SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número3Saúde e doença: um enfoque antropológicoChristophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública v.21 n.3 Rio de Janeiro maio/jun. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000300038 

RESENHAS BOOK REVIEWS

 

 

Reinaldo Souza-Santos

Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil. rssantos@ensp.fiocruz.br

 

 

ZOONOSIS Y ENFERMEDADES TRANSMISIBLES COMUNES AL HOMBRE Y A LOS ANIMALES. Pedro N. Acha & Boris Szyfres. 3ª Ed. Washington DC: Organización Panamericana de la Salud, 2003. 3 vols. (Publicación Científica y Técnica No. 580).
ISBN: 92-75-31991-X

Nos últimos anos, as doenças transmissíveis mais uma vez tiveram a atenção de profissionais da área da saúde em nível mundial. A pandemia da AIDS, a disseminação da hepatite C e a reemergência de diversas doenças endêmicas em áreas onde haviam sido controladas chamaram a atenção para a necessidade de estudos voltados para esses temas. Apesar de se ter conhecimento de que as mudanças ambientais decorrentes do processo de urbanização, a facilidade de locomoção da população humana, bem como o maior acesso a mercadorias de outras áreas geográficas têm contribuído para tal cenário 1, estudos continuam a ser desenvolvidos à procura de maiores esclarecimentos.

Uma rápida busca em bases bibliográficas nos mostra que um grande número de trabalhos sobre zoonoses e doenças transmissíveis, incluindo leishmaniose, larva migrans e raiva, dentre outras, tem sido desenvolvido por diversos pesquisadores. Diante de novos objetos de estudo, seja por profissionais já consolidados em suas áreas de atuação, seja por alunos de pós-graduação, muitas vezes faz-se necessária uma leitura básica sobre o tema. Assim, para os que estão iniciando pesquisas que podem versar sobre algum aspecto de doenças transmissíveis e/ou zoonoses, e que carecem de um primeiro contato com informações e bibliografia pertinentes, esta coletânea publicada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) desempenha papel importante.

Por sua estrutura de apresentação e abrangência, a publicação pode servir de base para quem atua em diferentes áreas. Como exemplo, podemos citar estudos em paleoparasitologia e paleoepidemiologia, que discutem a relação entre a descoberta de ovos de parasitos em estruturas antigas, do século XVI, e condições de higiene e nível de infecção existentes naquela época 2. Outro exemplo que pode ser dado é um estudo epidemiológico sobre a distribuição geográfica de leptospirose 3, em cuja discussão os autores apontam fatores que atuam na distribuição dessa doença em área urbana.

A coletânea se apresenta dividida em três volumes: no primeiro, o leitor poderá ter acesso a informações sobre bacterioses e micoses, tais como cólera, hanseníase, peste e coccidioidomicoses; no segundo, são apresentadas infecções por clamídia, rickettsioses e viroses, inclusive dengue, encefalites, herpes e raiva; no terceiro, destinado a parasitoses, há divisão em três seções – protozoonoses, helmintoses e a última sobre artrópodos, entre os quais os autores incluíram miíases, sarna e dermatites.

A coletânea foi organizada de forma a passar ao leitor informações sobre sinonímia da doença, características do agente, distribuição geográfica, epidemiologia, aspectos clínicos referentes à população humana e animal, fonte de infecção, diagnóstico e controle. Ao final de cada tópico, é apresentada uma lista de referências bibliográficas. Como a coletânea cobre uma gama de enfermidades, torna-se difícil manter a publicação completamente atualizada. Uma rápida leitura, e será possível identificar que alguns agravos, como esquistossomose, estão mais atualizados que outros.

A falta de referências brasileiras também pode ser notada. Na página 139 do volume I (bacterioses e micoses), encontramos o tópico destinado a borrelioses, cuja referência mais recente é de 1991. Vale ressaltar que, em 2000, foi publicado, por pesquisadores brasileiros, artigo de revisão sobre o tema, no qual se encontram diversas referências de artigos publicados entre 1991 e 2000 4. Não obstante esse aspecto, vale ressaltar a importância da publicação. A sugestão para os interessados em se aprofundar em um dos tópicos, ou confirmar sua atualização, é uma rápida busca nas principais bases bibliográficas disponíveis na Internet.

A coletânea pode ser adquirida em conjunto ou cada volume isoladamente. Caso o interessado não encontre em uma livraria próxima de sua casa, poderá obter a obra por intermédio da página da OPAS na Internet (http://www.paho.org).

 

1. Sabroza PC, Waltner-Toews D. Doenças emergentes, sistemas locais e globalização. Cad Saúde Pública 2001; 17 Suppl:4-5.

2. Fernandes A, Ferreira LF, Gonçalves MLC, Bouchet F, Klein CH, Iguchi T, et al. Intestinal parasite analysis in organic sediments collected from a 16th-century Belgian archeological site. Cad Saúde Pública 2005; 21:329-32.

3. Tassinari WS, Pellegrini DCP, Sabroza PC, Carvalho MS. Distribuição espacial da leptospirose no Município do Rio de Janeiro, Brasil, ao longo dos anos de 1996-1999. Cad Saúde Pública 2004; 20:1721-9.

4. Soares CO, Ishikawa MM, Fonseca AH, Yoshinari NH. Borrelioses, agentes e vetores. Pesq Vet Bras 2000; 20:1-19.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons