SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número2Efeito da duração da amamentação exclusiva e mista sobre os níveis de hemoglobina nos primeiros seis meses de vida: um estudo de seguimentoA gripe espanhola na Bahia: saúde, política e medicina em tempos de epidemia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.26 no.2 Rio de Janeiro fev. 2010

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000200021 

RESENHAS BOOK REVIEWS

 

 

Sílvia Maria Agatti Lüdorf; Murilo Mariano Vilaça

Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. sagatti.rlk@terra.com.br

 

 

O CORPO INCERTO: CORPOREIDADE, TECNOLOGIAS MÉDICAS E CULTURA CONTEMPORÂNEA. Ortega F. Rio de Janeiro: Garamond; 2008. 256 pp.

ISBN: 978-85-7617-140-9

O livro O Corpo Incerto: Corporeidade, Tecnologias Médicas e Cultura Contemporânea, de Francisco Ortega, reúne uma série de textos que discutem o estatuto do corpo na contemporaneidade e as implicações para a construção da subjetividade. O autor destaca o caráter ambíguo da cultura do corpo ou cultura somática, uma vez que, ao mesmo tempo em que ocorre o recrudescimento do controle e da vigilância sobre o corpo, produz-se um maior grau de incerteza sobre ele.

Ortega inicia o seu livro com uma análise das nuances das práticas ascéticas ao longo da história através de contrapontos entre o ascetismo antigo clássico e o que denomina de bioascese contemporânea. Nos três capítulos posteriores, aborda temas relacionados ao corpo com base em três pontos de vista: um estritamente da atualidade, um histórico-cultural e um filosófico. Desde as práticas de modificação corporal, passando por uma história cultural dos modos como a medicina vem tornando o corpo progressivamente transparente, Ortega encerra o livro com uma abordagem filosófica que coloca o corpo entre o construtivismo e a fenomenologia.

No primeiro capítulo, intitulado Do Corpo Submetido à Submissão ao Corpo, o autor analisa diacronicamente o imperativo ascético, contrapondo à antiguidade greco-romana a contemporaneidade, distinguindo a ascese da bioascese. Segundo Ortega, na antiguidade grega, a ascese era fundamentalmente uma prática de liberdade que integrava corpo e alma, remetendo aos valores comunitários e à necessidade de singularização, demandando a solidariedade política, mas permitindo a resistência à cultura. Em contrapartida, a ascese contemporânea, ou a bioascese, fez nascer uma nova forma de sociabilidade, uma biossociabilidade. Em vez de práticas de liberdade, exercícios de adequação, de conformidade à norma. No lugar do outro e da polis, o eu extremamente individualizado. Sob as ideologias da healthism 1,2 (moralidade da saúde) e do fitness (moralidade da adequação), o homem contemporâneo se vê obrigado a constituir uma "bioidentidade apolítica" (p. 46), levado pelos discursos da saúde e da perfeição corporal. Enquanto as asceses clássicas possuíam uma dimensão político-social, que privilegiava o conjunto social e visava à liberdade, as bioasceses são individualistas e estão submetidas ao disciplinamento corporal.

O segundo capítulo, Modificações Corporais na Cultura Contemporânea, bastante sumário, tem como objeto as práticas de personalização corporal, com vistas à constituição de uma bioidentidade. O autor analisa, particularmente, as abordagens relativas às modificações corporais, tais como a tatuagem, o piercing, o branding, o burning, o cutting ou scarification e os implantes subcutâneos. Para Ortega, tais práticas nem representam uma moda superficial de incorporação de elementos exóticos próprios das sociedades de consumo, tampouco são fruto de patologias mentais. Ao contrário, representariam a saída encontrada pelos sujeitos para encontrar âncoras para o self, um ponto de permanência, de estabilidade e pertencimento socioculturais, diante da insegurança motivada pela reestruturação dos laços sociais fomentada pela lógica da biossociabilidade, que deslocou os critérios de agrupamento tradicionais (coletivos) para o corpo (individual). Nesse capítulo, o corpo estaria ante a ambigüidade da busca solitária pela autenticidade e a coletiva de pertencimento social. Na cultura somática da biossociabilidade, as marcas corporais seriam a tentativa de restabelecer o "elo perdido" entre o indivíduo e a cultura.

No terceiro capítulo, intitulado O Corpo Transparente: Para Uma História Cultural da Visualização Médica do Corpo, Ortega resgata aspectos históricos relacionados à exploração e descoberta do corpo, especialmente das partes internas e de seu funcionamento, para contextualizar uma "genealogia das diferentes tecnologias médicas de visualização do corpo" (p. 71). O argumento central é que, desde as práticas de dissecação, marcadas principalmente por Vesalius (1543), instalou-se a primazia do cadáver e, também, da visualidade, na biomedicina, elementos que dariam o caráter científico e objetivo aos estudos (não só médicos) sobre o corpo. Para Ortega, a anatomia e o modelo de corpo-máquina, proposto por Descartes, contribuíram para a compreensão do corpo em terceira pessoa, um corpo-objeto, fragmentado, "algo que se tem", privando-o de sua dimensão subjetiva. Essa seria a base sobre a qual se desenvolveram as técnicas de visualização do corpo, desde aquelas ligadas à instrumentalização às novas tecnologias médicas de imageamento corporais. A hegemonia da visão, para Ortega, propicia o conhecimento do corpo como imagem, o que, na contemporaneidade, favorece a cultura da externalização e a desincorporação da subjetividade, passando ao largo da apreensão do corpo como unidade ou totalidade.

No quarto capítulo, O Corpo entre Construtivismo e Fenomenologia, Ortega procura emoldurar as discussões anteriores, centrando-se na controvérsia entre construtivismo e essencialismo, que constituem os extremos de um espectro sobre as posições teóricas acerca do corpo. Para Ortega, tanto a posição essencialista quanto a construtivista apresentam uma visão descarnada de corporeidade, cuja experiência subjetiva é ignorada. Associando o construtivismo social a uma tradição que se baseia no pensamento de Foucault 3, Ortega direciona suas críticas, sobretudo à concepção foucaultiana de que não há um sujeito fundacional. O autor estabelece uma relação com a discussão empreendida no capítulo anterior, argumentando que esta posição está ligada ao privilégio concedido à visão na obra de Foucault, sentido que "esvazia o corpo de sua substância" (p. 199) e o afasta do sujeito. Ortega propõe a superação dos dualismos defendendo uma fenomenologia corporal, para a qual há uma relação indissociável e um vínculo intencional entre o corpo e o ambiente. "Privilegiar o corpo fenomenológico é privilegiar o corpo que age. Toda ação é, em primeiro lugar, uma ação corporal" (p. 210). Sua hipótese é que uma visão construtivista de corpo não constitui uma postura discursiva subversiva ou emancipatória. Para Ortega, somente um olhar fenomenológico do corpo o capacita para a ação de resistência, estabelecendo-o como uma instância crítica em relação aos discursos dualistas. Ainda nesse capítulo, brevemente, o autor aborda um dos debates mais pungentes da atualidade, a saber, o do uso das biotecnologias na artificialização da vida e do corpo humano.

Em suma, o livro permite uma visão ampla de aspectos históricos, culturais e filosóficos sobre os debates atuais acerca do corpo, que interessa sobremaneira a diferentes áreas do saber que não apenas as biomédicas. Entre contribuições teóricas e interpretações polêmicas, destacamos três importantes reflexões: a primeira diz respeito ao uso do conceito de biossociabilidade em contraposição ao de biopolítica. A segunda, o resgate histórico da visualização do corpo, que permite compreender o enraizamento da concepção tão fortemente arraigada do corpo fragmentado e objetivado, moldando muitas das práticas e posturas diante do corpo. O último destaque se refere à crítica feita à noção de corpo foucaultiana, seguramente uma análise controvertida, que merece atenção.

Depreendemos que é inestimável a contribuição dada pelo autor por meio da detalhada análise que faz do acesso cada vez mais ao interior do corpo e, ao mesmo tempo, de como o mesmo interage com as características particulares da sociedade contemporânea. Diante do exposto, resta clara a importância do livro em tela para pensar a atualidade.

 

1. Crawford R. Healthism and the medicalization of everyday life. Int J Health Serv 1980; 10:365-88.         [ Links ]

2. Cheek J. Healthism: a new conservatism? Qual Health Res 2008; 18:974-82.         [ Links ]

3. Foucault M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29ª Ed. Petrópolis: Editora Vozes; 2004.         [ Links ]

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons