SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 número3Surto de mastite bovina causada por linhagens de Pseudomonas aeruginosa multirresistentes aos antimicrobianosInquérito sorológico para anticorpos contra coronavírus, herpesvírus, calicivírus e parvovírus em gatos domésticos do Rio Grande do Sul, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

versão impressa ISSN 0102-0935versão On-line ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.61 no.3 Belo Horizonte jun. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352009000300032 

COMUNICAÇÃO COMMUNICATION

 

Níveis séricos da gama-glutamiltransferase em cães com e sem infecção natural por Leishmania (Leishmania) chagasi

 

Serum levels of gamma-glutamyl transferase in dogs naturally infected or not by Leishmania (Leishmania) Chagasi

 

 

I.F. VidalI; I.V. MartinsI; R.A. LiraII; M.N. TeixeiraIII; M.A.G. FaustinoIII; L.C. AlvesIII

IAluna de pós-graduação - UFRPE - Recife, PE
IICentro de Pesquisas Ageu Magalhães - FIOCRUZ - Recife, PE
IIIUniversidade Federal Rural de Pernambuco - Recife, PE

 

 


Palavras-chave: cão, enzima, função hepática, calazar canino


ABSTRACT

The serum levels of Gamma-GT in dogs naturally infected by Leishmania (Leishmania) chagasi were evaluated. Two groups of animals were used: the first with 41 naturally infect dogs and the second with 14 uninfect animals. The results showed 17.1% (7/41) dogs presented high levels of gamma-GT, but no difference between groups was observed. So, the serum level of gamma-GT is not a tool for diagnosis of visceral leishmaniasis in dogs

Keywords: dog, enzyme, liver function, kala-azar


 

 

Na leishmaniose visceral canina (LVC), as alterações hepáticas estão associadas à evolução da doença, em função da multiplicação das formas amastigotas nos macrófagos (Tryphonas et al., 1977; Tafuri et al., 1996). Em geral, a hepatite crônica observada em animais com LVC é caracterizada por infiltrado linfoistioplasmocitário periportal (Ferrer, 1992), com proliferação fibroblástica, hipertrofia e hiperplasia das células de Kupffer (Hag, 1994).

Assim, a estase biliar intra-hepática tem sido observada pelo acúmulo de bilirrubina nos ductos e canalículos biliares em animais com LVC, especialmente quando o processo inflamatório e a fibrose acometem o parênquima hepático de modo considerável (Luvizotto, 2006).

Entre os testes de função hepática realizados no diagnóstico de hepatopatias, a determinação dos níveis séricos de fosfatase alcalina (FA), alanina transaminase (ALT), aspartato transaminase (AST) e gama-glutamil transferase (gama-GT) tem sido relatada como marcadora das desordens hepatobiliares (Sutherland, 1989; Dial, 1995). Apesar de a enzima gama-GT ter sua maior concentração no tecido renal e pancreático (Keller, 1981), sua importância clínica está ligada no diagnóstico da colestase (Sutherland, 1989; Dial, 1995) e de lesões hepáticas de caráter inflamatórias e tóxicas (Valladares et al., 1997).

Contudo, pouco tem sido relatado sobre a utilização da gama-GT como método auxiliar no diagnóstico da LVC. Este trabalho teve o objetivo de avaliar os níveis séricos da gama-glutamil transferase em cães com infecção natural por Leishmania (Leishmania) chagasi.

Foram avaliados 55 cães adultos, distribuídos em dois grupos. O grupo infectado (GI) foi constituído por 41 animais com suspeita clínica de leishmaniose visceral, de raças e idades variadas, de ambos os sexos, com exames parasitológico positivo para Leishmania (Leishmania) chagasi, e sorológico pelo ELISA1, procedentes da região metropolitana de Recife. O grupo-controle (GC) foi composto por 14 animais sem sinais clínicos da infecção e com exames parasitológico e sorológico negativos para calazar canino, procedentes do Centro de Pesquisa Gonçalo Muniz, Salvador-BA. Os animais foram escolhidos por amostragem não probabilística por conveniência (Costa Neto, 2002).

De cada um dos animais foram colhidos, aproximadamente, 5mL de sangue por venopunção cefálica, com seringa2 e agulha descartaveis. Ato contínuo, o material foi transferido para tubos estéreis e o soro resultante foi acondicionado em tubos de polipropileno e armazenado em freezer a -20ºC até a realização da prova bioquímica.

Todos os animais foram submetidos à determinação sérica de gama-GT, por meio do método cinético com emprego de kits comerciais3, de acordo com a instrução do fabricante, com leitura em espectofotômetro com absorbância de 405 nanômetros. Para comparação dos resultados de gama GT obtidos na prova bioquímica, foi utilizado o valor de referência de 1 a 10U/L (Shull e Hornbuckle, 1979; Willis et al., 1989). Para análise estatística dos resultados entre o GI e GC, empregaram-se os testes qui-quadrado e Mann-Whitney a 5% de probabilidade (Campos, 1979).

Não foi observada diferença estatística entre os grupos quanto à determinação sérica de gama-GT. O resultado da prova bioquímica revelou altos níveis da gama-GT em apenas sete (17,7%) dos animais do GI. Segundo Mattos et al. (2004), cães soropositivos apresentam valores bioquímicos séricos médios ligeiramente superiores aos dos cães soronegativos.

Os valores da média, mediana, P25 e P75 da gama-GT no GI foram considerados normais (Tab. 1). Nos animais do GI com elevado nível de gama GT, 42,8% (3/7) apresentavam valores de gama-GT duas a três vezes maior que o limite superior referencial utilizada para a espécie canina, o que é indicativo da doença hepática (Willis et al., 1989; Dial, 1995). Contudo, deve ser levado em consideração que o aumento é um indicador de doença hepatobiliar, e pode estar relacionado ao quadro de colestase em cães (Sutherland, 1989; Dial, 1995).

A gama-GT está presente no fígado assim como em outros órgãos, particularmente pâncreas e rins (Keller, 1981). A sua elevação pode ser relacionada à presença falha hepatobiliar observada em animais com LVC (Valladares et al., 1997).

Observou-se que 100% dos animais do GC e 82,9% GI apresentaram níveis basais compatíveis com a idade (1-10U/L), todavia, 17,7% do GI apresentaram alterações na atividade plasmática da enzima que excediam os valores de referência para faixa etária. Segundo Keller (1981), cães adultos saudáveis apresentam baixa concentração dessa enzima no soro, e a elevação significativa no nível de gama-GT ocorre particularmente em filhotes. Este achado confirma o grau de severidade do comprometimento hepático desses animais, considerando que o valor da GGT é um sinalizador das desordens hepatobiliares (Braun, 1983).

Quanto aos sinais clínicos nos animais do GI com elevado nível sérico da gama-GT, observou-se perda de peso em dois cães (28,6%) e presença de vômitos em apenas um (14,3%), sendo este último sinal menos comumente observado (Mattos et al., 2004). Segundo Noli (1999), a perda de peso e a presença de vômitos são manifestações clínicas da LVC, provocadas pela hepatite crônica que ocorre pela multiplicação do parasita nos macrófagos hepáticos. Desse modo, conclui-se que a determinação da gama-GT não constitui um método auxiliar no diagnóstico de leishmaniose visceral canina em razão da baixa sensibilidade do teste.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRAUN, J.P.; BERNARD, P.; BURGAT, V. et al. Gamma glutamyl transferase in domestic animals. Vet. Res. Commun., v.6, p.77-90, 1983.         [ Links ]

CAMPOS, H. Estatística experimental não paramétrica. Piracicaba: ESALQ, 1979. 332p.         [ Links ]

COSTA NETO, P.L.O. Estatística. 2.ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2002. 266p.         [ Links ]

DIAL, S.M. Clinicopathologic evaluation of the liver. Vet. Clin. N. Am: Small Anim. Pract., v.25, p.257-273, 1995.         [ Links ]

FERRER, L. Leishmaniasis In: KIRK, R.W.; BONAGURE, J.D. (Eds). Current veterinary therapy. Philadelphia: W.B. Saunders, 1992. p.266-270.         [ Links ]

HAG, I.A.E.; HASHIM, F.A.; TOUM, I.A.E. et al. Liver morphology and function in visceral leishmaniasis (Kala-azar). J. Clin. Pathol., v.47, p.547-551, 1994.         [ Links ]

KELLER, P. Enzyme activities in the dog: tissue analyses, plasma values, and intracellular distribution. Am. J. Vet. Res., v.42, p.575-582, 1981.         [ Links ]

LUVIZOTTO, M.C.R. Alterações patológicas em animais naturalmente infectados. In: FÓRUM SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA, 1., 2006, Jaboticabal. Anais... Jaboticabal, FCAV/UNESP, 1974. p.15-22.         [ Links ]

MATTOS JR., D.G.; PINHEIRO, J.M.; MENEZES, R.C. et al. Aspectos clínicos e de laboratório de cães soropositivos para leishmaniose. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, p.119-122, 2004.         [ Links ]

NOLI, C. Leishmaniosis canina. Waltham Focus, v.9, p.16-24, 1999.         [ Links ]

SHULL, R.M.; HORNBUCKLE,W. Diagnostic use of serum ³ glutamyl transferase in canine liver disease. Am. J. Vet. Res., v.40, p.1321-1324, 1979.         [ Links ]

SUTHERLAND, R.J.; Biochemical evalution of the hepatobiliary system in dogs and cats. Vet. Clin. N. Am.: Small Anim. Pract., v.19, p.899-927, 1989.         [ Links ]

TAFURI, W.L.; TAFURI, W.L.; BARBOSA, A.J.A. et al. Histopathology and immunocytochemical study of type 3 and type 4 complement receptors in the liver and spleen of dogs naturally and experimentally infected with Leishmania (Leishmania) chagasi. Rev. Inst. Med. Trop., v.38, p.81-89, 1996.         [ Links ]

TRYPHONAS, L.; ZAWIDZKA, Z.; BERNARD, M.A. et al. Visceral leishmaniasis in a dog: clinical, hematological and pathological observations. Can. J. Comp. Med., v.41, p.1-12, 1977.         [ Links ]

VALLADARES, J.E.; RIERA, C.; PASTOR, J. et al. Hepatobiliar and renal failure in a dog experimentally infected with Leishmania infantum. Vet. Rec., v.141, p.574-575, 1997.         [ Links ]

WILLIS, S.E.; JACKSON, M.L.; MERIC, S.M. et al. Whole blood platelet aggregation in dogs with liver disease. Am. J. Vet. Res., v.50, p.1893-1990, 1989.         [ Links ]

 

 

Recebido em 7 de agosto de 2008
Aceito em 25 de maio de 2009

 

 

E-mail: ivanafv@yahoo.com.br
1 Kit para diagnóstico do Calazar Canino - GioCRuz - Bio Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil.
2 Seringa descartáveis Becton Dickson - Curitiba, Brasil.
3 Kit/Gama-gt - Katal Biotecnologia Ind. Com. - Belo Horizonte, Brasil.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons