SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue5Occurrence of porcine parvoviral infection and transmissible gastroenteritis virus infection in swine from extensive raising systems in the state of Goiás, BrazilCellular enzyme values in hunter/jumper and dressage horses with dermatophytosis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

Print version ISSN 0102-0935On-line version ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.61 no.5 Belo Horizonte Oct. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-09352009000500030 

COMUNICAÇÃO COMMUNICATION

 

Frequência de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em suínos abatidos sem inspeção em Belém

 

Serologic diagnosis of Toxoplasma gondii in swines slaughtered without inspection in Northern Brazil

 

 

J.A. FreitasI; J.P. OliveiraII; O.S. RamosIII; M.M. IshizukaIV

IInstituto de Saúde e Produção Animal - UFRA – Belém, PA
IIAgência de Defesa Agropecuária do Pará – Belém, PA
IIILaboratório Nacional Agropecuário-PA – Belém, PA
IVFaculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - USP – São Paulo, SP

 

 


Palavras-chave: Toxoplasma gondii, suínos, abate clandestino, hemaglutinação indireta, vigilância sanitária


ABSTRACT

To survey the occurrence of IgM and IgG anti-T. gondii antibodies in pigs slaughtered without inspection, 110 serum samples from different localities were submitted to indirect hemaglutination test. A frequency of 50.0% (confidence interval 40.7% |...| 59.3%, 95% significance) of positive sera was detected, with a distribution of frequency of 1.83% and 1.83%, 6.36% and 15.45%, 20.0% and 25.4%, 17.3% and 7.3%, and 4.5% and 0.0% for IgM and IgG antibodies, respectively in 1:16, 1:64, 1:256, 1:1024, and 1:2048 serum dilutions. The toxoplasmic infection was present among pigs in the city of Belém.

Keywords: Toxoplasma gondii, swine, non-inspected slaughtering, indirect hemaglutination test, sanitary surveillance


 

 

O Toxoplasma gondii é um protozoário coccídeo heteroxeno de ampla distribuição mundial e tem como hospedeiro intermediário os animais domésticos e silvestres, e o homem como hospedeiro acidental (Taylor e Webster, 1998; Rey, 2001).

O T. gondii determina no homem uma doença zoonótica, geralmente latente e associada ao contato com animais infectados, às suas excreções e à ingestão de carne crua ou mal cozida. Nos animais domésticos, causa também uma infecção latente e em ambos uma grave doença, que pode ser confundida com outras de sintomatologia semelhante e para a qual a pesquisa sorológica é o diagnóstico definitivo (Dubey, 1986, 1996; Bonametti et al., 1997; Dias e Freire, 2005). A infecção por T. gondii tem sido identificada nos animais domésticos em diferentes sistemas de criação, animais submetidos ao abate, alimentos e em graves ocorrências relacionadas à saúde coletiva (Vidotto et al., 1990; Barci et al., 1998; Silva e Langoni, 2000; Fialho e Araújo, 2003).

A frequência de anticorpos anti-T. gondii em suínos no Brasil é variável e tem sido levantada por meio de inquéritos sorológicos realizados em várias partes do país. O T. gondii ocorre independentemente de região, raça, tipo, aptidão e faixa etária (D'Angelino e Ishizuka, 1986; Guimarães et al., 1992; Barci et al., 1998; Garcia et al., 1999).

O abate clandestino de suínos ocorre em diversos locais na região metropolitana de Belém, PA, sem que ocorram medidas e ações de vigilância sanitária da carne, que é consumida por diferentes camadas socioeconômicas da população. Assim, o objetivo deste trabalho foi levantar a ocorrência de patógenos em suínos abatidos clandestinamente na região metropolitana de Belém. Para tal, foram coletadas 110 amostras de soros, aleatoriamente, em nove locais, que foram submetidas à hemaglutinação indireta, para detecção de anticorpos IgM e IgG anti-T. gondii  (Camargo et al, 1986; Fialho e Araujo, 2002). Foi considerado positivo reação a partir da diluição 1:16.

Observou-se frequência de 50,0% de positivos (intervalo de confiança 40,7% |...| 59,3%, 95% de significância), com a maior frequência na diluição 1:256 e distribuição de frequências de 1,8% e 1,8%, 6,4% e 15,4%, 20,0% e 25,4%, 17,3% e 7,3% e 4,5% e 0,0% para anticorpos IgM e IgG em cada um dos soros testados (Marascuillo, 1971), respectivamente, nas diluições 1:16, 1:64, 1:256, 1:1024 e 1:2048.

Frequências de anticorpos IgM e IgG anti-T. gondii inferiores às determinadas nesse inquérito foram observadas em suínos abatidos em Belo Horizonte-MG e em Porto Alegre-RS (Passos et al., 1984; Fialho e Araújo, 2003). D'Angelino e Ishizuka (1986), Vidotto et al. (1990) e Garcia et al. (1999) também determinaram frequências mais baixas de anticorpos anti-T. gondii, em suínos em Pirassununga-SP, em suínos criados na região de Londrina-PR e em suínos criados no norte do Paraná.

Frequências de anticorpos anti-T. gondii inferiores foram, também, determinadas em reprodutores suínos no estado de São Paulo e em matrizes suínas na região de Goiânia-GO, (Barci et al., 1998). Frequência mais alta que a determinada neste inquérito foi observada em suínos da raça Piau no estado de Minas Gerais (Guimarães et al., 1992).

Conclui-se que a infecção toxoplásmica está presente entre os suínos abatidos clandestinamente na região metropolitana de Belém, com elevado risco sanitário para a saúde humana.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARCI, L.A.G.; BERSANO, J.G.; GUIMARÃES, A.C.S. et al. Frequência de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em plantéis de suínos reprodutores no estado de São Paulo, Brasil. Arq. Inst. Biol. São Paulo, v.65, p.111-113, 1998.         [ Links ]

BONAMETTI, A.M.; PASSOS, J.N.; SILVA, E.M.K. et al. Surto de toxoplasmose aguda transmitida através da ingestão de carne crua de gado ovino. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v.30, p.21-25, 1997.         [ Links ]

CAMARGO, M.E.; FERREIRA, A.W.; ROCCA, A. et al. Um teste prático para a sorologia da toxoplasmose: o teste de hemaglutinação. Estudo comparativo com os testes de imunofluorescência e imunoenzimático de captura de Ig M. Rev. Bras. Patol. Clin., v.22, p.196-201, 1986.         [ Links ]

D'ANGELINO, J.L.; ISHIZUKA, M.M. Toxoplasmose suína. 3. Avaliação da prevalência de infecção toxoplásmica em rebanhos suínos pela prova de imunofluorescência indireta e hemaglutinação. Bol. Of. Sanit. Panam., v.100, p.634-645, 1986.         [ Links ]

DIAS, R.A.; FREIRE, R.L. Surtos de toxoplasmose em seres humanos e animais. Semina: Cienc. Agrar., v.26, p.239-248, 2005.         [ Links ]

DUBEY, J.P. Strategies to reduce transmission of Toxoplasma gondii to animals and humans. Vet. Parasitol., v.64, p.65-70, 1996.         [ Links ]

DUBEI, J.P. Toxoplasmosis. J. Am. Vet. Med. Assoc., v.189, p.166-170, 1986.         [ Links ]

FIALHO, C.G.; ARAUJO, F.A.P. Comparação entre os testes de imunofluorescência indireta e hemaglutinação indireta para a detecção de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em soros de suínos. Acta Sci. Vet., v.30, p.185-189, 2002.         [ Links ]

FIALHO, C.G.; ARAUJO, F.A.P. Detecção de anticorpos para Toxoplasma gondii em soro de suínos criados e abatidos em frigoríficos da região da grande Porto Alegre-RS, Brasil. Ciênc. Rural, v.33, p.893-897, 2003.         [ Links ]

GARCIA, J.L.; NAVARRO, I.T.; OGAWA, L. et al. Soroprevalência do Toxoplasma gondii em suínos, bovinos, ovinos e equinos e sua correlação com humanos, felinos e caninos, oriundos de propriedades rurais do norte do Paraná-Brasil. Cienc. Rural, v.29, p.91-97, 1999.         [ Links ]

GUIMARÃES, A.M.; RIBEIRO, M.F.B.; LIMA, J.D. et al. Frequência de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em suínos da raça Piau. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.44, p.69-71, 1992.         [ Links ]

MARASCUILLO, L.A. Stastitical methods for behavorial science research. New York: McGraw-Hill, 1971. 578p.         [ Links ]

PASSOS, L.M.F.; LIMA, J.D.; FIGUEIREDO, B.L. Frequência de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em suínos abatidos em Belo Horizonte, Minas Gerais. Arq. Bras. Med. Vet.  Zootec., v.36, p.649-657, 1984.         [ Links ]

REY, L. Toxoplasma gondii e toxoplasmose. In. REY, L. Parasitos e doenças parasitárias do homem nas Américas e África. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. p.321-334.         [ Links ]

SILVA, A.V.; LANGONI, H. Alimentos de origem animal e a toxoplasmose humana. Rev. Hig. Alim., v.14, p.34-39, 2000.         [ Links ]

TAYLOR, M.A.; WEBSTER, A. Recent advances in the diagnosis in livestock of Cryptosporidia, Toxoplasma gondii, Giardia and other protozoa of veterinary importance. Res. Vet. Sci., v.65, p.183-193, 1998.         [ Links ]

VIDOTTO, O.; NAVARRO, I.T.; GIRALDI, N. et al. Estudos epidemiológicos da toxoplasmose em suínos da região de Londrina-PR. Semina: Cienc. Agrar., v.11, p.53-59, 1990.         [ Links ]

 

 

Recebido em 29 de fevereiro de 2008
Aceito em 31 de agosto de 2009

 

 

E. mail: jaf.bel@terra.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License