPH 6244"; para mancha-de-alternária, os materiais recomendados seriam "CNPH 6415", "CNPH 6074", "CNPH 6244", "BRS Cascata", "Valencianita" x "Aurora", "Primavera" x "Pera Norte", "Belém IPA 9", "Bola Precoce", "Primavera" e "Régia"; e de tripes, os materiais recomendados seriam "CNPH 6415", "CNPH 6074", "Granex 429", "Bola Precoce", "Primavera" e "Régia". "CNPH 6400 Chata", "CNPH 6400 Redonda" e "1015 Y" são susceptíveis ao mal-das-sete-voltas, mancha-de-alternária e tripes bem como todos os materiais estudados sofrem ataque considerável de queima-das-pontas. Os materiais "CNPH 6415" e "CNPH 6074" apresentam resistência a esses três agentes etiológicos simultaneamente.

 

REFERÊNCIAS

AGRIOS GN. 1995. Plant Pathology. 3rd ed. San Diego: Academic Press, Inc. 803p.         [ Links ]

CARDOSO AII; DELLA VECCHIA PT; FARIA LP. 1995. Herança de coloração de bulbos em cebola (Allium cepa L.) com resistência a Colletotrichum gloeosporioides. Scientia Agrícola 52: 384-386.         [ Links ]

DOMICIANO NL; OTA AY; TEDARDI CR. 1993. Momento adequado para controle químico de tripes, Thrips tabaci Lindeman, 1988 em cebola, Allium cepa L. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil 22: 71-76.         [ Links ]

EDELSON JV; CARTWRIGHT B; ROYER TA. 1986. Distribution and impact of Thrips tabaci (Thysanoptera: Thripidae) on onion. Journal Economic Entomology 79: 502-505.         [ Links ]

FILGUEIRA FAR. 2003. Novo manual de olericultura; Agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 2 ed. Viçosa: UFV. 412p.         [ Links ]

GALLO D; NAKANO O; SILVEIRA NETO S; CARVALHO RPL; BATISTA GC; BERTI FILHO E; PARRA JRP; ZUCCHI RA; ALVES SB; VENDRAMIM JD; MARCHINI LC; LOPES JRS; OMOTO C. 2002. Entomologia Agrícola. Piracicaba: FEALQ. 920p.         [ Links ]

GONÇALVES PAS. 1997. Flutuação populacional de tripes, Thrips tabaci Lind., em cebola em Ituporanga, Santa Catarina. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina. 26: 365-369.         [ Links ]

KANNAN HO; MOHAMED MB. 2001. The impact of irrigation frequency on population density of thrips, Thrips tabaci Rom (Thripidae, Thysanoptera) and yield of onion in El Rahad, Sudan. Annals of Applied Biology 138: 129-132.         [ Links ]

KIMATI H; AMORIM L; BERGAMIM FILHO A; CAMARGO LEA; RESENDE JAM. 1997. Manual de Fitopatologia, Doenças das plantas cultivadas. 3ed. São Paulo: Ceres. 774p.         [ Links ]

LALL BL; SINGH LM. 1968. Biology and control of onion thrips. Journal Economic Entomology 61: 676-679.         [ Links ]

LEITE GLD; SANTOS MC; ROCHA SL; COSTA CA; ALMEIDA CIM. 2004. Intensidade de ataque de tripes, de alternaria e queima-das-pontas em cultivares de cebola. Horticultura Brasileira 22: 151-153.         [ Links ]

LOGES V; LEMOS MA; RESENDE LV; MENEZES D; CANDEIA JA; SANTOS VF. 2004. Resistência de cultivares e híbridos de cebola a tripes. Horticultura Brasileira 22: 222-225.         [ Links ]

LORINI I; DEZORDI J. 1990. Flutuação populacional de Thrips tabaci Lindeman, 1888 (Thysanoptera: Thripidae) na cultura da cebola. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil 19: 361-365.         [ Links ]

PEDROSA RA; MAFFIA LA; MIZUBUTI ESG; BROMMONSCHENKEL SH. 2004. Componentes de resistência em cebola a Colletotrichum gloeosporioides. Fitopatologia Brasileira 29: 606-613.         [ Links ]

SHELTON AM; NYROP JP; NORTH RC; PETZOLDT C; FOSTER R. 1987. Development and use of a dynamic sequential sampling program for onion thrips, Thrips tabaci (Thysanoptera: Thripidae), on onions. Journal Economic Entomology 80: 1051-1056.         [ Links ]

ZAMBOLIM L; VALE FXR; COSTA H. 2000. Controle de doenças de plantas-hortaliças. Viçosa: UFV, 2000 1: 444p.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 31 de maio de 2006; aceito em 16 de março de 2007

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License