SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número6Prevalência de síndrome metabólica em adolescentes: uma revisão sistemática índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.25 no.6 Rio de Janeiro jun. 2009

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600001 

EDITORIAL

 

Risco de uma pandemia de influenza pelo vírus A (H1N1)

 

 

Em 24 de abril de 2009, a Organização Mundial da Saúde (OMS) comunicou a todos os países a ocorrência de uma emergência de saúde pública de importância internacional, de acordo com o Regulamento Sanitário Internacional, causada pela infecção por um novo vírus influenza A (H1N1). O seu início possivelmente está associado a uma epidemia de doença respiratória febril, que acometeu o México a partir do mês de março de 2009. Essa epidemia apresentava um comportamento inusitado em relação à ocorrência de influenza sazonal, considerando a ocorrência fora do inverno, predominância em adultos jovens e uma maior ocorrência de casos graves, fato este que posteriormente não se comprovou associado à epidemia.

A detecção do vírus se deu baseando-se em exames realizados em duas crianças na Califórnia, Estados Unidos, em 17 de abril (MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2009; 58:400-2). A partir de então, começou a ser detectada a disseminação para os demais estados desse país, com registro de transmissão comunitária. Em seguida à disseminação nesses países, foram detectados casos no Canadá, onde também foi registrada transmissão comunitária. Em meados de maio, mais de 40 países, incluindo o Brasil, apresentavam casos confirmados, havendo também registro de transmissão autóctone fora da América do Norte. Esta situação fez com que a OMS elevasse o nível de alerta pandêmico para o nível 5 e adotasse recomendações que visavam a diminuir os efeitos da epidemia, tendo como base a ativação dos planos nacionais de preparação para a pandemia de influenza pelo H5N1, com as devidas adaptações para a presente epidemia. As características dessa epidemia retratam um predomínio em crianças e adultos jovens e uma baixa letalidade (< 1%), com predomínio de casos leves a moderados de síndrome gripal e maior freqüência de óbitos em pacientes com doença crônica subjacente, sendo que grande parte dos casos tem se recuperado sem tratamento específico. A transmissão ocorre por meio de contato direto ou com secreções respiratórias de pessoas infectadas. As primeiras estimativas realizadas com base em análise dos casos do México, indicavam uma transmissibilidade inferior à es-timada para pandemias de influenza anteriores (Fraser et al., Science 2009; Epub 14 mai) e durante a síndrome respiratória aguda grave (SARS).

Considerando que essas informações sejam mantidas ao longo da epidemia, é possível se prever três cenários: (a) a epidemia seguiria seu curso de uma epidemia semelhante ao padrão de influenza sazonal; este cenário é ainda compatível com a ocorrência de transmissão sustentada em outras regiões, mas com tendência autolimitada; (b) após uma diminuição na disseminação da epidemia durante os meses quentes no hemisfério norte, haveria um recrudescimento na epidemia, com maior gravidade dos casos; e (c) a disseminação persistiria ininterruptamente para outros países e regiões, com características de uma pandemia.

Devido ao atual grau de incerteza e - infelizmente - à insuficiência das informações disponíveis de países afetados, é necessário manter o alerta e a ativação dos planos de preparação, com as adaptações necessárias para os possíveis cenários. Mais ainda, devemos sempre relembrar a experiência da SARS, para a qual somente foi possível seu enfrentamento efetivo a partir de quando se compartilhou, de forma transparente, coordenada e solidária, informações e tecnologias que propiciaram conhecer melhor a doença, desenvolver métodos diagnósticos e adotar medidas de controle adequadas. Para a influenza, será necessário ainda estender esses benefícios para a produção e acesso universal às vacinas e medicamentos. Por fim, as medidas que vêm sendo adotadas para o enfrentamento da atual epidemia devem propiciar a estruturação e fortalecimento dos serviços de saúde pública para a detecção precoce e resposta efetiva às emergências de saúde pública.

 

Eduardo Hage Carmo
Wanderson Kleber de Oliveira

Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde, Brasília, Brasil.
eduardo.carmo@saude.gov.br

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons