SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue5Carcass traits multivariate analysis techniques in broilers evaluationContamination by Aeromonas spp. in poultry slaughterhouse author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.54 no.5 Belo Horizonte Oct. 2002

https://doi.org/10.1590/S0102-09352002000500012 

Desempenho de coelhos em crescimento criados em diferentes densidades populacionais

[Performance of growing rabbits reared under different stocking densities]

 

M.C. Oliveira, C.V. Almeida

Fundação do Ensino Superior de Rio Verde da FESURV
Caixa Postal 166
75901-970 - Rio Verde, GO

 

Recebido para publicação em 23 de novembro de 2001
Recebido para publicação, após modificações, em 5 de junho de 2002
E-mail: cristina@fesurv.br

 

 

RESUMO

O objetivo deste experimento foi avaliar o desempenho de coelhos em crescimento criados em diferentes densidades populacionais. Foram utilizados 136 coelhos, não sexados, desmamados aos 35 dias de idade, em delineamento em blocos ao acaso, com quatro tratamentos e quatro repetições. As densidades avaliadas foram 11,67; 13,34; 15 e 16,67 coelhos/m2, correspondentes à ocupação de sete, oito, nove e dez coelhos/gaiola. O período experimental foi de seis semanas. Os coelhos e a ração foram pesados para obtenção do peso final, ganho diário de peso, consumo diário de ração, conversão alimentar e produção de carne total ou kg de carne por m2. Não houve diferença (P>0,05) entre densidade quanto ao peso final, ganho diário de peso, consumo diário de ração e conversão alimentar. A produção em quilos de carne por metro quadrado aumentou (P<0,05) linearmente com a densidade (27,86; 31,45; 34,64 e 38,12 kg/m2). O aumento da densidade populacional não influiu no desempenho dos coelhos.

Palavras-chave: Coelho, densidade populacional, desempenho, crescimento

 

ABSTRACT

The purpose of this experiment was to evaluate the performance of growing rabbits in different stocking densities. One hundred and thirty six non-sexed rabbits, 35 days old, were used in a randomized block design, with four treatments and four repetitions. The evaluated densities were: 11.67; 13.34; 15 e 16.67 rabbits/m2 corresponding to the occupation of seven, eight, nine and ten rabbits/cage. At the end of the six-week-experimental-period, rabbits and rations were weighted to obtain final body weight, daily weight gain, daily ration consumption, feed:gain ratio and total meat production or kilograms of meat per square meter. No effects (P>0.05) of stocking densities on final body weight, daily weight gain, daily ration consumption and feed:gain ratio were observed. The production in kilograms of meat per square meter increased linearly (P<0.05) in relation to stocking density (27.86; 31.45; 34.64 and 38.12 kg/m2). The increase in stocking density did not affect the performance of the rabbits.

Keywords: Rabbit, stocking density, performance

 

 

INTRODUÇÃO

As bases econômicas da criação de coelhos estão relacionadas à produtividade e o retorno do capital investido deve ocorrer no menor prazo possível, na medida em que a área de produção disponível for utilizada com maior eficiência.

Maertens & de Groote (1984) mencionaram que alta densidade pode resultar em coelhos com peso ao abate três a cinco dias mais tarde do que coelhos criados em baixa densidade.

Densidade populacional tem sido estudada para determinar seu efeito sobre o desempenho dos animais. Xiccato et al. (1999), ao testarem duas densidades populacionais (12 e 16 coelhos/m2), não observaram redução do peso final mas o consumo de ração foi menor e a conversão alimentar melhorou com o aumento da densidade. Os autores mencionaram que o aumento da densidade não influenciou negativamente a produtividade, a qualidade da carne e o comportamento dos animais. Ferreira & Santiago (1999) relataram que o aumento da densidade populacional de três para seis animais por gaiola, com redução da área de 1200 para 600 cm2/coelho, respectivamente, provocaram menor ganho de peso diário e menor consumo de ração sem, entretanto, afetar o rendimento de carcaça.

Lopes et al. (1998), ao avaliarem densidades de 3400, 1700, 1133 e 850 cm2/coelho, verificaram que a densidade não influenciou o ganho de peso diário, o consumo de ração, a conversão alimentar e o rendimento de carcaça.

Segundo Delgado-Pertiñez et al. (2000), em coelhos criados em densidades de 14,9 a 17,4 e 19,4 a 24,3 coelhos/m2 houve diferença significativa quanto ao peso ao abate e ao ganho de peso diário. Os autores observaram que na menor densidade o desempenho foi superior.

O objetivo deste experimento foi avaliar o desempenho de coelhos em crescimento criados em diferentes densidades populacionais.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido no setor de cunicultura da Fundação do Ensino Superior de Rio Verde (FESURV) entre setembro e dezembro de 2000.

Foram utilizados 136 coelhos de ambos os sexos, mestiços, desmamados aos 35 dias de idade e com média de peso inicial de 875g. Os animais foram distribuídos em delineamento em blocos ao acaso, com quatro tratamentos (T) e quatro repetições. Os tratamentos foram: T1 = 11,67 coelhos/m2 ou 857 cm2/coelho (sete coelhos/gaiola); T2 = 13,34 coelhos/m2 ou 750 cm2/coelho (oito coelhos/gaiola); T3 = 15 coelhos/m2 ou 666 cm2/coelho (nove coelhos/gaiola) e T4 = 16,67 coelhos/m2 ou 600 cm2/coelho (dez coelhos/gaiola).

O sistema de criação foi ao ar livre e os animais foram alojados em gaiolas com laterais de alvenaria, medindo 0,80m x 0,75m x 0,67m (comprimento x largura x altura), dotadas de comedouro e bebedouro, ambos de barro. A água e a ração comercial peletizada (Tab. 1) foram fornecidas à vontade. Os animais e as rações foram pesados no início e no final do experimento para obtenção do peso final, ganho de peso e consumo de ração diários, conversão alimentar e produção de carne total (kg de carne/m2 de piso). O término do experimento ocorreu quando os animais atingiram 77 dias de idade.

 

 

Usou-se método dos quadrados mínimos nas análises do peso final, do ganho de peso e do consumo de ração diários, da conversão alimentar e da produção de carne total. Para comparação entre médias dos tratamentos utilizou-se o teste Duncan (P < 0,05).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados de desempenho encontram-se na Tab. 2. Houve diferença significativa (P<0,05) somente quanto à produção de carne total.

 

 

O aumento da densidade populacional não foi suficiente para causar efeito significativo (P>0,05) sobre o peso final, o ganho de peso, o consumo de ração e a conversão alimentar.

Não há consenso sobre a influência da densidade populacional no ganho de peso e peso final, entretanto, baixo desempenho está normalmente associado à superpopulação quando o peso total dos coelhos ultrapassa 40 kg/m2, o que causaria redução no consumo de ração, atribuída mais ao desconforto dos animais do que ao acesso restrito ao comedouro. Sabe-se que os coelhos não se alimentam todos ao mesmo tempo, fato relatado por Maertens & de Groote (1984). Esses autores ainda acrescentaram que a redução no consumo ocorre quando a densidade ultrapassa 17 a 20 coelhos/m2.

Com relação ao peso final, os resultados obtidos neste experimento foram semelhantes aos obtidos por Xiccato et al. (1999), os quais não observaram diferenças quanto ao peso final de coelhos abatidos aos 80 dias criados em densidades de 12 e 16 coelhos/m2 (2,762 e 2,747 kg, respectivamente). Delgado-Pertiñez et al. (2000) verificaram que aos 59 dias de idade os coelhos alojados em densidades de 14,9-17,4/m2 pesaram mais do que os alojados em 19,4-24,3/m2 (1,911 e 1,873 kg, respectivamente).

Quanto ao ganho de peso e ao consumo de ração, os resultados concordam com os de Lopes et al. (1998), os quais também não observaram diferenças segundo a densidade populacional. Para esses autores, os coelhos apresentaram ganho de peso diário entre 32,19 e 33,80 g/dia e consumo de ração diário de 141,19 a 129,73 g/dia para as densidades de 3400 e 680 cm2/coelho, respectivamente. Ferreira & Santiago (1999) relataram ganhos de peso diferentes nas densidades de 1200 e 900 cm2/coelho comparados aos das densidades de 720 e 600 cm2/coelho (24,46 e 25,53 x 20,89 e 21,91 g/dia, respectivamente). Os resultados desses autores foram inferiores aos obtidos neste experimento. Diferenças significativas no consumo diário de ração atribuídas a diferentes densidades foram relatadas por Carregal & Celestino (2000). Nesse experimento os coelhos alojados nas densidades de 6,2 e 8,3 coelhos/m2 consumiram 105,06 e 105,25g/ dia e os alojados na densidade de 4,2 coelhos/m2, consumiram 127,57g/dia.

Como o consumo de ração e o ganho de peso não diferiram entre os tratamentos, também não houve diferença na conversão alimentar, aspecto já relatado por Ferreira & Santiago (1999) e por Xiccato et al. (1999).

A produção de carne total aumentou linearmente (P<0,05) com o aumento da densidade populacional, ou seja, quanto maior a densidade maior a produção de carne por metro quadrado. Considerando-se a produção de 27,86 kg/m2 na menor densidade como 100%, pode-se dizer que a produção de carne total variou de 113% (13,33 coelhos/m2) a 136% (16,67 coelhos/m2). Isto está de acordo com Ferreira (1987) que calculou a produção total de carne em 28,91kg na maior densidade estudada (600 cm2/coelho), embora o peso individual não tenha sido diferente nas densidades mencionadas.

 

CONCLUSÕES

Com base nos resultados obtidos conclui-se que o aumento da densidade populacional não influenciou as características de desempenho e promoveu aumento significativo na produção de carne por metro quadrado, favorecendo, até o limite estudado, a maior densidade.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CARREGAL, R.D.; CELESTINO, F.M.A. Densidade populacional de coelhos utilizando a raça Nova Zelândia branca. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 27, 2000, Viçosa. Anais... Viçosa: SBZ, 2000. (CD-ROM, PEQ 015)        [ Links ]

DELGADO-PERTIÑEZ, M.; GONZÁLES-REDONDO, P.; CASTEL, J.M. et al. Effect of animal density and of sex on the growth of young rabbits during fattening.In: JORNADAS INTERNACIONAIS DE CUNICULTURA, 2000, Vila Real. Anais... Vila Real: APEZ, 2000. p. 203-204.        [ Links ]

FERREIRA, W.M. Densidade populacional, estresse e desempenho produtivo de coelhos para corte em recria. Cad. Téc. Esc. Vet., n.2, p.31-40, 1987.        [ Links ]

FERREIRA, W.M.; SANTIAGO, G.S. Desempenho de coelhos criados em diferentes densidades populacionais. Rev. Bras. Zootec., v.28, p.113-117, 1999.        [ Links ]

LOPES, D.C.; SILVA, J.F.; VAZ, R.G.M.V. et al. Densidade populacional de coelhos Nova Zelândia branco em crescimento criados em gaiolas. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 35, 1998, Botucatu. Anais... Botucatu: SBZ, 1998. (CD-ROM, SIS 030).        [ Links ]

MAERTENS, L.; De GROOTE, G. Influence of the number of fryer rabbits per cage on their performance. J. Appl. Rabbit Res., v.7, p.151-155, 1984.        [ Links ]

XICCATO, G., VERGA, M.; TROCINO, A. et al. Influence de l’effectif et de la densité par cage sur les performances productives, la qualité bouchère et le comportement chez le lapin. In: JOURNÉES DE LA RECHERCHE CUNICOLE, 8, 1999, Paris. Anais... Paris: INRA, 1999. p.59-62.        [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License