SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue1Ultrasonography study of the post-partum uterine involution in bitchesThe effect of Prostaglandin (PGF2alpha) injection in the early post partum period on the incidence of retained placenta in dairy cows author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.54 no.1 Belo Horizonte Feb. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352002000100004 

Efeito regulatório de flavonóides e de carmim nos níveis de lipídeos em ratos Wistar

[Regulatory effect of flavonoids and carmin colorant dye on the lipid levels in Wistar rats]

 

T.T. Oliveira1, W.L. Pereira1, T.J. Nagem2*, A.S. Pinto1, C.A. Santos1

1Universidade Federal de Viçosa
2Departamento de Química da Universidade Federal de Ouro Preto
Campus, Morro do Cruzeiro
35400-000 - Ouro Preto, MG

 

Recebido para publicação em 9 de agosto de 2000.
Recebido para publicação, após modificações, em 13 de junho de 2001.
*Autor para correspondência
E-mail tjnagem.bh@zaz.com.br

 

 

RESUMO

Estudou-se a ação de biochanina A isolada e em associação com os corantes naturais antocianina e carmin sobre o metabolismo lipídico de ratos. Foram dosados colesterol, colesterol-HDL e triacilgliceróis após administração de duas doses dos compostos isoladamente e em misturas, sendo a primeira imediatamente após a administração do triton e a segunda 20 horas depois. O sangue foi analisado 43 horas após a administração do triton. Os resultados mostraram que a associação biochanina A + antocianina e biochanina A + carmin apresentaram os melhores resultados para colesterol total e triacilglicerol.

Palavras-chave: Rato, hiperlipidemia, biochanina A, antocianina, carmin, colesterol

 

ABSTRACT

The effects of biochanin A, isolated or in association with the natural dyes anthocyanin and carmin, on the metabolism of lipids in rats were investigated. The compounds, dissolved in propylene glycol, were given intraperitoneally using two doses of 5mg/kg of body weigth. The first dose of these substances was given after using triton to induce high levels of blood lipids, and the second dose was given 20 hours later. Cholesterol, cholesterol-HDL, and triacylglyceriols were measured in the blood 43 hours after inoculation. Results showed that the association biochanin A + anthocyanin, and biochanin A + carmin resulted in the largest reduction of blood cholesterol and triacylglycerols.

Keywords: Rat, blood lipid concentration, biochanin A, anthocyanin, carmin, cholesterol

 

 

INTRODUÇÃO

Nas hiperlipidemias causadoras de problemas cardíacos há elevação das concentrações de colesterol e triacilgliceróis e diminuição da concentração de colesterol-HDL. Nessa situação podem ocorrer infartos do miocárdio.

O uso de drogas hipocolesterolêmicas é bastante freqüente para prevenir as desordens do miocárdio, principalmente as drogas seqüestrantes de sais biliares como a colestiramina e o colestipol, e as drogas inibidoras de HMGCoA redutase como a lovastatina que reduzem as concentrações plasmáticas de colesterol-LDL (Quintão, 1994). O uso associado de drogas é um recurso largamente utilizado na clínica médica, visando alcançar melhores efeitos, diminuir possíveis efeitos colaterais e apresentar menor custo/benefício.

A biochanina A, que possui efeito estrogênico em camundongos, transforma-se em genisteína por desmetilação e apresenta as mesmas propriedades estrogênicas (Harborne, 1982).

Efeitos ansiolíticos causados por flavonóides em camundongos, segundo Medina et al. (1998), devem-se ao fato deles se ligarem a receptores benzadiazepínicos no sistema nervoso central, o que parece bastante interessante, uma vez que a ansiedade leva ao aumento da pressão arterial, e este é um dos fatores de risco para o aparecimento de problemas cardíacos. Outras ações dos flavonóides estão relacionadas a agentes antiplaquetários e antitrombóticos, à redução da atividade de lipoxigenase e ciclooxigenase e à ação antioxidante (Gryglewski et al., 1987).

Corantes naturais também possuem algumas atividades farmacológicas, ademais de sua utilização em alimentos.

As antocianinas extraídas de casca de uva, também pertencentes à classe dos flavonóides, estão incluídas no grupo de pigmentos de ocorrência natural, responsáveis pela coloração azul, vermelha, violeta e púrpura de muitas espécies do reino vegetal (Stringheta, 1992). Possuem propriedades hipolipidêmicas (Valente, 1998) e já foram utilizadas na prevenção da fragilidade capilar, no tratamento de problemas microcirculatórios e na prevenção de tromboses (Morazzoni & Magistretti, 1986; Timberlake & Henry, 1988).

O carmim é um pigmento vermelho cujo principal cromóforo é o ácido carmínico (Guimarães, 1987; Vieira, 1996). O carmim e a laca de alumínio ou cálcio-alumínio são obtidos de um extrato aquoso (Takahashi, 1987; Freund & Washam, 1988) ou extrato seco (Ghiraldini, 1994) das fêmeas dessecadas do inseto Dactylopius coccus (Guimarães, 1987; Takahashi, 1987), que se desenvolve numa planta (Coccus cacti), comum em regiões quentes de baixa precipitação pluviométrica como o norte do Peru, Bolívia, Chile, Ilhas Canárias, México, Equador e América Central (Lauro, 1991; Bobbio & Bobbio, 1992; Mascarenhas, 1998). O Coccus cacti, planta hospedeira desse inseto, também conhecida como cochonilha, é usada no tratamento de bronquites e cálculos renais.

O carmim apresenta a propriedade de fixar-se em proteínas, o que o torna útil na coloração de produtos à base de leite, como iogurtes, sorvetes, bebidas lácteas, bem como em revestimentos de produtos farmacêuticos (Lauro, 1995), e não apresenta efeitos toxicológicos, mutagênicos e carcinogênicos (Parkinson & Brown, 1981).

Este trabalho teve por objetivo avaliar os possíveis efeitos de biochanina A e dos corantes naturais antocianina e carmim em ratos hiperlipidêmicos, com a finalidade de obter novos fármacos para o tratamento de hiperlipidemia.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Para a realização dos ensaios biológicos foram utilizados ratos machos, da raça Wistar, provenientes do Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Viçosa, com média de peso de 200±20g, que receberam ração comercial Labina e água à vontade durante o experimento. Os animais, submetidos a um período de adaptação de cinco dias, foram alojados em gaiolas individuais e em ambiente arejado com controle de claro e escuro de 12 horas cada, antes de se iniciarem os tratamentos. Neste trabalho foram constituídos sete grupos com seis animais cada, distribuídos ao acaso, os quais receberam os seguintes tratamentos: grupo 1 - somente ração; grupo 2 - ração + triton; grupo 3 - ração + triton + biochanina A; grupo 4 - ração + triton + antocianina; grupo 5 - ração + triton + carmim; grupo 6 - ração + triton +biochanina A + antocianina; grupo 7 - ração + triton + biochanina A + carmim.

Todos os animais receberam duas doses das substâncias ensaiadas segundo o protocolo experimental.

Para induzir a hiperlipidemia foi administrado por via intraperitoneal triton WR 1339, também conhecido por tyloxapol, que tem ação detergente, na dose de 300mg/kg de peso corporal. Essa dose tem sido utilizada em trabalhos experimentais para causar hiperlipidemia em animais (Sharma, 1979).

A primeira dose do flavonóide biochanina A e dos corantes naturais antocianina e carmim isoladamente e em associação do flavonóide com os corantes naturais foi administrada imediatamente após a aplicação do triton e a segunda 20 horas depois, ambas de 5mg/kg de peso corporal e por via intraperitoneal, tendo sido usado o propileno glicol como veículo. Decorridas 23 horas da última administração, os animais foram anestesiados com éter etílico por via inalatória, e por punção cardíaca foram colhidas as amostras de sangue. As amostras foram centrifugadas a 7100×g, durante 15 minutos para obtenção do soro. As dosagens sorológicas para colesterol e triacilgliceróis foram feitas pelo método enzimático de Henry (1982) e para colesterol-HDL pelo método de Lima et al. (1995). Para as quantificações utilizou-se espectrofotômetro da marca Hitachi.

O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com sete tratamentos em seis repetições. Usou-se o teste de Tuckey que faz contrastes não ortogonais de comparação de duas médias entre si, e permite estabelecer a diferença mínima significativa, ou seja, a menor diferença de médias de amostras que deve ser tomada como estatisticamente significativa em determinado nível. Usou-se também o teste de Dunett, que utiliza contrastes não ortogonais e compara cada média apenas com a testemunha e é feito quando as únicas comparações que interessam ao experimentador são aquelas realizadas entre um determinado tratamento padrão, geralmente a testemunha, e cada um dos demais tratamentos, não havendo interesse na comparação dos demais tratamentos entre si.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados obtidos para colesterol, colesterol-HDL e triacilgliceróis são mostrados na Tab. 1 com as respectivas percentagens de variação.

 

 

Para colesterol observa-se que os melhores resultados foram os dos grupos 6 e 7, cujas percentagens de redução foram da ordem de 64,8 e 59,9%, respectivamente, quando comparados com os do grupo 2 (controle) no teste de Dunnet.

Para os níveis de colesterol-HDL, embora as diferenças sejam estatisticamente não significativas entre grupos, o grupo 3 foi o que apresentou a maior elevação em relação ao grupo 2. Considerando-se seu efeito biológico, deve-se ressaltar que o aumento, mesmo que seja pequeno, é benéfico para o organismo, pois o colesterol-HDL é a lipoproteína que transporta o colesterol da circulação periférica para o fígado, onde é metabolizado, e em conseqüência diminuem os níveis desse lipídeo da corrente sangüínea.

Quanto aos níveis de triacilgliceróis, os melhores resultados também foram obtidos com os grupos 6 e 7, com reduções de 76,1 e 68,9% em relação ao grupo 2 pelo teste de Dunnet.

Harborne (1994) mostra que os flavonóides são potentes inibidores da enzima fosfolipase C, da fosfolipase A2, da ciclooxigenase, da lipoxigenase e da proteíno quinase C. Quando ocorre lesão endotelial, a agregação plaquetária é desencadeada. A via principal de ativação plaquetária corresponde à ativação da fosfolipase C. Essa enzima quebra uma ligação na molécula do fosfatidil-inositol, presente na membrana plaquetária, gerando dois produtos importantes no processo de ativação: o inositol trifosfato e o diacilglicerol. O inositol trifosfato atua aumentando o cálcio intracitoplasmático, por meio de sua mobilização a partir do sistema tubular denso da plaqueta, e o diacilglicerol ativa a proteíno quinase C. Tanto o aumento do cálcio intracitoplasmático como a ativação da proteíno quinase C atuam de modo sinérgico, estimulando a contração, secreção dos grânulos e agregação plaquetária. O cálcio intracitoplasmático liga-se à calmodulina e promove a ativação do sistema contráctil actina-miosina, promovendo mudança de forma e secreção dos grânulos plaquetários. (Martines & Lourenço, 1996).

O cálcio também promove a ativação da fosfolipase A2, que libera o ácido araquidônico a partir de moléculas de fosfatidil colina, fosfatidil etanolamina, fosfatidil serina e fosfatidil inositol, componentes da membrana plaquetária. O ácido araquidônico sofre a ação da ciclooxigenase, que o transforma nos endoperóxidos PG2 e PGH2. Esses são transformados em tromboxano A2, pela tromboxano sintetase. A ativação da proteíno quinase C modifica a conformação da glicoproteína IIb-IIa, o que a torna capaz de se ligar ao fibrinogênio, que serve como ponte entre plaquetas adjacentes, formando o agregado de plaquetas. É dessa forma que o fibrinogênio participa no processo da agregação plaquetária, sendo elemento indispensável à sua função normal (Martines & Lourenço, 1996).

Os dados obtidos permitem concluir que os grupos 6 e 7 apresentaram os melhores resultados visto que eles não só mantiveram os níveis de colesterol-HDL em relação ao grupo-controle como causaram as maiores reduções nos níveis de colesterol e triacilgliceróis do sangue de ratos hiperlipidêmicos.

Estes resultados evidenciam um efeito sinérgico da biochanina A com a antocianina e com o carmim, o que possibilita sua futura utilização no tratamento das hiperlipidemias.

 

AGRADECIMENTOS

Os autores desejam expressar seus agradecimentos ao Conselho Nacional de Pesquisas(CNPq), à Fundação de Amparo à Pesquisas de Minas Gerais (FAPEMIG) e às Industrias Christian Hansen e Helianthus pelo fornecimento dos corantes analisados.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOBBIO, F.O.; BOBBIO, P.A. Introdução à química de alimentos. 2.ed. São Paulo: Editora Varela, 1992. cap. 5, p.191-223.        [ Links ]

FREUND, P.R.; WASHAM, C.J. Natural color for use in food. Cereal Foods World, v.33, p.553-559, 1988.        [ Links ]

GHIRALDINI, E. Corantes naturais mais comumente utilizados na indústria de alimentos. Rev. Bras. Cor., v.2, p.83-87, 1994.        [ Links ]

GRYGLEWSKI, R.J.; KORBUT, R.; ROBAK, J. et al. On the mechanism of antithrombotic action of flavonoids. J. Bioch. Pharmac,.v.36, p.317-322, 1987.        [ Links ]

GUIMARÃES, I.S.S. Corantes naturais vermelhos e amarelos. In: SIMPÓSIO SOBRE ADITIVOS PARA ALIMENTOS. 1, 1987, Campinas, SP. Resumos... Campinas: Ital, 1987. p.21.        [ Links ]

HARBORNE, J.B. The flavonoids. 1.ed. London: Champman & Hall, 1994, 676p.        [ Links ]

HARBORNE, J.B. Introduction to Ecological biochemistry. 2.ed., Academic, 1982. 278p.        [ Links ]

HENRY, J.B. Clinical diagnosis and management by laboratory methods. 19.ed. 1996. p.214-215. Catálogo da Toles. B-11.        [ Links ]

LAURO, G.J. A primer on natural colors. Cereal Foods World, v.36, p. 927-982, 1991.        [ Links ]

LAURO, G.J. Handbook of natural color. Placentia: La Monde, 1995. p.7-27.        [ Links ]

LIMA, A.O., SOARES, J.B., GRECO, J.B. et al. Métodos de laboratório aplicados à técnicas e interpretação. 6.ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1985, p.47-116.        [ Links ]

MARTINES, T.L.R.; LOURENÇO, D.M. Avaliação e conduta nos riscos trombo e aterogênico. Asta Médica. São Paulo, 1.ed. 1996. 164p.        [ Links ]

MASCARENHAS, J.M.O. Corantes em alimentos: perspectivas, uso e restrições., Viçosa: UFV, 1998, 150p. (Tese, Mestrado)        [ Links ]

MEDINA, J.H., VIOLA, H., WOLFMAN, C. et al. Neuroactive flavonoids: new ligands for the Benzodiazepine receptors. Phytomedicine, v.5, p.235-243, 1998.        [ Links ]

MORAZZONI, P., MAGISTRETTI, M.J. Effects of Vaccinium myrtillus anthocyanosides on prostacyclin-like activity in rat arterial tissue. Fitoterapia, v.57, p.11-14, 1986.        [ Links ]

PARKINSON, T.M., BROWN, J.P. Metabolic fate of food colorants. Annu. Rev. Nutr., v.1, p.175-205, 1981.        [ Links ]

QUINTÃO, E.C.R. Estatinas no tratamento da hipercolesterolemia. Rev. Assoc. Med. Bras., v.40, p.50-58, 1994.        [ Links ]

SHARMA, R.D. Effect of various isoflavones on lipid levels in triton-treated rats. Atherosclerosis, v.33, p.371-375, 1979.         [ Links ]

STRINGHETA, P.C. Anthocianinas - estudos de novas fontes. Rev. Bras. Cor. Nat., v.1, p.188-193, 1992.        [ Links ]

TAKAHASHI, Y.M. Monografias de corantes naturais para fins alimentícios. 2.ed. São Paulo: Editora da USP, 1987. p.8-36.        [ Links ]

TIMBERLAKE, C.F.; HENRY, B.S. Anthocyanins as natural food colorants. In: MIDDLETON, E.; HARBORNE, J.; BERETZ, A. Progress in clinical and biological research. v.280. Plant flavonoids in biology and medicine II: biochemical, cellular and medicinal properties. New York: Alan R. Liss, 1988.p.107-121, (Progress in clinical and biological research, 280).        [ Links ]

VALENTE, S.T.X. Efeito de corantes naturais nos níveis de colesterol e triacilgliceróis séricos em ratos hiperlipidêmicos, Viçosa: UFV, 1998, 102f. Tese (Mestrado) – Universidade Federal de Viçosa, MG.        [ Links ]

VIEIRA, E. Carmim de cochonilha. Carne leite e cia. Encarte especial, jun/jul 1 e 2p. São Paulo, 1996.        [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License