SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue3Protein concentrates for bovines: 2. Post-ruminal digestion of protein and dry matterVoluntary intake and digestibility of dry matter, crude protein and energy of silages of four sorghum genotype in sheep author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.55 no.3 Belo Horizonte June 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352003000300013 

Produção de leite de vacas mestiças Holandês ´ Zebu em pastagem de capim-elefante, com e sem suplementação de concentrado durante a época das chuvas

 

Milk yield of crossbred Holstein ´ Zebu cows supplemented or not with concentrate during the rainy season

 

 

F. DereszI, II; L.L. MatosI, II; O.L. MozzerI; C.E. MartinsI, II; L.J.M. AroeiraI, II; R.S. VernequeI, II; A.C. CoserI, II

IEmbrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610, Dom Bosco 36038-330 – Juiz de Fora – MG
IIBolsistas CNPq

 

 


RESUMO

O objetivo do experimento foi estudar o efeito da suplementação da pastagem de capim-elefante com concentrado na época das chuvas e início da seca, entre dezembro e junho, sobre a produção e composição do leite e ganho de peso de vacas mestiças Holandês ´ Zebu. Os tratamentos foram pastagem de capim-elefante sem concentrado (SC) e com 2,0kg de concentrado/vaca/dia (CC). A área experimental de pastagem foi dividida em 44 piquetes de 606m2 cada um, 22 por tratamento, com duas repetições de área. Foram usadas 12 vacas, sendo seis por tratamento. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso. A pastagem foi manejada em pastejo rotativo com três dias de ocupação por piquete e 30 dias de descanso. A taxa de lotação foi de 4,5 vacas/ha. A pastagem foi adubada com 200kg/ha/ano de N e de K2O. As produções médias de leite corrigido para 4% de gordura foram de 11,6± 0,3 e 12,5± 0,3kg/vaca/dia e o ganho médio diário por vaca de 211 e 244g, para os tratamentos SC e CC, respectivamente. Houve diferença (P<0,05) entre os tratamentos quanto a produção de leite e a porcentagem de proteína do leite, mas não quanto ao ganho de peso das vacas e porcentagens de gordura e de estrato seco total do leite.

Palavras-chave: capim-elefante, concentrado, pastejo rotativo, peso vivo, produção de leite


ABSTRACT

This work aimed to study the effect of concentrate supplementation of elephantgrass pasture during the rainy season and at the beginning of the dry season, on milk yield, milk composition and weight gain of crossbred Holstein ´ Zebu cows. The treatments were: elephantgrass pasture with no concentrate supplementation (NC) and with 2kg concentrate supplementation cow/day (WC). The experimental area was divided in 44 paddocks with 606m2 each, corresponding to 22 paddocks per replication and six cows per treatment. The cows were alloted to the treatments according to a completely randomized block design. The pasture was managed in a rotational system with 30 days resting period and three days grazing per paddock. The stocking rate was 4.5 cows/ha. The pasture was fertilized with 200kg/ha/yr of N and K2O. The average fat corrected (4%) milk yield was 11.6± 0.3 and 12.5± 0.3kg/cow/day and the average daily weight gain during the total experimental period was 211 and 244g per cow for the NC and WC treatments, respectively. There were differences (P<0.05) between treatments for milk yield and milk protein (%), but no treatment effects were observed on weight gain, milk fat (%) and milk total solids (%).

Keywords: body weight, concentrate, elephantgrass, milk yield, rotational grazing


 

 

INTRODUÇÃO

O capim-elefante (Pennisetum purpureum, Schum.) é uma gramínea perene, de alto potencial de produção de forragem, adaptado às condições climáticas predominantes em quase todo o País. Entretanto, em muitas regiões, 70 a 80% da sua produção concentra-se na época das chuvas. Essa estacionalidade de produção de forragem não é exclusiva da pastagem de capim-elefante, mas da maioria das forrageiras tropicais e é atribuída à baixa precipitação, pouca luminosidade e baixa temperatura que ocorrem na época seca do ano, principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Nessa regiões observa-se grande demanda por informações sobre o uso do capim-elefante e outras gramíneas tropicais manejadas em sistema de pastejo rotativo para produção de leite e carne, visando principalmente diminuir os custos de produção, devido principalmente ao elevado preço do concentrado.

O capim-elefante apresenta elevado potencial de produção de matéria seca desde que as condições edafoclimáticas e de manejo sejam favoráveis. Durante a época das chuvas, em amostras simulando o pastejo, Deresz (1994) encontrou taxas diárias de acúmulo de matéria seca de capim-elefante de até 100 kg/ha, indicando que é possível obter altas taxas de lotação durante a época das chuvas. Produções de leite de 15.000kg/ha/180 dias durante a estação chuvosa foram relatadas por Deresz e Mozzer (l994), usando vacas mestiças Holandês ´ Zebu em pastejo rotativo com taxa de lotação de sete vacas por hectare. Produções diárias de leite na estação das chuvas, de 12 a 14kg/vaca, sem concentrado foram observadas por Deresz et al. (1994). Alvim et al. (1997) também observaram produções de leite entre 12 e 14kg/vaca/dia, quando se retirou o efeito da suplementação com concentrado em pastagem de coast-cross.

O efeito da suplementação da pastagem com diferentes níveis de concentrado sobre a produção de leite em pastagens tropicais foi avaliado por Valle et al. (1987), Deresz et al. (1994) e Alvim et al. (1997). A resposta de vacas leiteiras em pastagens tropicais ao receberem suplementação com concentrado varia de 0,5 e 1,0kg de leite para cada 1,0kg de concentrado fornecido. Valle et al. (1987), ao trabalharem com vacas mestiças Holandês ´ Zebu, e Alvim et al. (1997), com vacas da raça Holandesa, obtiveram aumento em torno de 1,0kg de leite para cada 1kg de concentrado fornecido, superior à resposta observada por Aronovich et al. (1965), de 0,5kg de leite.

A disponibilidade de forragem em pastagens de capim-elefante adubado e manejado em sistema de pastejo rotativo foi pouco estudada no País. Soares et al. (1999) observaram disponibilidade média de matéria seca de 2.299kg/ha durante os meses de janeiro e março e de 473kg/ha no mês de julho. Para Olivo et al. (1992), a disponibilidade média variou de 1.842 a 2.816kg/ha entre dezembro e janeiro. Aroeira et al. (1999) encontraram valores médios de 1.900kg/ha de matéria seca para capim-elefante manejado com 30 dias de descanso e adubado com 200kg/ha/ano de nitrogênio, valores semelhantes aos relatados por Deresz (2001).

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da suplementação concentrada da pastagem de capim-elefante sobre a produção e composição de leite e sobre o peso vivo de vacas mestiças Holandês ´ Zebu.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido no Campo Experimental de Coronel Pacheco, pertencente a Embrapa Gado de Leite, no Município de Coronel Pacheco, MG, em uma área de pastagem de capim-elefante usada em pastejo rotativo desde 1988. Foram utilizadas 12 vacas mestiças Holandês ´ Zebu recém-paridas, seis vacas por tratamento e três por repetição de área. As médias de produção de leite no início do trabalho foram de 12,9 e 13,0kg/vaca/dia, as de peso vivo de 470 e 459kg e as de dias pós-parto de 52 dias para os tratamentos sem e com concentrado, respectivamente.

O experimento teve início em 26 de dezembro de 1991 e terminou em 30 de junho do ano seguinte.

O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, sendo os blocos formados com base na produção de leite, data de parto, grau de sangue e no peso vivo das vacas no início da lactação.

Os tratamentos foram: pastagem de capim-elefante sem suplementação de concentrado (SC) e com o fornecimento de 2kg de concentrado/vaca/dia (CC). O concentrado oferecido foi composto de 65% de milho grão moído, 20% de farelo de trigo, 10% de farelo de algodão, 2% de uréia, 2% de calcário e 1% de mistura mineral. A composição química média do concentrado na base da matéria seca foi de 20,6% de proteína bruta, 81,5% de digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS), 32% de fibra em detergente neutro e 82% de matéria seca.

A área foi dividida em 44 piquetes de 606m2 cada um, 22 para cada tratamento, representando duas repetições de área, constituída cada uma de 11 piquetes. A pastagem foi adubada com 200 kg/ha/ano de N e de K2O, fracionados em três parcelas iguais; o calcário dolomítico e o fósforo foram aplicados uma única vez no início das chuvas, usando-se 1.000 e 40 kg/ha/ano de P2O5, respectivamente. Os piquetes foram manejados para se obter altura de resíduo pós-pastejo do capim-elefante em torno de 90-100cm.

As estimativas da disponibilidade e da qualidade de forragem foram feitas de janeiro a abril, um dia antes da entrada dos animais nos piquetes, usando-se a técnica do pastejo simulado (Aroeira et al., 1999). Essas estimativas foram realizadas em touceiras representativas, com disponibilidades alta e baixa, resultando em quatro amostras mensais por tratamento. Da forragem colhida, subamostras foram retiradas para a determinação de matéria seca (MS), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN) e em detergente ácido (FDA).

A partir de 25 de maio as vacas passaram a receber suplementação de cana-de-açúcar picada, corrigida com 1% de uréia, à vontade no intervalo entre as ordenhas da manhã e da tarde. As médias de consumo de cana-de-açúcar in natura foram de 27,5 e 25,0kg/vaca/dia para os tratamentos SC e CC, respectivamente.

As vacas foram ordenhadas manualmente sem a presença do bezerro duas vezes ao dia, às 6 e 14 horas. Entre as duas ordenhas do dia, elas permaneceram em currais separadas por tratamento, onde tinham acesso à sombra, água e mistura mineral à vontade.

Foram pesadas a cada 14 dias, logo após a ordenha da manhã. As amostras individuais de leite para a determinação de gordura, proteína e extrato seco total foram coletadas a cada 14 dias.

Usou-se análise de variância em um modelo que incluiu os efeitos de blocos (6) e tratamentos (2). Foram consideradas estatisticamente diferentes as médias dos tratamentos quando tal efeito foi significativo ao nível de 5% de probabilidade.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na Tab. 1 são apresentados os dados médios de composição química de amostras de capim-elefante. Não houve diferença (P>0,05) entre os tratamentos com relação aos teores de matéria seca, proteína bruta, fibra em detergente neutro e em detergente ácido. Foi observado teor médio de matéria seca de 20% para os dois tratamentos. Deresz (1994) e Deresz et al. (2001) observaram valores de 17,5% e 15,8% de matéria seca em amostras de capim-elefante simulando pastejo e manejado com 30 dias de descanso, respectivamente. Os dados deste trabalho foram semelhantes aos dos autores citados.

 

 

Os teores de proteína bruta observados nos dois tratamentos foram semelhantes àqueles relatados por Deresz (1994) e Deresz (2001) para o capim-elefante adubado com 200 kg/ha de nitrogênio e manejado com 30 dias de descanso.

Com relação aos teores de FDN e FDA, foram observados valores médios de 70% e 40%, respectivamente. Estes resultados também são próximos aos observados por Deresz (1994) e Deresz (2001) e Deresz et al. (2001). É bom salientar que os teores de MS, PB, FDN e FDA são de amostras de rebrota do capim-elefante com 30 dias de idade.

Os valores de disponibilidade de matéria seca por hectare obtidas por meio do pastejo simulado são apresentados na Tab. 2. Houve efeito de tratamento e de mês de amostragem (P<0,05) para a disponibilidade de matéria seca por hectare. Os maiores valores ocorreram no mês de janeiro para o tratamento CC e os menores no mês de fevereiro para o tratamento SC. Essa produtividade representa uma disponibilidade de 20,7 e 25,9kg/vaca/dia no mês de janeiro e 16,2 e 17,2kg/vaca/dia de matéria seca no mês de fevereiro, para os tratamentos sem e com concentrado, respectivamente, considerando os valores de disponibilidade de matéria seca por hectare e a taxa de lotação de 4,5 vacas por hectare. Os menores valores de disponibilidade de matéria seca por hectare em fevereiro podem estar relacionados à menor precipitação pluviométrica ocorrida no mês. As estimativas de disponibilidade de matéria seca por hectare indicam que o consumo de matéria seca não foi o fator que limitou a produção de leite das vacas durante o período avaliado. Essas estimativas são maiores que as observadas por Soares et al. (1999) e Deresz (2001). Observa-se que a estimativa de disponibilidade média mensal de matéria seca por hectare e aquela referente ao total do período por hectare foi menor (P<0,05) no tratamento sem suplementação, indicando que a suplementação da pastagem com concentrado teve efeito sobre a disponibilidade de forragem ao longo dos meses avaliados. Isso pode explicar, em parte, a maior disponibilidade de matéria seca no tratamento com suplementação concentrada.

 

 

As estimativas de disponibilidade observadas nos diferentes meses do ano parecem bastante elevadas em relação às observadas por Deresz (2001) e Deresz et al. (2001). Isso pode ser atribuído em parte às condições climáticas ocorridas durante esse período, visto que houve variação (P<0,05) entre os meses estudados. Valores menores foram observados por Soares et al. (1999) e Aroeira et al. (1999).

Na Tab. 3 são apresentadas as produções médias diárias de leite não-corrigido e corrigido para 4% de gordura. Houve diferença (P<0,05) entre tratamentos tanto para o leite não-corrigido como para o corrigido. A diferença média diária para o leite corrigido entre os dois tratamentos foi de 0,9kg a favor do tratamento CC. Houve resposta média de 0,45kg de leite para cada 1kg de concentrado fornecido, embora o teor de nutrientes em termos de proteína bruta e nutrientes digestíveis totais contido em cada 1kg de concentrado fosse suficiente para produzir 2kg de leite. O que chama a atenção neste trabalho é a diferença mínima na produção média de leite entre o tratamento SC e CC. Alvim et al. (1997) observaram 1,0kg de diferença média para vacas da raça Holandesa manejadas em pastejo rotativo em pastagem de coast-cross, enquanto que Deresz et al. (1994) e Deresz (2001) encontraram, em média, 0,6kg de leite para cada 1,0 kg de concentrado fornecido, com vacas em pastagem de capim-elefante. Os resultados observados neste trabalho são bastante próximos àqueles relatados na literatura para vacas mestiças Holandês ´ Zebu de diferentes graus de sangue, com bom potencial de produção de leite (Cóser et al., 1999; Deresz, 2001).

 

 

Houve diferença (P<0,05) entre tratamentos quanto ao teor de proteína bruta do leite, sendo o teor mais elevado no tratamento que recebeu 2kg de concentrado por vaca por dia. Entretanto, não houve diferença (P>0,05) entre tratamentos quanto aos teores médios de gordura e de estrato seco total. As vacas do tratamento CC produziram leite com maior teor de proteína. Bachman (1992) discute o mecanismo de ação envolvido no aumento do teor de proteína do leite. Os teores de gordura, proteína e extrato seco total encontrados neste estudo são semelhantes aos obtidos por Deresz (2001) e Deresz et al. (2001).

Na Fig. 1 são apresentados os dados de produção média de leite corrigido para 4% de gordura. Chama a atenção a pequena resposta em leite para cada 1kg de concentrado fornecido, fato já observado por Aronovich et al. (1965), Valle et al. (1987) e Deresz (2001).

 

 

Na Fig. 2 são apresentados os dados médios de peso vivo das vacas. Nos dois tratamentos os animais ganharam peso ao final do período estudado, embora nos primeiros 60 dias tenha havido períodos curtos de perda de peso. Isso sugere que a forragem ingerida forneceu os nutrientes necessários para a produção média de leite sem a necessidade de mobilização de reservas corporais. É bom salientar que ao se considerar todo o período experimental, a variação média de peso vivo foi semelhante entre os tratamentos.

 

 

Não houve diferença (P>0,05) entre tratamentos quanto ao ganho médio diário das vacas durante o período avaliado. O ganho médio diário foi de 211 e 244g por vaca para os tratamentos SC e CC, respectivamente. Resultados de ganho médio diário semelhantes foram observados por Deresz (2001), ao trabalhar com vacas mestiças Holandês ´ Zebu em pastagem de capim-elefante.

 

CONCLUSÕES

Os valores de disponibilidade de matéria seca por hectare e a qualidade da pastagem selecionada pelas vacas durante a época das chuvas foram suficientes para atender às exigências de mantença e produção (13kg/vaca/dia) de leite de vacas mestiças Holandês ´ Zebu com esse potencial de produção de leite no início da lactação. Vacas com esse potencial de produção de leite podem ser manejadas em pastagem de capim-elefante na taxa de lotação de 4,5 vacas/ha, sem suplementação de concentrado durante a época das chuvas, sem que haja perda de peso vivo. A suplementação da pastagem de capim-elefante com concentrado durante a época das chuvas não foi vantajosa por causa da pequena resposta na produção de leite, isto é, menos de 0,5kg de leite para cada 1kg de concentrado fornecido. A produção de leite observada não foi proveniente da mobilização de reservas corporais pelo fato de as vacas ganharem peso durante o período experimental.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVIM, M.J.; VILELA, D.; LOPES, R.S. Efeitos de dois níveis de concentrado sobre a produção de leite de vacas da raça Holandesa em pastagem de coast-cross (Cynodon dactilum (L.) Pers). Rev. Bras. Zootec., v.26, p.967-975, 1997.        [ Links ]

AROEIRA, L.J.M.; LOPES, F.C.F.; DERESZ, F. et al. Pasture availability and dry matter intake of lactating crossbred cows grazing elephantgrass (Pennisetum purpureum, Schum.). Anim. Feed Sci. Technol., v.78, p.313-324, 1999.        [ Links ]

ARONOVICH, S.; CORRÊA, A.N.S.; FARIA, E.V. O uso de concentrados na alimentação de vacas leiteiras em boas pastagens de capim-elefante. I - Resultados de verão. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PASTAGENS, 9, 1965, São Paulo. Anais... São Paulo, 1965. v.2., p.919-921.        [ Links ]

BACHAM, K.C. Managing milk composition. In: VAN HORN, H.H.; WILCOX, C.J. (Eds.) Large dairy herd management. Champaign: American Dairy Science Association, 1992. p.336-346.        [ Links ]

CÓSER, A.C.; MARTINS, C.E.; FONSECA, D.M. et al. Efeito de diferentes períodos de ocupação da pastagem de capim-elefante sobre a produção de leite. Pesq. Agrop. Bras., v.34, p.861-866, 1999.        [ Links ]

DERESZ, F. Manejo de pastagem de capim-elefante para produção de leite e carne. In: SIMPÓSIO SOBRE CAPIM-ELEFANTE, 2, l994, Juiz de Fora. Anais... Coronel Pacheco, MG, 1994. p.116-137.        [ Links ]

DERESZ, F. Produção de leite de vacas mestiças Holandês ´ Zebu em pastagem de capim-elefante, manejada em sistema rotativo com e sem suplementação durante a época das chuvas. Rev. Bras. Zootec., v.30, p.197-204, 2001.        [ Links ]

DERESZ, F.; CÓSER, A.C.; MARTINS, C.E. et al. Utilização do capim-elefante (Pennisetum purpureum, Schum.) para a produção de leite. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE FORRAGEIRAS E PASTAGENS, 5, l994, Campinas. Anais... Campinas, 1994. p.103-199.        [ Links ]

DERESZ, F.; LOPES, F.C.F.; AROEIRA, L.J.M. Influência de estratégias de manejo em pastagem de capim-elefante na produção de leite de vacas Holandês ´ Zebu. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.53, p.482-491, 2001.        [ Links ]

DERESZ, F.; MOZZER, O.L. Produção de leite em pastagem de capim-elefante. In: Capim-elefante: Produção e utilização. Coronel Pacheco, MG, 1994. p.155-216.        [ Links ]

OLIVO, C.J.; MOREIRA, J.C.; BARRETO, I.L. et al. Utilização de pastagens de capim-elefante e capim-setária como base da alimentação de vacas em lactação, durante o verão. Rev. Soc. Bras. Zootec., v.21, p.347-352, 1992.        [ Links ]

SOARES, J.P.G.; AROEIRA, L.J.M.; PEREIRA, O.G. et al. Capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.) sob duas doses de nitrogênio. Consumo e produção de leite. Rev. Soc. Bras. Zootec., v.28, p.889-897, 1999.        [ Links ]

VALLE, L.C.S.; MOZZER, O.L.; VILLAÇA, H.A. et al. Níveis de concentrado para vacas em lactação em pastagem de capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum.) no período das águas. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 24, 1987, Brasília, DF. Anais... Brasília, 1987. 56p.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 12 de agosto de 2002
Recebido para publicação, após modificações, em 18 de fevereiro de 2003

 

 

E-mail: deresz@cnpgl.embrapa.br