SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue3Correlation between milk somatic cell counting of samples prepared with two detergents, and analyzed by the SomacountArterial heterotopic homograft in the femoral artery of dogs author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.52 n.3 Belo Horizonte June 2000

https://doi.org/10.1590/S0102-09352000000300009 

COMUNICAÇÃO

(Communication)

Perfil hematológico de ratas castradas e intactas induzidas experimentalmente ao hipertireoidismo

[Blood profile of intact and castrated female rats with experimentally induced hyperthyroidism]

 

R.A. Carneiro, R. Serakides, C.M. Sousa, V.A. Nunes, E.F. Nascimento

Escola de Veterinária UFMG
Caixa Postal 567
30123-970 - Belo Horizonte, MG

 

Recebido para publicação, após modificações, em 7 de janeiro de 2000.
Apoio financeiro: FAPEMIG

 

 

A tireóide controla o metabolismo geral e os requisitos de oxigênio do organismo. Ainda permanece obscuro o mecanismo pelo qual a tiroxina (T4) estimula a eritropoiese. Acredita-se que a T4 atue diretamente na medula óssea estimulando a eritropoiese ou indiretamente estimulando as células da mácula densa a sintetizarem eritropoietina (Peterson, 1995).

Apesar de a maioria das ações dos hormônios tireoidianos já ser conhecida, seus efeitos sobre o sistema hematopoiético ainda necessitam ser esclarecidos, porquanto são conflitantes as descrições das alterações hematológicas encontradas em pacientes com disfunções tireoidianas (Peterson, 1995). Gatos com hipertireoidismo podem manifestar eosinopenia e linfopenia, mas há controvérsia a respeito de alterações no eritrograma de animais com hipertireoidismo (Peterson, 1995). No entanto, 25 a 40% dos cães com hipotireoidismo apresentam anemia não regenerativa (Chastin & Panciera, 1995).

Além dos hormônios tireoidianos, o estrógeno e a testosterona também parecem desempenhar algum papel ainda não elucidado sobre a hematopoiese. A literatura aponta que o homem possui cerca de 700.000 eritrócitos por milímetro cúbico a mais que a mulher e que, quando são injetadas quantidades normais de testosterona no adulto castrado, o número de eritrócitos por milímetro cúbico de sangue aumenta de 15 a 20% (Guyton & Hall, 1996). No entanto, o efeito dos hormonios sexuais femininos sobre a eritropoiese carece de esclarecimento. Em decorrência da falta de informações e dos dados divergentes apresentados pela literatura, este estudo teve por objetivo apontar alterações no eritrograma e no leucograma de ratas castradas ou intactas com hipertireoidismo, a fim de elucidar o papel desses hormônios sobre o perfil hematológico.

Foram utilizadas 108 ratas Wistar com cinco meses de idade, alojadas em caixas plásticas (cinco/caixa) recebendo a mesma ração (22% de proteína, 1,4% de cálcio e 0,6% de fósforo) e água ad libitum. Cada grupo era formado por 27 ratas, sendo o grupo 1 constituído por animais hipertireoideos intactos, o grupo 2 por animais hipertireoideos castrados, o grupo 3 por animais eutireoideos castrados e o grupo 4 por animais eutireoideos intactos. O tratamento dos grupos, com tiroxina ou placebo, foi iniciado sete dias após a castração. Os animais foram induzidos ao hipertireoidismo mediante administração diária, por sonda gástrica, de 200 mg/kg p.v. de tiroxina, diluída em 5ml de água destilada. Os animais dos grupos eutireoideos castrado e intacto receberam 5ml de água destilada também administrada diariamente por sonda gástrica. Após o início da administração da tiroxina, nove animais de cada grupo foram sacrificados aos 30, 60 e 90 dias.

No momento do sacrifício foram realizadas colheitas de sangue em tubos com heparina para determinação do número de eritrócitos, do volume globular (VG), da concentração de hemoglobina e do número global de leucócitos. Foram também determinados os índices hematimétricos representados pelo volume globular médio (VGM), pela hemoglobina globular média (HGM) e pela concentração de hemoglobina globular média (CHGM). Para confirmação do estado hipertireoideo foi realizada a dosagem de tiroxina livre por quimioluminescência, segundo protocolo do kit comercial (Access Immunoassay System Sanofi Diagnostics Pasteur Inc., Chaska, MN, USA). O delineamento utilizado foi o inteiramente ao acaso com esquema fatorial 4´3 (grupo ´ período).

Os animais pertencentes aos grupos hipertireoideos castrado e intacto apresentaram concentrações de tiroxina significativamente maiores quando comparados aos grupos eutireoideos castrado e intacto. De acordo com os resultados do eritrograma, não foram observadas alterações significativas entre os grupos. Todos eles apresentaram aumento estatisticamente significativo do VG, VGM, HGM e da CHGM ao longo dos três meses de observação, mas o número de eritrócitos permaneceu inalterado. É provável que essa variação esteja relacionada com o aumento da idade dos animais, não sendo devido ao efeito da castração ou do hipertireoidismo. Peterson (1995) relata que a contagem de eritrócitos, o volume globular e a concentração de hemoglobina no hipertireoidismo podem estar normais ou levemente elevados. No entanto, Robbins et al. (1974) descrevem alterações pouco significativas do hematócrito, da hemoglobina e do número de eritrócitos em pacientes hipertireoideos similares ao observado neste estudo.

Quanto à contagem global dos leucócitos não foi verificada nenhuma diferença significativa entre os grupos, mas houve diminuição gradativa e estatisticamente significativa do número total de leucócitos no decorrer dos três meses em todos os grupos. Esse achado também pode estar relacionado com o aumento da idade dos animais, uma vez que, segundo Jain (1986), o número de leucócitos diminui em animais mais velhos. Com base nos resultados deste estudo, conclui-se que a castração ou o hipertireoidismo não alteram as variáveis estudadas.

Palavras-chave: Rato, hematologia, castração, hipertireoidismo

 

 

ABSTRACT

The changes of red and white blood cells counts in intact and castrated rats with hyperthyroidism were analysed. A total of 108 five-month-old female Wistar rats, divided into four groups, were used as following: euthyroid castrated, euthyroid intact, hyperthyroid castrated and hyperthyroid intact. Nine animals of each group were killed at 30, 60 and 90 days to evaluate the red and white blood cells counts. The conclusion was that castration or hyperthyroidism did not affect both the red and white blood cells.

Keywords: Rat, hematology, castration, hyperthyroidism

 

 

AGRADECIMENTO

À Mardelene Geísa Gomes pelo auxílio na colheita do material para exame hematológico.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHASTIN, C.B., PANCIERA, D.L. Hypothyroidism diseases. IN: ETTINGER, S.J., FELDMAN, E.C. Textbook of veterinary internal medicine. 2ed. Philadelphia: WB Saunders, 1995, p.1487-1501.        [ Links ]

GUYTON, A.G., HALL, J.E. Textbook of medical physiology. 9.ed. Philadelphia: W.B.Saunders, 1996, 1148p.        [ Links ]

JAIN, N.C. Schalm’s veterinary hematology. 4.ed. Philadelphia: Lea & Febiger, 1986, 1221p.

PETERSON, M.E. Hyperthyroidism diseases. In: ETTINGER, S.J., FELDMAN, E.C. Textbook of veterinary internal medicine. 2.ed. Philadelphia: WB Saunders, 1995, p. 1466-1487.        [ Links ]

ROBBINS, J. RALL, J.E., GORDEN, P. The Thyroid and Iodine Metabolism. IN: BONDY, K.P, ROSENBERG, L.E. Diseases of metabolism: endocrinology. Philadelphia: W.B.Saunders, 1974, p.1009-1104.        [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License