SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 issue3Nutritional composition and label evaluation of dry dog foods sold in Jaboticabal-SPEffectiveness of Cryptosporidium spp. oocysts detection and enumeration methods in water and milk samples author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.58 no.3 Belo Horizonte June 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352006000300022 

ZOOTECNIA E TECNOLOGIA E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

 

Controle bacteriológico de carne caprina para elaboração de hambúrguer caprino defumado

 

Bacteriological control of goat meat to elaboration of smoked goat hamburger

 

 

J.C. Metri; S.A.C. Andrade; E.C.L. Machado*; N.K.S. Shinohara; T.M.B. Biscontini

Departamento de Nutrição – Centro de Ciências da Saúde – UFPE Av. Prof. Moraes Rego, 1235 506670-901 – Recife, PE

 

 


RESUMO

Realizaram-se avaliações bacteriológicas da matéria-prima utilizada na elaboração de um produto cárneo caprino tipo hambúrguer defumado, antes e após sanitização. A carne foi tratada por aspersão, com uma solução de ácidos orgânicos contendo 2% de ácido acético, 1% de ácido lático, 0,25% de ácido cítrico e 0,1% de ácido ascórbico, e armazenada sob refrigeração. As análises bacteriológicas foram realizadas no dia 0 e aos 7 e 14 dias após defumação. Na carne, no dia 0, a contagem de coliformes fecais estava acima do limite permitido pela legislação vigente, mas sete dias após a sanitização, esse parâmetro estava dentro dos limites permitidos. No produto final todos os parâmetros bacteriológicos encontraram-se dentro dos padrões higiênico-sanitários.

Palavras-chave: hambúrguer defumado, caprino, sanitização, controle bacteriológico


ABSTRACT

In order to obtain a safe goat smoked hamburger, bacteriological analysis of the raw material was performed before and after sanitation. Meat was sprayed with a solution of organic acids containing 2% acetic acid, 1% lactic acid, 0.25% citric acid and 0.1% ascorbic acid and, after that, stored under refrigeration. Bacteriological analysis was carried out on days 0, 7 and 14 after goat smoked hamburger processing. In meat, on day 0, the fecal coliform count was above legal limits, but on day 7 after sanitation this parameter was these limits. In the final product, all the results of the bacteriological parameters were according to the sanitary-hygienic standards.

Keywords: goat, smoked hamburger, sanitation, bacteriological control


 

 

INTRODUÇÃO

A alta resistência ao calor e os baixos requisitos nutricionais dos caprinos são compatíveis com as características de clima quente e regime de chuvas da região Nordeste (Pecuária..., 1998). A composição da carne caprina é similar à de outras espécies animais, com teores de gordura de 0,6 a 2,6%, inferiores aos da carne de bovino adulto que é de 50 a 60% (Madruga, 1999; Cerri, 2000), de cordeiro (42-59%) e de novilho (25%), com teor de gordura saturada 40% inferior ao da ave sem pele (Jonhson e Eastridge, 1990).

Apesar do aumento da produção e consumo da carne caprina, existe ainda limitação na sua apreciação devido às suas características sensoriais, principalmente, odor e sabor, que são peculiares e acentuados. O aproveitamento tecnológico da carne caprina no Brasil é pouco explorado e realizado de forma artesanal (Zapata, 1994). Para aumentar o seu potencial de comercialização, modernas tecnologias devem ser empregadas, destacando-se a técnica da defumação a frio, utilizada na preservação e na melhoria das características sensoriais de produtos. Essa técnica apresenta vantagens em relação à defumação a quente por ser simples e higiênica, favorecer melhor uniformidade no sabor e cor e eliminar altos níveis de elementos carcinogênicos (Morais et al., 1996; Schindler, 1996).

O tratamento da matéria-prima é fundamental para a qualidade bacteriológica dos produtos elaborados, pois a qualidade final pode ser comprometida quando há elevada carga microbiana inicial. A sanitização de carnes com ácidos orgânicos é uma alternativa simples e de baixo custo que tem sido usada para aumentar a sua resistência à deterioração microbiana (Silva, 1999); o efeito desse tratamento depende do tipo e da concentração do ácido, do tempo e do método de aplicação, como também do microrganismo (Silva, 1995).

O hambúrguer tem elevada preferência de consumo, principalmente na rede de fast food, e é uma alternativa viável para a elaboração de um novo produto cárneo caprino (Batista, 1999). O objetivo deste estudo foi a produção de hambúrguer caprino defumado empregando-se prévia sanitização da matéria-prima com ácidos orgânicos, com a finalidade de melhorar a qualidade do produto final.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Carne caprina foi obtida da desossa integral (exceto o pernil), de 12 animais (SRD), com idade entre 8 a 12 meses e peso médio por carcaça de 20kg. Após a retirada do excesso de tecido conjuntivo, coágulos e gordura superficial, a carne foi cortada manualmente em forma de cubos e triturada em processador1. Para a sanitização com ácidos orgânicos, de acordo com Osthold et al. (1984), a carne triturada foi dividida em duas partes, uma tratada (T2) por aspersão com solução contendo 2% de ácido acético, 1% de ácido lático, 0,25% de ácido cítrico e 0,1% de ácido ascórbico, a outra usada como controle (T1). A carne tratada e não tratada foi armazenada sob refrigeração, e nos dias 0, 7 e 14 após a defumação realizaram-se as análises bacteriológicas.

Na carne sanitizada foram adicionados 1,9% de proteína texturizada de soja (PTS), 1,9% de sal e 12,6% de gelo após homogeneização em processador1. A massa resultante foi mantida em refrigeração por 24 horas. Para formatação da massa utilizou-se placa de Petri (11×1cm) e 100g de carne/hambúrguer. Os hamburgueres foram envoltos em filme de PVC transparente, acondicionados em sacos de polietileno e mantidos a -20ºC.

Para determinação das condições padrão da defumação, realizou-se um estudo com as concentrações de 0,1%, 0,2%, 0,3% e 0,4% da fumaça líquida para ambas as aplicações, direta e aspersão, realizadas previamente e após a formatação do hambúrguer, respectivamente, segundo Pszczola (1995). Empregou-se o teste de ordenação (Teixeira et al., 1987) para escolha da melhor técnica de aplicação e concentração da fumaça líquida.

Para caracterização bacteriologica da matéria-prima e do hambúrguer defumado, foram realizadas análises de coliformes a 45ºC e Salmonella sp (Official..., 1998; Brasil, 2001). O hambúrguer defumado foi testado também para clostrídios sulfito redutores e Staphylococcus.

Os resultados das análises microbiológicas foram submetidos à análise de variância e comparados pelo teste Tukey (P£0,05).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na matéria-prima, apenas a contagem de coliformes fecais não estava dentro dos padrões estabelecidos pela resolução RDC nº 12 (Brasil, 2001), demonstrando elevado grau de contaminação (Tab. 1). Resultados semelhantes foram obtidos por Gill e Penney (1982), quando examinaram microbiologicamente amostras de carne caprina e encontraram contaminação por coliformes fecais.

Essa contaminação pode estar relacionada a fatores como prática higiênico-sanitária no animal antes, durante e após o abate, enfatizando-se a evisceração como uma das operações que mais oferece riscos, e o contato com couro, patas, pêlos, utensílios, equipamentos e manipuladores (Silva, 1995).

Observou-se diminuição considerável no número de coliformes fecais sete dias após a sanitização, com número abaixo do limite permitido (Brasil, 2001). Resultados semelhantes foram obtidos por Dixon et al. (1987) e Hamby et al. (1987), ao utilizarem soluções contendo 1,25% de acido lático e 1% ácido acético em carcaças bovinas, 1% de ácido lático e 1% de ácido acético em cortes bovinos.

Ao final do ensaio, após 14 dias de armazenamento, a contagem bacteriológica na carne sanitizada permaneceu na mesma proporção dos valores obtidos no dia 7, fato que pode ser atribuído à perda de eficiência dos ácidos orgânicos no decorrer do tempo.

Os resultados encontrados estão de acordo com os estudos de Silva e Beraquet (1997), ao relatarem que a perda da eficiência dos ácidos pode ser devido ao poder tamponante da proteína muscular, como, também, à sua evaporação.

O processo de sanitização com ácidos orgânicos em produtos cárneos surge como uma alternativa viável e necessária para garantir a segurança e a salubridade do alimento em todos os estágios de sua elaboração até seu consumo. É através da salubridade microbiológica da matéria-prima e da manutenção das exigências higiênico-sanitárias nos estabelecimentos industriais de produtos de origem animal que será possível obter um produto final de qualidade satisfatória, tornando-o próprio para consumo e, conseqüentemente, sem riscos à saúde do consumidor (Price e Schweigert, 1994; Silva e Beraquet, 1997; Silva, 1999).

No produto elaborado, os resultados dos testes bacteriológicos foram satisfatórios (Tab. 2), encontrando-se dentro do limite permitido (Brasil, 2001). Batista (1999), ao estudar os parâmetros microbiológicos em hambúrguer caprino, não encontrou contaminação por coliformes fecais, clostrídios sulfito redutores, salmonela e mesófilos, refletindo boas práticas de manipulação durante o processamento. Coelho e Barbosa (1993) verificaram em alguns tipos de hambúrgueres bovinos processados artesanalmente números de coliformes fecais acima de 2400 NMP/g, superiores aos padrões permitidos.

A qualidade bacteriológica do produto caprino defumado, pode estar relacionada com a sanitização da matéria-prima ou, ainda, com a utilização da fumaça líquida durante o processo de defumação, uma vez que se trata também de um produto com propriedades antimicrobianas.

Em relação aos resultados da padronização da concentração da fumaça líquida e das técnicas de aplicação, observou-se que, na ordem de preferência, o primeiro e o segundo lugares foram as concentrações 0,3% e 0,2%, respectivamente, com a técnica de aplicação direta. Resultados semelhantes foram obtidos com a técnica de aplicação por aspersão, porém, com valores absolutos diferentes quanto à ordem de preferência para o primeiro e o segundo lugares, 0,2% e 0,3%, respectivamente.

Não houve diferença no teste de ordenação (P>0,05). Em valores absolutos, as concentrações de 0,2 e 0,3% foram as preferidas pelos avaliadores nas duas técnicas, e a aplicação direta ocupou o primeiro e o segundo lugares na ordem de preferência, com predominância da concentração 0,2% (Tab. 3). Segundo Schindler (1996), a técnica de aplicação direta de fumaça líquida é uma das mais fáceis e precisas, com a vantagem de tornar mais simples e barato o processo de defumação, dispensando equipamentos, instalações e mão-de-obra qualificada.

A discordância entre estes resultados e os de Hsu e Sink (1977) e Schindler (1996) pode estar relacionada com as características próprias do produto, tecnologia de processamento, diferentes composições químicas das carnes e ingredientes utilizados e condições de permeabilidade da superfície do produto, que poderiam interferir na quantidade e na velocidade de deposição da fumaça durante os processos de defumação aspectos já mencionados por Canhos e Dias (1983) e Pardi et al. (1995).

 

CONCLUSÃO

O processo de sanitização da matéria-prima e a utilização da fumaça líquida para defumação são alternativas viáveis para se obter um produto cárneo caprino com menor contaminação bacteriológica e características sensoriais apreciáveis.

 

AGRADECIMENTOS

À Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária, ao Frigorífico Industrial de São Lourenço da Mata e à CITROMAX.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BATISTA, A.S.M. Aproveitamento de carne caprina de descarte na formulação de um embutido cru tipo hambúrguer. 1999. 99f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.        [ Links ]

BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária de Alimentos. Resolução – RDC n.12/01. Regulamento técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. In: Diário Oficial, [da República Federativa do Brasil] Brasília, 02 de janeiro, 2001.        [ Links ]

CANHOS, D.A.L.; DIAS, E.L. Tecnologia de carne bovina e produtos derivados. São Paulo: FTPT, 1983.        [ Links ]

CERRI, C. Caprinos: parceiros do sertão. Rev. Globo Rural, v.15, 2000.        [ Links ]

COELHO, M.S.L.; BARBOSA, D.F. Estudo comparativo da qualidade microbiológica de hambúrgueres processados artesanal e industrialmente. Rev. Ceres, v.40, p.235-241, 1993.        [ Links ]

DIXON, Z.R.; VANDERZANT, C.; ACUFF, G.R., et al. Effect of acid of beef strip lion steaks on microbiological and sensory characteristics. Int. J. Food Microbiol., v.5, p.181-186, 1987.        [ Links ]

GILL, C.O.; PENNEY, N. Bacterial penetration of muscle tissue. J. Food Sci., v.47, p.690-691, 1982.        [ Links ]

HAMBY, P.L.; SAVELL, J.W.; ACUFF, G.R., et al. Spray-schilling and carcass decontamination systems using lactic and acetic acid. Meat Sci., v.21, p.1-14, 1987.        [ Links ]

HSU, L.A.; SINK, J.D. Cor da carne e defumação com fumaça liquida. Col. ITAL., v.8, p.271-277, 1977.        [ Links ]

JONHSON, D.D.; EASTRIDGE, J.S.; NEUBAUER, D.R. et al. Effect of sex class on nutrient content of meat from Young Goat. J. Anim. Sci., v.73, p.296-301, 1995        [ Links ]

MADRUGA, M.S. Artigo técnico carne caprina: verdades e mitos a luz da ciência. Rev. Nac. Carne, v.23, p.34-40, 1999 .        [ Links ]

MORAIS, C.; MACHADO, T.M.; TAVARES, M. et al. Defumação líquida da truta Arco-íris (Oncorhynchus mykiss) efeitos do processamento e da estocagem nas propriedades físicas, químicas e sensoriais. Rev. Inst. Adolfo Lutz, v.56, p.43-48, 1996.        [ Links ]

OFFICIAL methods of analysis. 16.ed. 2V. Washington, DC: Association of Official Analytical Chemists, 1998.        [ Links ]

OSTHOLD, W., SKIN, H.K., DRESEL, J., et. al. Improving the storage life of carcasses by treating their surfaces with an acid spray. Fleischwirtsch, v.64, p.828-830, 1984.        [ Links ]

PARDI, M.C.; SANTOS, I.F.; SOUZA, E.R. et al. Ciência, higiene e tecnología da carne. Goiana: Eduff,1995. v.1.        [ Links ]

PECUÁRIA. Petrolina/Semi – Árido, 1998. Disponível em <http://www.cpatsa.embrapa.br> Acessado em 12 de fevereiro de 1999        [ Links ]

PRICE, J.F.; SCHWEIGERT, B.S. Ciência de la carne y de los productos carnicos. 2.ed. Zaragoza: Acribia, 1994. 581p.        [ Links ]

PSZCZOLA, D.E. Tour highlights production and uses of smoke-based flavors. Food Technol., v.49, p.70-74, 1995.        [ Links ]

SCHINDLER, J. Fumaça liquida natural. Rev. Nac. Carne, v.20, p.35-46, 1996.        [ Links ]

SILVA, J.A. Extensão da vida-de-prateleira da carne bovina pela utilização de sanitizantes físicos e químicos. 1995. 119f. Tese (Doutorado) - Universidade de Campinas, Campinas, SP.        [ Links ]

SILVA, J.A. Sanitização da carne bovina com ácidos orgânicos. Parte II. Rev. Hig. Alim., v.13, p.37-43, 1999.        [ Links ]

SILVA, J.A.; BERAQUET, N.J. Redução da contaminação inicial de carne bovina pela sanitização com ácidos orgânicos. Bol. CEPPA, v. 15, 1997.        [ Links ]

TEIXEIRA, E.; MEINERT, E.M.; BARBETTA, P.A. Analise sensorial de alimentos. 2.ed. Florianópolis: UFSC, 1987. 180p.        [ Links ]

ZAPATA, J.F.F. Tecnologia e comercialização de carne ovina. In: SEMANA DA CAPRINOCULTURA E DA OVINOCULTURA TROPICAL BRASILEIRA, 1994, Brasília. Anais... Brasília: Embrapa, 1994.        [ Links ]

 

 

Recebido em 8 de novembro de 2004
Aceito em 27 de setembro de 2005

 

 

1 Master, Arno-Brasil
* Autor para correspondência (corresponding author)
E-mail: erilane@ig.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License