SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número3AIDS tem cor ou raça? Interpretação de dados e formulação de políticas de saúde no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública v.23 n.3 Rio de Janeiro mar. 2007

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300001 

EDITORIAL

 

Política brasileira de vacinação contra a influenza e seu impacto sobre a saúde do idoso

 

 

As infecções respiratórias agudas de origem viral têm sido responsáveis por internações e mortes, particularmente de idosos e portadores de doenças crônicas. Vários estudos indicam que após infecção respiratória viral ocorre maior susceptibilidade a fenômenos aterotrombóticos, a descompensação clínica de diabetes, cardiopatias, doença pulmonar obstrutiva, entre outras. No âmbito da Saúde Pública, os idosos são o grupo mais vulnerável em razão da idade associada à maior prevalência dessas doenças.

A vacinação contra a influenza tem sido a medida de maior efetividade no enfrentamento do problema, indicada pela Organização Mundial da Saúde desde 1963. No Brasil, a partir de 1999, o Ministério da Saúde disponibiliza a vacina contra a influenza a idosos, indivíduos institucionalizados e portadores de doenças crônicas. São gastos ao redor de 130 milhões de Reais por ano, para a compra de vacinas, bem como divulgação e montagem de 73,7 mil postos de vacinação. Dadas as dimensões do território nacional, de fato, este é um grande empreendimento gratuito e universal que atinge mais de 70% da população idosa do país. O Brasil possivelmente é o país com o maior investimento público e cobertura vacinal de idosos até o momento.

Alguns estudos evidenciam redução de internações e mortes por doenças respiratórias em idosos a partir das campanhas no país. Porém o seu real impacto é difícil de avaliar em virtude da falta de diagnóstico etiológico das infecções respiratórias, da freqüente circulação de outros vírus de tropismo respiratório e da precariedade das informações em prontuários e atestados de óbito nas várias regiões do país.

Por outro lado, nos últimos anos, a ampliação do sistema de vigilância sentinela de vírus respiratório tem contribuído para a melhor compreensão da dinâmica e epidemiologia das infecções respiratórias em populações susceptíveis e vacinadas.

Embora sejam grandes investimentos e mobilização, o programa brasileiro de controle da influenza ainda enfrenta alguns desafios como: ampliar e homogeneizar as coberturas vacinais em grupos que comparecem menos às campanhas (menores de 70 anos, maior escolaridade, zona rural e portadores de doenças crônicas).

Para além do período de campanhas, carro chefe do controle da influenza, há ainda outros desafios, como incorporar à rotina das equipes de vigilância epidemiológica o monitoramento da morbidade e mortalidade relacionadas à influenza, facilitando a investigação do excesso de mortes, internações ou casos graves relacionados a infecções respiratórias, mesmo utilizando-se estudos ecológicos e indicadores indiretos. Também permanece um desafio ampliar a incipiente e restrita cobertura vacinal anti-pneumocócica (polissacarídea 23 valente) a populações de risco. A implantação de vacinação após alta hospitalar e em salas de emergência tem sido apontada como estratégia possível para proteger indivíduos especialmente vulneráveis a infecções pelo Streptococcus pneumoniae, uma das principais causas de óbitos em maiores de 70 anos.

Os profissionais de saúde têm um importante papel na recomendação dessas vacinas, que reduzem danos à saúde de idosos e portadores de doenças crônicas, esclarecendo controvérsias sobre sua eficácia, eventos adversos e divulgando os reais benefícios da vacinação.

Diante da grande abrangência e dimensão das ações, o Brasil constitui hoje um exemplo para outros países, há, no entanto, de investir mais nas ações além-campanha e dar condições às equipes de vigilância epidemiológica para monitorar situações epidemiológicas particulares locais/regionais e avaliar o impacto dessas ações nos diferentes cantos do território nacional.

 

 

Maria Rita Donalisio
Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.
donalisi@fcm.unicamp.br

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons