SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.52 issue5Clinical diagnosis and alternative surgical treatment of tetralogy of Fallot in a dog. A case reportProfile of blood components at immediate puerperium of ewes submitted to cesarean section and of those which had normal parturition author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.52 n.5 Belo Horizonte Oct. 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352000000500004 

COMUNICAÇÃO

(Communication)

Acurácia do exame citológico no diagnóstico de processos inflamatórios e proliferativos dos animais domésticos

(Accuracy of cytological exam for diagnosis of inflammatory and proliferative process in domestic animals)

 

R.M.C. Guedes1, K.G.B. Zica1, M.I.M. Coelho-Guedes1, S.R. Oliveira2

1Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais
Caixa Postal 567
30123-970 – Belo Horizonte, MG
2Departamento de Veterinária da UFLA

 

Recebido para publicação, após modificações, em 16 de junho de 2000.
Trabalho financiado pela Pró-Reitoria de Pesquisa da UFMG
Endereço para correspondência:
2049 Knapp Ave. #W4
Saint Paul/MN 55108 - USA
E-mail: gued0001@tc.umn.edu

 

 

A citologia foi primeiramente utilizada, em 1930, em pacientes internados no New York Memorial Hospital for Cancer and Allied Diseases, para o diagnóstico de tumores malignos. Com o sucesso da técnica, cresceu sua utilização e, atualmente, ela é adotada como rotina na medicina humana. Na medicina veterinária, os primeiros trabalhos datam da década de 80, mostrando sua utilização no diagnóstico de desordens neoplásicas, hiperplásicas, inflamatórias e degenerativas em cães e gatos (Duncan & Prasse, 1979; Seybold et al., 1982; Else, 1984; Menard et al., 1986).

As principais vantagens do exame citológico são a rapidez (Guedes et al., 1997), a simplicidade e o baixo custo, pois não envolve equipamentos sofisticados. Quando usada a técnica de punção aspirativa com agulha fina, a coleta do material é pouco invasora, prevenindo a ocorrência de metástases pelos tumores malignos (Kristensen & Feldman, 1986; Peleteiro & Rodrigues, 1991; Clinkenbeard & Cowell, 1994; Larkin, 1994). Sua maior limitação é a impossibilidade de demonstrar a arquitetura do tecido ou órgão alterado, impedindo o estudo da forma, estrutura e relação das lesões (Stirtzinger, 1988; Wellman, 1990).

O objetivo deste trabalho foi verificar a acurácia do exame citológico no diagnóstico de lesões proliferativas e inflamatórias de animais domésticos, confirmada pelo exame histopatológico.

Foram selecionados, de casos clínicos e de necropsia atendidos no Hospital Veterinário da Escola de Veterinária da UFMG, animais portadores de lesões nodulares em um ou mais órgãos ou de linfonodos superficiais aumentados de volume. O estudo abrangeu 90 animais, sendo 80 cães, quatro felinos, três caprinos, dois bovinos e um eqüino.

Para citologia, o material foi colhido pela técnica de punção aspirativa com agulha fina ou pela impressão de tecidos, obtidos por biópsia ou à necropsia, sobre lâmina de vidro para microscopia (Tvedten, 1981; Meyer & Franks, 1986a,b; Valli, 1988; Mills, 1989; Guedes et al., 1997; Cowell et al., 1999). Após fixação com álcool metílico, o material foi corado pela técnica de May-Grünwald/Giemsa e analisado pelos critérios recomendados por Tvedten (1981). Para histologia, foram utilizados fragmentos dos mesmos tecidos analisados à citologia, colhidos por biópsia ou à necropsia, fixados em formalina 10%, neutra e tamponada, e processados pela técnica rotineira de inclusão em parafina e coloração por hematoxilina-eosina (Luna, 1968). Seções selecionadas foram, quando necessário, coradas por técnicas especiais, como Giemsa e Tricrômio de Masson.

Pelo exame citológico, os processos patológicos foram inicialmente classificados em inflamatórios, agudo ou crônico, e proliferativos, benigno ou maligno. Em seguida, classificados segundo a característica morfológica, tentando se chegar a um diagnóstico específico. Os critérios de concordância entre citologia e histopatologia basearam-se na coincidência de diagnóstico dos processos patológicos gerais (inflamatório e proliferativo) e na coincidência de processos que puderam ser morfologicamente especificados à citologia.

O diagnóstico citológico esteve de acordo com o histopatológico em 75 dos 90 casos estudados, correspondendo a uma eficiência de 83.3% (Tab. 1). Considerando apenas os tumores de células redondas, este índice aumenta para 95% (Tab. 2), superior ao encontrado por Duncan & Prasse (1979). Esses tumores, segundo Duncan & Prasse (1979), têm características que são mais facilmente definidas pela citologia do que pela histologia, principalmente se se levar em consideração, para o diagnóstico definitivo, o histórico e os achados clínicos do animal acometido.

 

Tabela 1. Frequência de diagnóstico citológico coincidentes (C) e discordantes (D) com os diagnósticos hispatológicos, por órgão ou conjunto de tecidos

Freqüência (%): Freqüência relativa de diagnósticos coincidentes (%)

 

 

Tabela 2. Frequência de diagnóstico citológicos coincidentes (C) e discordantes (D) com os diagnósticos histopatológicos de tumores de células redondas

Freqüência (%): Freqüência relativa de diagnósticos coincidentes (%)

 

A boa concordância obtida nos osteossarcomas pode ser explicada pelas características peculiares dos osteoblastos que, apesar de serem células de origem mesenquimal, apresentam morfologia distinta. Enquanto as células mesenquimais apresentam estrutura fusiforme com citoplasma escasso (Stirtzinger, 1988), os osteoblastos possuem forma arredondada volumosa, com citoplasma basofílico amplo e núcleo róseo ovóide. As alterações nucleares são evidentes como macronucléolos, vários nucléolos por célula e células binucleadas. Em alguns casos é possível observar osteóides à citologia.

Embora tenha havido 15 casos de discordância entre o diagnóstico citológico e o histopatológico, todos envolvendo processos proliferativos, não houve discordância quanto às características de benignidade e malignidade. Em apenas sete casos diagnosticados como benignos à citologia o diagnóstico histopatológico revelou o contrário. A maioria deles (cinco) era de tumores de mama, que normalmente revelam resultados inconclusivos à citologia (Allen et al., 1986), principalmente se se tratarem de tumores mistos ou ulcerados, contendo muitas células inflamatórias, ou císticos.

Conclui-se que o exame citológico é um método de diagnóstico valioso nos casos de processos proliferativos em animais doméstico, particularmente em casos de tumores de células redondas.

Palavras-Chave: Animal, citologia, histologia, diagnóstico

 

 

ABSTRACT

The purpose of this study was to demonstrate the importance and accuracy of cytology as a diagnostic method for proliferative and inflammatory processes in domestic animals. The cytology samples were collected by biopsy or during necropsy, using fine needle aspiration or imprint techniques in 80 dogs, 4 cats, 3 goats, 2 cows and 1 horse. Histopathology of formalin fixed tissues processed by the routine embedding paraffin technique was used as a confirmatory diagnostic test. Cytology results agreed with histopathological findings in 75 (83.3%) cases. They held higher accord in round cell tumor cases. Therefore, this study shows that cytology is a valuable diagnostic method for diagnosis of proliferative process in domestic animals, especially for round cells tumors.

Key words: Animal, cytology, histology, diagnosis

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALLEN, S.W., PRASSE, K.W., MAHAFFEY, E.A. Cytologic differentiation of benign from malignant canine mammary tumors. Vet. Pathol., v.23, p.649-655, 1986.        [ Links ]

CLINKENBEARD, K.D., COWELL, R.L. Características citológicas de las neoplasias malignas. Waltham Focus, v.4, p.2-8, 1994         [ Links ]

COWELL, R.L., TYLER, R.D. MEINKOTH, J.H. Diagnostic cytology and hematology of the dog and cat. 2.ed. St. Louis: Mosby. 1999        [ Links ]

DUNCAN, JD, PRASSE, K.W. Cytology of canine cutaneous round cell tumors. Vet. Pathol., v.16, p.673-679, 1979        [ Links ]

ELSE, R.W. Exfoliative cytology in small animals. Vet. Ann., n.24, p.297-303, 1984        [ Links ]

GUEDES, R.M.C., NOGUEIRA, R.H.G., TUDURY, E.A. Diagnóstico citológico de lesões proliferativas e inflamatórias através da técnica de punção de tecidos com agulha fina. Hora Vet., n.96, 1997        [ Links ]

KRISTENSEN, A., FELDMAN, B.F. Cytology in veterinary practice. Nord. Veterinaermed., v.38, p.321-332, 1986        [ Links ]

LARKIN, H.A. Veterinary cytology. Differentiation of malignant lymphoma and other tumours of animals. Ir. Vet. J., v.47, p.161-167, 1994        [ Links ]

LUNA, L.G. Manual of histologic staining methods of the Armed Forces Institute of Pathology. 3.ed. New York: Mc Graw, 1968, 258p.        [ Links ]

MÉNARD, M., FONTAINE, M., MORIN, M. Fine needle aspiration biopsy of malignant tumours in dogs and cats: A report of 102 cases. Can. Vet. J., v.27, p.504-510, 1986        [ Links ]

MEYER, D.J., FRANKS, P. Clinical cytology. Part I: Management for tissue specimens. Mod. Vet. Pract., v.67, p.255-259, 1986a        [ Links ]

MEYER, D.J., FRANKS, P. Clinical cytology. Part II: Cytologic characteristics of tumours. Mod. Vet. Pract., v.67, p.440-445, 1986b        [ Links ]

MILLS, W. Lymph node cytology. Vet. Clin. North Am. Small Anim. Pract., v. 19, p. 697-717, 1989        [ Links ]

PELETEIRO, M. C., RODRIGUES, A.I.P. O exame citológico em medicina veterinária. Punção aspirativa com agulha fina. Vet. Téc., n.2, p.30-36, 1991        [ Links ]

SEYBOLD, I., GOLDSTON, R.T., WIKES, R.D. Exfoliative cytology. Vet. Med. Small Anim. Clin., v.77, p.1029-1033, 1982        [ Links ]

STIRTZINGER, T. The cytologic diagnosis of mesenchymal tumours. Sem. Vet. Med. Surg. Small Anim., v. 3, p. 157-166, 1988        [ Links ]

TVEDTEN, H. Cytology of neoplastic and inflamatory masses. In: WILLARD, M.D., TVEDTEN, H., TURNWALD, G.H. Small animall. clinical diagnosis by laboratory methods. 21.ed. Philadelphia: W.B. Saunders, 1981. p.327-348        [ Links ]

VALLI, V.E.D. Techniques in veterinary cytopathology. Sem. Vet. Med. Surg. Small Anim., v.3, p.85-93, 1988        [ Links ]

WELLMAN, M.L. The cytologic diagnosis of neoplasia Vet. Clin. North Am. Small Anim. Pract., v.20, p.919-937, 1990        [ Links ]