SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número1Saúde materno-infantil e nutrição de crianças Kaiowá e Guaraní, Área Indígena de Caarapó, Mato Grosso do Sul, BrasilAvaliação em saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública v.22 n.1 Rio de Janeiro jan. 2006

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000100026 

RESENHAS BOOK REVIEWS

 

 

Aluísio J. D. Barros

Programa de Pós-graduação em Epidemiologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil. abarros@epidemio-ufpel.org.br

 

 

EPIDEMIOLOGÍA BÁSICA. Beaglehole R, Bonita R, Kjellström T. Washington DC: Organización Panamericana de la Salud; 2003. (Publicación Científica 551).
ISBN: 92-75-31551-5

O texto originou-se da necessidade percebida em muitos países de um texto básico sobre epidemiologia publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Um grande número de epidemiologistas de todo o mundo colaborou na preparação do livro, que foi testado em dez países diferentes antes da publicação da primeira edição em inglês, em 1993.

O livro foi preparado claramente com a idéia de oferecer um texto de apoio para um primeiro curso em epidemiologia. No contexto brasileiro, é um livro para uso na graduação de cursos da área de saúde. Com menos de duzentas páginas, não tem a pretensão de ser exaustivo do tema, mas sim de introduzir o iniciante nos conceitos básicos da epidemiologia, assim como apresentar sua aplicação em algumas áreas, como na clínica, em questões ocupacionais, ambientais e nos serviços de saúde.

A estrutura do texto, dividido em 11 capítulos, é clara e lógica. A seqüência dos temas também segue uma ordem lógica e um curso pode ser montado em cima do livro seguindo essa seqüência. Os primeiros seis capítulos tratam de conceitos básicos: o que é epidemiologia, medidas de ocorrência e efeito, tipos de estudo, estatística, causalidade e prevenção. Cinco desses capítulos tratam da epidemiologia aplicada a situações mais específicas: doenças transmissíveis, clínica, saúde ambiental e ocupacional e serviços de saúde. O último capítulo versa sobre o aperfeiçoamento do leitor na disciplina, abordando questões como leitura de artigos, preparo de um projeto de pesquisa e indicando outras fontes de informação sobre epidemiologia, seja na forma de cursos, livros ou periódicos.

Uma das maiores dificuldades em se preparar um texto introdutório, em que se queira limitar a complexidade e o tamanho, é onde parar. Neste caso, parece-me que decisões acertadas foram tomadas na maioria das vezes. Em alguns momentos, porém, o conteúdo é muito superficial e demanda algum material adicional. Mas, é importante reafirmar que este é um texto introdutório.

O primeiro capítulo apresenta a já tradicional história de John Snow e a epidemia de cólera em Londres no século XIX, antes de dar uma definição da epidemiologia e de discorrer sobre sua utilidade. O capítulo é completado com alguns exemplos de aplicação da epidemiologia com sucesso no controle e diagnóstico de algumas doenças. Funciona bem para despertar o interesse do estudante, que freqüentemente vê a epidemiologia como algo complicado e distante.

O capítulo seguinte trata da mensuração de saúde e doença, e apresenta com clareza as medidas de ocorrência de doenças. Aborda a idéia de padronização de taxas, mas não trata de sua operacionalização. A seção sobre medidas de efeito, no entanto, é bastante sucinta, e me parece que a discussão sobre riscos relativos e atribuíveis necessitará, num curso, de complementação. Não se aborda nem chance (odds) nem a razão de chances e sua relação com a prevalência. Como muitos estudos epidemiológicos apresentam resultados em termos de chance, este parece outro tópico que merecerá aprofundamento.

Tipos de estudo e vieses são abordados no capítulo 3, com um bom número de exemplos para ilustrar diferentes situações. Estudos observacionais e experimentais são tratados e discutidos com bom equilíbrio entre os conteúdos. Também os capítulos 5 (causalidade) e 6 (prevenção) apresentam cobertura suficiente dos tópicos para um curso introdutório. O capítulo sobre causalidade tem como eixo os critérios de Bradford Hill 1. Já o capítulo sobre prevenção é fortemente baseado nas idéias de Geoffrey Rose 2. Na minha experiência pessoal com o livro, o que atrapalha neste capítulo é a inclusão de prevenção primordial ­ um conceito um tanto artificial que os alunos de graduação têm dificuldade em apreender, diferente do que ocorre com prevenção primária, secundária e terciária, bem mais concretizáveis.

Estatística é uma matéria sempre difícil de ser trabalhada nas graduações da área de saúde. Não raro, os alunos não chegam mesmo a entender a necessidade desta ferramenta, visto que não apreendem a idéia de variabilidade amostral e suas conseqüências nas estimativas obtidas em estudos científicos baseados em amostras, especialmente a questão da precisão e a necessidade de testes. Nesse sentido, o capítulo 4 do livro não ajuda muito. Apresenta-se o essencial sobre tabelas e gráficos, e as definições das medidas de tendência central e variabilidade. Há uma seção sobre intervalo de confiança e outra sobre testes de hipóteses em que o teste Z e o teste t são apresentados. O capítulo termina com o teste do qui-quadrado, correlação, e um par de parágrafos sobre regressão linear. Diferente do restante do livro, que é rico em exemplos, este capítulo quase não os tem. Isso dificulta bastante a utilização do capítulo num curso. Ele serve basicamente como uma referência teórica para as definições e algumas fórmulas.

A partir do capítulo 7, inicia-se a parte mais ligada à aplicação da epidemiologia com doenças transmissíveis. O capítulo sobre epidemiologia clínica é particularmente curto, talvez porque alguns tópicos já tenham sido trabalhados em capítulos anteriores. Seguem-se os capítulos sobre saúde ambiental e ocupacional e serviços de saúde, com um conjunto de exemplos que permitem um trabalho adequado sobre os temas, lembrando sempre o nível introdutório do livro.

No geral, este é um livro atualizado e equilibrado para servir de base para um primeiro curso em epidemiologia, em nível de graduação. Alguns temas, dependendo das características do curso, deverão ser complementados. O livro está disponível em português, tradução da versão original em inglês de 1993, editado pela Livraria Santos Editora, com custo em torno de R$ 40,00. Há uma reimpressão atualizada de 2003, em espanhol, que inclui pequenas alterações. Sugere-se ao professor que investigue alternativas brasileiras de textos introdutórios à epidemiologia, como o livro de Almeida Filho & Roquayrol 3, ou o mais extenso de Pereira 4.

 

 

1. Hill AB. The environment and disease: association or causation? Proc R Soc Med 1965; 58:295-300.

2. Rose G. Sick individuals and sick populations. Int J Epidemiol 1985; 14:32-8.

3. Almeida Filho N, Rouquayrol MZ. Introdução à epidemiologia. Rio de Janeiro: Medsi; 2002.

4. Pereira MG. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1995.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons