SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 issue3Pearl millet crop management for no-tillage crisphead lettuce in the summer with or without bedsMangarito: sabor de tradição author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Horticultura Brasileira

Print version ISSN 0102-0536On-line version ISSN 1806-9991

Hortic. Bras. vol.33 no.3 Vitoria da Conquista Jul./Sept. 2015

https://doi.org/10.1590/S0102-053620150000300022 

Nova Cultivar

IPR CRIS: Cultivar rústica de batata

IPR Cris: A hardy potato cultivar

Nilceu RX Nazareno 1  

Arione S Pereira 2  

Giovani O Silva 3  

Caroline M Castro 2  

Odone Bertoncini 3  

Carlos AB Medeiros 2  

Elcio Hirano 3  

Cesar B Gomes 2  

Jocemar F Campos 1  

1Instituto Agronômico do Paraná, IAPAR, Pólo Regional de Pesquisa de Curitiba, Curitiba-PR, Brasil; nilceu@iapar.br

2Embrapa Clima Temperado, Pelotas-RS, Brasil

3Embrapa Produtos e Mercado, Canoinhas-SC, Brasil


RESUMO

Em função de sua rusticidade, a cultivar IPR Cris é recomendada para sistemas de produção agroecológicos e para a agricultura familiar. Todavia, dada a aparência de seus tubérculos ovalados, gemas rasas e película não áspera, também pode ser utilizada em sistemas convencionais de plantio. 'IPR Cris' tem potencial de consumo para vários tipos de preparo, mas não para fritura industrial. Apresenta moderada resistência de campo para a requeima e não tem sido observada suscetibilidade à sarna comum; com potencial produtivo semelhante às cultivares atualmente em produção. Uma característica interessante que desponta na 'IPR Cris' é seu longo período de dormência, que por um lado desfavorece o plantio dos tubérculos semente na safra seguinte, por outro, garante ao pequeno produtor orgânico um período prolongado para comercialização, sem perda de qualidade dos tubérculos.

Palavras-Chave: Solanum tuberosum; produção orgânica; resistência à requeima

ABSTRACT

Due to its rusticity, the cultivar IPR Cris is recommended for agroecolgical and small holding production systems. However, given its tuber appearance, shallow eyes, and lightly rough skin, this cultivar can also be used in conventional production systems. 'IPR Cris' can be consumed under various cooking ways, but it is not fit for the frying industry. It shows good field resistance to late blight and susceptibility to common scab has not been observed. Its yield potential is similar to the current potato cultivars. Long dormancy is an interesting feature shown by 'IPR Cris' which hampers getting the tuber sprouted for the following season. On the other hand it provides small organic farmers for a prolonged marketing period without loss on tuber quality.

Key words: Solanum tuberosum; organic production; late blight resistance

A cultivar de batata (Solanum tuberosum) IPR Cris, codificada como clone PHO 15, é um produto do cruzamento simples (artificial), realizado no Centro Internacional de La Papa (CIP), de interesse geral, para a formação de famílias clonais a serem testadas em países onde a cultura da batata tem importância social e econômica. Dada a amplitude das populações, estas foram introduzidas pelo Iapar em meados da década de 80 identificadas por códigos e, portanto, não se tem a identificação específica desse cruzamento (IAPAR, 2014). As populações foram introduzidas no Iapar na forma de minitubérculos, num total aproximado de 2500 indivíduos, plantados para o primeiro ciclo de seleção na Estação Experimental do Iapar, em Teixeira Soares-PR, na safra de outono/1986.

Os primeiros ciclos de seleção foram concentrados na avaliação do nível de resistência à requeima (Phytophthora infestans) dentre outras doenças foliares e no porte ereto de plantas. Por meio de avanços de gerações, o clone PHO 15 se destacou entre outros, pela rusticidade e boa aparência de tubérculos. Esse material, pelas suas características potenciais para um futuro lançamento, foi mantido através de gerações de campo nas Estações Experimentais do Iapar.

Em 2002, uma pequena amostra de tubérculos de IPR Cris foi repassada para um produtor colaborador do Iapar, município de Araucária-PR, para sua avaliação em sistema orgânico de produção. Em 2005, esse material genético foi temporariamente lançado como cultivar Cristina (Pereira et al., 2008). Como houve boa aceitação pelo produtor, a Embrapa Clima Temperado, instituição parceira do Iapar, colaborou na indexação desse clone via cultura de tecidos e testes para indexação de viroses. Ainda sob essa parceria, foi possível a produção de minitubérculos em sistema de hidroponia (Medeiros, 2002), para aumento do número de tubérculos indexados visando à condução de experimentos multilocais de avaliação. Esses experimentos foram conduzidos nas Estações Experimentais do Iapar da Lapa e Londrina e nas dependências da Embrapa Clima Temperado, em Pelotas-RS e da Embrapa Produtos e Mercado, Canoinhas-SC.

Confirmado o potencial do clone PHO 15 como uma provável cultivar para o sistema orgânico de produção e agricultura familiar, planejou-se os vários ensaios de Valor de Cultivo e Uso (VCU) (MAPA, 2007), executados na região centro-sul do Paraná (município da Lapa e Teixeira Soares), sul do Rio Grande do Sul (Pelotas) e planalto norte catarinense (Canoinhas), entre as safras de outono/2009 e outono/2012, cujos dados foram submetidos ao MAPA para fins de registro. As cultivares Ágata e Cupido foram utilizadas como testemunhas. Os testes de Distinguibilidade, Homogeneidade e Estabilidade (DHE) foram realizados em ensaios conduzidos nas primaveras de 2010 e 2011, em Pelotas, sob responsabilidade da Embrapa Clima Temperado e complementado com informações de experimentos na Estação Experimental do IAPAR na Lapa. Nestes testes, a cultivar IPR Cris mostrou distinguibilidade, homogeneidade e estabilidade fenotípica e genética.

DESCRIÇÃO VARIETAL

Segundo os requisitos mínimos para determinação do VCU da batata para inscrição no Registro Nacional de Cultivares (RNC) (MAPA, 2007), IPR Cris apresenta as seguintes características:

Brotos - formato cilíndrico largo, vermelho púrpuro na base e pouca pubescência (Figura 1A).

Hastes e planta - a base das hastes é não pigmentada e apresenta delineamento ondulado a dentado da asa. As plantas têm porte ereto (Figura 1B), vigor médio e ciclo longo, fechando o ciclo de desenvolvimento vegetativo entre 110 e 120 dias, dependendo das condições ambientais e de cultivo.

Folhas e folíolos - as folhas são abertas com ângulo de inserção agudo e não há pigmentação na nervura principal. Os folíolos são médios, estreitos, não coalescentes, com ondulação média nas bordas e alta frequência de folíolos secundários (Figura 1C).

Flores e frutos - a presença de inflorescências é alta, com pedúnculo longo e sem pigmentação. As flores são brancas, sem pigmentação interna ou externa da corola (Figura 1D) e a ocorrência de frutos é baixa em média.

Tubérculos - os tubérculos são ovalados, com gemas rasas, película levemente áspera, de coloração amarela e polpa amarela clara (Figura 1E) e fraca tendência ao esverdeamento.

Figura 1. Cultivar IPR Cris: (A) Broto cilíndrico, vermelho púrpura na base (cylindrical sprout, reddish purple at the base), (B) Planta de porte ereto (plant of stout growth), (C) Folhas abertas, nervura não pigmentada, folíolos médios, não coalescentes (open leaves, non pigmented midrib, non coalescent leaflets), (D) Flores de corolas brancas, sem pigmentação interna (flowers with white corola, without internal pigmentation), (E) Tubérculos ovalados, polpa amarela clara, gemas rasas (oval shaped tubers, yellowish pulp, shallow eyes), (F) Campo de produção no sistema orgânico (potato crop under organic production system). Curitiba, IAPAR, 2014. 

REAÇÃO A DOENÇAS

'IPR Cris' se caracteriza como moderadamente resistente à requeima (P. infestans) e à pinta preta (Alternaria sp.), suscetível às principais doenças bacterianas como canela preta/podridão mole (Pectobacterium spp.) e murchadeira (Ralstonia solanacearum) e moderadamente resistente à sarna comum (Streptomyces spp.), moderadamente resistente ao mosaico {Potato virus Y (PVY)} e vírus do enrolamento {Potato leafroll virus (PLRV)}. De acordo com experimentos conduzidos na Embrapa Clima Temperado para avaliação da reação dessa cultivar ao nematoide-das-galhas, 'IPR Cris' se mostrou moderadamente resistente a Meloidogyne enterolobii (sin. M. mayaguensis), resistente à M. graminicola, e suscetível à M. javanica (ensaio repetido), M. incognita, M. arenaria e M. ethiopica.

Como a cv. IPR Cris tem sido usada por produtores da agricultura familiar há alguns anos (Figura 1F), o nível de resistência de campo a doenças foliares tem sido comprovado, com algum relato informando ser desnecessário o controle com caldas fungicidas em épocas de produção mais secas (Nazareno & Pereira, 2009).

DESEMPENHO AGRONÔMICO

Tanto na produção total como na comercial 'IPR Cris' foi superior à testemunha 'Ágata' em sete dos dez experimentos (Tabela 1), superior somente na produção total em Pelotas, outono/2010, e igual em Teixeira Soares. Essa cultivar foi também igual à 'Cupido' em seis experimentos, mas foi superior em produção total em dois e inferior em outros dois, tanto em produção total como comercial. Esse comportamento corrobora o potencial de 'IPR Cris' como cultivar produtiva, principalmente porque o foco de produção é para sistemas orgânicos principalmente, onde 'Ágata' e 'Cupido' são mais suscetíveis à requeima em comparação à 'IPR Cris'. Não houve diferença significativa entre safras, nem para produção total (F= 0,92 ns) como para produção comercial (F= 0,45 ns).

Tabela 1. Médias de rendimento de tubérculos totais e comerciais da cultivar de batata IPR Cris e cultivares testemunhas (Ágata e Cupido) (t/ha) e coeficientes de variação (CV), por local e ano {mean yield of total and marketable tubers of potato cultivars IPR Cris and control cultivars (Ágata and Cupido), and coefficient of variation, per locality, and year}. Curitiba, IAPAR, 2014. 

Rendimento comercial: tubérculos com diâmetro transversal > 45 mm (marketable yield: tubers with cross section diameter >45 mm); 2Médias seguidas da mesma letra (maiúsculas: rendimento total; minúsculas: rendimento comercial) nas colunas não diferem significativamente entre si, pelo teste de Fischer modificado (p= 0,05) {means followed by the same letter (capital letter: total yield; small letter: commercial yield) in columns do not differ significantly from each other by the modified Fischer test (p= 0,05)}; ns3: Teste F da ANOVA não significativo para a comparação entre safras {F ratio for growing season comparison not significant in ANOVA test (p= 0,05)}.

Como o potencial de 'IPR Cris' é para produção em sistema de subsistência, a quantidade de insumos nos experimentos foi reduzida (2 t/ha do formulado 4-14-8 de adubação de base e 60 kg/ha de sulfato de amônio em cobertura e pulverizações semanais com fungicidas de contato). Por isso, acredita-se que a tendência a menores produtividades da testemunha 'Ágata' foi devido à pressão da requeima, doença à qual ela é muito suscetível. Em experimento conduzido no norte do Paraná, em Londrina, na safra de inverno, as produções total e comercial de 'IPR Cris' foram de 46,83 e 31,99 t/ha, 42,1 e 25,1% a mais que 'Ágata' e 7,5 e 19,0% a menos que 'Cupido', respectivamente (dados não publicados).

Na Tabela 2 registra-se a massa média de tubérculos comerciais, variável importante a considerar na indicação de cultivares. Observou-se que 'IPR Cris' foi em grande parte equivalente às testemunhas, mas em alguns locais foi inferior à 'Cupido', cultivar que tem potencial genético para produção de tubérculos grandes. Porém, na média geral, 'IPR Cris' foi equivalente à cv. Cupido. A ANOVA global entre todos os experimentos não detectou diferenças significativas entre safras (F= 0,92 ns).

Tabela 2. Massa média de tubérculos comerciais1, em gramas, da cultivar IPR Cris e das cultivares testemunhas (Ágata e Cupido), e coeficiente de variação (CV), por local e ano {marketable tuber average yield, in grams, of cultivar IPR Cris and control cultivars (Ágata and Cupido), and coefficient of variation (CV), per locality, and year}. Curitiba, IAPAR, 2014. 

1Tubérculo comercial: diâmetro transversal >45 mm (marketable tuber: cross section diameter >45 mm); 2Médias seguidas da mesma letra nas colunas não diferem significativamente entre si, pelo teste de Fischer modificado (p= 0,05) {means followed by the same letter in columns do not differ significantly from each other by the modified Fischer test (p= 0,05)}; ns3: Teste F da ANOVA não significativo para a média de tratamentos {F ratio for treatment means not significant in ANOVA test (p= 0,05)}; ns4: Teste F da ANOVA não significativo para a comparação entre safras {F ratio for growing season comparison not significant in ANOVA test (p= 0,05)}.

A Tabela 3 contempla os valores estimados da massa específica. Em grande parte dos experimentos 'IPR Cris' foi igual às cultivares testemunhas. Todavia, nos casos onde houve diferença significativa entre elas, 'IPR Cris' foi sempre melhor que 'Ágata' e 'Cupido'. Na comparação entre safras, não houve diferença estatística para massa específica (F= 2,06 ns).

Tabela 3. Massa específica1 de tubérculos da cultivar IPR Cris e das testemunhas (Ágata e Cupido), e coeficiente de variação (CV), por local e ano {specific gravity1 of cultivar IPR Cris and control cultivars (Ágata and Cupido), and coefficient of variation (CV), per locality, and year}. Curitiba, IAPAR, 2014. 

1Massa específica = Peso ao ar/(peso ao ar - peso em água) {specific gravity = weight in air/(weight in air - weight immersed in water)}; 2ns: Teste F da ANOVA não significativo para a média de tratamentos {F ratio for treatment means not significant in ANOVA test (p= 0,05)}; 3Dado de uma amostragem somente {data of only one sample}; 4Médias seguidas da mesma letra nas colunas não diferem significativamente entre si, pelo teste de Fischer modificado (p= 0,05) {means followed by the same letter in columns do not differ significantly from each other by the modified Fischer test (p= 0,05)}; 5ns: Teste F da ANOVA não significativo para a comparação entre safras {F ratio for growing season comparison not significant in ANOVA test (p= 0,05)}.

Os dados observados em todos os experimentos e a experiência de produtores familiares que vêm testando 'IPR Cris' há algum tempo em suas propriedades, indicam o grande potencial dessa cultivar para o sistema orgânico de produção dada a sua rusticidade a doenças foliares, à sarna comum, a boa aparência de tubérculo e sua resistência ao armazenamento prolongado. A característica de longo período de dormência facilita a comercialização escalonada no nicho de mercado que disponibilizam (Nazareno & Pereira, 2009), à medida que a colheita pode ser parcelada em pequenos lotes por períodos de até 60 dias após a maturação fisiológica, sem perder a qualidade comercial dos tubérculos (Nazareno, 2009).

MANEJO

'IPR Cris' não apresenta característica diferencial em relação a cultivares convencionais, exceto pela sua longa dormência. Para o cultivo em sistema orgânico, a quebra de dormência tem sido feita deixando os tubérculos em estaleiros em ambiente bem ventilado e pouca luz por períodos que ultrapassam seis meses. Alguns produtores estufam os tubérculos sob lonas plásticas com alguma forma de aquecimento na pilha enlonada, como carvão em brasa, cobertura dos tubérculos com camadas de capim e/ou fazem o abafamento em lugar onde haja incidência solar direta (Nazareno, 2009). Não existem dados de indução de brotação com métodos químicos para o caso de uso dessa cultivar em sistema convencional de produção (Hirano et al., 1996).

SEMENTE

A preservação de tubérculos-semente G0, devidamente indexados, é feita em estufa específica para batata, no sistema de hidroponia na estação experimental do Iapar na Lapa, PR.

REFERÊNCIAS

HIRANO E; BERTONCINI O; PEREIRA VL. 1996. Brotação: armazenamento e quebra de dormência em batata-semente. Canoinhas: Embrapa SNT/EN. [ Links ]

IAPAR. 2014. IPR CRIS - Cultivar de batata para produção orgânica. Londrina: IAPAR (Folder). [ Links ]

MAPA. 2007. Registro Nacional de Cultivares - RNC. Brasília, DF. Orientações e Informações Técnicas. p. 18. Anexo III - Batata (http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/vegetal/Sementes_e_mudas/Registro_Nacional_de_Cultivares.pdf). Acessado em 31 de janeiro de 2009. [ Links ]

MEDEIROS CAB. 2002. Produção de sementes pré-básicas de batata em sistema hidropônico de telhas de fibrocimento: Densidade de plantas para multiplicação a partir de minitubérculos. Pelotas: Embrapa Clima Temperado (http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/744350/1/comunicado69.pdf. Acessado em 31 de janeiro 2014. [ Links ]

NAZARENO NRX. 2009. Contribuição dos produtores: Levantamento sobre suas experiências. In: Produção Orgânica de Batata - Potencialidades e desafios (N.R.X Nazareno, Ed). Iapar, Londrina. p. 235-249. [ Links ]

NAZARENO NRX; PEREIRA AS. 2009. Cultivares de batata adaptadas ao sistema orgânico de produção. In: NAZARENO NRX (ed). Produção orgânica de batata - Potencialidades e desafios. Iapar: Londrina. p. 109-120. [ Links ]

PEREIRA AS; SILVA ACF; CASTRO CM; MEDEIROS CAB; HIRANO E; NAZARENO NRX; BERTONCINI O; MELO PE; SOUZA ZS. 2008. Catálogo de cultivares de batata. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. (Documentos 247, p.40) (http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/746700/1/documento247.pdf). Acessado em 31 de maio de 2014. [ Links ]

Recebido: 23 de Outubro de 2014; Aceito: 06 de Abril de 2015

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License