SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue6Specificities of patent protection in the pharmaceutical industry: modalities and traits of intellectual property author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311XOn-line version ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.24 no.6 Rio de Janeiro June 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000600001 

EDITORIAL

 

Epidemia de beribéri no Maranhão, Brasil

 

 

Pedro Israel Cabral de LiraI; Sonia Lucia Lucena Sousa de AndradeII

IDepartamento de Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil. Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição – NE-1, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição, Recife, Brasil. lirapic@ufpe.br
IIDepartamento de Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Recife, Brasil. sonia.lucena@terra.com.br

 

 

Este editorial dirigido à comunidade científica informa sobre o surto de beribéri que acometeu parte da população tocantineira do Estado do Maranhão, Brasil – 466 e 543 casos notificados, com 33 e nenhum óbito em 2006 e 2007, respectivamente, predominando o sexo masculino, entre 15 e 50 anos e na forma clínica beribéri-seco (Doenças e Agravos Não-transmissíveis, Superintendência de Epidemiologia e Controle de Doenças, Secretaria da Saúde do Estado do Maranhão). No mesmo período foram registrados trinta casos e três óbitos no Estado do Tocantins, segundo informação fornecida pela secretaria de saúde desse estado.

É importante lembrar que o último registro de epidemia de beribéri no Brasil foi entre 1870 e 1910, durante o ciclo da borracha na Região Amazônica, bem documentado por Josué de Castro (Geografia da Fome; 1946).

A partir da hospitalização, em Imperatriz, de pacientes com edema, parestesia de membros inferiores e superiores, dificuldade de deambular e óbito por insuficiência cárdio-respiratória, deu-se início, em maio de 2006, a uma investigação pela Secretaria da Saúde do Estado do Maranhão, com a participação da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. As hipóteses diagnósticas iniciais foram: doença de etiologia desconhecida, intoxicação por agrotóxicos ou por bebida alcoólica e síndrome de Guillain-Barré.

O noticiário sobre a doença teve grande repercussão nacional e o rumo da investigação mudou depois que um médico cearense com experiência na Região Amazônica manteve um contato telefônico com a diretora da regional de Imperatriz, sugerindo o diagnóstico de beribéri. Este foi posteriormente confirmado pelo teste terapêutico com administração de tiamina. A investigação foi então direcionada para identificar os fatores determinantes e confirmou-se uso abusivo de álcool e atividade física laboral pesada entre os doentes. No presente, estuda-se o consumo alimentar da população, exposição a agrotóxicos e possível contaminação do arroz por microtoxinas de fungos.

No âmbito das ações de combate ao beribéri implementou-se medidas de caráter emergencial como a compra de tiamina, e de curto e médio prazos tais como: distribuição de cestas básicas; capacitação dos profissionais de saúde; vigilância epidemiológica, alimentar e nutricional; instalação dos Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e Drogas (CAPS-AD); avaliação do processamento de arroz pelas usinas da região; enriquecimento de alimentos; intensificação da fiscalização, comercialização e utilização de agrotóxicos; e sistematização dos estudos em andamento sobre o beribéri na região. O Ministério da Saúde coordenou a criação de um Grupo de Trabalho Interministerial (GTI), objetivando planejar e implementar essas medidas, com representantes da Casa Civil, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e Governo do Estado do Maranhão (Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição, Ministério da Saúde. Relatório; 2007).

A criação do GTI possibilitou maior integração institucional e compreensão holística acerca do problema. Apesar das dificuldades de implantação e implementação de algumas dessas medidas, a experiência foi exitosa. No setor saúde vários aspectos ainda necessitam de definição como o tempo ideal de tratamento, critérios de cura e de alta, suplementação para os familiares dos doentes e investigação de outros grupos de risco (crianças e gestantes).

Um outro aspecto relevante refere-se à origem da epidemia na suas dimensões ecológica, social e econômica. Nas últimas décadas, o desenvolvimento nessa região tem priorizado o desmatamento extenso com intensificação da plantação de eucalipto para atender mineradoras e madeireiras instaladas na área, além da agropecuária extensiva, em detrimento da produção de alimentos básicos, principalmente arroz, feijão, milho, mandioca e de frutos nativos como castanhas, babaçu e buriti, trazendo como conseqüência a desestruturação da economia local, ampliando a desigualdade social, comprometendo o acesso aos alimentos e a qualidade de vida da população.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License