SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 issue6Isolation profile and antimicrobial resistance of Fusobacterium spp. isolated from equine gengival sulcus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.51 n.6 Belo Horizonte Dec. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09351999000600001 

Valores de referência da atividade enzimática da aspartato-aminotransferase e da gama-glutamiltransferase em bovinos da raça Jersey. Influência dos fatores etários, sexuais e da infecção pelo vírus da leucose dos bovinos

(Reference values of the enzymatic activities of the aspartate aminotransferase and gamma glutamyltransferase of Jersey breed. The influence of age and sexual factors, and of the infection by the bovine leukosis virus)

 

L. Gregory, E.H. Birgel Junior, R.M.S. Mirandola, W.P. Araújo, E.H. Birgel

Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo
Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva, 87
05508-900 - Cidade Universitária - São Paulo, SP

 

Recebido para publicação, após modificação, em 25 de outubro de 1999.
Colaborador: M.V. Perez
Apoio financeiro: CNPq/CAPES

 

 

RESUMO

Com o objetivo de estabelecer os valores de referência de parâmetros bioquímicos que avaliem a função hepática, por meio da determinação da atividade enzimática da aspartato-aminotransferase (AST) e da gama-glutamiltransferase (GGT), de bovinos da raça Jersey, criados no Estado de São Paulo, bem como avaliar a influência dos fatores etários, sexuais e da infecção pelo vírus da leucose dos bovinos sobre os referidos parâmetros bioquímicos, foram colhidas e examinadas amostras de soro sangüíneo de 170 animais, sendo 106 fêmeas e 17 machos, considerados clinicamente sadios e não reagentes ao antígeno glicoprotéico (gp51) da cápsula do vírus da leucose dos bovinos e 47 fêmeas soro-reagentes ao mencionado vírus. Os valores de referência obtidos para a AST foram iguais a 33,91±10,99U/l enquanto para a GGT obtiveram-se valores médios de 13,21±12,72U/l. A avaliação dos resultados demonstrou que as transaminases sofreram influência dos fatores etários, pois comprovou-se que os teores séricos da AST aumentaram significativamente com o evoluir da idade, sendo o valor mínimo observado nas bezerras com até 3 meses de idade (26,39±22,17U/l) e valor máximo em vacas com idade entre 48 e 72 meses de idade (38,60±11,24U/l). Para os níveis séricos da GGT observou-se que nas bezerras com até 3 meses de idade os níveis séricos (31,15±38,70U/l) foram maiores do que os observados nos animais mais velhos (entre 8,70±2,40U/l e 14,24±10,37U/l). Nesta pesquisa não foram observadas influências dos fatores sexuais e da infecção pelo vírus da leucose dos bovinos sobre a atividade enzimática das transaminases.

Palavras-Chave: Bovino, função hepática, parâmetro bioquímico, AST, GGT

 

ABSTRACT

With the purpose of having the reference values established for the biochemical parameters which evaluate the hepatic function through the determination of the enzymatic activities of the aspartate aminotransferase (AST) and gamma glutamyltransferase (GGT) of Jersey breed, raised in the São Paulo State, as well as, to evaluate the influence of age factors, sexual factors and of the infection by the bovine leukosis virus on the biochemical parameters mentioned, samples of blood sera from 170 animals were collected and examined, being 106 females and 17 males, clinically healthy and non-reagents to the glycoproteic antigen of the bovine leukosis virus capsule, and 47 sororeagent cows to the above mentioned virus. The reference patterns to the Jersey breed were established for aspatate aminotransferase enzymes (33.91±10.99U/l) and for gama-glutamiltransferase enzyme (13.21±12.72U/l). The seric activities of AST and GGT also had influence of age factors. The seric rates of AST raised with the age, the minimal value was observed in calves until three months age (26.39±22.17U/l) and maximal value was obseved in cows with age between 48 and 72 months (38.60±11.24U/l). GGT seric rates was higher for until three months age female calves (31.15±38.70U/l) than in older animals (between 8.70±2.40U/l and 14.24±10.37U/l). The evaluation of sexual factors influence and infection by Bovine Leukosis Virus on AST and GGT seric enzimatic activity had not showed the influence of these factors on the values found in this research.

Keywords: Bovine, hepatic function , biochemical parameter, AST, GGT

 

 

INTRODUÇÃO

As pesquisas que procuram estabelecer os valores padrões da atividade enzimática no sangue de bovinos começaram a ser realçadas na década de 50, com a divulgação dos resultados obtido por Cornelius et al. (1959) que determinaram a ocorrência de maior atividade enzimática sérica de AST em vacas com idades entre 2 e 10 anos do que em bezerros com 7 a 27 dias de vida. Com relação aos estudos da atividade enzimática sérica da GGT em bovinos, somente na década de 70 encontraram-se as primeiras citações sobre a atividade dessa enzima, merecendo destaque as pesquisas de Simesen & Storm (1973) e Unglaub et al. (1973). Da literatura internacional sobre parâmetros bioquímicos séricos, relacionados à avaliação da função hepática, procurando estabelecer valores de referência para os níveis séricos da atividade da AST, antigamente denominada transaminase-pirúvico-oxalacética (TGO), e da atividade sérica da GGT selecionamos pela sua importância, além dos trabalhos de Cornelius et al. (1959), Simesen & Storm (1973) e Unglaub et al. (1973), as publicações apresentadas na Tab. 1.

 

 

No Brasil foram poucos os pesquisadores que se dedicaram ao estudo da atividade enzimática da AST e GGT no soro sangüíneo dos bovinos, estando os resultados obtidos nessas pesquisas consubstanciados na Tab. 2. Convém, ainda, destacar que nas inúmeras pesquisas conduzidas não há nenhuma que tenha utilizado bovinos da raça Jersey.

 

 

Dentre os fatores de variabilidade que influem sobre a atividade enzimática sérica da AST, e da GGT citados na literatura e destacados por Gregory (1995), caberia citar aqueles relacionados à espécie animal, à raça, à idade, ao sexo, ao sistema de criação e produção leiteira, assim como as variações da atividade enzimática sérica que ocorrem em doenças ou parasitoses hepáticas.

Como já foi referido, Cornelius et al. (1959) consideraram haver maior atividade enzimática da AST em bovinos adultos, semelhante à conclusão apresentada por Lopes & Ferreira Neto (1976) e Barros Filho (1995). Oliveira (1967/70) também observou, nos animais mais velhos, maior atividade da AST, porém esse autor destacou que os níveis máximos de AST foram obtidos nos bezerros com até 10 dias de idade, havendo uma diminuição desses valores no grupo de animais com um ano de idade para, a seguir, aumentarem nos animais mais velhos, com idades variando entre 3 e 10 anos. Barros Filho (1995), exceção feita ao grupo de bezerros com menos de 3 meses de idade, no qual observou que a atividade da GGT era consideravelmente maior, não observou influência de fatores etários sobre a atividade da GGT, relacionando os elevados valores observados em bezerros com menos de 3 meses à ingestão do colostro. A influência da ingestão do colostro sobre a atividade sérica da GGT de bezerros recém-nascidos já fora demonstrada por Bouda et al. (1980), os quais verificaram a ocorrência de um abrupto e significativo aumento da atividade sérica de GGT imediatamente após àquela ingestão.

O estudo sobre a influência dos fatores sexuais sobre a atividade enzimática sérica são escassos, e nessas pesquisas não foram observadas diferenças da atividade enzimática da AST e da GGT entre machos e fêmeas (Kaneko, 1989; Barros Filho, 1995). Da mesma forma, a leucose enzoótica dos bovinos parece não influenciar a atividade sérica da AST e GGT, uma vez que Hagiwara et al. (1986), ao realizarem estudos comparativos da constituição bioquímica do soro sangüíneo de gado leiteiro da raça Holandesa, não encontraram diferenças significativas entre os valores determinados em grupos de animais constituídos por bovinos infectados pelo vírus da leucose dos bovinos e por animais sadios.

A presente pesquisa teve o objetivo de estabelecer os valores de referência da aspartato-aminotransferase (AST) e da gama-glutamiltransferase (GGT) de bovinos da raça Jersey, criados no Estado de São Paulo, avaliando a influência dos fatores etários, sexuais e da infecção pelo vírus da leucose dos bovinos sobre esses parâmetros.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O material foi colhido de bovinos oriundos de rebanhos leiteiros da raça Jersey, negativos para tuberculose e brucelose, criados em sistema intensivo, de acordo com o manejo tradicional empregado nas propriedades produtoras de leite tipo B e C no Estado de São Paulo.

Para o estabelecimento dos valores de referência da atividade enzimática da AST e da GGT foram colhidas amostras de soro sangüíneo de 106 animais sadios do sexo feminino, constituindo-se, segundo a faixa etária, 7 grupos experimentais: 8 bezerras com até 3 meses de idade, 7 bezerras com idade entre 3 e 6 meses, 12 bezerras com idade entre 6 e 12 meses, 26 novilhas com idade entre 12 e 24 meses, 26 vacas com idade entre 24 e 48 meses, 17 vacas com idades entre 48 e 72 meses, 10 vacas com mais de 72 meses de idade, possibilitando, dessa forma, também uma avaliação da influência do desenvolvimento etário sobre os referidos parâmetros.

Para a avaliação da influência dos fatores sexuais colheram-se amostras de soro sangüíneo de 34 animais, sendo 17 machos sadios e 17 fêmeas sadias, com mais de 12 meses de idade, portanto não reagentes ao antígeno do vírus da leucose dos bovinos. Para a avaliação da influência da infecção pelo vírus da leucose dos bovinos sobre os parâmetros bioquímicos séricos estudados constituíram-se dois grupos experimentais de 47 fêmeas bovinas, com mais de 24 meses de idade, sendo um dos grupos constituído por animais sororeagentes ao VLB e outro por bovinos não reagentes.

As amostras de sangue foram colhidas mediante punção da veia jugular externa, sem garroteamento excessivo do vaso, utilizando-se Sistema Vacutainer, em tubos de vidro siliconizados e sem anticoagulantes, sendo as amostras mantidas à temperatura ambiente para facilitar a retração do coágulo e, a seguir, centrifugadas, com força real de centrifugação igual a 1000g, durante 15 minutos, para a ocorrência de uma adequada sinerese do coágulo, sendo o soro sangüíneo separado por aspiração e mantido e conservado em freezer a menos 20° C até a realização das provas.

A atividade enzimática sérica da aspartato-aminotransferase sérica foi determinada por meio de um teste cinético UV, utilizando-se kit comercial (Merck, artigo n°. 124.362), com leitura da atividade catalisadora efetuada em espectrofotômetro, com comprimento de ondas igual a 340nm, à temperatura de 25°C e os valores obtidos expressos em U/l, conforme preconizado pela Sociedade Alemã de Química Clínica - DGKC (1972) e Schmid & Forstner (1986).

A atividade enzimática sérica da gama-glutamiltransferase foi determinada por meio de um teste cinético colorimétrico, utilizando-se kit comercial (Merck, artigo n°. 125.938), com leitura da atividade catalisadora efetuada em espectrofotômetro, com comprimento de ondas igual a 405nm, à temperatura de 25°C, e valores obtidos expressos em U/l, conforme recomendações de Persijn & Slik (1976) e Schmid & Forstner (1986).

A pesquisa de anticorpos séricos antivírus da leucose dos bovinos foi feita pela prova de imunodifusão radial dupla de Ouchterlony, em gel de ágar, utilizando-se antígeno glicoprotéico (gp 51) da cápsula do vírus da leucose dos bovinos, segundo metodologia padronizada por Birgel (1982) e modificada por D'Angelino (1991).

Os resultados foram submetidos a análise de variância, sendo o contraste das médias analisado pelo teste de Duncan, ambos os testes com níveis de significância de 5% (P£ 0,05), conforme recomendam Berquó et al. (1981), utilizando para a realização dessa análise estatística o programa de computador SAS - Statistical Analysis System (SAS, 1985).

 

RESULTADOS

Em conformidade com os resultados apresentados na Tab. 3, os valores de referência da aspartato-aminotransferase (AST) e gama-glutamiltransferase (GGT) de bovinos leiteiros da raça Jersey criados no Estado de São Paulo, são: AST, 33,91±10,99U/l e GGT, 13,21±12,72U/l.

 

 

Os teores séricos de AST, apresentados na Tab. 4, variaram significativamente sob influência dos fatores etários, pois foi comprovado que os níveis séricos dessa enzima aumentaram com o evoluir da idade, sendo o valor mínimo verificado nas bezerras com até 3 meses de idade (26,39±22,17U/l) e o máximo em vacas Jersey com idade entre 48 e 72 meses de idade (38,60±11,24U/l). Durante o desenvolvimento etário foram observados dois pontos de diminuição não significativos, um para os bovinos com idade entre 12 e 24 meses (31,45±7,54U/l) e outro para aqueles com mais de 72 meses de idade (33,81±8,54U/l).

 

 

Os níveis séricos de GGT, apresentados na Tab. 4, foram máximos nas bezerras com até 3 meses de idade (31,15±38,70U/l). Em seguida, esses valores diminuíram abruptamente, atingindo valores mínimos no grupo de animais de 6 a 12 meses (8,70±2,40U/l). Nos demais grupos etários foram observadas pequenas oscilações.

Os níveis séricos de AST e GGT de bovinos da raça Jersey (Tab. 5 e 6), não sofreram influência significativa dos fatores sexuais ou da infecção pelo vírus da leucose dos bovinos.

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Os valores obtidos para a atividade enzimática da AST e da GGT dificilmente poderiam ser comparados com aqueles apresentados por pesquisadores que utilizaram unidades que não sejam as recomendadas pelo Sistema Internacional de Unidades, no caso dessas enzimas, a unidade por litro (U/l). Para apresentar os valores referidos na literatura compulsada, optou-se pela transformação das unidades empregadas para o Sistema Internacional (U/l). As transformações da Unidade Sigma Frankel–USF, (utilizada por Cornelius et al., 1959) e da Unidade Reitman–Frankel–URF (utilizada nas pesquisas de Oliveira, 1967-70); Bittencourt et al., 1971; Costa et al., 1974; Lopes & Ferreira Neto, 1976; Nicoletti et al., 1971; Jardim & Fichtner, 1981) seguiram as recomendações feitas por Benjamin (1976), isto é, para obter-se o valor em U/l essas unidades (USF e URF) foram multiplicadas por 0,48. Os dados das pesquisas cujos resultados foram expressos em mU/ml (Frahm et al., 1978; Marcos, 1980) não precisaram ser transformados, já que correspondem aos valores numéricos expressos em U/l.

A comparação dos resultados obtidos nesta pesquisa com aqueles referidos na literatura consultada deve ser analisada com ressalvas pois, além dos fatores de variabilidade citados por Gregory (1995) como espécie, raça, idade, sexo, sistema de criação e produção leiteira, associam-se fatores inerentes a diferenças de planejamento experimental. Face à inexistência de pesquisas que avaliem a atividade das transaminases em bovinos da raça Jersey, compararam-se os resultados obtidos com aqueles referidos em taurinos da raça Holandesa e zebuínos.

A atividade sérica AST, por estar dentro da amplitude de variação de um desvio padrão (entre 22,92 e 44,90U/l), foi considerada semelhante aos resultados obtidos por Bittencourt et al. (1971), Simesen & Storm (1973), Simesen & Nansen (1974), Costa et al. (1974), Jardim & Fichtner (1981), Hagiwara et al. (1986) e Barros Filho (1995) e parcialmente semelhantes aos resultados apresentados por Nicoletti et al. (1981), pois os valores referidos por esses autores para a raça Girolanda foram maiores do que os observados nesta pesquisa para a raça Jersey. Os valores obtidos no gado Jersey também foram maiores do que os apresentados por Cornelius et al. (1959) e Oliveira (1967/70) e menores do que os apresentados por Rico et al. (1977), Marcos (1980) e Otto et al. (1992). Ressalte-se que no trabalho de Lopes & Ferreira Neto (1976) a atividade enzimática da AST foi menor do que a obtida na presente pesquisa no grupo de bezerros com até 12 meses e maior nos animais com idade entre 1 e 2 anos e nos bovinos adultos.

A atividade sérica da GGT, por estar dentro da amplitude de variação de um desvio padrão (entre 0,49 e 25,93U/l), foi considerada semelhante aos resultados obtidos por Unglaub et al. (1973), Simesen & Nansen (1974), Gründer (1977), Rico et al. (1977), Frahm et al. (1978), Botelho et al. (1980), Hagiwara et al. (1986), Barros Filho (1995). Os valores obtidos nesta pesquisa foram menores do que os apresentados por Simesen & Storm (1973).

A análise dos resultados desta pesquisa com aqueles referidos na literatura permite afirmar e propor que, nas condições brasileiras, os valores da atividade sérica da AST, em bovinos sadios, não deveriam exceder 50U/l, enquanto para a GGT não deveriam ultrapassar 25U/l. Quando os valores da AST forem maiores do que 50U/l e menores do que 100U/l, não estando associados a um aumento nos valores da creatinina-quinase (CK), e os valores da GGT forem maiores do que 25U/l e menores do que 50U/l ficaria caracterizada uma alteração da função hepática, indicativo de que o fígado está sendo lesado ou sobrecarregado e, portanto, poderiam ser utilizados para o reconhecimento precoce de enfermidades no fígado. Nessas condições seriam recomendadas modificações no sistema de criação e produção, principalmente em relação ao manejo alimentar, pois só assim seria minimizada a incidência de distúrbios crônicos do fígado e o conseqüente descarte precoce do animal afetado. Quando os valores da AST forem maiores do que 100U/l, não estando associados ao aumento nos valores da creatinina-quinase (CK), e os valores da GGT forem maiores do que 50U/l estaria caracterizada a insuficiência hepática aguda do bovino examinado.

A influência dos fatores etários sobre a atividade da AST, mencionada na literatura por Cornelius et al. (1959), Oliveira (1967-70), Lopes & Ferreira Neto (1976) e Barros Filho (1995), é caracterizada por um aumento da atividade dessa enzima com o evoluir da idade, sendo esse fenômeno, conforme pode ser verificado nesta pesquisa, também, observado nos bovinos da raça Jersey. Em relação à atividade enzimática da GGT, observou-se um comportamento oposto ao descrito para a AST, tendo-se verificado uma diminuição abrupta da atividade da GGT nos animais com mais de 3 meses de idade. Essas variações nos teores séricos da GGT se assemelham às descritas por Barros Filho (1995), para animais da raça Nelore, e estão relacionadas, como anteriormente descrito por Bouda et al. (1980), à ingestão de colostro.

A atividade da AST e GGT de bovinos da raça Jersey não sofreu influência dos fatores sexuais. Dessa forma, demonstrou-se a validade, para a raça Jersey, das afirmações anteriores de Kaneko (1989) e Barros Filho (1995) relativas à ausência de influência dos fatores sexuais sobre atividade das transaminases.

Finalizando, a infecção pelo vírus da leucose dos bovinos não influiu sobre a atividade enzimática sérica da aspartato-aminotransferase (AST) e da gama-glutamiltransferase (GGT), confirmando assim as observações anteriores feitas por Hagiwara et al. (1986), na única pesquisa que havia estudado o tema, ampliando as informações sobre o assunto ao demonstrar que as observações anteriores feitas em bovinos da raça Holandesa também são válidas para bovinos da raça Jersey.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARROS FILHO, I.R.; Contribuição ao estudo da bioquímica clínica em zebuínos da raça Nelore (Bos Indicus, Linnaeus 1758) criados no Estado de São Paulo. São Paulo: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, 1995. 132p. (Dissertação, Mestrado)         [ Links ]

BENJAMIN, M.M. Outline of veterinary clinical pathology. 4.ed., Des Moines: Iowa State University Press, 1976. p.36-42.        [ Links ]

BERQUÓ, E.S., SOUZA, J.M.P., GOTLIEB, S.L.D. Bioestatística. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1981.         [ Links ]

BIRGEL, E.H. Leucose linfática enzoótica dos bovinos adultos: aspectos clínicos e diagnóstico. In: BIRGEL, E.H., BENESI, F.J. Patologia clínica veterinária, São Paulo, Sociedade Paulista de Medicina Veterinária, 1982. p.249-260.        [ Links ]

BITTENCOURT, C.F., BERTOLDO, C., ALBUQUERQUE, A.J.D. et al. Bos taurus. IV - Níveis de transaminases séricas. Rev. Centro Ciênc. Rurais, v.1, p.139-142, 1971.        [ Links ]

BOTELHO, G.G., NASCIMENTO, S.C.A.G., SILVEIRA, J.M., et al. Gama-glutamil-transferase em bovinos de abate. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 17, 1980. Fortaleza. Resumos..., Fortaleza: SBMV, 1980. p.30.         [ Links ]

BOUDA, J., DVORAK, V., MINSKSOVA, R. et al. The activities of got, gamma-gt, alkaline phosphatase in blood plasma of cows and their calves fed buckts. Acta Vet. Brno, v.49, p.193-198, 1980.        [ Links ]

CORNELIUS, C.E., BISHOP, J., SWITZER, J. et al. Serum and tissue transaminase activities in domestic animals. Cornell Vet., v.49, p.116-26, 1959.        [ Links ]

COSTA, R.R., VIANA, E.S., CAMPOS, J.M. et al. Dosagem de algumas enzimas no soro e o teste de retenção da bromosulfaleína em bezerros normais. Arq. Esc. Vet. Univ. Fed. Minas Gerais, v.26, p.85-88, 1974.        [ Links ]

D’ANGELINO, J.L. Leucose enzoótica dos bovinos. Estudo retrospectivo da performance produtiva e reprodutiva de animais infectados e não infectados. São Paulo: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, 1991. 123p. (Tese, Livre-Docência)..        [ Links ]

DGKC, EMPFEHLUNGEN DER DEUTSCHEN GESELLSCHAFT FÜR KLINISCHE CHEMIE. Standardisierung von Methoden zur Bestimmung von Enzymaktivitäten in biologischen Flüssigkeiten. Experimentelle Begründung der optimierten Standard-Bedingungen.. Zeintung für Klinisch Chemie und Klinisch Biochemie, v.10, p.182-192, 1972.        [ Links ]

FRAHM, K., GRAF, F., KRÄUSSLICH, H. et al. Enzymaktivitäten in Rinderorganen. II. Organalysen bei Holstein Freisian Kühen. Zentralbl. Veterinärm., v.25, p.297-306, 1978.        [ Links ]

GREGORY, L. Valores padrões de referência de parâmetros bioquímicos séricos utilizados na avaliação das funções hepática e renal de bovinos, da raça Jersey, criados no Estado de São Paulo. Influência de fatores etários, sexuais e da infecção pelo Vírus da Leucose dos Bovinos. São Paulo: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, 1995. 161p. (Dissertação, Mestrado).        [ Links ]

GRÜNDER, H.D. La signification diagnostique de quelques enzymes sériques chez les bovins. Point Vét., v.6, p.49-55, 1977.        [ Links ]

HAGIWARA, M.K., MIRANDOLA, R.M.S., BENESI, F.J. et al. Avaliação dos níveis séricos de aspartato aminitransferase (AST), fosfatase alcalina (FA), gama glutamil transferase (GGT), e bilirrubinas séricas em bovinos normais ou infectados pelo vírus da leucose bovina (VLB). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 20, 1986, Cuiabá. Anais..., Cuiabá: SBMV, 1986, p.135.        [ Links ]

JARDIM, E.C., FICHTNER, S.S. Níveis séricos de transaminase glutâmica-oxalacética (GOT) e transaminase glutâmica-pirúvica (GPT) em bovinos do Estado de Goiás. Anais Esc. Agron. Vet., v.11, p.19-28, 1981.        [ Links ]

LOPES, H.O.S., FERREIRA NETO, J.M. Níveis de transaminase glutâmica oxalacética no soro sangüíneo de bovinos criados no cerrado. Arq. Esc. Vet. UFMG, v.8, p.267-71, 1976.        [ Links ]

KANEKO, J.J. Clinical biochemistry of domestic animal, 4.ed., San Diego: Academic Press, 1989. 932 p.        [ Links ]

MARCOS, E.R. Determination de parametros sangüineos relacionados con el funcionamento hepático en ganado lechero II. Proteínas totales, albumina y globulinas. Gaceta Vet., v.44, n.367, p.49-56, 1980.        [ Links ]

NICOLETTI, J.L.M., KOHAYAGAWA, A., GANDOLFI, W. et al. Alguns teores de constituintes séricos e hemograma em vacas da raça Gir, Holandês Preto e Branco e Mestiças (Girolanda), na região de Botucatu-SP. Arq. Esc. Vet. UFMG, v.33, p.19-30, 1981.        [ Links ]

OLIVEIRA, E.B. Níveis das transaminases glutâmico pirúvica e glutâmico oxalacética no soro de bovinos Hosltein-Friesian. Arq. Biol. Tecnol., v.13, p.5-19, 1967-70.        [ Links ]

OTTO, F., IBANEZ, A., CABALLERO, B. et al. Blood profile of Paraguayan cattle in relation to nutrition, metabolic state, management and race. Isr. J. Vet. Med., v.47, p.91-99, 1992.        [ Links ]

PERSIJN, J.P., SLIK, W. A new methode for the determination of gamma-glutamyltransferase in serum. J. Clin. Chem. Clin. Biochem., v.14, p.421-427, 1976.        [ Links ]

RICO, A.G., BRAUN, J.P. BENARD, P. et al. Blood and tissue distribuition of gamma glutamyl transferase in the cow. J. Dairy Sci., v.60, p.1283-5, 1977.        [ Links ]

SAS. User's guide: Statistics. Cary: SAS Institute, 1985, 956p.        [ Links ]

SCHMID, M., FOSTNER, L.A. Laboratorie testing in veterinary medicine diagnosis in the clinical monitoring. Mannheim: Boehringer, 253p. 1986.        [ Links ]

SIMESEN, M.G., NANSEN, P. Serum gama glutamiltranspeptidase (GGT) and aspartate-aminotransferase (AST) activities in adult cattle with chronic Fasciola hepatica infeccion. Acta Vet. Scand., v.15, p.239-43, 1974.        [ Links ]

SIMESEN, M.G., STORM, P. The diagnostic value of gama-GT estimations on blood samples collected in conjuction with exsanguination of cattle. Acta Vet. Scand., v.14, p.758-760, 1973.        [ Links ]

UNGLAUB, W., AFSCHAR, A., MARX, D. Die Aktivität der GGT (gamma-glutayltranspeptidase) im Serum des Rindes. Deuts. Tierärztl. Wochensch., v.80, p.131-34, 1973.        [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License