SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue9Secular state, conscientious objection and public health policies author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311X

Cad. Saúde Pública vol.29 no.9 Rio de Janeiro Sept. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/0102-311XED010913 

EDITORAL

 

Um bom texto

 

 

Uma simples busca na Internet com as palavras "publishing scientific papers" retorna imediatamente anúncios de empresas de editoração científica, que prometem: "Os melhores tutores sobre mais de 200 tópicos científicos", "assessoria para redação de trabalhos de alunos do ensino médio a teses de doutorado", "estabelecer pontes entre a pesquisa e a publicação". O que motivaria essa proliferação na oferta de ajuda profissional em área que até alguns anos atrás nem se cogitava necessária?

Em primeiro lugar, a pressão para publicar, especialmente em determinadas revistas altamente competitivas. Lucram as revistas que mais se destacam neste mercado, com textos de melhor qualidade e mais bem apresentados. É discurso comum dos profissionais dessas empresas que os cientistas precisam aprender a "vender melhor seu peixe". Entretanto, para além do estímulo marqueteiro, é necessário refletir sobre o processo de produção do texto científico, em especial na Saúde Coletiva.

Comecemos lembrando como era comum consultarmos os colegas sobre nossos trabalhos. Um artigo semipronto era lido e criticado antes de ser submetido. Isso permitia ao autor polir o texto, deixá-lo mais claro. Sem falar no tempo que o texto ficava em gestação. Não havia preocupação com o volume de artigos que uma pesquisa poderia gerar, mas sim em seu conteúdo. Mas, sem saudosismo: também se escrevia à mão, e qualquer mudança após o texto ter sido datilografado era bem custosa.

O que nos faz retornar ao problema inicial. O que na verdade pretendemos com o texto científico? Que ele seja lido e que contribua, mesmo que modestamente, para a construção do conhecimento na área. Muitas vezes os autores esquecem que há um leitor ao final desse processo. A pressa para submeter o artigo torna os autores descuidados, o que, aliado à falta de prática e à pouca ajuda de pesquisadores mais experientes, traz para os editores e consultores a antipática tarefa de dizer: seu texto está muito ruim!

Às vezes dizemos isso com o coração apertado: a ideia é inovadora, a quantidade de trabalho investido na coleta dos dados e estudo, imensa, e... o resultado final é quase ininteligível. Outras vezes, temos um artigo bem escrito, sem erros gramaticais, mas que se perde em detalhes de tal forma que no final não se consegue entender onde o autor pretendia chegar. E mais: textos com descompassos entre introdução e discussão, entre objetivos e métodos. Sem falar no resumo, talvez a peça mais essencial e mais negligenciada de todo o processo. Não é incomum recebermos em CSP artigos cujo resumo não deixa claro o conteúdo do manuscrito.

Refletindo sobre essas questões, estamos propondo algumas mudanças em CSP. Começaremos pela revisão das instruções para os autores, buscando especificar o que se espera em cada tipo de artigo nas diferentes seções. Pretendemos introduzir uma avaliação e, caso se julgue necessário, faremos uma intervenção sobre a escrita de artigos quase aprovados. Nesses casos, além da revisão gramatical já realizada, a estrutura e lógica do texto receberão tratamento profissional, a exemplo do que algumas revistas já fazem. Não buscamos textos padronizados, cerceados na sua expressão, mas sim melhorar a redação dos manuscritos publicados, de modo a torná-los mais convidativos à leitura e, principalmente, mais claros. Cabe enfatizar que não estamos sugerindo que autores busquem serviços profissionais, mas sim que tenham um olhar mais atento, ou, voltando a uma palavra antiga, mais capricho na produção de seus artigos.

Temos sido cada vez mais exigentes com a qualidade dos artigos que CSP publica, incluindo o texto. Pelo que já recebemos de submissões até agora, nosso índice de rejeição em 2013 deverá ficar em praticamente 90%. Um bom texto trará vantagens: maior chance de ser aceito, mais rapidamente publicado e, principalmente, leitura mais interessante.

 

Marilia Sá Carvalho, Claudia Travassos, Cláudia Medina Coeli
Editoras

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License