SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 número4Efeito do óleo de soja em dietas com diferentes níveis de cálcio sobre a absorção e retenção óssea de cálcio e de fósforo em frangos de corteTamanho de vacas Nelore adultas e seus efeitos no sistema de produção de gado de corte índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

versão impressa ISSN 0102-0935versão On-line ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. v.55 n.4 Belo Horizonte ago. 2003

https://doi.org/10.1590/S0102-09352003000400013 

Efeito de antibiótico e probióticos sobre o desempenho e rendimento de carcaça de frangos de corte

 

Effect of antibiotic and probiotic on the performance and carcass yield of broilers

 

 

G.S.S. CorrêaI; A.V.C. GomesII; A.B. CorrêaIII; A.S. SallesIV; E.S. MattosIV

IAluna de Pós-graduação da UFRRJ-RJ - bolsista da FAPERJ Rua UAB, nº 19 - UFRRJ 23851-970 - Seropédica, RJ
IIInstituto de Zootecnia da UFRRJ
IIIGraduando de Medicina Veterinária da UFRRJ
IVAluno de pós-graduação da UFRRJ

 

 


RESUMO

Foram utilizados 3.000 pintos de corte em delineamento inteiramente ao acaso com cinco repetições de 150 aves por unidade experimental para avaliar o efeito de promotores de crescimento sobre o consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar de frangos de corte. As dietas experimentais foram: 1- dieta inicial (20,2% de proteína bruta e 2931kcal de energia metabolizável) de 1 a 20 dias de idade (DI) e dieta final (18,5% de proteína bruta e 2993kcal de energia metabolizável) de 21 a 40 dias de idade (DF); 2- DI mais 0,02% do probiótico Calsporin 10 para a fase inicial e DF mais 0,02% do probiótico Calsporin 10 para a fase final; 3- DI mais 2,0% de probiótico Estibion aves na fase inicial e DF mais 0,63% do probiótico Estibion aves para a fase final; 4- DI mais 0,013% do antibiótico bacitracina de zinco para a fase inicial e DF mais 0,013% do antibiótico bacitracina de zinco para a fase final. Na fase inicial os frangos alimentados com dietas contendo probióticos consumiram menos ração e tiveram melhor conversão alimentar. Os promotores de crescimento não tiveram efeito sobre as variáveis estudadas na fase final e no período total de criação. Observou-se maior peso de coxa para machos alimentados com dietas contendo o poliprobiótico.

Palavras-chave: frango de corte, antibiótico, carcaça, desempenho, probióticos, rendimento


ABSTRACT

A completely randomized design with five replicates and 150 chicks per experimental unity were used to evaluate the effect of growth promoters on feed intake, weight gain and feed:weight gain ratio of broilers. The experimental diets were: 1- initial diet (20.2% of crude protein and 2931kcal of metabolizable energy) from 1 to 20 days of age (ID) and final diet (18.5% of crude protein and 2993kcal of metabolizable energy) from 21 to 40 days of age (FD); 2- ID plus 0.02% of Calsporin10 probiotic and FD plus 0.02% of Calsporin10 probiotic; 3- ID plus 2.0% of probiotic Estibion and FD plus 0.63% of probiotic Estibion; 4- ID plus 0.013% of Zinc bacitracin and FD plus 0.013% of Zinc bacitracin. During the initial period broilers fed on probiotic diets showed lower feed intake and better feed:weight gain ratio. However growth promoters have no effect on the studied traits in the final and total periods. Higher thigh yields were observed for male fed on poliprobiotic diets.

Keywords: broiler, antibiotic, performance, probiotic, carcass, yield


 

 

INTRODUÇÃO

A avicultura comercial tem como objetivo obter alta produtividade a baixo custo e oferecer ao consumidor um produto de qualidade. Entretanto, para obtenção da alta produtividade alguns aditivos alimentares têm sido usados como promotores de crescimento, entre eles, os antibióticos. A utilização rotineira e indiscriminada dos antibióticos tem levado ao aparecimento de populações bacterianas resistentes (Fuller, 1989), levando ao desequilíbrio na simbiose entre microrganismos apatogênicos e o animal.

A pesquisa tem procurado desenvolver produtos que possam ser utilizados como substitutivos aos antibióticos promotores de crescimento. Entre as alternativas destacam-se os probióticos, os quais são produtos constituídos por microrganismos vivos que afetam beneficamente o animal hospedeiro, promovendo o equilíbrio da microbiota intestinal (Fuller, 1989), de forma que os antibióticos possam ser utilizados quando realmente necessários.

A utilização de probiótico como promotor de crescimento pode proporcionar maior ganho de peso, melhor conversão alimentar, maior rendimento de carcaça (Bertechini, Hossain, 1993; Wolke et al., 1996; Jin et al., 1998), porém nem sempre são observados efeitos benéficos com a sua utilização (Cavalcanti et al., 1996; Henrique et al., 1998). Fatores como, idade do animal, tipo de probiótico, viabilidade dos microrganismos no momento de serem agregados às rações, condições de armazenamento, condições de manejo (mínimo estresse) e sanidade podem afetar a eficácia dos probióticos.

Maruta (1993) observou aumento na quantidade de carne na carcaça, aumento da musculatura peitoral, diminuição da gordura abdominal, e diminuição do odor característico da carne de frango ao utilizar probiótico, mesmo contendo apenas uma cepa bacteriana. O autor observou que as fêmeas não apresentaram resultados favoráveis quanto ao uso ou não de probióticos na dieta. Para os machos, mesmo com a aplicação do produto apenas sete dias antes do abate, seu uso foi suficiente para permitir aumento na quantidade de carne e diminuição de gordura abdominal. Citou que com a administração de probiótico no período do crescimento, ao abate observaram-se resultados favoráveis para machos e fêmeas quanto à qualidade da carcaça. Os resultados mostraram que a taxa de abate também foi superior quando se adicionaram probióticos na ração. Loddi et al. (2000a) encontraram maior rendimento de carcaça para fêmeas (69,2%) em relação aos machos (68,6%) quando associaram probióticos com antibióticos.

O objetivo deste experimento foi avaliar os efeitos da inclusão de dois probióticos e um antibiótico na alimentação de frangos de corte sobre características de desempenho e de carcaça.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido no Setor de Avicultura do Instituto de Zootecnia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), em galpão convencional, dividido em 20 boxes.

Foram utilizados 3000 pintos de corte de um dia de idade, da linhagem comercial Hy Yield, em delineamento experimental inteiramente ao acaso com quatro tratamentos e cinco repetições, e 150 aves por unidade experimental (metade de cada sexo). Os promotores de crescimento adicionados às rações foram: Calsporin 10 (Fatec S. A. - Av. Fatec, 1300 - Arujá - SP), Estibion aves (L.Amorim - Av. Major Hilário Tavares Pinheiro, 3277 - Jaboticabal - SP) e bacitracina de zinco (Fatec S. A. - Av. Fatec, 1300 - Arujá - SP).

O Calsporin 10 é um probiótico que apresenta como ingrediente ativo esporos de Bacillus subtilis, com concentração de 1 x 1012 UFC/kg de produto. O Estibion aves é um poliprobiótico constituído de cepas de Lactobasillus acidophilus, Lactobacillus casei, Estreptococcus salivarium, Estreptococcus faecium, Bacillus subtilis, Bacillus toyoi, Sacharomices cerevisae em 2,5 x 1011 UFC/kg de produto. A bacitracina de zinco é um antibiótico polipeptídeo, produzido pelo Bacillus lincheformis, ativo contra bactérias gram-negativas, com concentração de 150g/kg de produto.

Para atender as exigências nutricionais das aves, o período de criação foi dividido em duas fases: inicial (1 a 20 dias) e final (21 a 40 dias). Água e ração foram fornecidas à vontade.

As rações foram formuladas para conter 20,2% de proteína bruta e 2.931 kcal de energia metabolizável (EM) por quilograma de ração na fase inicial, e 18,5% de proteína bruta e 2993kcal de EM por quilograma de ração, na fase final. As rações foram calculadas para conter os níveis de nutrientes recomendados por Rostagno et al. (1994). A composição das rações básicas encontram-se nas Tab. 1 e 2. Os probióticos e o antibiótico foram incluídos junto às rações, segundo as normas dos fabricantes.

 

 

 

 

Os tratamentos constaram de: grupo testemunha - alimentado com dieta inicial (DI) até 20 dias de idade e dieta final (DF) até 40 dias de idade; grupo Calsporin 10 - alimentado com DI + 0,02% do probiótico Calsporin 10 na fase inicial e DF + 0,02% do probiótico na fase final; grupo Estibion aves - alimentado com DI + 2,0% do probiótico Estibion aves na fase inicial e DF + 0,63% do probiótico na fase final; grupo bacitracina de zinco - alimentado com DI + 0,013% do antibiótico bacitracina de zinco na fase inicial e DF + 0,013% do antibiótico na fase final.

As características avaliadas foram consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar nas fases inicial e final e no período total. Para cálculo do ganho de peso as aves foram pesadas no início, aos 21 dias e aos 40 dias do período experimental. O consumo de ração foi obtido com base no consumo médio por unidade experimental dentro de cada fase. Os dados de conversão alimentar (kg ração/kgPV) foram obtidos com base no ganho de peso e no consumo médio de ração por fase.

Ao término do experimento foram retiradas aleatoriamente 10 aves (cinco machos e cinco fêmeas) por repetição (50 aves por tratamento), as quais foram identificadas para análise de rendimento. Elas foram submetidas a jejum de seis horas antes do abate. As carcaças foram pesadas sem os pés e a cabeça. O rendimento de carcaça e das partes foi calculado em relação ao peso vivo imediatamente antes do abate (%PC=peso de carcaça x100/peso vivo) e (%corte= peso corte x 100/peso vivo). Foram avaliados peso vivo, peso abatido, percentagem do peso abatido, peso do peito, percentagem do peito, peso da coxa, percentagem da coxa, gordura abdominal e percentagem da gordura abdominal. Os dados foram avaliados segundo metodologia descrita por Smith (1993).

As análises estatísticas foram feitas utilizando-se o programa SAEG desenvolvido por Euclydes (1982) na Universidade Federal de Viçosa - MG. Fez-se análise de variância e para as variáveis com efeito significativo do tratamento usou-se o teste Tukey para comparação de médias (P<0,05).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Tab. 3 mostra os resultados de desempenho no período inicial de 1 a 20 dias. O consumo de ração foi afetado (P<0,05) pelo poliprobiótico presente na dieta. As aves submetidas ao tratamento com Estibion aves apresentaram menor consumo de ração do que as submetidas aos demais tratamentos. Este resultado esta de acordo com Jin et al. (1996), Loddi et al. (2000a) e Moreira et al. (2002) que obtiveram melhor consumo de ração em aves que receberam dietas com probiótico na fase inicial. Trabalhos realizados por Henrique et al. (1997), Zuanon et al. (1998) e Loddi et al. (2000b) mostraram não haver diferenças no consumo de ração para frangos alimentados com ração contendo probióticos e antibióticos na fase inicial. Não foi observada diferença (P>0,05) entre tratamentos quanto ao ganho de peso dos frangos nesta fase. Resultados semelhantes foram encontrados por Owings et al. (1990), Jin et al. (1997), Henrique et al. (1998). Contudo, Watkins (1983), Henrique et al. (1997), Henrique et al. (1998), Loddi et al. (2000a) e Moreira et al. (2002) observaram diferença significativa no ganho de peso quando foram comparadas aves suplementadas e não suplementadas com probióticos.

 

 

Os frangos alimentados com dietas com Estibion aves tiveram melhor conversão alimentar do que os alimentados com as dietas testemunha ou que continha bacitracina de zinco. Resultados semelhantes foram encontrados por Jin et al.(1997), Lima et al. (1998) e Moreira et al. (2002), os quais obtiveram melhores resultados de conversão alimentar em aves que receberam probiótico comparadas com as que receberam antibiótico.

Os resultados de desempenho para a fase final estão na Tab. 4 e para o período total de criação na Tab. 5. Eles mostram que as variáveis consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar não foram afetados (P>0,05) pelo uso de antibiótico ou probióticos na ração. Estes resultados estão de acordo com os obtidos por Souza et al. (1993), Cavalcanti et al. (1996), Henrique et al. (1998), Zuanon et al. (1998), Araújo et al. (2000), Loddi et al. (2000b) e Moreira et al. (2002). Os resultados indicam a possibilidade de substituição do antibiótico bacitracina de zinco como promotor de crescimento por probiótico, mantendo os mesmos padrões de desempenho das aves, evitando os riscos de presença de resíduos de antibióticos na carcaça.

 

 

 

 

Quanto às características de carcaça (Tab. 6), não foram observadas diferenças entre tratamentos (P>0,05) quanto ao peso vivo e pesos e rendimentos da carcaça, do peito e da gordura abdominal. Estes resultados foram discordantes aos encontrados por Owings et al. (1990). Henrique et al. (1998) e Santos et al. (2002) observaram melhora nas características de carcaça com o uso de probióticos na ração. Para características de carcaças houve interação significativa entre tratamento e sexo para peso e rendimento de coxa (Tab. 7), de tal modo que os machos alimentados com dietas contendo Estibion tiveram maior peso e rendimento de coxa em relação aos demais tratamentos, enquanto que para fêmeas não houve diferença (P>0,05) entre os tratamentos para essas variáveis. Não houve efeito de tratamento e nem da interação sexo e tratamento para as demais características de carcaças estudadas (Tab. 6). Resultados semelhantes foram encontrados por Moreira et al. (2002), isto é, o sexo influenciou as variáveis peso vivo e pesos da coxa e sobrecoxa. Segundo os autores, os machos mostraram-se superiores às fêmeas quanto a essas características mas apresentaram valores inferiores para a variável gordura abdominal.

 

 

 

 

CONCLUSÕES

O uso do poliprobiótico proporcionou melhora na conversão alimentar na fase inicial. O uso de probióticos como promotor de crescimento, independente da fase de criação, pode substituir o de antibiótico nas rações de frangos de corte.

 

BIBLIOGRAFIA

ARAÚJO, L.F.; JUNQUEIRA, O.M.; ARAÚJO, C.S. et al. Antibiótico e probiótico para frangos de corte no período de 24 a 41 dias de idade. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 37, 2000, Viçosa. Anais... Viçosa: SBZ, 2000. p.254        [ Links ]

BERTECHINI, A.G.; HOSSAIN, S.M. Utilização de um tipo de probiótico como promotor de crescimento em rações de frangos de corte. In: CONFERÊNCIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1993, Santos. Anais... Santos: APINCO, 1993. p.1        [ Links ]

CAVALCANTE, J.S.; TEIXEIRA, A.S.; OLIVEIRA, A.I.G. et al. Probióticos e farinha de carne e ossos com diversos níveis de contaminação bacteriana para frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 33, 1996, Fortaleza. Anais... Fortaleza: SBZ, 1996. p.50-52        [ Links ]

EUCLYDES, R.F. Sistemas para análises estatísticas e genéticas (SAEG). Viçosa: UFV, 1982. 59p.        [ Links ]

FULLER, R. Probiotics in man and animals. A review. J. Appl. Bacteriol., v.66, p. 365-378, 1989.        [ Links ]

HENRIQUE, P.A.F.; FARIA, D.E.; NETO, R.F. et al. Uso de probióticos e antibióticos como promotores de crescimento para frangos de corte. In: CONFERÊNCIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1997, São Paulo. Anais...São Paulo: APINCO, 1997. p.27        [ Links ]

HENRIQUE, P.A.F.; FARIA, D.E.; NETO, R.F. et al. Uso de probióticos, antibióticos e ácidos orgânicos como promotores de crescimento para frangos de corte. In: CONFERÊNCIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1998, Campinas. Anais... Campinas: APINCO, 1998. p.35        [ Links ]

JIN, L. Z.; HO, Y.W.; ABDULLAH, N. et al. Influence of dried Bacillus subtilis and lactobacilli culture on intestinal microflora and performance in broilers. Asian Austr. J. Anim. Sci.,, v.9, p.397-403, 1996.        [ Links ]

JIN, L.Z.; HO, Y.W.; ABDULLAH, N. et al. Growth performance, intestinal microbial populacions, and serum cholesterol of broilers fed diets containing Lactobacillus cultures. Poult. Sci., v.77, p.1259-1265, 1998.        [ Links ]

JIN, L.Z.; HO, Y.W.; ABDULLAH, N. et al. Probiotics in poultry: modes of action. World's Poult. Sci. J., v.53, p.351-368, 1997.        [ Links ]

LIMA, A.C.F.; PIZAURO Jr., J.M.; RAMBOUSEK, M.J. et al. Avaliação do desempenho de frangos de corte alimentados com suplementação enzimática ou probiótica. In: CONFERÊNCIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1998, Campinas. Anais... Campinas: APINCO, 1998. p.5        [ Links ]

LODDI, M.M.; GONZALES, E.; TAKITA, T.S. et al. Uso de probiótico e antibiótico sobre o desempenho, o rendimento e a qualidade de carcaça de frangos de corte. Rev. Bras. Zootec., v.29, p.1124-1131, 2000a.        [ Links ]

LODDI, M.M.; SATO, R.N.; ARIKI, J. et al. Ação isolada ou combinada de antibiótico e probiótico como promotores de crescimento em rações iniciais de frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 37, 2000, Viçosa. Anais ...Viçosa: SBZ, MG, 2000b.        [ Links ]

MARUTA, K. Probióticos e seus benefícios. In: CONFERÊNCIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1993, Santos. Anais... Santos: APINCO, 1993. p.203-219.        [ Links ]

MOREIRA, J.; MENDES, A.A.; GARCIA, E.A. et al. Efeito do uso de probiótico sobre o desempenho e rendimento de carcaça em frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 38, 2002, Recife. Anais... Recife: SBZ, 2002. p.38        [ Links ]

OWINGS, W.J.; REYNOLDAS, D.L.; HASIAK, R.J. et al. Influence of dietary supplementation with Streptococcus faecium M-74 on broiler body weight, feed conversion, carcass characteristics, and intestinal microbiall colonization. Poult. Sci., v.69, p.1257-1264, 1990.        [ Links ]

ROSTAGNO, H.S.; SILVA, D.J.; COSTA, P.M.A. et al. Composição de alimentos e exigências nutricionais de aves e suínos (Tabelas Brasileiras). Viçosa: Imprensa Universitária, 1994. 59p.        [ Links ]

SANTOS, E.C.; TEIXEIRA, A.S.; RODRIGUES, P.B. et al. Uso de aditivos beneficiadores de crescimento sobre o rendimento de carcaça de frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 38, 2002, Recife. Anais... Recife: SBZ, 2002.        [ Links ]

SMITH, M.O. Parts yeld of broilers reared under cycling high temperatures. Poult. Sci., v.72, p.1146-1150, 1993.        [ Links ]

SOUZA, H.B.A.; SOUZA, P.A.; OBASE, S.N. et al. Utilização de rações iniciais para frangos de corte contendo alta e baixa energia associadas ou não a proteína animal, coccidicida e antibiótico. In: CONFERÊNCIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1993, Santos. Anais... Santos: APINCO, 1993. p.7        [ Links ]

WATKINS, B.A.; MILLER, B.F. Competitive gut exclusion of avian pathogens by Lactobacillus acidophillus in gnotobiotic chicks. Poult. Sci., v.61, p.1772-1779, 1983.        [ Links ]

WOLKE, LF.; FLEMING, J.S.; MIRA, R.T. et al. Utilização do probiótico Bacillus natto como promotor de crescimento na alimentação de frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 33, 1996, Fortaleza. Anais... Fortaleza: SBZ, 1996. p.36-38.        [ Links ]

ZUANON, J.A.S.; FONSECA, J.B.; ROSTAGNO, H.S.; SILVA, M.A. Desempenho de frangos de corte alimentados com rações contendo antibiótico e probiótico adicionados isoladamente, associados e em uso seqüencial. Rev. Bras. Zootec., v.27, p.994-998, 1998.        [ Links ]

 

 

Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ
Recebido para publicação em 26 de junho de 2002
Recebido para publicação, após modificações, em 4 de junho de 2003

 

 

E-mail: gegesalles@bol.com.br

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons