SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 número4Parâmetros genéticos entre características de leite, de peso e a idade ao primeiro parto em gado mestiço leiteiro (Bos taurus x Bos indicus)Efeito do nível de uréia na dieta sobre o desempenho, a qualidade e o estádio de desenvolvimento embrionário em cabras Alpinas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

versão impressa ISSN 0102-0935versão On-line ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. v.59 n.4 Belo Horizonte ago. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352007000400027 

ZOOTECNIA E TECNOLOGIA E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

 

Teste de marcadores bioquímicos na identificação de prováveis indivíduos homozigotos dominantes para o gene tobiano em cavalos Pampa

 

Biochemical markers test to identify probable homozygous dominant for the tobiano gene in Pampa horses

 

 

E.G.A.C. CoelhoI, IV; D.A.A. OliveiraII, *; E.G. CothranIII; C.S. TeixeiraII; R.L. NunesII

IAluno de pós-graduação - EV-UFMG – Belo Horizonte, MG
IIEscola de Veterinária – UFMG Caixa Postal 567 30123-970 – Belo Horizonte, MG
IIIEquine Genetics Lab. VIBS - CVM Texas A&M University
IVBolsista da CAPES

 

 


RESUMO

Utilizaram-se 195 cavalos Pampa e um grupo-controle de 41 cavalos da raça Paint, provenientes de plantéis de várias regiões brasileiras, com o objetivo de avaliar a eficiência do teste mediante uso de marcadores bioquímicos: albumina (Al) e proteína de ligação da vitamina D (Gc), para identificação dos possíveis indivíduos homozigotos dominantes para o padrão de pelagem tobiano nos cavalos Pampa. Não foram encontrados genótipos AlBB e GcSS, revelando indício de quebra de ligação gênica entre tais locos e o loco tobiano e a ineficácia do teste bioquímico na detecção dos prováveis indivíduos homozigotos dominantes para o padrão de pelagem tobiano nos cavalos Pampa.

Palavras-chave: cavalo Pampa, cavalo Paint, tobiano, marcador genético, albumina, proteína de ligação da vitamina D (Gc)


ABSTRACT

One hundred and ninety five Pampa horses and a control group of 41 Paint Horses originated from herds located in different Brazilian regions were used to objective of evaluate the efficiency of the biochemical markers albumin (Al) and vitamin D binding protein (Gc) to identify the probable homozygous dominant for the tobiano coat color pattern in Pampa horses. It was not found any genotype AlBB and GcSS, indicating a possible break of the genetic linkage between these loci and the locus Tobiano, as well as the inefficacy of the biochemical test in the detection of the probable homozygous dominant for the tobiano color pattern in Pampa horses.

Keywords: Pampa horse, Paint horse, tobiano, genetic markers, albumin, vitamin D biding protein (Gc)


 

 

INTRODUÇÃO

O cavalo Pampa é oriundo do cruzamento entre reprodutores e reprodutrizes, das raças Anglo-Árabe, Campeiro, Campolina, Crioulo, Mangalarga, Mangalarga Marchador e Puro Sangue Inglês (Andrade, 2004).

Na pelagem pampa (tobiano), ocorrem malhas brancas despigmentadas e bem delimitadas, conjugadas com qualquer outra pelagem. Essas estão presentes desde o nascimento do indivíduo e são estáveis em toda a sua vida. Geralmente os cavalos tobiano têm cascos claros e as manchas do corpo cruzam a linha superior do tronco em algum lugar entre as orelhas e a cauda. As manchas brancas quase sempre atingem o dorso e as áreas brancas tendem a apresentar bordas definidas e dispostas verticalmente. Em geral as orelhas são pigmentadas e os olhos escuros. A cabeça tende a ser a última parte a ser coberta pelo branco, logo, cavalos tobianos com grande proporção de áreas despigmentadas, têm o corpo todo branco e a cabeça colorida, ou seja, a cabeça usualmente não tem mais branco do que o esperado em um cavalo não manchado.

Os cavalos tobianos apresentam pelo menos uma, se não todas as patas despigmentadas (Bowling, 1996; Sponenberg, 1996; Rezende e Costa, 2001; Belda, 1995; Brooks et al., 2002; Sponenberg, 2003). Em muitos cavalos com padrão tobiano, a pele pigmentada estende-se por uma pequena distância para dentro das áreas despigmentadas. O resultado é uma sombra ou halo entre as áreas coloridas e despigmentadas (Sponenberg, 1996). Esses padrões característicos servem para distinguir os cavalos tobiano de outros padrões de pelagens manchadas, tal como apalusa ou oveira, exceto quando dois ou mais padrões de manchas ocorrem no mesmo cavalo (Trommershausen, 1978).

O padrão de pelagem tobiano é causado pelo alelo tobiano (To), transmitido de forma mendeliana simples e herdado como um gene dominante. Em várias raças de cavalos, o loco To é ligado a locos que codificam as proteínas séricas albumina (Al) e proteína de ligação da vitamina D (Gc) (Sponenberg, 1996). O cromossomo contendo o alelo tobiano usualmente possui um haplótipo com os alelos AlB e GcS. Essa ligação pode ser usada para identificar o indivíduo homozigoto para o gene To, cujo genótipo será AlBB. GcSS, ToTo. No entanto, exceções a esta fase de ligação foram demonstradas em algumas raças (Duffield e Goldie, 1998).

Considerando a importância da detecção dos homozigotos (To) para cavalos Pampa, este trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência do teste pelo uso dos marcadores bioquímicos (Al e Gc) na identificação de tais indivíduos.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram colhidas amostras de soro sangüíneo, para análises laboratoriais das proteínas séricas albumina e Gc de 195 cavalos Pampa, reprodutores machos e fêmeas, bem como de sua progênies, registrados pela Associação Brasileira de Criadores de Pampa (ABCPAMPA), provenientes de vários plantéis, de diferentes regiões brasileiras. Foi utilizado um grupo-controle, composto por 41 cavalos da raça Paint testados no Laboratório de Genética da Escola de Veterinária da UFMG, em 2004 e 2005.

Os animais foram fotografados para revisão do padrão de pelagem informado dos mesmos.

As amostras de sangue foram colhidas em tubos a vácuo, sem anticoagulante, estéreis no volume de 5,0ml e armazenadas sob refrigeração a 4C. O material foi centrifugado a 4.400RPM, para separação do soro, o qual foi transferido para tubos plásticos. O material obtido foi, então, dividido em alíquotas e armazenado em freezer a -20 ºC.

Posteriormente, foram submetidas à eletroforese em gel de amido e eletroforese em gel de poliacrilamida (PAGE), para separação e identificação dos alelos presentes nas proteínas albumina e Gc. Na preparação dos géis de amido para a albumina, foi utilizado o método desenvolvido por Scott (1970). Para o gel de PAGE, a técnica empregada foi a de Juneja et al. (1978).

Após a coloração, os géis foram analisados com auxílio de transiluminador de luz branca e fotografados1.

As freqüências alélicas e genotípicas foram estimadas por contagem direta. Para se avaliar a eficiência do teste dos marcadores bioquímicos para o Pampa, foi realizado um estudo de dispersão de freqüência usando-se o teste de qui-quadrado (P<0,05), segundo Sampaio (1998).

 

RESULTADO E DISCUSSÃO

Para o sistema albumina, os alelos A e B foram identificados para os 195 cavalos Pampa e para os 41 cavalos Paint, identificando-se os genótipos AA, AB e BB (Fig.1).

 

 

O cavalo Pampa apresenta uma grande etnodiversidade de raças que lhe deram origem (Beck, 2004), porém as raças Campolina, Mangalarga e Mangalarga Marchador têm maior participação no processo da sua formação. Nunes et al. (2005) observaram na raça Campolina maior freqüência do alelo B (0,775) e Lippi e Mortari (2003), freqüências de 0,710 do alelo A na raça Mangalarga e 0,479 na raça Mangalarga Marchador. Para o cavalo Pampa, foi observada alta freqüência (Tab.1) do alelo A (0,7667). Para este loco, tal resultado pode ser explicado pelo uso intensivo de alguns reprodutores da raça Mangalarga na formação do Pampa. Este resultado encontrou apoio na ABCPAMPA, conforme os registros dos animais amostrados. Nos cavalos Paint, foi observada alta freqüência do alelo B (0,8659).

 

 

Para o sistema Gc, tanto nos Pampa quanto nos Paint foram identificados os alelos F e S, observando-se os genótipos FF, FS e SS (Fig.2). Nos cavalos Pampa, foi encontrada alta freqüência do alelo F (0,9385). Esses dados, mais uma vez, estão de acordo com os resultados de Lippi e Mortari (2003), que observaram alta freqüência alélica de F nos cavalos Mangalarga (0,990) e Mangalarga Marchador (0,960). Verificou-se alta freqüência do alelo S (0,7683) para os cavalos Paint (Tab. 1).

As freqüências observadas e esperadas para os locos que codificam a albumina e Gc nos animais Pampa mostraram diferença significativa para o que se esperaria no equilíbrio de Hardy-Weinberg (Tab.2), revelando um excesso do genótipo AAFF. Essa população não mostrou nenhum genótipo BBSS como era esperado para os prováveis indivíduos tobianos homozigotos dominantes, indicando quebra da ligação gênica entre tais locos.

 

 

Para os cavalos Paint, também houve diferença significativa para o que se esperaria do equilíbrio de Hardy-Weinberg (Tab. 3), porém a explicação para o excesso do genótipo BBSS dá-se pelo fato de as amostras estudadas serem provenientes da rotina laboratorial no teste oferecido à Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Paint, para identificação dos homozigotos tobianos. Neste caso, eram amostras com grande possibilidade de serem homozigotas (BBSS).

 

 

O fato de não terem sido encontrados genótipos AlBB, GcSS nos cavalos Pampa, porém 48,8% dos animais AlBB, GcSS na raça Paint revela indícios de quebra de ligação gênica entre os locos Al e Gc com o loco To nos cavalos Pampa. Esse fato poderia ser explicado pela diferente origem das raças. A raça Paint, formada nos Estados Unidos da América a partir da não concessão de registros pela American Quarter Horse Association àqueles animais que possuíam manchas brancas no corpo, é uma raça mais antiga e homogênea que a Pampa. Esta possui uma grande etnodiversidade na sua formação, (Andrade, 2004), daí a elevada possibilidade de novas combinações genéticas.

 

CONCLUSÕES

Há evidências de quebra de ligação no grupo de ligação II do eqüinos (LGII) para os locos que codificam as proteínas séricas albumina, proteína de ligação da vitamina D e o padrão de pelagem tobiano, nos cavalos Pampa. O teste de marcador genético por meio das proteínas séricas albumina e proteína de ligação da vitamina D é ineficiente para se identificar os prováveis indivíduos homozigotos dominantes tobiano nos cavalos Pampa.

 

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem à Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Pampa (ABCCPAMPA), pela colaboração na realização deste trabalho

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, L.S. Origens do Pampa. Disponível em: <http://www.abcpampa.org.br> Acessado em 7 jul 2004.        [ Links ]

BECK, S.L. Pampa, raça ou pelagem? Disponível em: <http://www.abcpamp.org.br> Acessado em 7 jul. 2004.        [ Links ]

BELDA, A.S. Caballos pintos y crítica de su veto para la Pura Raza Española. Av. Alim. Mej. Anim., v.35, p.13-24, 1995.        [ Links ]

BOWLING, A.T. (Ed). Tobiano. In: Horse genetics. Wallingford: Cab International, 1996. p.43-58.        [ Links ]

BROOKS, S.A. TERRY, R.B.; BAILEY, E. A PCR-RFLP for KIT associated with tobiano spotting pattern in horses. Anim. Gen., v.33, p.301-303, 2002.        [ Links ]

DUFFIELD, D.A.; GOLDIE, P.L. Tobiano spotting pattern in horses: linkage of To with Alª and linkage disequilibrium. J. Her., v.89, p.104-106, 1998.        [ Links ]

JUNEJA, R.K.; GAHNE, B.; SANDBERG, K. Genetic polymorphism of vitamin D binding protein and another post-another post-albumin protein in horse serum. Anim. Blood Groups Bioch. Gen., v.9, p.29-36, 1978.        [ Links ]

LIPPI, A.S.; MORTARI, N. Studies groups and protein polymorphisms in Brazilian horse breeds Mangalarga Marchador and Mangalarga (Equis caballus). Gen. Mol. Biol., v.2, p.431-434, 2003.        [ Links ]

NUNES, R.L.; OLIVEIRA, D.A.A.; COELHO, E.G.A.C. Polymorphism of serum proteins in Campolina horses. Anim. Reprod., v.2, p.60-62, 2005.        [ Links ]

REZENDE, A.S.C.; COSTA, M.D. (Eds). Pelagem dos eqüinos: nomenclatura e genética, Belo Horizonte: FEP-MVZ, 2001. 106p.        [ Links ]

SAMPAIO, I.B.M. (Ed). Estatística aplicada à experimentação animal. Belo Horizonte: FEP-MVZ, 1998. 221p.        [ Links ]

SCOTT, A.M. A single acid gel for the separation of albumin and transferrins in horse. Anim. Blood Groups Bioch. Gen., v.1, p.253-254, 1970.        [ Links ]

SPONENBERG, D.P. (Ed). Patterns of white. In: Equine color genetics. Ames: Iowa State University, 1996. p.53-80.        [ Links ]

SPONENBERG, D.P. The genetic equation. Disponível em <http://www.apha.com/breed/geneticeq.html> Acessado em: 20 mai. 2003.        [ Links ]

TROMMERSHAUSEN, S.A. Linkage of Tobiano coat spotting and albumin markers in a pony family. J. Her., v.69, p.214-216, 1978.        [ Links ]

 

 

Recebido em 7 de julho de 2006
Aceito em 14 de abril de 2007

 

 

* Autor para correspondência (corresponding author)
E-mail: denise@vet.ufmg.br
1 Sony Digital Mavica – MVC – FD5

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons