SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 suppl.Vigilância à saúde bucal no BrasilPromoção da saúde: perspectivas avaliativas para a saúde bucal na atenção primária em saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.28  suppl. Rio de Janeiro  2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001300002 

EDITORIAL

 

Vigilância à saúde bucal: a construção de um modelo integrado

 

 

Paulo Sávio Angeiras de GoesI; Nilcema FigueiredoII; Gilberto Alfredo Pucca JúniorIII; Lenildo de MouraIV

IDepartamento de Odontologia Clínica e Preventiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil
IIDepartamento de Medicina Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil
IIICoordenação de Saúde Bucal, Ministério da Saúde, Brasília, Brasil
IVCoordenação de Doenças Crônicas e Não Transmissíveis, Ministério da Saúde, Brasília, Brasil

 

 

Apesar de o Brasil possuir tradição na realização de levantamentos epidemiológicos nacionais representados pelos levantamentos de saúde bucal em 1986, 1996 e 2003; o país não possuía até 2006 uma ação estruturadora do componente da vigilância à saúde bucal, como parte integrante tanto da Política Nacional de Saúde Bucal (PNSB), quanto da política de vigilância à saúde do próprio Ministério da Saúde.

Neste contexto, é um imperativo constituir um marco teórico com base no campo das vigilâncias e estabelecer as interfaces para construir um modelo de vigilância à saúde bucal integrada à política vigente de vigilância à saúde. Pela natureza eminentemente crônica das doenças focadas, este modelo deve buscar uma integração de vários eixos. O primeiro é a adoção de um modelo de vigilância de doenças crônicas, consequentemente, do ponto de vista da saúde bucal. Para tal há a necessidade de incorporação de novas formas de medir não apenas as lesões/sequelas do ponto de vista físico, mas o impacto que elas produzem na qualidade de vida das pessoas. Esse novo modelo deverá focar ainda a abordagem dos fatores de risco comuns, os quais são as principais informações necessárias aos países, regiões e autoridades locais de saúde para o planejamento de promoção da saúde e de prevenção primária. Além disso, essa abordagem deve ser considerada para a construção de um futuro sistema de informação em saúde bucal.

O modelo de vigilância da saúde para as doenças crônicas (DANT) prevê: (a) mapear o crescimento e analisar seus determinantes sociais, econômicos, comportamentais e políticos para subsidiar políticas e estratégias de promoção da saúde; (b) reduzir o nível de exposição de indivíduos e populações aos fatores de risco mais comuns; (c) fortalecer o sistema de saúde para o controle dos pacientes; (d) fortalecer redes e parcerias locais, regionais, nacionais e internacionais na área.

Em dezembro de 2006, foi instituído pela Portaria SAS/MS nº. 939/2006, o comitê nacional com várias prerrogativas, dentre as quais podemos destacar no seu Art. 4: Assessorar a Área Técnica de Saúde Bucal _ DAB/SAS/MS no estabelecimento de diretrizes e definição de estratégias de atuação na área de vigilância em Saúde Bucal, tendo em conta as características epidemiológicas e de organização de serviços das esferas federal, estadual e municipal de saúde; Propor critérios para validação dos dados dos sistemas de informações do SUS, bem como estratégias para institucionalização do monitoramento e vigilância em saúde bucal.

Por conta da relevância das DANT na definição do perfil epidemiológico da população brasileira, o Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Vigilância à Saúde, vem desenvolvendo várias parcerias entre instituições acadêmicas, de pesquisa, estados e municípios, para desenvolver inquéritos gerais para monitoramento de fatores de riscos e de proteção, agravos e condições de saúde. Alguns desses inquéritos já trazem questões relacionadas à saúde bucal, entre eles se destacam o VIGITEL, VIVA e o PeNSE; além do inquérito específico sobre as condições de saúde bucal da população brasileira SB-2010, que serão abordados neste Suplemento, sendo importante que a atual iniciativa de estruturar o componente de vigilância à saúde bucal da PNSB seja consolidada com a capilarização dessa ação para os níveis estadual e municipal.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons