SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número6Diabetes among the pima: stories of survival índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.25 no.6 Rio de Janeiro jun. 2009

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600027 

RESENHAS BOOK REVIEWS

 

 

Hermano Albuquerque de Castro

Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil. castro@ensp.fiocruz.br

 

 

TERRITÓRIO, AMBIENTE E SAÚDE. Miranda AC, Barcellos C, Moreira JC, Monken M, organizadores. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2008. 274 p.ISBN: 978-85-7541-159-9

O livro Território, Ambiente e Saúde é um acúmulo de discussões teóricas e metodológicas e toma o território como base das condições objetivas onde ocorrem os eventos e os efeitos na saúde e no ambiente. Contribui para a inserção da saúde ambiental na pauta do Sistema Único de Saúde e no desenvolvimento de políticas públicas transversais, a partir da compreensão do território, do espaço e das relações sócio-ambientais. Ao longo dos seus capítulos, busca integrar o território com a saúde, fornecendo elementos para as análises em saúde e ambiente, revalorizando os espaços geográficos em face dos problemas emergentes na saúde coletiva.

O livro surge em um momento singular da vida do planeta e no século eleito pela Organização Mundial da Saúde, como o século do ambiente. É fruto da consolidação dos textos enviados ao III Seminário Nacional de Saúde e Ambiente, organizado pela Fundação Oswaldo Cruz, o qual se divide em três partes estruturadas com os seguintes temas: Território e Saúde: Dimensões Teóricas e Conceituais; Territórios e Conflitos Ambientais: Dinâmicas Socioeconômicas e Implicações na Saúde; Desafios Metodológicos.

Em diferentes capítulos, a obra retoma o debate sobre os problemas ambientais e sua relação com a saúde. Qualifica o território simultaneamente como instância onde o capital exerce seu poder e causa danos irreversíveis ao ambiente e onde a sociedade resiste às ações destrutivas do homem e tenta, na luta diária, tomar para si direções alternativas ecologicamente possíveis e corretas para uma vida melhor no planeta.

Na primeira parte, já no primeiro capítulo, apresenta uma crítica à geografia política clássica quando incorpora ao poder do território os diversos atores sociais que surgem da população, não considerando apenas o poder do Estado. Com essa condição, o território passa a ter um papel estratégico para os estudos da saúde e do ambiente, chamando a atenção para o fato de que os processos ambientais e sociais transcendem os limites espaciais.

Caracteriza, ainda, a heterogeneidade das populações nos territórios, visto que os conflitos emergem devido ao antagonismo produzido por diferentes interesses, expressos, por sua vez, nos projetos ambientais na cidade, no campo e na floresta. Apresenta uma crítica contundente ao discurso neoliberal ambiental, que tenta legitimar, valendo-se do slogan "desenvolvimento sustentável", a espoliação dos territórios mediados por teorias entre riscos e benefícios.

No capítulo 2, os indicadores de saúde ambiental são trabalhados de forma fácil e objetiva. O geoprocessamento é apresentado como uma potente ferramenta para a organização e análise de dados incorporados ao sistema de informações geográficas. Recupera a estrutura de matriz, composta por diferentes níveis de agregação; mais adiante, na parte III do livro, em Desafios Metodológicos, retomará, com um estudo de caso, a matriz de indicadores constituída por Força Motriz, Pressão, Estado, Efeito e Ação. Aqui, oferece ao leitor possibilidades para o aprendizado no manuseio desses instrumentos e para o desenvolvimento de ações de vigilância ambiental em saúde.

No capítulo 3, na discussão sobre espaço e saúde, os autores rechamam Milton Santos e trazem para o interior da Saúde Pública e da Epidemiologia questões que dizem respeito às diversas dimensões do espaço e sua influência nos processos de adoecimento. Apontam a distribuição de certas doenças como resultante da organização social territorial e mostram, através disso, o impacto direto na mortalidade das populações, como, por exemplo, a mortalidade infantil e sua distribuição espacial nos centros urbanos e nas zonas rurais.

Inicia-se, ainda no capítulo 3, o ensaio sobre a influência das adversidades climáticas sobre a saúde da população. A primeira parte do livro se encerra com um dos capítulos explorando o termo "refugiados ambientais" e "refugiados econômicos", correlacionando a globalização e a insustentabilidade dos atuais modelos globalizados, as quais forçam populações inteiras ao êxodo, na tentativa de proteger a saúde e buscar novas possibilidades de vida.

A segunda parte do livro recupera a sustentabilidade com base no fortalecimento do conceito da justiça ambiental. Aponta os resultados da chantagem do capital, cujas autoridades locais se rendem às pressões empresariais e os movimentos sociais resistem à "hospitalidade" exigida pelo capital e são apontadas como responsáveis pelo "não desenvolvimento" e pela perda de renda e emprego. Apresenta uma critica forte ao modelo monocultural exportador como fator de degradação do ambiente e da condição de sobrevivência humana, principalmente para os habitantes locais que perdem parte da produção familiar e ainda cedem terras para a monocultura. O processo da monocultura torna os trabalhadores rurais em "bóias frias" diante de um trabalho intenso, submetendo-os a várias situações de sobrecarga, até o esgotamento físico e a morte.

Um capítulo estimulante para a reflexão é aquele sobre a economia ecológica, que repensa teoricamente a economia em uma perspectiva sócio-metabólica, que se dá através da construção de vínculos sociais, culturais e históricos. O modelo permite a compreensão dos conflitos, através da cadeia produtiva, situações de ameaças à saúde e à vida das populações, vinculado aos diferentes níveis dos processos produtivos existentes, tais como os conflitos no momento da extração, do transporte, dos rejeitos etc.

O capítulo que instiga o leitor a compreender o risco, o faz de forma plena e objetiva, através da passagem do paradigma preventivo clássico para o paradigma precaucionário, do desmonte ideológico do otimismo tecnológico e da introdução das incertezas inerentes aos processos antrópicos. Desnuda a possibilidade da falta de controle dos riscos tecnológicos e ambientais perante uma sociedade indefesa e sem o conhecimento adequado para a sua proteção. O princípio da precaução mais uma vez aparece como a possibilidade de garantir minimamente a saúde e a preservação do meio ambiente. Ao final da segunda parte, o livro aponta para o empoderamento da sociedade e indica como caminho para uma humanidade socialmente justa a construção de espaços coletivos atendendo aos interesses estratégicos das populações.

A última parte do livro, Desafios Metodológicos, busca traduzir os diferentes modelos e abordagens para a vigilância em saúde ambiental. É apresentado um modelo para a construção de indicadores, baseado em uma matriz composta por Força Motriz, Pressão, Estado, Exposição e Efeitos. Sua construção envolve a população atingida, resgata múltiplos olhares, busca caminhos para a intervenção e aponta os indicadores de ação. A experiência vivenciada por uma população moradora na Chapada do Araripe expressa os problemas da produção de gesso como uma questão sócio-ambiental e retrata a relação das equipes profissionais com a população. O resultado fornece elementos para a construção da matriz e elege os indicadores para a ação. Estes apresentam-se adequados para o planejamento estratégico no âmbito das políticas públicas e para a ação dos gestores locais quanto aos recursos, sendo aplicados de acordo com as prioridades apontadas pela matriz.

Os últimos capítulos apresentam as ferramentas e as formas de organização sócio-espacial utilizadas para a vigilância. O território, o ambiente e a saúde se interligam, de forma inclusiva. A participação social reforça os elos dos diferentes segmentos sociais e de suas identidades, na qualidade de atores sociais capazes de compreender seus processos históricos e culturais na direção da resolução dos problemas ambientais e de saúde.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons