SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 número1Lipossarcoma em cão: relato de dois casosDípteros muscóides coletados de fezes bovinas em pastagens em Itumbiara, Goiás índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

versão impressa ISSN 0102-0935versão On-line ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. v.55 n.1 Belo Horizonte fev. 2003

https://doi.org/10.1590/S0102-09352003000100021 

COMUNICAÇÃO
[COMMUNICATION]

 

Prevalência de tuberculose e brucelose bovina no município de Ilhéus

 

[Prevalence of bovine tuberculosis and brucellosis in Ilhéus, Bahia – Brazil]

 

 

A.R.P. RibeiroI; F.C.F. LobatoII; V.L.V. AbreuII; E.S. FariaI; J.A. SilvaII

IDepartamento de Ciências Agrárias e Ambientais da UESC Rodovia Ilhéus, Itabuna, km 16 45650-000, Ilhéus, BA
IIEscola Veterinária da UFMG

Endereço para correspondência

 

 


ABSTRACT

Aiming to determining the prevalence of tuberculosis and brucellosis in Ilhéus, Bahia, Brazil, 916 cows aged 24 months or above and allocated in 85 farms were tested. The compared cervical intradermic tuberculosis and serological buffered acidified antigen (BAA), slow tube serum agglutination (STSA) and 2-mercapto ethanol (2-ME) tests were used. The prevalence of tuberculosis and brucellosis was 2.8 and 1.9%, respectively. The distribution of positive farms (10.6%) is in agreement with the notion that these diseases are widespread in the country.

Keywords: cattle, tuberculosis, brucellosis, prevalence, Ilhéus

Palavras-chave: bovino, brucelose, tuberculose, prevalência, Ilhéus


 

 

A situação da tuberculose e da brucelose bovina apresenta dados bastante diferenciados face à dimensão territorial e às características de criação, próprias de cada região. A ocorrência das duas enfermidades, contudo, é registrada em todo país.

Considerando que a sanidade dos rebanhos é fator fundamental para a produtividade, o controle e a erradicação da tuberculose e da brucelose bovina constituem aspectos importantes pelo impacto que podem ter na produtividade dos rebanhos. O sucesso no combate às doenças dos animais está estreitamente associado a diferentes fatores, entre os quais citam-se o conhecimento da história natural do agente etiológico, sua distribuição espacial e temporal e sua freqüência de ocorrência. A estratégia para tal ação depende do instrumental que se dispõe para a identificação dos indivíduos ou dos rebanhos doentes. Segundo Riccetti et al. (1989), no caso de doenças crônicas, como tuberculose e brucelose, a descoberta das fontes de infecção e, conseqüentemente, dos rebanhos doentes resulta numa operação dispendiosa e difícil. Este trabalho teve por objetivo determinar a prevalência da tuberculose e brucelose bovina no município de Ilhéus–BA.

A amostra estudada constituiu-se de 85 propriedades, representando 21,7% dos estabelecimentos pecuários existentes no município, e 916 animais, correspondendo a 16% da população de fêmeas bovinas com idade acima de 24 meses. O diagnóstico da tuberculose foi feito por meio do teste intradérmico cervical comparado (Langenegger et al., 1981). Para brucelose foram utilizados os testes do antígeno acidificado tamponado (AAT), soroaglutinação lenta em tubos (SALT) e 2-mercaptoetanol (2ME) (Olascoaga, 1976). Os testes de diagnóstico foram realizados no período de janeiro a setembro/2000 e os resultados anotados e posteriormente interpretados de acordo com Brasil (2001).

Constatou-se a presença de animais positivos para tuberculose em nove propriedades, o que representa prevalência de 10,6%. A prevalência nos animais foi de 2,8% (Tab.1).

 

 

Essas porcentagens são mais altas do que as encontradas em Minas Gerais por Belchior (2001), 5,0% e 0,8% para rebanhos e animais positivos, respectivamente. Esse autor utilizou o critério de avaliação recomendado por Brasil (2001). A prevalência nos animais está abaixo do valor relatado por Costa et al. (1995/1996), de 5,5%, para a região de Alagoinhas–BA. Pode-se inferir que a diferença nos resultados está relacionada aos testes utilizados, isto é, neste trabalho usou-se o teste cervical comparado e no de Costa et al. (1995/1996), o teste cervical simples.

Chama a atenção o possível efeito do trânsito de animais. Em sete das nove propriedades positivas houve introdução de animais (compra), adquiridos em exposições ou em outras propriedades na própria região e em outros Estados. Nessas aquisições não foi exigido certificado negativo para tuberculose, o que pode ter contribuído para a difusão da infecção, aspecto já observado por Lage et al. (1998) e Belchior (2001).

O resultado dos testes sorológicos para brucelose é apresentado na Tab.2.

 

 

A taxa de prevalência de rebanhos positivos foi próxima à encontrada por Santos (1988) de 8,3% para o município de São Luiz–MA. A prevalência nos animais testados foi mais baixa do que a encontrada por Moura e Pedreira (1970), Dória et al. (1982) e Viegas (1984), os quais utilizaram o teste de soroaglutinação rápido (SAR) e encontraram, respectivamente, taxas de 4,2%, 8,7% e 8,3% de animais positivos em levantamentos no Estado da Bahia. A diferença pode estar relacionada aos testes empregados, isto é, AAT associado à SALT e 2-ME, segundo Brasil (2001), confere maior precisão nos resultados.

A taxa de 1,1% de resultados inconclusivos foi inferior às encontradas por Santos (1988) e Moura e Pedreira (1970), respectivamente, 6,1 e 3,4%, para animais suspeitos. A diferença pode também estar relacionada ao teste empregado.

As taxas de prevalência e a distribuição dos reagentes positivos indicam que a tuberculose e a brucelose estão amplamente difundidas no município de Ílheu–BA.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BELCHIOR, A.P.C. Prevalência, distribuição regional e fatores de risco da tuberculose bovina em Minas Gerais. 2001. 55f. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária Preventiva e Epidemiologia) – Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.        [ Links ]

BRASIL. Ministério da Agricultura e Abastecimento – SDSA. Instrução Normativa no2. D.O. de 16/01/2001, Brasília, 2001.        [ Links ]

COSTA, J.N.; MENEZES, R.V.; FERREIRA, M.M. et al. Tuberculose bovina: estudo preliminar da bacia leiteira de Alagoinhas –BA. Arq. Esc. Med. Vet. UFBA, v.18, p.141-148, 1995/1996.        [ Links ]

DORIA, J.D.; VIEGAS, S.A.R.A.; VIEGAS, E.A. et al. Estudos sorológicos sobre a brucelose em bovinos no estado da Bahia. Arq. Esc. Med. Vet. UFBA, v.7, p.105-113, 1982.        [ Links ]

LANGENEGGER, J.; LANGENEGGER, C.H.; MOTA, P.M.P.C. et al. Reações inespecíficas no diagnóstico alérgico da tuberculose bovina. Pesq. Vet. Bras., v.1, p.145-149, 1981.        [ Links ]

LAGE, A.P.; MOTA, P.M.P.C.; LOBATO, F.C.F. Tuberculose bovina: uma revisão. Belo Horizonte: Fundação de Estudo e Pesquisa em Medicina Veterinária Preventiva e Zootecnia, 1998. p.3-34.        [ Links ]

MOURA, J.A.J.; PEDREIRA, P.A.S. Contribuição ao estudo da brucelose na Bahia: incidência em Ruy Barbosa, Itaberaba e Ibiquera. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA, 22, 1970, Salvador. Anais..., Salvador:SBPC, 1970. p.263.        [ Links ]

OLASCOAGA, C.R. Diagnóstico serologico de la brucelosis. Zoonosis, v.18, p.101-141, 1976.        [ Links ]

RICCETI, R.V.; VASCONCELOS, S.A.; ITO, F.H. et al. Investigação epidemiológica sobre as zoonoses de maior constatação em matadouros. Rev. Fac. Vet. Zootec. USP, v.26, p.61-68, 1989.        [ Links ]

SANTOS, H.P. Alguns aspectos do sistema de produção e sanidade de bovinos de leite da Ilha de São Luiz – MA. 1988. 91f. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária Preventiva e Epidemiologia) – Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.        [ Links ]

VIEGAS, S.A.R.A. Investigação sorológica para a brucelose em bovinos no estado da Bahia. Arq. Esc. Med. Vet. UFBA, v.9, p.59-67, 1984.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
F.C.F. Lobato
E-mail: flobato@vet.ufmg.br

Recebido para publicação em 8 de março de 2002
Recebido para publicação, após modificações, em 4 de setembro de 2002

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons