SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue8Should body mass index be adjusted for relative sitting height in cross-sectional studies of chronic diseases in Japanese-Brazilians?Neonatal screening for hemoglobinopathies: a one-year experience in the public health system in Rio Grande do Sul State, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311XOn-line version ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.22 no.8 Rio de Janeiro Aug. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000800018 

ARTIGO ARTICLE

 

Auto-avaliação da saúde bucal entre adultos e idosos residentes na Região Sudeste: resultados do Projeto SB-Brasil, 2003

 

Self-rated oral health among Brazilian adults and older adults in Southeast Brazil: results from the SB-Brasil Project, 2003

 

 

Divane Leite MatosI, II; Maria Fernanda Lima-CostaI, II

INúcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento, Centro de Pesquisas René Rachou, Fundação Oswaldo Cruz/Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, Brasil
IIPrograma de Pós-graduação em Saúde Pública, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

O objetivo deste estudo foi verificar quais fatores de predisposição e facilitação, da condição de saúde bucal, de necessidade de tratamento e de comportamento estão associados à auto-avaliação da saúde bucal entre adultos (35-44 anos) e idosos (65-74 anos) residentes na Região Sudeste do Brasil. Fizeram parte deste trabalho 3.240 pessoas participantes do Projeto SB-Brasil/Região Sudeste. As características daqueles que avaliaram a sua saúde bucal como ótima ou boa foram comparadas às daqueles que avaliaram como regular, ruim ou péssima. No modelo final, as características independentemente associadas à melhor auto-avaliação da saúde bucal entre os adultos foram renda domiciliar per capita > R$ 181,00, não necessidade atual de tratamento odontológico, município de residência com mais de 50 mil habitantes e visita ao dentista há > 3 anos. Entre os idosos foram: renda domiciliar per capita > R$ 181,00, não necessidade atual de tratamento odontológico e possuir entre 1 a 19 dentes. Nossos resultados confirmam estudos de outros países, mostrando a existência de associações entre auto-avaliação e fatores de predisposição e facilitação, condição de saúde bucal, necessidade de tratamento e comportamento.

Saúde Bucal; Adulto; Idoso


ABSTRACT

The aim of this study was to determine which characteristics (predisposing and enabling, oral health, perceived need for dental treatment, and behavior) are independently associated with self-rated oral health among adults and older adults in Southeast Brazil. The study was based on 3,240 participants in the SB-Brasil Project/ Southeast. The characteristics of those who rated their oral health as good/very good were compared to those who rated it as fair, poor, or very poor. The following characteristics were significantly and independently associated with better self-rated oral health among adults: monthly household income > US$ 60.00, no current perceived need for dental treatment, place of residence in cities with > 50,000 inhabitants, and visit to the dentist > 3 years previously. Among older adults the factors were: monthly household income > US$ 60.00, no current perceived need for dental treatment, and 1-19 permanent teeth. Our results confirm those observed in other countries, showing associations between self-rated oral health and predisposing and enabling factors, oral health, perceived need for dental treatment, and behavior.

Oral Health; Adult; Aged


 

 

Introdução

A auto-avaliação da saúde bucal é uma medida que sintetiza a condição objetiva da saúde bucal, a sua funcionalidade e os valores sociais e culturais relacionados à mesma 1,2. Essa avaliação reflete a qualidade de vida, está associada às condições de saúde geral, assim como a comportamentos relacionados aos cuidados com a saúde 1,3.

Apesar da importância da auto-avaliação da saúde bucal, essa medida ainda é pouco utilizada, principalmente em estudos de base populacional 4. Quase todos os estudos sobre a auto-avaliação da saúde bucal foram realizados em países desenvolvidos, principalmente nos Estados Unidos 1,5,6,7. Estudos sobre a auto-avaliação da saúde bucal são raros no Brasil 2 e, pelo nosso conhecimento, estudos de base populacional sobre o tema são inexistentes neste país.

Entre os estudos conduzidos nos Estados Unidos, um foi realizado entre empregados de duas companhias de seguro 5 e dois foram realizados entre adultos 1 e idosos 6 residentes na cidade de Los Angeles, Califórnia. Um estudo mais abrangente foi conduzido entre pessoas com 35-44 anos e 65-74 residentes em três cidades americanas, que representavam cinco diferentes grupos étnicos 7. A auto-avaliação da saúde bucal como boa ou muito boa predominou de forma consistente em todos os estudos, variando entre 64,2 e 75,9%. Com relação aos fatores associados à melhor auto-avaliação da saúde, verificou-se que essa percepção estava associada a perceber melhor a condição geral de saúde 1,6,7, maior número de visitas ao dentista 7, necessidade auto-referida de tratamento odontológico 1, presença de maior número de dentes permanentes 1,5,6, menor número de dentes cariados ou restaurados 1,5, melhor condição periodontal 1,2,5 e indicadores de melhor condição sócio-econômica, tais como maior escolaridade 1,6,7, maior renda 7, ou ser branco 1,6.

No Brasil, a auto-avaliação da saúde bucal foi estudada em 201 idosos (sessenta ou mais anos de idade) atendidos em um centro de saúde na cidade de Araraquara, São Paulo. A maioria dos participantes (56,4%) avaliou a sua saúde bucal como excelente a boa e 13% como ruim ou péssima. A auto-avaliação da saúde bucal apresentou associação independente com três diferentes indicadores da condição de saúde bucal, quais sejam: (a) Geriatric Oral Health Assessment Index (GOHAI) ­ constituído por 12 perguntas que avaliam se nos últimos três meses o idoso apresentou algum problema funcional, psicológico ou doloroso devido a problemas bucais, (b) presença de dentes com extração indicada e (c) Índice Comunitário de Tratamento e Necessidade Periodontal (CPITN) 2.

Gift et al. 1 elaboraram um modelo explicativo para a auto-avaliação da saúde bucal, incluindo quatro conjuntos de fatores: (a) predisposição e facilitação (recursos que facilitam e provêm meios para o uso de serviços que buscam melhorar ou manter a saúde), (b) nível atual de doenças e condições bucais, (c) percepção da necessidade de tratamento e (d) comportamentos em relação à saúde bucal. No presente trabalho, esse modelo foi utilizado para examinar os fatores associados à auto-avaliação da saúde bucal entre adultos (35-44 anos) e idosos (65-74 anos) residentes na Região Sudeste do Brasil.

 

Material e métodos

Fonte de dados

Foi utilizada a base de dados do Projeto SB-Brasil: Condições de Saúde Bucal da População Brasileira. Trata-se de um inquérito realizado pelo Ministério da Saúde/Coordenação Nacional de Saúde Bucal, em parceria com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde nos anos de 2002 e 2003 8. Esse estudo de base populacional foi realizado em 250 municípios (cinqüenta em cada uma das cinco macrorregiões brasileiras), considerando seis grupos etários (18-36 meses, 5 anos, 12 anos, 15-19 anos, 35-44 anos e 65-74 anos). A seleção de participantes foi feita por meio de amostra probabilística por conglomerados, obtida em três estágios de seleção: os municípios foram as unidades primárias, os setores censitários foram as unidades secundárias e as quadras e domicílios foram as unidades terciárias de seleção. Todos os moradores dos domicílios selecionados, pertencentes aos grupos etários acima mencionados ­ e que concordaram em participar ­ foram entrevistados e examinados clinicamente. Na Região Sudeste foram examinados 23.891 indivíduos. Maiores detalhes podem ser vistos em outras publicações 8,9. Para o presente trabalho foram selecionados todos os participantes do Projeto SB-Brasil residentes na Região Sudeste (zona urbana e zona rural), com idades entre 35-44 anos e 65-74 anos.

As entrevistas e exames clínicos foram realizados nos domicílios selecionados. A equipe de campo, em cada cidade, foi constituída por um cirurgião-dentista, responsável pela realização dos exames clínicos, e um auxiliar de consultório dentário ou agente comunitário de saúde, responsável pela realização das entrevistas. Todas as equipes passaram por um processo de treinamento e calibração (intra e interexaminador) objetivando a uniformização dos padrões da entrevista e do exame clínico. A concordância dos exames clínicos intra e interexaminadores foi considerada boa 10.

Todos os participantes do estudo receberam uma carta explicando os objetivos e procedimentos a serem realizados e assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O Projeto SB-Brasil foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Ministério da Saúde 8.

Variáveis do estudo

A variável dependente deste trabalho foi a auto-avaliação da saúde bucal, determinada por meio da seguinte pergunta: "Como classificaria a sua saúde bucal?", com as respostas variando de "ótima" a "péssima".

A seleção das variáveis independentes deste trabalho foi baseada no modelo explicativo proposto por Gift et al. 1, com pequenas adaptações. As seguintes variáveis de predisposição e facilitação foram consideradas: sexo, número de anos completos de escolaridade, renda domiciliar per capita (agrupada em tercis) e porte do município (até 50 mil habitantes e mais). Para avaliar a condição de saúde bucal foram considerados o número de dentes permanentes presentes e uso de prótese total superior e/ou inferior. Necessidade atual autodefinida de tratamento odontológico e o tempo decorrido após a última visita ao dentista foram, respectivamente, as variáveis de necessidade e de comportamento consideradas.

Análise dos dados

As características daqueles que avaliaram a sua saúde bucal como ótima ou boa foram comparadas às daqueles que avaliaram como regular, ruim ou péssima. A análise foi realizada separadamente para o grupo etário de 35-44 anos e para o grupo etário de 65-74 anos.

Na análise bivariada utilizou-se o teste do qui-quadrado de Pearson para verificar a existência de associações entre variáveis. O coeficiente de correlação de Pearson foi utilizado para avaliar a existência de colinearidade entre variáveis explicativas. Aquelas variáveis que apresentaram correlação entre fraca a moderada (r até 0,50), indicando ausência de colinearidade, foram incluídas nos modelos logísticos.

A análise multivariada foi baseada no método de regressão logística múltipla 11. Odds ratio (OR) ajustados e seus intervalos de confiança (método de Woolf) em nível de 0,95 (IC95%) foram utilizadas para estimar as forças das associações entre a auto-avaliação da saúde bucal e as demais variáveis. Foram construídos três modelos logísticos, no primeiro (Modelo 1) foram incluídas todas as variáveis de predisposição e facilitação. No segundo (Modelo 2) foram acrescentadas as variáveis de condição de saúde bucal. No modelo final (Modelo completo), acrescentaram-se as variáveis de necessidade de tratamento e de comportamento, respectivamente. Os dados foram analisados utilizando-se o programa Stata versão 7.0 (Stata Corporation, College Station, Estados Unidos).

 

Resultados

Entre os 3.349 participantes com 35-44 e 65-74 anos do inquérito de saúde bucal, na Região Sudeste, 3.240 (96,7%) participaram do presente trabalho; 109 foram excluídos devido à informação incompleta sobre a auto-avaliação da saúde bucal. Entre os participantes, 2.245 e 995 possuíam de 35-44 e 65-74 anos de idade, respectivamente.

Como pode ser visto na Tabela 1, o sexo feminino predominava entre os participantes (68,1% dos adultos e 61,4% dos idosos). Entre os adultos, 84% possuíam três ou mais anos de escolaridade e 37,8% tinham renda domiciliar per capita menor ou igual a R$ 80,00. Entre os idosos, as informações correspondentes eram 46,1% e 23,8%, respectivamente. A maior parte dos participantes, tanto adultos quanto idosos, residia em municípios com população igual ou inferior a 50 mil habitantes (66,5% e 69,4%, respectivamente).

 

 

No que se refere aos indicadores da saúde bucal (Tabela 1), em ambos os grupos etários, predominou a auto-avaliação da saúde bucal como boa (39,9% dos adultos e 54,4% dos idosos) e regular (34,4% e 28,2%, respectivamente). Somente 8,1% dos adultos e 4,8% dos idosos avaliaram a saúde bucal como péssima. Entre os primeiros, 11% não possuíam dentes naturais, sendo essa proporção igual a 65,5% entre os idosos. O uso de prótese total superior e/ou inferior foi igual a 22% e 66%, respectivamente. Entre os adultos, 43% haviam visitado o dentista há menos de um ano, ao passo que somente 19% dos idosos haviam visitado o dentista nesse período.

Na Tabela 2 estão apresentados os resultados da análise bivariada da auto-avaliação da saúde bucal e sua associação com características selecionadas, segundo a faixa etária. Todas as variáveis consideradas apresentaram associações significantes (p < 0,05) com auto-avaliação da saúde bucal, com exceção de sexo (p = 0,690) e anos completos de escolaridade (0,236) para os adultos e porte do município (p = 0,679) e anos completos de escolaridade (0,449) para os idosos.

Em ambos os grupos etários, todos os coeficientes de correlação de Pearson entre as variáveis independentes deste trabalho foram inferiores a 0,50, com exceção para o uso de prótese total superior e/ou inferior com o número de dentes permanentes, no grupo etário 35-44 anos, cujo valor de r foi igual a -0,74 (Tabela 3).

Na Tabela 4 estão apresentados os resultados da análise multivariada das características associadas à auto-avaliação da saúde bucal como ótima/boa entre os adultos (35-44 anos). No modelo final completo, renda domiciliar per capita maior ou igual a R$ 181,00 (OR = 1,54; IC95%: 1,23-1,94) e percepção de não necessidade atual de tratamento odontológico (OR = 4,10; IC95%: 3,26-5,17) permaneceram positiva e significativamente associadas à melhor auto-avaliação da saúde bucal. Associações significantes e negativas foram encontradas para município com mais de 50 mil habitantes (OR = 0,58; IC95%: 0,48-0,71) e três ou mais anos decorridos após a última visita ao dentista (OR = 0,67; IC95%: 0,54-0,83).

Os resultados da análise multivariada das características associadas à auto-avaliação da saúde bucal como ótima/boa entre os idosos (65-74 anos) estão apresentados na Tabela 5. No modelo completo, associações significantes e positivas com melhor auto-avaliação da saúde bucal foram observadas para: renda domiciliar per capita maior ou igual a R$ 181,00 (OR = 1,99; IC95%: 1,39-2,86) e percepção de não necessidade atual de tratamento odontológico (OR = 3,27; IC95%: 2,45-4,35). Associação significante e negativa foi observada para presença de 1 a 19 dentes (OR = 0,60; IC95%: 0,42-0,85).

 

Discussão

A auto-avaliação da saúde bucal como boa e ótima (59%) predominou entre os idosos participantes deste estudo. Essa proporção entre os mais jovens foi menor (44%). A prevalência da auto-avaliação como boa e ótima entre os idosos foi inferior ao observado entre participantes de um estudo de base populacional realizado em Los Angeles (76%) 6, mas semelhante ao observado entre clientes idosos do Centro de Saúde de Araraquara, em São Paulo 2. A prevalência de adultos que auto-avaliavam a sua saúde como boa e ótima no presente trabalho foi inferior ao observado em inquéritos norte-americanos 1,5.

Chama a atenção neste trabalho a melhor auto-avaliação da saúde bucal entre os idosos do que entre os mais jovens. Em um estudo desenvolvido entre idosos norte-americanos residentes na comunidade, verificou-se que cerca de 40% daqueles que haviam perdido mais da metade dos seus dentes avaliavam sua saúde bucal como excelente ou boa 6. Em outros trabalhos 3,6,7 verificou-se que os idosos aceitavam a perda de dentes mais facilmente, por considerarem que essas perdas eram resultantes de um processo natural do envelhecimento. Com isto, a condição de saúde bucal era superestimada. Além disso, verifica-se que alguns idosos, devido a repetidos problemas com seus dentes naturais, consideram haver uma real melhora da saúde bucal com a substituição dos mesmos por próteses parciais ou totais. Segundo Silva & Fernandes 2, o fato de as principais doenças bucais apresentarem caráter não letal, leva ao aceite das mesmas como inevitáveis ("conformismo"). Essa aceitação é reforçada pelo fato de os idosos pertencerem a uma coorte na qual, além da alta prevalência de cárie, os tratamentos eram baseados na extração e na colocação de próteses totais, independente da classe social. Isto pode explicar a melhor auto-avaliação da saúde bucal observada entre os idosos, em comparação aos mais jovens, observada neste e em outros estudos 3,5,6,12.

De uma maneira geral, observa-se que a boa saúde bucal percebida é o mais importante preditor da percepção da não necessidade atual de tratamento odontológico. Nossos resultados confirmam essas observações. No presente trabalho, a renda domiciliar per capita, mas não a escolaridade, ocupou uma posição central na predição da melhor auto-avaliação da saúde bucal, tanto entre adultos quanto entre idosos. Estudos realizados nos Estados Unidos e na Nova Zelândia 1,3,5 verificaram que em ambos os grupos etários a classe social e/ou a escolaridade não estavam associadas à auto-avaliação da saúde bucal. O estudo neozelandês 3 mostrou que a não associação entre fatores sócio-econômicos e auto-avaliação da saúde bucal entre adultos daquele país pode ser explicada pelo fato de que os serviços de saúde têm um efeito igualitário, anulando o impacto desses fatores.

Para os adultos, o fato de ter visitado o dentista há três ou mais anos foi importante para aumentar as chances de auto-avaliar a saúde bucal como ruim. Entre os idosos, não foi encontrada associação significativa entre tempo decorrido após a última visita ao dentista e auto-avaliação da saúde bucal. É possível que alta prevalência de edentulismo entre idosos (66% não possuíam dentes naturais) torna, na sua percepção, desnecessária a visita ao dentista.

Entre idosos, a melhor percepção da saúde bucal esteve associada ao número de dentes presentes. Ao contrário do esperado, aqueles que possuíam entre 1 e 19 dentes avaliaram a sua saúde bucal como pior, em comparação com aqueles que não possuíam dentes. Talvez este fato pode ser explicado pela qualidade dos dentes remanescentes, gerando dor ou insatisfação com a mastigação e estética, e também devido ao grande número de dentes naturais perdidos. Como demonstrado em muitos estudos 5,6, o número de dentes perdidos tem uma grande influência na auto-avaliação da saúde bucal, principalmente entre idosos.

O presente trabalho possui os limites impostos pelo uso de dados secundários. As duas principais limitações referem-se ao delineamento seccional do Projeto SB-Brasil e a participação no estudo. O delineamento seccional é adequado para estimar a prevalência da auto-avaliação da saúde bucal na população estudada, mas ele não permite determinar se existe relação temporal entre esta e as variáveis independentes consideradas neste trabalho. Além disso, existe alguma evidência de que a seleção dos participantes atuou no sentido de aumentar a proporção de pessoas do sexo feminino. Por exemplo, o Censo Brasileiro de 2000 mostra que nas faixas etárias de 35-44 anos e de 65-74 anos de idade, a proporção de mulheres na Região Sudeste é igual a 51,4% e 55,1%, respectivamente. As proporções correspondentes de participantes no Projeto SB-Brasil são iguais a 68,1% e 61,4%. Embora isso possa ter comprometido a validade externa deste estudo, não existem evidências de ter comprometido a validade interna. Por outro lado, o Projeto SB-Brasil é o primeiro grande inquérito de saúde bucal neste país que produziu informações abrangentes sobre a saúde bucal da população idosa, incluindo exame clínico. Os inquéritos anteriores consideravam somente crianças em idade escolar e, somente um incluiu pessoas com idade igual ou inferior a 59 anos 13. O suplemento de saúde da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios incluiu algumas informações sobre a saúde bucal das populações adulta e idosa brasileiras, mas essas informações são restritas ao uso de serviços de saúde bucal 14. Desta forma, as informações do Projeto SB-Brasil permitiram, pela primeira vez neste país, o estudo dos fatores associados à auto-avaliação da saúde bucal em uma grande base populacional de adultos e idosos.

Finalizando, os resultados deste trabalho mostram que a auto-avaliação da saúde bucal em adultos e idosos é explicada por variáveis de predisposição, facilitação, além da necessidade de tratamento e comportamento. Esses resultados mostram uma estrutura multidimensional da auto-avaliação da saúde bucal, indicando que o modelo explicativo proposto Gift et al. 1, pode ser aplicado em populações diferentes daquelas nas quais ele foi originalmente concebido.

 

Colaboradores

D. L. Matos foi responsável pela análise dos dados e redação do trabalho. M. F. Lima-Costa foi orientadora do trabalho, tendo sido responsável pela supervisão da análise dos dados, redação do trabalho e revisão final do artigo.

 

Agradecimentos

À Coordenação Nacional de Saúde Bucal do Ministério da Saúde pela cessão do banco de dados e aos examinadores e anotadores responsáveis pela coleta dos dados. Sem a adesão da população dos municípios selecionados este estudo seria inviável.

 

Referências

1. Gift HC, Atchison KA, Drury TF. Perceptions of the natural dentition in the context of multiple variables. J Dent Res 1998; 77:1529-38.        [ Links ]

2. Silva SRC, Fernandes RAC. Autopercepção das condições de saúde bucal por idosos. Rev Saúde Pública 2001; 35:349-55.        [ Links ]

3. Chen MS, Hunter P. Oral health and quality of life in New Zealand: a social perspective. Soc Sci Med 1996; 43:1213-22.        [ Links ]

4. Atchison KA, Matthias RE, Dolan TA, Lubben JE, De Jong F, Mayer-Oakes SA. Comparison of oral health ratying by dentists and dentate elders. J Public Health Dent 1993, 53:223-30.        [ Links ]

5. Reisine ST, Bailit HL. Clinical oral health status and adult perceptions of oral health. Soc Sci Med 1980; 14:597-605.        [ Links ]

6. Matthias RE, Atchison KA, Lubben JE, De Jong F, Schweitzer SO. Factors affeting self-ratings of oral health. J Public Health Dent 1995; 55:197-204.        [ Links ]

7. Atchison KA, Gift HC. Perceived oral health in a diverse sample. Adv Dent Res 1997; 11:272-80.        [ Links ]

8. Roncalli AG, Frazão P, Patussi MP, Araújo IC, Ely HC, Batista SM. Projeto SB2000: uma perspectiva para a consolidação da Epidemiologia em Saúde Bucal Coletiva. Rev Bras Odont Saúde Coletiva 2000; 1:9-25.        [ Links ]

9. Ministério da Saúde. Projeto SB2000: condições de saúde bucal da população brasileira no ano de 2000. Manual do coordenador. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.        [ Links ]

10. Ministério da Saúde. Projeto SB2000: condições de saúde bucal da população brasileira no ano de 2000. Manual de calibração dos examinadores. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.        [ Links ]

11. Hosmer DW, Lemeshow S. Applied logistic regression. New York: Johns Wiley & Sons; 1989.        [ Links ]

12. Silva DD, Sousa MLR, Wada RS. Autopercepção e condições de saúde bucal em uma população de idosos. Cad Saúde Pública 2005; 21:1251-9.        [ Links ]

13. Oliveira AGRC. Perfil epidemiológico de saúde bucal no Brasil 1986-1996. http://www.angelonline.cjb.net (acessado em 28/Jul/2005).        [ Links ]

14. Matos DL, Giatti L, Lima-Costa MF. Fatores sócio-demográficos associados ao uso de serviços odontológicos entre idosos brasileiros: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Cad Saúde Pública 2004; 20:1290-7.        [ Links ]

 

 

Correspondência
D. L. Matos
Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento
Centro de Pesquisas René Rachou
Fundação Oswaldo Cruz/Universidade Federal de Minas Gerais
Av. Augusto de Lima 1715, sala 609
Belo Horizonte, MG 30190-002, Brasil
divane@cpqrr.fiocruz.br

Recebido em 31/Ago/2005
Versão final reapresentada em 02/Dez/2005
Aprovado em 06/Dez/2005

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License