SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue9Reflections on health policy evaluation in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.27 no.9 Rio de Janeiro Sept. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000900001 

EDITORIAL

 

Hepatites virais e vulnerabilidade em usuários de cocaína na América do Sul

 

 

Waleska Teixeira CaiaffaI; Diana RossiII

IObservatório de Saúde Urbana de Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil. wcaiaffa@medicina.ufmg.br
IIIntercambios Asociación Civil, Buenos Aires, Argentina. Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina

 

 

Usuários de cocaína (UC) apresentam inúmeros agravos à saúde, como as infecções pelo HIV, hepatite B (HBV), hepatite C (HCV) e sífilis, cujas taxas de prevalência são superiores às da população geral.

Considerando a marcada redução do número de UC que injetam, principalmente na América do Sul, o papel de outros fatores deve ser cuidadosamente avaliado no entendimento da dinâmica das infecções pelo HBV e HCV, para elucidar ações de saúde pública objetivando reduzir a difusão destes patógenos. A exposição parenteral é fundamental, sendo amplamente documentada na literatura. Não obstante, parte substancial dessas infecções não apresenta história de exposição parenteral, sendo impreciso o papel de fatores como as contaminações com material não esterilizado, uso compartilhado de utensílios para cheirar ou fumar cocaína e sexo desprotegido.

Recentemente, na Argentina e Uruguai, achados consistentes se encaixam sugerindo que o HBV associa-se à transmissão via contato sexual desprotegido e que o compartilhamento de canudos é relevante na possível disseminação do HCV entre UC não injetáveis com destaque, nesta última, para as interações de possíveis redes sociais com UC injetáveis e/ou pessoas que vivem com HIV/AIDS.

Entretanto, a epidemiologia dessas infecções entre UC continua incompletamente elucidada, sugerindo que ademais ao modelo de risco individual, dever-se-á pensar em um modelo que vá além, incluindo abordagens microssociais, macrossociais e estruturais.

Dentro desta perspectiva podemos elencar: (1) globalização: deslocamento do consumo de usuários injetáveis rumo a estratos sociais mais numerosos representados pelos não injetáveis e disponibilização da cocaína e derivados em termos continentais; (2) desigualdades: contribuição desproporcional de segmentos socialmente vulneráveis da população na disseminação de infecções; (3) fragilidade institucional: intervenções modestas em estratégias de prevenção, incluindo redução de riscos e disponibilização de imunização, aconselhamento ou tratamento; (4) redes sociais: intensas inter-relações de contatos potencialmente de risco, traduzidas ou não em interações efetivas de risco, colocando em situação de exposição um indivíduo infectado e um ou mais indivíduos suscetíveis; (5) urbanização acelerada: resultando em contextos urbanos com intensificação e potencialização de todos os fatores acima acompanhados de sobrecarga generalizada dos sistemas de atenção aos usuários de droga, seja do ponto de vista da saúde, seja da assistência social e do sistema de justiça penal.

Considerando que a interconectividade entre globalização, urbanização e difusão das doenças infecciosas não é nova, como elucidado pela pandemia da AIDS, um dos exemplos mais impressionantes da convergência da mobilidade das populações, urbanização e interface inter-humana, o que está faltando?

Os modelos analíticos mais comumente aplicados em saúde pública limitam nossas possibilidades de inferência sobre a determinação do comportamento de saúde por multifatores, provavelmente relacionados, entre os diferentes níveis de influência (indivíduos, redes sociais, vizinhança, governos). Modelagem dinâmica como sistemas complexos podem ser úteis, permitindo a adoção de uma abordagem epidemiológica social no comportamento de saúde e do uso de drogas, em particular, fornecendo um modelo integrado que permite incorporar fatores em múltiplos níveis de influência. A partir da conciliação de diferentes métodos e níveis de investigação, respostas advirão permitindo um entendimento aprofundado da dinâmica das redes sociais e suas multi-interconectividades.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License