SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.69 número2Correlação entre as escalas analógica visual, de Glasgow, Colorado e Melbourne na avaliação de dor pós-operatória em cadelas submetidas à mastectomia total unilateralAvaliação física e eletrocardiográfica de cavalos utilizados para tração de carroças índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia

versão On-line ISSN 1678-4162

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.69 no.2 Belo Horizonte mar./abr. 2017

http://dx.doi.org/10.1590/1678-4162-9028 

Medicina Veterinária

Duddingtonia flagrans no controle de nematoides gastrintestinais de equinos em fases de vida livre

Control of free living gastrointestinal nematodes of horses using Duddingtonia flagrans

A. Buzatti¹ 

C.P. Santos² 

M.A.M. Fernandes¹ 

U.Y. Yoshitani¹ 

L.K. Sprenger¹ 

M.B. Molento¹  ³  * 

1Universidade Federal do Paraná - UFPR - Curitiba, PR Brasil

2Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF - Campos dos Goytacazes, RJ Brasil

3Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia-Pecuária - INCT-Pecuária - Belo Horizonte, MG Brasil

RESUMO

O objetivo deste estudo foi avaliar a atividade predatória do fungo Duddingtonia flagrans contra larvas infectantes (L3) de nematoides gastrintestinais na pastagem e no bolo fecal de equinos, em um período de 21 dias. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com três grupos tratados (G1, G2 e G3) e um controle (C), com oito animais/grupo. Os tratados receberam 1,5x105; 3x105 e 6x105 clamidósporos de D. flagrans/kg-1peso vivo animal, G1, G2 e G3, respectivamente, durante 21 dias, com administração a cada três dias. Foram delimitadas 36 áreas de 1m2 cada, equivalendo a repetições em triplicata para cada grupo. As fezes foram coletadas dos animais nos dias 0 (D0), 15 (D15) e 30 (D30 = sete dias após a última administração dos tratamentos) e depositadas nessas áreas de pastagem. O número de larvas presentes nos bolos fecais e na pastagem foi avaliado após 14 e 21 dias de cada etapa de deposição. A avaliação da atividade predatória de D. flagrans na pastagem e nos bolos fecais demonstrou que a redução do número de L3 nos bolos fecais foi acompanhada pelo aumento da variável na pastagem. Não se constatou diferença significativa entre os grupos avaliados em decorrência da temperatura média registrada durante o período. As avaliações realizadas em um curto período podem ser insuficientes para a avaliação do efeito do fungo.

Palavras-chave: Duddingtonia flagrans; fungos nematófagos; Equus caballus; nematoides

ABSTRACT

The aim of this study was to evaluate the predatory activity of the fungus Duddingtonia flagrans against infective larvae (L3 ) of gastrointestinal nematodes of horses in the pasture and dung patch during a period of 21 days. The experimental design was completely randomized, with three groups treated (G1, G2 and G3) and a control (C), with eight animals/group. The treated animals received G1: 1.5x105; G2: 3x105 and G3: 6x105 chlamydospores of D. flagrans/kg body weight during 21 days. The experiment ran in the environment using 36 areas of 1 m2 delimited on pasture, where stool samples were distributed for each group, in triplicates. Feces were collected from the animals at days 0 (D0), 15 (D15) and 30 (D30) and deposited on the pasture areas. After 14 and 21 days of each deposition step , the number of L 3 present in dung and pasture was evaluated. The number of L3 in the dung was accompanied by increase of the same variable in the pasture. The evaluation recorded in a short period may be insufficient to evaluate fungus development.

Keywords: Duddingtonia flagrans; nematophagous fungi; Equus caballus; nematodes

INTRODUÇÃO

Antiparasitários comerciais são, tradicionalmente, usados como o único método de controle das parasitoses gastrintestinais em equinos. Porém, na maioria das vezes, o uso desses produtos ocorre de maneira indevida, indiscriminada e sem a associação de estratégias auxiliares de controle (Molento, 2005). Mundialmente, a situação atual é de resistência à maior parte das classes de antiparasitários disponíveis, principalmente em relação ao controle parasitário em equinos (Nielsen et al., 2014) no qual muitas vezes a resistência ocorre frente a todas as classes anti-helmínticas disponíveis (Canever et al., 2013). Diante desse contexto, torna-se fundamental a mudança da concepção de cura total das parasitoses.

A base de um programa de manejo sanitário integrado para controle de doenças parasitárias deve ser focada em estratégias de gestão, buscando-se reduzir o uso de anti-helmínticos, a seleção de parasitas resistentes e também a liberação de produtos químicos no ambiente (Molento 2009; Kaplan e Vidyashankar, 2012). A integração de medidas para reduzir o número de larvas infectantes nas pastagens pode promover a redução da reinfecção dos animais e, consequentemente, o uso de anti-helmínticos (Braga et al., 2009). Neste aspecto, o controle biológico empregando o fungo Duddingtonia flagrans destaca-se como uma alternativa promissora, podendo promover sinergismo com o controle parasitário convencional e/ou reduzir a dependência aos anti-helmínticos (Braga et al., 2010).

No controle de nematoides de equinos, diversos estudos já relataram eficácia de D. flagrans (Bird e Herd, 1994; Larsen et al., 1996; Madeira de Carvalho et al., 2007; Braga et al., 2009;Araujo et al., 2010; Braga et al., 2010; Braga et al., 2011; Paz-Silva et al., 2011; Tavela et al., 2013; Buzatti et al., 2015). A espécie se destaca pela capacidade de produzir grande quantidade de clamidósporos, estruturas reprodutivas com parede espessa e altamente resistente, que, se ingeridos, percorrem o trato gastrintestinal dos animais e permanecem viáveis quando nas fezes. Em condições ideais de temperatura e umidade, logo após sua excreção, inicia-se a colonização das fezes pelo fungo (Larsen et al., 1999). No bolo fecal, o desenvolvimento do fungo é estimulado pelo contato com um número crescente de L3 e também por nematoides de vida livre. Com a colonização, os clamidósporos podem atingir a pastagem, sendo frequente sua ingestão juntamente com o pasto (Paz e Silva et al., 2011).

A ação de D. flagrans é concentrada no ambiente fecal e direcionada ao combate das larvas de vida livre dos nematoides (Castro et al., 2003). Dessa forma, o fungo poderá ser aplicado como forma de reduzir a presença de L3 nas pastagens e, consequentemente, a reinfecção dos animais, promovendo a profilaxia das endoparasitoses (Mota et al., 2003). Entretanto, as condições climáticas podem afetar diretamente o desenvolvimento e a atividade predatória do fungo, e sua eficácia pode ser prejudicada quando utilizado sob condições desfavoráveis (Larsen et al., 1999).. Além de testes in vitro, em condições ideias de temperatura e umidade, avaliações no meio ambiente também se tornam imprescindíveis.

Este estudo teve por objetivo avaliar a atividade de D. flagrans contra L3 de nematoides gastrintestinais na pastagem e no bolo fecal de equinos, durante 21 dias, na cidade de Curitiba, Paraná.

MATERIAL E MÉTODOS

Foi utilizado D. flagrans, isolado CG 768, processado no Laboratório de Biologia Celular e Tecidual da Universidade Estadual do Norte Fluminense - Darcy Ribeiro, Campos de Goytacazes, RJ. Empregou-se milho triturado como meio para crescimento, a uma temperatura entre 23 e 27ºC, na ausência de luz por 21 dias. Posteriormente, o material foi secado em estufa a 25ºC. Após secagem, retiraram-se amostras de 10 gramas e adicionaram-se 100mL de água destilada. O material foi homogeneizado, filtrado e, em seguida, realizou-se contagem de clamidósporos utilizando-se câmara de Neubauer, em triplicata. Foi determinado o número de clamidósporos/mL e posteriormente associaram-se o volume e o peso utilizados para obtenção do número de clamidósporos por grama de milho triturado.

A etapa seguinte foi desenvolvida no Regimento de Polícia Montada Coronel Dulcídio do Estado do Paraná, localizado em Curitiba, PR, de fevereiro a março de 2013. Foram utilizados 32 cavalos adultos, machos e fêmeas, mantidos em baias individuais durante todo o período experimental. A seleção dos animais, assim como a formação dos grupos, baseou-se na contagem de ovos por grama de fezes (OPG), com valores homogêneos dessa variável entre os grupos. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com três grupos tratados (G1, G2 e G3) e um controle (C), com oito animais/grupo. Os tratados receberam 1,5x105; 3x105 e 6x105 clamidósporos de D. flagrans/kg-1peso vivo animal, respectivamente, G1, G2 e G3, respectivamente. Os grupos tratados receberam o fungo associado ao milho triturado, juntamente com 300g de aveia em grãos, e o grupo controle recebeu somente a aveia. Em ambos, a administração foi em cochos individuais, entre sete e oito horas da manhã.

Os tratamentos foram administrados a partir do dia 0 até o dia 21, a cada três dias (dia 0/D0; dia 3/D3; dia 6/D6; dia 9/D9; dia 12/D12; dia 15/D15; dia 18/D18; dia 21/D21). Amostras fecais foram coletadas nos dias D0, D15 e D30 (sete dias após a administração do último tratamento = D21). Após cada coleta, as fezes foram separadas por grupo e homogeneizadas, buscando-se obter 1,5kg/grupo/repetição em cada coleta. Após pesagem e identificação, as amostras foram manualmente depositadas na pastagem (em triplicata) para eclosão dos ovos (no D0, todos os grupos apresentavam OPG semelhante) e desenvolvimento das formas larvas dos nematoides. Para cada fase de coleta e deposição das fezes (D0; D15; D30), foram realizadas duas avaliações, aos 14 (D+14) e aos 21 (D+21) dias após a colocação das amostras nas áreas correspondentes. As avaliações consistiram em contagem de L3 na pastagem e nos bolos fecais correspondentes a cada grupo, por avaliação.

Uma área de pastagem do Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná, localizada no bairro Cabral, em Curitiba, PR, foi avaliada, mensurada e cercada. O pasto foi roçado até alcançar aproximadamente 15cm de altura. Realizou-se lavagem de pasto (Molento, 2001) prévia para se avaliar a presença de L3. No local, foram delimitadas 36 áreas de 1m2 cada, para a distribuição de repetições em triplicata para cada grupo. Os grupos foram distribuídos ao acaso entre as áreas; essa etapa durou 51 dias.

Porções de pastagem foram obtidas cerca de 80% próximas (até 20cm) e 20% distantes (20cm - 1m) dos bolos fecais, mas posteriormente foram reunidas e homogeneizadas a fim de se obter uma única amostra de cada repetição. A contagem de larvas por kg de matéria seca (MS) foi realizada conforme técnica de lavagem de pasto descrita por Molento (2001). Para determinação do número de L3 nos bolos fecais, procedeu-se à técnica de Baermann (Cort et al., 1922). Em cada avaliação, porções dos bolos fecais foram removidas e, para realização da técnica, padronizou-se a utilização de 20g de fezes de cada amostra. Uma porção de cada bolo fecal foi separada para determinação da MS. O resultado foi determinado como o número de larvas por kg/MS.

Dados climáticos correspondentes ao período experimental foram solicitados ao Sistema Meteorológico do Paraná (SIMEPAR), localizado em Curitiba, PR. Foram considerados: temperatura ambiental máxima, média e mínima; precipitação (mm) e umidade relativa do ar. Os registros foram obtidos com periodicidade diária, relativos ao período de primeiro de fevereiro a 30 de abril de 2013. Primeiramente foram analisadas as variações diárias, e após calcularam-se médias mensais para cada uma das variáveis.

Os resultados de contagem de larvas obtidas da pastagem e dos bolos fecais foram submetidos ao teste de normalidade de Lilliefors. Como a normalidade não foi comprovada, aplicou-se o teste estatístico não paramétrico de Kruskal-Wallis, para comparação dos quatro grupos (C, G1, G2, G3) em cada avaliação. O teste de Friedman foi utilizado para avaliar diferenças entre as avaliações. A correlação entre a contagem de L3 por kg/MS nos bolos fecais e na pastagem foi verificada pelo teste de Spearman. Todas as análises utilizaram o software R (R Core Team, 2013).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Conforme Mota et al. (2003), algumas características são fundamentais para que um fungo seja selecionado como candidato para uso no controle biológico de nematoides. Primeiramente, deve sobreviver à passagem pelo trato gastrintestinal dos animais e, quando eliminado nas fezes, deve ser capaz de desenvolver-se e capturar as formas imaturas de parasitas presentes no bolo fecal. Assim, além de avaliar a atividade predatória de um fungo em condições ambientais controladas, como ocorre na coprocultura, deve-se também testá-lo frente a condições ambientais naturais, como na pastagem e no bolo fecal.

Na avaliação da atividade de D.flagrans frente a L3 na pastagem (Fig.1), os grupos tratados demonstraram-se semelhantes (P>0,05) entre si e também em relação ao grupo controle, considerando 21 dias de permanência das fezes na pastagem. Enquanto ao avaliar-se cada dia de amostragem o D30+21 revelou diferença (P<0,05) entre os grupos C e G1, apresentando este menor número de L3.

Figura 1 Número médio de L3/kg recuperadas da pastagem após deposição artificial de bolos fecais de equinos tratados com diferentes doses de clamidósporos de Duddingtonia flagrans. G1: 1,5x105, G2: 3x105 e G3: 6x105 clamidósporos por kg-1 de peso vivo. Asterisco (*) indica avaliação com diferença (P<0,05) entre os grupos pelo teste de Kruskal-Wallis. 

A contagem de L3 nos bolos fecais de todos os grupos foi semelhante (P>0,05) em cada avaliação e também no decorrer de todas as mensurações realizadas (Fig. 2). Os dados de L3 no bolo fecal e na pastagem demonstraram correlação negativa (P<0,05) ao longo do período experimental, indicando que o aumento do número de L3 na pastagem foi acompanhado pela diminuição dessa mesma variável nas fezes. Foi interessante observar que existe grande presença de larvas no bolo fecal mesmo após duas a três semanas após sua deposição. Isto pode implicar a contaminação constante da área de pastagem para os animais e o possível beneficio do fungo, uma vez que ele tenha condições de crescer e apreender as larvas, reduzindo a taxa de desafio larvar.

Figura 2 Número médio de L3/kg recuperadas de bolos fecais de equinos artificialmente depositados no pasto após tratamento com clamidósporos de Duddingtonia flagrans. G1: 1,5x105, G2: 3x105 e G3: 6x105 clamidósporos por kg-1 de peso vivo.  

Estudos de maior duração já foram desenvolvidos a fim de testar a atividade de D.flagrans frente a fatores ambientais e às variáveis climáticas. Para tal, fezes dos animais que receberam o fungo na dieta foram artificialmente depositadas na pastagem, semelhante ao realizado no presente estudo. Em experimentos transcorridos durante cerca de quatro meses, Fernández et al. (1997, 1999) avaliaram a atividade de D.flagrans na redução de formas larvares de nematoides de equinos na pastagem, obtendo percentuais de redução larval de até 95% e 99,4%, respectivamente. Baudena et al.(2000), em 12 meses de avaliações, observaram que D. flagrans promoveu redução significativa no numero de L3 a partir do segundo mês de uso.

Almeida et al. (2012) testaram o mesmo fungo, mas na redução de larvas infectantes de endoparasitas de cavalos mantidos em pastagem de campo nativo na região Sul do Brasil. A pesquisa transcorreu durante seis meses (primavera-verão), e somente no último mês o grupo tratado apresentou redução significativa na contagem de L3. Resultados superiores foram obtidos por Madeira de Carvalho et al. (2007), com equinos mantidos em sistema extensivo, com percentuais de redução larval na pastagem entre 50-70% durante o período corresponde à primavera-verão em Portugal.

Na Fig. 3, estão expressas as médias dos dados meteorológicos (SIMEPAR - Sistema Meteorológico do Paraná - Disponível em http://www.simepar.br/site), correspondentes ao período experimental. A temperatura média foi de 20,9; 19,3 e 17,7ºC, para fevereiro, março e abril, respectivamente. A precipitação média foi a variável que apresentou maior redução: em fevereiro foi de 6,7mm; em março, de 4,0 mm; enquanto em abril foi de apenas 1,7mm. A umidade relativa do ar registrada foi de 83,6; 85,9 e 80,7% para fevereiro, março e abril, respectivamente.

Figura 3 Médias mensais de temperatura (ºC) máxima, média e mínima e precipitação (mm) correspondentes ao período de fevereiro - abril de 2013 para Curitiba, PR, Brasil. 

Conforme Stromberg (1997), temperatura e umidade são fatores essenciais para o desenvolvimento de L3 de nematoides. Alguns pesquisadores observaram que a taxa de migração de larvas para a pastagem foi reduzida na presença de baixos índices de precipitação e/ou umidade relativa do ar e, como consequência, não foi possível avaliar a atividade predatória de D. flagrans (Larsen et al., 1996; Fernández et al., 1997; Baudena et al., 2000). Já Madeira de Carvalho et al. (2007) observaram em seu estudo que a elevação de temperatura associada com aumento da precipitação promoveu maior migração das larvas para a pastagem, elevando o crescimento fúngico e, consequentemente, aumentando a sua atividade predatória. Segundo Mota et al. (2003), o desenvolvimento do fungo pode ser estimulado pelo contato com um número crescente de L3 e também por nematoides de vida livre.

As variáveis ambientais também podem afetar diretamente o desenvolvimento do fungo e dos estádios pré-parasíticos dos nematoides gastrintestinais de equinos. Duddingtonia flagrans cresce melhor à temperatura entre 25 e 30ºC, sendo 30ºC a temperatura ótima de desenvolvimento. Em temperaturas inferiores, a taxa de crescimento é mais lenta, ao passo que, em temperaturas superiores, o fungo não cresce (Santos, 2000). Em estudo realizado por Santos et al. (2001), foi observado que entre 25 e 30°C D. flagrans reduziu acima de 90% de L3 de ciatostomíneos. Os mesmos autores constataram que 25°C foi a temperatura que proporcionou o maior índice de desenvolvimento de ovos até L3 desses parasitos. Dessa forma, a temperatura máxima registrada neste estudo (Fig. 3) foi ideal para o desenvolvimento dos estágios pré-parasitários, porém abaixo da indicada para o ótimo crescimento do fungo. As temperaturas médias e mínimas também se mantiveram durante todo o período experimental abaixo do intervalo adequado para o desenvolvimento do fungo. Como D. flagrans tem uma taxa de crescimento maior em temperaturas mais elevadas, infere-se que o seu desenvolvimento não foi suficiente para causar uma redução significativa na população de larvas infectantes no meio ambiente.

CONCLUSÕES

As médias de temperatura (máxima, média e mínima) referentes ao período experimental foram desfavoráveis ao ótimo desenvolvimento de D. flagrans, prejudicando sua atividade predatória no meio ambiente. As avaliações realizadas em um curto período podem ser insuficientes para a avaliação do efeito do fungo.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, G.L.; SANTURIO, J.M.; FILHO, J.O.J. et al. Predatory activity of the fungus Duddingtonia flagrans in equine strongyle infective larvae on natural pasture in the Southern Region of Brazil. Parasitol. Res., v.110, p.657-62, 2012. [ Links ]

ARAÚJO, J.M.; ARAÚJO, J.V.; BRAGA, F.R. et al In vitro predatory activity of nematophagous fungi and after passing through gastrointestinal tract of equine on infective larvae of Strongyloides westeri Parasitol. Res., v.107, p.103-108, 2010. [ Links ]

BAUDENA, M.A.; CHAPMAN, M.R.; LARSEN, M. et al. Efficacy of the nematophagous fungus Duddingtonia flagrans in reducing equine cyathostome larvae on pasture in south Louisiana. Vet. Parasitol., v.89, p.219-230, 2000. [ Links ]

BIRD, J.; HERD, R.P. Nematophagous fungi for the control of equine cyathostomes. Compend. Cont. Educ. Pract. Vet. v.16, p.658-665, 1994. [ Links ]

BRAGA, F.R.; ARAÚJO, J.V.; ARAUJO, J.M. et al. Influence of the preservation period in silica-gel on the predatory activity of the isolates of Duddingtonia flagrans on infective larvae of cyathostomins (Nematoda: Cyathostominae). Exp. Parasitol., v.128, p.460-463, 2011 [ Links ]

BRAGA, F.R.; ARAÚJO, J.V.; SILVA, A.R. et al. Biological control of horse cyathostomin (Nematoda: Cyathostominae) using the nematophagous fungus Duddingtonia flagrans in tropical southeastern Brazil. Vet. Parasitol. , v.163, p.335-340, 2009. [ Links ]

BRAGA, F.R.; ARAÚJO, J.V.; SILVA, A.R. et al. Predatory activity of the nematophagous fungus Duddingtonia flagrans on horse cyathostomin infective larvae.Tropical animal health and production, v.42, p.1161-1165, 2010. [ Links ]

BUZATTI, A.; PAULA SANTOS, C.; FERNANDES, M.A.M. et al. Duddingtonia flagrans in the control of gastrointestinal nematodes of horses. Exp. Parasitol. , v.159, p.1-4, 2015. [ Links ]

CANEVER, R.J.; BRAGA, P.R.; BOECKH, A. et al Lack of Cyathostomin sp. reduction after anthelmintic treatment in horses in Brazil. Vet. Parasitol. , v.194, p.35-39, 2013. [ Links ]

CASTRO, A.A.; OLIVEIRA, C.R.C.; ANJOS, D.H.S. et al. Potencial dos fungos nematófagos Arthrobotrys sp. e Monacrosporium thaumasium para o controle de larvas de ciatostomíneos de equinos (Nematoda: Cyathostominae). Rev. Bras. Parasitol. Vet., v.12, p.53-57, 2003. [ Links ]

CORT, W.W.; JAMES, E.A.; DONALD, L.A. et al. Investigation on the control of hookworm disease. II. The description of an apparatus for isolating infective hookworm larvae from soil. Am. J. Epidemiol., v.2, p.1-16, 1992. [ Links ]

FERNÁNDEZ, A.S.; HENNINGSEN, E.; LARSEN, M. et al. A new isolate of the nematophagous fungus Duddingtonia flagrans a biological control agent against free-living larvae of horse strongyles. Equine Vet. J., v.31, p.488-491, 1999. [ Links ]

FERNÁNDEZ, A.S.; LARSEN, M.; NANSEN, P. et al. Effect of the nematode-trapping fungus Duddingtonia flagrans on the free-living stages of horse parasitic nematodes: a plot study. Vet. Parasitol. , v.73, p.257-266, 1997. [ Links ]

KAPLAN, R. M.; VIDYASHANKAR, A. N. An inconvenient truth: global worming and anthelmintic resistance. Vet. Parasitol., v.186, p.70-78, 2012. [ Links ]

LARSEN, M.; NANSEN, P.; GRØNDAHL, C. et al. The capacity of the fungus Duddingtonia flagrans to prevent strongyle infections in foals on pasture. Parasitology, v.113, p.1-6, 1996. [ Links ]

LARSEN, M. Biological control of helminths. Int. J. Parasitol., v.29, p.139-146, 1999. [ Links ]

MADEIRA DE CARVALHO, L.M.; GILLESPIE, A.T.; SERRA, P.M. et al. Eficácia do fungo nematófago Duddingtonia flagrans no controlo biológico da estrongilidose equina no Ribatejo. Rev. Port. Ciênc. Vet., v.102, p.233-247, 2007. [ Links ]

MOLENTO, M.B. Parasite control in the age of drug resistance and changing agricultural practices. Vet. Parasitol. , v.163, p.229-234, 2009. [ Links ]

MOLENTO, M.B. Parasite resistance of helminths of equids and management proposal's. Cienc. Rural, v.35, p.1469-1477, 2005. [ Links ]

MOLENTO, M.B. Técnica de contagem de larvas no pasto como ferramenta para diagnóstico parasitológico. In: SIMPÓSIO DA REDE DE HELMINTOLOGIA PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE, 2., 2001, Buenos Aires. Anais... Buenos Aires: [s.n.], 2001. p.2. [ Links ]

MOTA, M.A.; CAMPOS, A.K.; ARAÚJO J.V. Controle biológico de helmintos parasitos de animais: estágio atual e perspectivas futuras. Pesqui. Vet. Bras, v.23, p.93-100, 2003. [ Links ]

NIELSEN, M.K.; REINEMEYER, C.R.; DONECKER, J.M. et alAnthelmintic resistance in equine parasites-Current evidence and knowledge gaps. Vet. Parasitol. , v.204, p.55-63, 2014. [ Links ]

PAZ-SILVA, A.; FRANCISCO, I.; VALERO-COSS, R.O. et al. Ability of the fungus Duddingtonia flagrans to adapt to the cyathostomin egg-output by spreading chlamydospores. Vet. Parasitol. , v.179, p.277-282, 2011. [ Links ]

R core team (2013). R: a language and environment for statistical computing, version 2.15.3. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL https://www.r-project.org/Links ]

SANTOS, C.P.; PADILHA, T.; RODRIGUES, M.L.A. Predatory activity of Arthrobotrys oligospora and Duddingtonia flagrans on pre-parasitic larval stages of cyathostominae under different constant temperatures. Ciênc. Rural., v.31, p.839-842, 2001. [ Links ]

SANTOS, C.P. Isolamento, identificação, produção de fungos nematófagos e avaliação de algumas características biológicas do fungo Duddingtonia flagrans. 2000. 90f. Dissertação (Doutorado em Medicina Veterinária). - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ. [ Links ]

STROMBERG, B.E. Environmental factors influencing transmission. Vet. Parasitol. , v.72, p.247-264, 1997. [ Links ]

TAVELA, A.E.O.; ARAÚJO, J.V.; BRAGA, F.R. et al. Coadministration of sodium alginate pellets containing the fungi Duddingtonia flagrans and Monacrosporium thaumasium on cyathostomin infective larvae after passing through the gastrointestinal tract of horses. Res. Vet. Sci.v.94, p.568-72, 2013 [ Links ]

Recebido: 29 de Junho de 2016; Aceito: 07 de Julho de 2016

*Autor para correspondência (corresponding author) E-mail: molento@ufpr.br

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons