SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue3Prevalence of equine arteritis virus specific antibodies in horses of São Paulo State, BrazilAssessment of ultrasonographic images and gross and microscopic lesions of the testicular biopsy in sheep author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.54 no.3 Belo Horizonte June 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352002000300002 

Variação temporal de características clínicas em bovinos mestiços alimentados com polpa cítrica peletizada

[Clinical characteristics in crossbred cattle fed citrus pulp pellets]

 

N.J.F. Oliveira1, M.M. Melo2, M.S. Araújo3

1Médica Veterinária, Doutoranda
2
Depto. de Clínica e Cirurgia Veterinárias
Escola de Veterinária da UFMG
Caixa Postal 567
30123-970 – Belo Horizonte, MG

3
Médico Veterinário

 

Recebido para publicação em 11 de abril de 2001.
Recebido para publicação, após modificações, em 19 de abril de 2002.
E-mail: neidejudith@hotmail.com

 

 

RESUMO

Cinco bovinos mestiços sem raça definida, entre 24 e 36 meses de idade e média de peso de 150kg, foram submetidos a alimentação com dieta completa, na qual a polpa cítrica peletizada comercial correspondia a 40% da ingestão de matéria seca diária durante 30 dias, com o objetivo de avaliar possíveis alterações na temperatura retal, freqüências respiratória e cardíaca, tempo de preenchimento capilar e freqüência de movimentos ruminais, e no peso corporal. Os animais apresentaram aumento na freqüência de movimentos ruminais e ganharam em média 860g de peso/dia durante o experimento. Todas as variáveis clínicas estavam dentro do intervalo de normalidade para a espécie.

Palavras-chave: Bovino, polpa cítrica peletizada, características clínicas, ganho de peso

 

ABSTRACT

Five crossbred cattle with age ranging from 24 to 36 months and mean weight of 150kg were fed a total mixture ration in which citrus pulp pellets corresponded to 40% of the daily dry mater intake. After 15 days of adaptation, the cattle received the diet containing citrus pulp for 30 days. The objective of this study was to detect possible changes caused by a diet containing citrus pulp pellets on clinical parameters such as rectal temperature, respiratory and cardiac rates, capillary perfusion time, frequency of ruminal movements, and body weight. The cattle had increased frequency of ruminal movements and gained a daily average of 860g during the experiment. All the other clinical parameters were within the normal reference values.

Keywords: Bovine, citrus pulp pellet, clinical characteristics, weight gain

 

INTRODUÇÃO

A polpa cítrica peletizada comercial (PCPC) é um subproduto da indústria de frutos cítricos, muito utilizada na alimentação de bovinos como fonte de energia e fibra digestível (Velloso, 1985; Carvalho, 1996; Castro Jr., 1997; Abecitrus, 20001).

A partir de 1993 foram relatados surtos de mortalidade, alterações clínicas e intoxicação por polpa cítrica em bovinos (Furlani & Soares, 1997; Galhardo et al., 1997; Bracarense et al., 1999; Gava et al., 1999; Sallis et al., 1999; Vasconcelos et al., 1999; Saunders et al., 2000). Em 1998, a contaminação do leite produzido na Alemanha por dioxina foi relacionada a PCPC de origem brasileira, devido à mistura da cal hidratada com esse composto clorado (Ministério..., 1998).

Poucos autores citam a etiologia das alterações ocorridas (Furlani & Soares, 1997; Galhardo et al., 1997; Melo et al., 1999). Existem citações de contaminação da PCPC com as micotoxinas citrina (Griffits & Done, 1991), aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 (Jain & Hatch, 1980; Paulsch et al., 1988), aflatoxina B1 (Van Egmond et al., 1988; Van Egmond et al., 1990; Melo et al., 1999; Oliveira & Melo, 2000) e diacetoxiscirpenol (Furlani & Soares, 1997).

Há consenso de que a retirada do alimento da dieta reduz e extingue os problemas, estando a causa associada a presença da PCPC, mas ainda faltam muitas respostas para afirmar qual seria o possível princípio tóxico existente no alimento (Furlani & Soares, 1997; Galhardo et al., 1997; Bracarense et al., 1999; Gava et al., 1999; Melo et al., 1999; Sallis et al., 1999; Vasconcelos et al., 1999; Saunders et al., 2000).

Devido à carência de informações a respeito das alterações clínicas associadas ao consumo de PCPC no Brasil, o presente estudo teve como objetivos avaliar as características clínicas vitais em bovinos adultos confinados durante 42 dias e alimentados com PCPC (40% da ingestão de matéria seca), por meio de exames clínicos diários e verificar as alterações de peso nesse período.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram utilizados cinco bovinos mestiços sem definição de raça, com faixa etária entre 24 a 36 meses e peso médio de 150kg. A alimentação oferecida durante o monitoramento dos animais foi composta de 500g de farelo de soja tostada para cada animal, feno de Brachiaria brizantha, água e mistura mineral (Fosbovi 20Ò - Tortuga) ad libitum.

A PCPC foi armazenada por 43 dias antes do período experimental em baia de alvenaria, sem o estrado, coberta e ventilada. O alimento foi acondicionado em sacos de plástico branco trançado, abertos apenas para coleta de amostras e confecção da dieta. Foram coletadas amostras representativas de PCPC antes do armazenamento (controle), no início e no final do experimento para pesquisa de pesticidas (organoclorados, organofosforados, carbamatos, piretróides, cloroalquil tio fungicidas, triazóis e propargite) e aflatoxinas (B1, B2, G1 e G2). Os pesticidas foram dosados por cromatografia gasosa e cromatografia líquida de alta eficiência associada à espectrometria de massa e as aflatoxinas foram pesquisadas por cromatografia líquida de alta eficiência.

A PCPC proveniente de Bebedouro (SP), safra 1998 (40% da ingestão de matéria seca) foi utilizada em uma mistura completa com feno B. brizantha efarelo de soja tostado, segundo o Nutrient... (1984). Quinzenalmente foi feita a pesagem dos animais que estavam confinados em galpão de alvenaria com contenção tipo tie stall. Foram avaliados semanalmente temperatura retal (TR), freqüência respiratória (FR), freqüência cardíaca (FC), tempo de preenchimento capilar (TPC) e freqüência de movimentos ruminais (FMR) conforme Stöber (1993).

A preparação para o experimento durou 32 dias e foram feitos exames sorológicos para brucelose e leptospirose. Os animais foram tratados com antiparasitário (AvotanÒ - Hoechst Roussel Vet.), vitaminas A, D e E (ADEÒ - Pfizer)e vacinados contra febre aftosa (Oleovac-SHÒ - Coopers), carbúnculo sintomático (PolivacinaÒ - Vallée), gangrena gasosa6e leptospirose (Leptovac-BCSÒ - EV/UFMG). Após esse período foram monitorados durante 15 dias, quando receberam dieta sem polpa cítrica, e feitas avaliações diárias das características clínicas vitais. A média de cada animal foi considerada como valor normal no tempo zero.

Os 15 dias seguintes corresponderam à adaptação dos animais à dieta com 40% de PCPC, feita progressivamente e sempre fornecida em três refeições, às 10, 15 e 20 h. O tratamento propriamente dito com 40% de PCPC correspondeu aos 30 dias subseqüentes e cada bovino recebeu, em média, 2kg de polpa cítrica/dia.

O experimento foi delineado em blocos ao acaso e cada indivíduo foi seu próprio controle antes da administração de PCPC. Durante a adaptação ao alimento e ao tratamento obtiveram-se dados referentes aos dias após a introdução da PCPC (7, 14, 21, 28, 35 e 42), que foram analisados pelo programa Stathistical Analysis System (SAS, 1985), juntamente com as médias do tempo zero, todas comparadas nos diferentes tempos utilizando-se o teste Student-Newman-Keuls (SNK) com P£ 0,05 (Sampaio, 1998).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

As amostras de PCPC não apresentaram resíduos dos pesticidas testados (organoclorados, organofosforados, carbamatos, piretróides, cloroalquil tio fungicidas, triazóis e propargite) e de aflatoxinas (B1, B2, G1 e G2).

A TR variou de 38,10 a 38,92ºC (Tab. 1). Apesar de a diferença ter sido significativa aos dias 28 de administração, alcançando o valor máximo de 38,92ºC, todos os resultados permaneceram dentro dos limites de normalidade para bovinos, entre 38 e 39ºC segundo Stöber (1993) ou 36,7 a 39,1ºC segundo Robinson (1993).Estes resultados diferem dos relatados por Griffiths & Done (1991) em bovinos intoxicados por citrinina e dos citados por Gava et al. (1999) e Vasconcelos et al. (1999), que descreveram a ocorrência de hipertermia em surtos de intoxicação em bovinos alimentados com PCPC.

 

 

Os resultados da FR (Tab. 1) variaram de 15,2 a 21,8 movimentos respiratórios por minuto, respectivamente, nos dias 7 e 35. As médias reduzidas de FR seriam justificadas pelo horário de amostragem, 7h e 30 min, segundo Okantah et al. (1992). Estação do ano e diferenças de manejo também podem ser responsáveis por essa variação segundo alguns autores (Stöber, 1993; Pires et al., 1998; Marai et al., 1999). Gava et al. (1999) relataram taquipnéia em bovinos intoxicados por PCPC. Devido à ausência de outros sinais de comprometimento respiratório e a não diferença estatística entre os tempos zero e 42 após a administração de PCPC, a dieta oferecida nesse tempo não causou alterações na FR dos bovinos.

A FC variou de 64,4 a 75,2 batimentos por minuto, respectivamente, nos dias 7 e 35 (Tab. 1), estando dentro do intervalo de referência para bovinos (Stöber,1993; Terra, 1993). Não houve diferença entre tempos de administração quanto à FC. Apesar de Saunders et al. (2000) citarem taquicardia em animais possivelmente intoxicados por PCPC, não foram observadas alterações na FC dos bovinos deste experimento antes e após a introdução de PCPC na dieta.

O TPC foi constante durante o experimento (Tab. 1), sendo considerado normal pelo fato dessa variável estar sujeita a poucas alterações intrínsecas e extrínsecas em animais normais segundo Stöber & Gründer (1993).

A FMR (Tab. 1) aumentou até 21 dias, estabilizou-se (entre 28 e 35 dias) e diminuiu aos 42 dias. Após a introdução da PCPC a dieta tornou-se mais rica em fibra, o que resultou em elevação na FMR já na primeira semana. Segundo Hall et al. (1998) e Rocha Filho et al. (1999), vários fatores influenciam o número de movimentos ruminais, mas neste caso o maior aporte de fibra com melhor qualidade, fornecido pela dieta com PCPC, foi o responsável pelo aumento no número de movimentos ruminais. A estabilização depois desse tempo situou-se sempre dentro da faixa normal para a espécie, entre 7 e 10M/5M (Garry, 1990; Dirksen, 1993). A administração de PCPC foi capaz de provocar aumento significativo na FMR até mesmo na adaptação ao alimento, evidenciando a maior média aos 21 dias de introdução da PCPC na dieta.

Todos os animais ganharam peso durante o experimento (Tab.2), acima do previsto nos cálculos da dieta (455g/dia), semelhante ao que ocorreu com o experimento de Velloso (1985). O confinamento, a dieta completa e os três fornecimentos diários podem ter favorecido o bom desempenho dos animais.

 

 

CONCLUSÕES

Conclui-se que dieta para bovinos mestiços com 40% de polpa cítrica peletizada comercial, origem Bebedouro (SP), safra 1998, oferecida durante 42 dias consecutivos não foi capaz de causar alterações indesejáveis nas características clínicas vitais.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRACARENSE, A.P.F.R.L.; FARIA DOS REIS, A.C.; NETTO, D.P. et al. Enterite necrótica e hemorrágica em bovinos leiteiros na região de Londrina-PR, alimentados com polpa cítrica. In: NUNES, I. J. (Ed.). Encontro Nacional de Patologia Veterinária- Resumos. Belo Horizonte: Fundação de Ensino e Pesquisa-Medicina Veterinária e Zootecnia, 1999, p.127.        [ Links ]

CARVALHO, M.P. Citros. In: Alimentos. São Paulo: FEALQ, 1996. p.171-214.        [ Links ]

CASTRO Jr., J. Farelo de polpa cítrica: circular técnica. CITROVITA Agroindustrial Ltda. 10p. 1997.         [ Links ]

DIRKSEN, G. Sistema digestivo. In: DIRKSEN, G.; GRÜNDER, H.D.; STÖBER, M. (Ed.) Rosenberger: exame clínico dos bovinos. 3ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1993. Cap.7, p. 165-228.        [ Links ]

FURLANI, R.P.; SOARES, L.M.V. Tricotecenos em polpa cítrica peletizada. SIMPÓSIO LATINOAMERICANO DE CIÊNCIA DE ALIMENTOS, 2. In: Anais... p.67, 1997.        [ Links ]

GALHARDO, M.; BIRGEL Jr., E.H.; SOARES, L.M.V. et al. Poisoning by Diacetocyscirpenol in cattle fed citrus pulp in the state of São Paulo, Brazil. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci.,v.32, p.90-91, 1997.         [ Links ]

GARRY, F. Evaluating motility disorders of bovine forestomach. Vet. Med., v.85, p.634-642, 1990.        [ Links ]

GAVA, A.; BARROS, C.S.L.; SOUZA, R.S. et al. Polpa cítrica como causa de mortalidade em bovinos no Brasil. In: NUNES, I. J. (Ed.). Encontro Nacional de Patologia Veterinária- Resumos. Belo Horizonte: Fundação de Ensino e Pesquisa-Medicina Veterinária e Zootecnia, 1999, p.76.        [ Links ]

GRIFFITS, I.B.; DONE, S.H. Citrinin as a possible cause of pruritis, pirexia and hemorragic sindrome in cattle. Vet. Rec., v.129, p.113-117, 1991.        [ Links ]

HALL, M.B.; PELL, A.N.; CHASE, L.E. Characteristics of neutral detergent-soluble fiber fermentation by mixed ruminal microbes. Anim. Feed Sci. Technol.,v.70, p.23-39, 1998.        [ Links ]

MARAI, I.F.M.; HABEEB, A.A.M.; FARGHALY, H.M. Productive, physiological and biochemical changes in imported and locally born holstein lactating cows under hot summer conditions of Egypt. Trop. Anim. Health Produc., v. 31, p. 233-243, 1999.         [ Links ]

MELO, M.M.; NASCIMENTO, E.F.; OLIVEIRA, N.J.F. Intoxicação por aflatoxina B1 (AFB1) em bovinos: relato de um surto. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v. 51, p. 555-558, 1999.        [ Links ]

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. O caso do farelo de polpa cítrica contaminado por dioxina. Departamento de Fiscalização e Fomento da Produção Animal, nota técnica n.02/98. 9p., 1998.         [ Links ]

NUTRIENT REQUIREMENTS OF BEEF CATTLE. 6.ed. Washington: National Academy Press, 1984, 90p.        [ Links ]

OKANTAH, S.A.; AGGREY, S.E.; AMOAKO, K.J. The effect of diurnal changes in ambient temperature on heat tolerance in some cattle breeds and crossbreeds in a tropical environment. Bull. Anim. Prod. Afr., v.41, p.33-38, 1992.        [ Links ]

PIRES, M.F.A.; SATURNINO, H.M.; VERNEQUE, R.S. et al. Efeito da estação do ano sobre a temperatura retal e freqüência respiratória de vacas da raça vacas raça holandesa confinadas em free stall. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.50, p.747-752, 1998.        [ Links ]

ROBINSON, E.N. Termorregulação. In: CUNNINGHAM, J. G. (Ed.) Tratado de fisiologia veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1993. Cap.51, p.427-435.         [ Links ]

ROCHA FILHO, R.R.; MACHADO, P.F.; D'ARCE, R.D. et al. Polpa de citros e de milho na produção de ácidos graxos voláteis no rúmen. Sci. Agr., v.56, p.471-477, 1999.        [ Links ]

SALLIS, E.S.V.; PEREIRA, D.I.B.; RAFFI, M.B. et al. Nefrite granulomatosa em bovinos associada à ingestão de polpa cítrica. In: NUNES, I.J. (Ed.). Encontro Nacional de Patologia Veterinária-Resumos. Belo Horizonte: Fundação de Ensino e Pesquisa-Medicina Veterinária e Zootecnia, 1999, p.49.        [ Links ]

SAMPAIO, I.B.M. Estatística aplicada à experimentação animal. Belo Horizonte: Fundação de Ensino e Pesquisa em Medicina Veterinária e Zootecnia, 1998, 221p.        [ Links ]

SAS user's guide: statistics. 5.ed. Cary. SAS Institute Inc., 1985, v.1. 956p.        [ Links ]

SAUNDERS, G.K.; BLODGET, D.J.; HUTCHINS, T.A. et al. Suspected citrus pulp toxicosis in dairy cattle. J. Vet. Diagn. Invest., v.12, p.269-271, 2000.        [ Links ]

STÖBER, M. Identificação, anamnese, regras básicas da técnica de exame clínico geral. In: DIRKSEN, G.; GRÜNDER, H.D.; STÖBER, M. (Ed.) Rosenberger: Exame Clínico dos Bovinos. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1993. Cap.2, p.44-80.        [ Links ]

STÖBER, M.; GRÜNDER, H.D. Sistema circulatório. In: DIRKSEN, G.; GRÜNDER, H.D.; STÖBER, M. (Ed.) Rosenberger: Exame clínico dos bovinos. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1993. Cap.5, p.98-131.        [ Links ]

TERRA, R.L. História, exame físico e registros dos ruminantes. In: SMITH, B.P. Tratado de medicina interna de grandes animais.v.1, 1ed. São Paulo: Manole, 1993. Cap.1, p.3-15.        [ Links ]

VASCONCELOS, R.O.; DUTRA, I.S.; ALESSI, A.C. et al. Intoxicação por polpa cítrica em vacas leiteiras. In: NUNES, I.J. (Ed.). Encontro Nacional de Patologia Veterinária - Resumos. Belo Horizonte: Fundação de Ensino e Pesquisa-Medicina Veterinária e Zootecnia, 1999, p.147.        [ Links ]

VELLOSO, L. Uso da polpa cítrica na alimentação animal. Comun. Cient. Fac. Med. Vet. Zootec. USP, v.9, p.163-180, 1985.        [ Links ]