SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 número5Avaliação de associações e similaridades em epidemiologia veterinária por meio da análise de correspondênciaInfecção experimental de cães com amostras de Babesia canis isoladas em Minas Gerais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

versão impressa ISSN 0102-0935

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. v.54 n.5 Belo Horizonte out. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352002000500015 

COMUNICAÇÃO

[Communication]

 

Uso de cetoanálogo na terapia da insuficiência renal canina

[Use of keto analogues in therapy of the renal failure in dogs]

 

J.C.C. Veado, J. Oliveira, J.M.C. Menezes, P.T.C. Guimarães

Escola de Veterinária da UFMG
Caixa Postal 567
30123-970 – Belo Horizonte, MG

 

Recebido para publicação em 17 de setembro de 2001
Recebido para publicação, após modificações, em 25 de março de 2002
E-mail: cambraia@vet.ufmg.br

 

 

A insuficiência renal é uma patologia relativamente comum na espécie canina. Caracteriza-se principalmente pela perda das funções excretora e concentradora dos rins. A diminuição da capacidade reguladora renal leva ao aparecimento de sinais clínicos, que refletem a progressão da doença e, em casos avançados, podem desencadear severas crises urêmicas, que necessitam de tratamento intensivo imediato (Osborne et al., 1972; Grauer & Lane, 1997; Polzin et al., 1997).

O tratamento para o paciente portador de insuficiência renal deve-se basear na manutenção de fluxo e perfusão sangüínea renais, com apoio de fluidoterapia (Osborne et al., 1972; Grauer & Lane, 1997; Polzin et al., 1997), em medicamentos que controlam as conseqüências da azotemia e de outros acúmulos (Walser, 1975; Walser et al., 1999), em drogas que amenizem efeitos colaterais da incapacidade de filtração e excreção renais (Grauer & Lane, 1997; Polzin et al., 1997), na terapia nutricional e na hemodiálise, quando possível (Techan et al., 1998; Pollock et al., 1996; Romero et al., 1998). Com base nesses conhecimentos, muitas mudanças foram propostas para a terapia do doente renal com o objetivo de melhorar a qualidade e o tempo de sobrevida do paciente.

Aspecto importante da terapia é o suporte nutricional que há anos vem sendo estudado em medicina humana e atualmente tem sido considerado como ponto chave no controle da insuficiência renal canina (Brown, 1994).

O uso de cetoanálogos tem sido proposto nos protocolos de tratamento das insuficiências renais baseado na terapia nutricional, isto é, emprego de a-cetoácidos de aminoácidos, cadeias carbônicas simples isentas do grupo amina. Esses compostos, ao mesmo tempo em que captam o nitrogênio da circulação, são transformados em aminoácidos correspondentes, em geral essenciais. Assim, os cetoanálogos servem de complemento nutricional ao fornecerem aminoácidos de alto valor biológico, permitindo que as dietas possam conter menor teor de proteínas, e diminuem os teores de uréia sérica (Walser, 1975; Walser et al., 1993; Pollock et al., 1996; Romero et al., 1998).

O presente trabalho descreve o caso de uma cadela da raça Labrador com dois anos de idade, 20 quilogramas de peso e alimentada com ração comercial1. Portadora de leishmaniose estava sendo submetida ao tratamento com aplicações de alopurinol. Após 15 dias do início do tratamento, o animal não havia apresentado melhora do quadro clínico, revelando sinais de insuficiência renal aguda, evidenciada pela azotemia e pela uremia. Decidiu-se pela sua internação quando passou a receber fluidoterapia endovenosa e glucantime, para o tratamento da leishmaniose. O protocolo de terapia nutricional foi então instituído, reduzindo-se os teores de proteína na dieta para cerca de 2g/kg, tendo como base energética o carboidrato, e administrando-se um composto de aminoácidos essenciais e cetoanálogos2.

A Tab. 1 apresenta os resultados dos exames de uréia e creatinina séricas realizados durante o tratamento. Pode-se observar redução dos níveis desses catabólitos já aos três dias após o início da administração do composto de cetoanálogos via oral, na dose de um tablete para cada 5kg de peso. Houve melhora do estado geral, retorno do apetite, da disposição e do ganho de peso, favorecendo o tratamento da patologia primária. O composto de aminoácidos essenciais e cetoanálogosfoi administrado durante 76 dias e, mesmo após o término de sua administração, os níveis de uréia e creatinina mantiveram-se dentro de valores toleráveis.

 

 

Conclui-se que a associação de aminoácidos essenciais e cetoanálogos contribui para o tratamento da insuficiência renal.

Palavras-chave: Cão, insuficiência renal, cetoanálogos, cetoácidos, terapia nutricional, leishmaniose.

 

 

AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao Sr. Paulo Marcos R. Silva do Laboratorio Fresenius Kabi Ltda do Brasil e aos médicos veterinários Leonardo Maciel, Guilherme Noronha e Márcia Alves Coradini.

 

 

ABSTRACT

The efficacy of keto acids and essential amino acids on a two-year-old female dog, Labrador, suffering from Leishmaniasis and acute renal failure was evaluated by clinical and laboratorial analyses based on urea and creatinine dosages. An improving in the animal general condition and an increasing in the appetite, activity and weight gain, were observed and favorably contributed to the treatment of the primary disease. Ketoanalogueswere oraly administered during 76 days and the levels of urea and creatinine remained within acceptable limits, even after this period of time. Ketoanaloguescontributed positively for the treatment of acute renal failure and appears to be an important alternative for the leishmaniasis treatment.

Keywords: Dog, renal failure, keto analogues, keto acids, nutritional therapy, leishmaniasis

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BROWN, S. A. Canine renal disease. In: WILLS, J.M.; SIMPSON, K.W. (Ed.) The Waltham book of clinical nutrition of the dog and cat. Oxford: Pergamon, 1994. p.313-335.        [ Links ]

GRAUER, G.F.; LANE, I.F. Insuficiência renal aguda. In: ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E.C. Tratado de medicina interna veterinária. 4.ed. São Paulo: Manole, 1997. p.374-2393.        [ Links ]

OSBORNE, C.A.; LOW, D.G.; FINCO, D.R. Canine and feline urology. Philadelphia: Saunders, 1972.        [ Links ]

POLLOCK, A.; IBELS, L.S.; ALLEN, B.J. Nutritional markers and survival in maintenance dialysis patients. Nephron, v.6, p.1386-1391, 1996.        [ Links ]

POLZIN, D.J.; OSBORNE, C.A.; BARTGES, J.W. et al. Insuficiência renal crônica. In: ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E.C. Tratado de medicina interna veterinária. 4.ed. São Paulo: Manole, 1997. p.2394-2431.        [ Links ]

ROMERO, J.; TREVIÑO, A.; MONDRAGÓN, L. et al. Effects of the very low protein diet (VLPD) supplemented with alfa-ketoanalogues (KA) in a moderated chronic renal failure. Wien. Klin. Wochenschr., v.110, p.40, 1998.        [ Links ]

TECHAN, P.E.; BECK, G.J.; DWYER, J.T. et al. Effect of a ketoacid-aminooacid-supplemented very low protein diet on the progression of advanced renal desease: a reanalysis of the MDRD feasibility study. Clin. Nephrol., v.50, p.273-283, 1998.         [ Links ]

WALSER, M. Ketoacides inthe treatment of uremia. Clin. Nephrol., v.3, p.180-186, 1975.        [ Links ]

WALSER, M.; HILL, S.; WARD, L. et al. A crossover comparision of progression of chronic renal failure: ketoacids versus amino acids. Kidney Int., v.43, p.933-939, 1993.        [ Links ]

WALSER, M.; MITCH, W.E.; MARONI, B.J. et al. Should protein intake be restricted in predialysis patients. Kidney Int., v.55, p.771-777, 1999.        [ Links ]

 

 

1Super Premium

2 Ketosterilâ - Composto de a-ceto-análogos e aminoácidos essenciais – Lab. Fresenius Kabi Brasil Ltda