SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 issue3Monitoring of pathologies in growing swinesAirway recurrent obstruction in mules: report of three cases author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.59 no.3 Belo Horizonte June 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352007000300011 

MEDICINA VETERINÁRIA

 

Efeitos da solução salina hipertônica a 7,5% em glicose a 5% nas concentrações séricas de sódio, cloreto e potássio de eqüinos com hipovolemia induzida

 

Effects of 7,5% hypertonic saline in 5% glucose on serum levels of sodium, chloride and potassium in induced hypovolemic horses

 

 

A.I. BordinI; H.P. OliveiraII; C.F. FreitasIII; D. Verçosa JuniorI; C.A. MarvalI; M.R. FonsecaI; G. PagliosaI; M.V. SouzaIV; G.E.S. AlvesII

IAluno de pós-graduação - EV-UFMG – Belo Horizonte, MG
IIEscola de Veterinária - UFMG – Caixa Postal 567 – 30123-970 – Belo Horizonte, MG
IIIFundação Instituto Ezequiel Dias – Belo Horizonte, MG
IVMédica veterinária autônoma – Belo Horizonte, MG

 

 


RESUMO

Estudaram-se os efeitos de soluções salinas isotônica e hipertônica em eqüinos hipovolêmicos sobre as concentrações séricas de sódio, cloreto e potássio e freqüências cardíaca (FC) e respiratória (FR). Quinze eqüinos machos com peso entre 390 e 475kg e idades entre quatro e 18 anos foram submetidos à retirada de sangue correspondente a 2% do peso corporal e distribuídos em três grupos de igual número: o grupo GSH recebeu solução hipertônica de NaCl a 7,5% em glicose a 5%; o GSI, solução isotônica de NaCl a 0,9%; e o GC não foi tratado. Os eletrólitos séricos foram avaliados antes (T0), após a retirada de sangue (T1) e após a infusão das soluções, entre 20 e 30 minutos (T2), entre 60 e 70 minutos (T3) e entre 120 e 130 minutos (T4). Após T0, houve elevação da FC e da FR, e as concentrações séricas de Na, Cl, K permaneceram inalteradas. Após a infusão, houve melhora das variáveis clínicas em GSI e GSH, em relação ao GC. Quanto a T3 e T4, os valores de Na em T2 do GSH foram maiores, e os de Cl e de K não se alteraram. As soluções hipertônica e isotônica são seguras na correção da hipovolemia induzida e não produzem alteração eletrolítica significativa.

Palavras-chave: eqüino, fluidoterapia, desidratação, eletrólitos, sangue


ABSTRACT

The effect of isotonic and hypertonic solutions on serum levels of sodium, chloride and potassium and cardiac (CR) and respiratory rates (RR) of hypovolemic horses were studied. Fifteen horses weighting from 390 to 475kg, aging from four to 18-years-old were submitted to bleeding of 2% of body weight and divided in three groups: 7.5% NaCl hypertonic saline in 5% glucose (GSH), 0.9% NaCl isotonic saline and control group (GC). Serum electrolytes were evaluated before (T0) and after bleeding (T1) and after the administration of the solutions between 20 and 30 minutes (T2), 60 and 70 minutes (T3) and 120 and 130 minutes (T4). After T0, CR and RR increased while serum sodium, chloride, potassium were not affected. After the treatment, the clinical variables improved in GSI and GSH as compared to GC. The Na levels increased in GSH at T2 being higher than T3 and T4 while chloride and potassium concentrations did not change. The hypertonic and isotonic solutions safely corrected the hypovolemia of the horses, without altering significantly the electrolyte balance.

Keywords: horse, fluid therapy, dehydration, electrolyte, blood


 

 

INTRODUÇÃO

Os efeitos da hemorragia aguda no organismo animal são diferentes dos efeitos da hemorragia crônica. Nesta, há tempo para compensação e deslocamento de fluidos antes do aparecimento de sinais clínicos (Jain, 1986). A agitação, o medo e as situações estressantes induzem a liberação de catecolaminas pelo córtex da adrenal, com elevação das freqüências cardíaca e respiratória (Moberg, 1987; Norman e Litwack, 1997). A infusão da salina hipertônica em eqüinos anestesiados manteve inalterados parâmetros como freqüências cardíaca (FC) e respiratória (FR) (Fantoni et al., 1997).

As concentrações de eletrólitos tendem a se manter constantes ou diminuir durante a hemorragia ou sangria e até duas horas após, as variações significativas ocorrem a partir de um dia após a colheita de sangue (Malikides et al., 2001). As alterações nas concentrações de H+ e HCO3- podem influenciar a concentração de potássio no fluido extracelular (Divers et al., 1986). Os valores de referência de sódio, cloreto e potássio séricos em eqüinos linfáticos são, respectivamente, 132,0 a 146,0mmol/l, 99,0 a 109,0mmol/l e 2,4 a 4,7mmol/l (Kaneko et al., 1997).

As soluções salinas têm sido indicadas para o tratamento de choque hipovolêmico por mais de 70 anos (Duval, 1995). Os seus benefícios foram demonstrados em várias espécies, como eqüinos (Schmall et al., 1990a e 1990b), caninos (Prough et al., 1991; Schertel et al., 1996), bovinos (Constable, 1999), murinos (Murao, 2003), suínos (Hellyer e Meyer, 1994) e ovinos (Taylor, 1999).

A indicação para o uso das soluções salinas é a recuperação do volume circulante nos casos de choque hipovolêmico, principalmente quando não há doador de sangue disponível (Gasthuys, 1994; Sztark et al., 1997), de hipotensão induzida pela anestesia (Fantoni et al., 1997) e de choque com trauma craniano e lesão pulmonar (Duval, 1995). A posologia recomendada é 4ml/kg de peso corporal pela via intravenosa, com administração posterior das soluções isotônicas (Bertone, 1991). O pouco volume da solução administrada rapidamente aumenta o débito cardíaco, a pressão arterial, a oxigenação e o consumo de oxigênio, além de diminuir o requerimento de soluções cristalóides na fluidoterapia (Muir, 1990; Duval, 1995).

As implicações hemodinâmicas (Schmall et al., 1990a) e hematológicas (Schmall et al., 1990b) das soluções de salina hipertônica a 7,5% e isotônica a 0,9% foram comparadas em eqüinos anestesiados em estado de choque hemorrágico. Foi demonstrado que a solução hipertônica aumentou significativamente o débito cardíaco, o volume sistólico, a pressão arterial sistêmica e o volume plasmático em relação à solução isotônica, porém sem diferença na freqüência cardíaca após a administração de ambas as soluções (Schmall et al., 1990a). Em outro estudo, a administração da solução hipertônica aumentou as concentrações de sódio e cloro e a osmolalidade, ao passo que a administração da solução isotônica diminuiu a concentração desses íons e não alterou a osmolalidade (Schmall et al., 1990b).

O objetivo deste trabalho foi analisar os efeitos da solução hipertônica a 7,5% em glicose a 5% nas variáveis clínicas e na concentração de sódio, cloreto e potássio em eqüinos com hipovolemia induzida.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram utilizados 15 eqüinos, machos orquiectomizados, sem raça definida, com idade entre quatro e 18 anos e peso corporal entre 390 e 475kg, utilizados na Fundação Ezequiel Dias (FUNED) para a produção de soro antiofídico.

Os animais foram colocados em troncos de contenção para avaliação das variáveis clínicas, colheita de sangue para análise laboratorial (T0) e indução da hipovolemia. Após a avaliação clínica, fez-se a retirada de 20ml/kg de sangue (2% de peso corporal), mediante canulação da veia jugular esquerda, utilizando-se agulha com 60mm de comprimento e 3,5mm de diâmetro acoplada à bolsa de colheita de sangue1.

Os animais foram distribuídos em três grupos experimentais de igual número. Trinta minutos após a sangria, foram iniciados os seguintes tratamentos: grupo solução isotônica (GSI): administração intravenosa de solução isotônica de cloreto de sódio a 0,9%2, administrada sob pressão com a utilização de pêra de borracha por meio de cateter calibre 14G x 23 na veia jugular esquerda, em volume correspondente ao do sangue colhido (20ml/kg de peso corporal); grupo solução hipertônica (GSH): administração intravenosa de solução cloreto de sódio a 7,5% em glicose a 5%, administrada pelo mesmo método na dose de 4ml/kg de peso corporal sem pressão. A solução salina hipertônica foi produzida no laboratório da FUNED, utilizando-se glicose 5%4 e cloreto de sódio PA; grupo-controle (GC): sem tratamento.

Após 30 minutos da retirada do sangue, foram novamente mensuradas as variáveis clínicas e colhidas as amostras de sangue do próximo tempo (T1). Em todos os animais, as freqüências cardíaca e respiratória foram avaliadas entre 20 e 30 minutos antes da sangria (T0) e entre 20 a 30 minutos após a sangria (T1). Nesses períodos, foram colhidas amostras de sangue em frascos a vácuo sem anticoagulante, para avaliação das concentrações séricas de sódio, cloreto e potássio. Logo após T1, foram administradas as soluções nos grupos GSI e GSH e, em seguida, foram feitas avaliações das variáveis entre 20 e 30 minutos (T2), entre 60 e 70 minutos (T3) e entre 120 e 130 minutos (T4) em todos os grupos.

As amostras foram centrifugadas a 5000rpm durante 10 minutos, o soro separado e resfriado imediatamente após a colheita. As determinações das concentrações de sódio4 foram feitas pelo método de espectrofotometria de chama, e as de cloreto5 e potássio6 pelo método colorimétrico7.

As médias foram calculadas e os dados submetidos à análise de variância. Para a determinação das diferenças entre os tempos e os tratamentos, foi utilizado o teste t de Student (P< 0,05).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

As médias e os desvios-padrão das freqüências cardíaca e respiratória estão representados na Tab. 1, e as concentrações séricas de sódio, cloreto e potássio na Tab. 2.

 

 

 

 

A retirada rápida de 20ml/kg de sangue (21± 7,7min) causou desconforto e agitação nos animais, ocorrendo taquicardia, taquipnéia e sudorese. A hemorragia foi aguda, o que não permitiu compensação e deslocamento de fluidos, como acontece na hemorragia crônica (Jain, 1986). Além disso, a agitação e o medo induzem a liberação de catecolaminas pelo córtex da adrenal (Norman e Litwack, 1997). A ação de catecolaminas pode interferir nos parâmetros clínicos estudados, como as freqüências cardíaca e respiratória, e as variáveis laboratoriais devido à contração esplênica.

A velocidade de infusão da solução foi cerca de 30ml/kg/hora para a solução hipertônica e 17ml/kg/hora para a solução isotônica, ambas adequadas para a restauração da volemia. No entanto, no GSH, a velocidade de infusão foi mais rápida, o que é desejável em se tratando de solução hipertônica. O grande volume de solução isotônica necessário pode ser uma desvantagem em situações emergenciais, como choque hipovolêmico e hemorrágico, em que a velocidade com a qual o volume circulante é restabelecido é imperativa devido aos efeitos deletérios que se seguem à hipoperfusão tecidual. A solução hipertônica, pelo reduzido volume a ser administrado, sugere ser mais indicada em situações que requerem rápido restabelecimento da volemia.

A freqüência cardíaca (FC) inicial de todos os animais foi considerada elevada antes da retirada de sangue (Tab. 1), uma vez que os valores se situaram entre 30 a 40 batimentos/minuto com o eqüino em repouso (Speirs, 1999a). A elevação da FC inicial (T0) foi atribuída ao comportamento agitado dos animais. A taquicardia observada após a sangria pode ser explicada pelo mecanismo compensatório à diminuição do volume circulante, com o objetivo de manutenção do débito cardíaco, conforme considerado por Rudloff e Kirby (1994).

Todos os animais apresentaram a freqüência respiratória (FR) elevada desde o T0 até o T4 (Tab. 1), já que a FR esperada para animais em repouso é de 18 a 20 movimentos respiratórios por minuto (Speirs, 1999b). Nos GC e GSI, houve elevação significativa da FR após a sangria. A taquicardia e a taquipnéia podem ser atribuídas à hipovolemia, que causa hipotensão e hipoperfusão. Como a taquicardia e a taquipnéia foram observadas em todos os tempos, isso invariavelmente resultou do estresse dos animais durante o experimento, além da redução do volume circulante, conforme citações de Moberg (1987); Norman e Litwack (1997). Nos animais que receberam solução hipertônica, a exemplo das observações feitas por Fantoni et al. (1997) em eqüinos anestesiados, as freqüências cardíaca e respiratória não apresentaram alterações.

Os valores de sódio, cloreto e potássio em todos os grupos não reduziram significativamente após a sangria, com exceção dos valores de sódio no grupo-controle (Tab. 2). Segundo Malikides et al. (2001), as variações são significativas apenas a partir de 24 horas após a retirada de sangue. Em face dos resultados e das características do retorno dos eletrólitos, esses dados não são importantes nas primeiras horas após a sangria.

Os valores de potássio em T0 já se encontravam elevados ou no limite fisiológico superior para a espécie (Tab. 2), de acordo com Kaneko et al. (1997). Uma das possibilidades para a ocorrência desses valores seria que a baixa perfusão tecidual levaria a um quadro de acidose com elevação dos valores do íon hidrogênio e aumento na retenção de potássio nos rins para que ocorra a eliminação adequada de H+ (Raiser, 1988). Não foram mensuradas as concentrações de H+ e de HCO3-, que, segundo Divers (1986), poderiam influenciar o sódio e o potássio. Outra hipótese seria a possível ocorrência de alterações renais nos animais utilizados, já que os eqüinos eram submetidos à inoculação de veneno botrópico. Em camundongos, o veneno botrópico é potencialmente prejudicial aos rins (Barbosa et al., 2002). Após a infusão de solução hipertônica, esperava-se que houvesse redução da concentração sérica de potássio, conforme citaram Schmall et al. (1990b), mas tal ocorrência não foi verificada nesse estudo (Tab. 2).

Os valores de sódio (Tab. 2) se elevaram no GSH após a infusão da solução hipertônica (T2) com redução nos tempos seguintes, fato atribuído à administração da solução hipertônica a 7,5% de cloreto de sódio. No entanto, os valores de cloreto (Tab. 1) apresentaram redução após o tratamento. Esse fato contraria as expectativas, que eram de aumento na concentração de sódio e cloreto, a exemplo do que observaram Schmall et al. (1990b).

A solução de cloreto de sódio a 7,5% em glicose a 5% foi adequada para compensar a hipovolemia com redução de 25% do volume circulante em eqüinos, com infusão rápida e resultados equivalentes aos da solução isotônica.

Os eletrólitos séricos apresentaram concentrações constantes e nos parâmetros fisiológicos, demonstrando que a solução hipertônica corrige a hipovolemia de maneira segura e rápida.

 

AGRADECIMENTOS

À Fundação Ezequiel Dias, à Aster Produtos Médicos Ltda., à Quibasa Química Básica, à Doles Reagentes e Equipamentos para Laboratório Ltda. e ao TECSA Laboratórios.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARBOSA, P. S. F.; HAVT. A.; FACÓ, P. E. G. et al. Renal toxicity of Bothrops moojen snake venom and its main myotoxins. Toxicon, v.40, p.1427-1435, 2002        [ Links ]

BERTONE, J. J. Hypertonic Saline in the management of shock in horses. Comp. Cont. Educ., v.13, p.665-668, 1991.        [ Links ]

CONSTABLE, P. D. Hypertonic saline. Vet. Clin. North Am. Food Anim. Pract., v.15, p.559-585, 1999.        [ Links ]

DIVERS, T. J.; FREEMAN, D. E.; ZIEMER, E. L. et al. Interpretation of electrolyte abnormalities in clinical disease in the horse. In: ANNUAL CONVENTION OF AMERICAN ASSOCIATION OF EQUINE PRACTITIONERS, 32., 1986, Tennessee. Proceedings…Tennessee: AAEP, 1986. p.69-80.        [ Links ]

DUVAL, D. Use of hypertonic saline solutions in hypovolemic shock. Comp. Cont. Educ. Pract. Vet., v.17, p.1228-1231, 1995.        [ Links ]

FANTONI, D. T.; LIMA, F. A.; ALVARENGA, J. et al. Uso da solução hipertônica de cloreto de sódio a 7,5% no tratamento da hipotensão arterial decorrente da anestesia com halotano em eqüinos. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci., v.34, p.327-331, 1997.        [ Links ]

GASTHUYS, F. The value of 7,2% hypertonic saline solution in anaesthesia and intensive care: myth or fact? J. Vet. Anaest., v.21, p.12-14, 1994.        [ Links ]

HELLYER, P. W.; MEYER, R.E. Effects of hypertonic saline on myocardial contractility in anaesthetized pigs. J. Vet. Pharmacol. Ther., v.17, p.211-217, 1994.        [ Links ]

JAIN, N. C. Blood volume and water balance. In: ___. Schalm’s veterinary hematology. 4.ed. Philadelphia: Lea & Febiger, 1986. p.87-102.        [ Links ]

KANEKO, J. J.; HARVEY, J. W.; BRUSS, M. L. Blood analyte reference values in large animals. In: ___Clinical biochemistry of domestic animals. 5.ed. San Diego: Academic, 1997. p.890-894.         [ Links ]

MALIKIDES, N.; HODGSON, J. L.; ROSE, R.J. et al. Cardiovascular, haematological and biochemical responses after large volume blood collection in horses. Vet. J., v.1, p.44-55, 2001.        [ Links ]

MOBERG, G. P. Problems in defining stress and distress in animals. J. Vet. Med. Assoc., v.191, p.1207-1211, 1987.        [ Links ]

MUIR, W. W. Small volume resuscitation using hypertonic saline. Cornell Vet., v.80, p.7-12, 1990.        [ Links ]

MURAO, Y.; HATA, M.; OHNISHI, K. et al. Hypertonic saline resuscitation reduces apoptosis and tissue damage of the small intestine in a mouse model of hemorrhagic shock. Shock, v.20, p.23-28, 2003.         [ Links ]

NORMAN, A. W.; LITWACK, G. Hormones of the adrenal medulla. In: ___ Hormones. 2. ed. San Diego: Academic, 1997. p.319-339.        [ Links ]

PROUGH, D. S.; WHITLEY, J. M.; OLYMPIO, M. A. et al. Hypertonic/hyperoncotic fluid resuscitation after hemorrhagic shock in dogs. Anesth. Analg., v.73, p.738-744, 1991.        [ Links ]

RAISER, A. G. Choque: parte II, parâmetros de diagnóstico. Rev. Cães Gatos, v.3, p.13-18, 1988.        [ Links ]

RUDLOFF, E.; KIRBY, R. Hypovolemic shock and resuscitation. Vet. Clin. North Am.: Small Anim. Pract., v.24, p.1015-1039, 1994.        [ Links ]

SCHERTEL, E. R.; ALLEN, D. A.; MUIR, W. W. et al. Evaluation of a hypertonic sodium chloride/dextran solution for treatment of traumatic shock in dogs. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.208, p.366-370, 1996.         [ Links ]

SCHMALL, L. M.; MUIR, W. W.; ROBERTSON, J. T. Haemodynamic effects of small volume hypertonic saline in experimentally induced haemorrhagic shock. Equine Vet. J., v.4, p.273-277. 1990a.        [ Links ]

SCHMALL, L. M.; MUIR, W. W.; ROBERTSON, J. T Haematological, serum electrolyte and blood gas effects of small volume hypertonic saline in experimentally induced haemorrhagic shock. Equine Vet. J.,v.4, p.278-283. 1990b.        [ Links ]

SPEIRS, V.C. O Sistema cardiovascular. In: ___ Exame Clínico de Eqüinos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999a. p.183-206.        [ Links ]

SPEIRS, V.C. O Sistema respiratório. In: ___ Exame Clínico de Eqüinos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999b. p.37-81.        [ Links ]

SZTARK, F.; GÉKIÈRE, J. P.; DABADIE, P. Effets hémodynamiques des solutions salées hypertoniques. Ann. Fr. Anesth. Reanim., v.16, p.282-291, 1997.        [ Links ]

TAYLOR, P. M. Effects of hypertonic saline infusion on the adrenocortical response to thiopental-halotane anesthesia in sheep after premedication with acepromazine. Vet. Surg., v.28, p.77-82, 1999.        [ Links ]

 

 

Recebido em 27 de julho de 2005
Aceito em 19 de abril de 2007

 

 

E-mail: gelaib@gmail.com
1 Sistema extrator duplo para soro animal - Eq-Jet. JR Veterinária Ltda – Campinas, Brasil
2 Solução de cloreto de sódio 0,9% - Aster Produtos Médicos LTDA – Sorocaba, Brasil
3 Cateter intravenoso descartável - Rymcath, Lab. Rymco S.A. – Barranquilla, Colombia.
4 Reagente comercial para sódio - Labtest – Lagoa Santa, Brasil
5 Laboratório Bioclin – Belo Horizonte, Brasil
6 Reagente comercial para potássio - Doles – Goiânia, Brasil
7 Espectrofotômetro EFU Metronic Instrumentos Científicos Ltda. – São Paulo, Brasil

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License