SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número2Lobbying da indústria farmacêutica, gargalos para pesquisa clínica e afrouxamento das normas éticas no BrasilO VALOR DA INOVAÇÃO: CRIAR O FUTURO DO SISTEMA DE SAÚDE índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.32 no.2 Rio de Janeiro  2016  Epub 04-Mar-2016

http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00176115 

BOOK REVIEWS

VIOLENCE AGAINST WOMEN AND GIRLS

Marcos Nascimento1 

Corina Helena Figueira Mendes2 

1Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil. m2nascimento@gmail.com

2Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil. corina.mendes@iff.fiocruz.br

VIOLENCE AGAINST WOMEN AND GIRLS. The Lancet. http://www.thelancet.com/series/violenceagainst- women-and-girls (Published November 21, 2014)..


Em 2014, a revista de saúde pública britânica The Lancet publicou um número temático sobre a violência contra mulheres e meninas, reunindo contribuições de pesquisadores e ativistas de diversos países e representantes de organismos das Nações Unidas, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Esse número especial reúne cinco artigos sobre diferentes interfaces relacionadas à temática: (1) evidências sobre os esforços de prevenção; (2) lições aprendidas a partir das iniciativas de ativistas de movimentos sociais; (3) reflexões sobre o envolvimento de homens e meninos na prevenção da violência de gênero; (4) respostas que o setor saúde tem oferecido ao enfrentamento da violência; e (5) uma convocação global para que diferentes setores, e em particular a saúde, mantenham uma visão abrangente e incessante sobre essa temática.

Em que pese a qualificação do periódico, os leitores hão de se perguntar o porquê de uma resenha dessa publicação. A violência de gênero contra mulheres e meninas representa uma grave violação dos direitos humanos e um problema de saúde pública em todo o mundo. No Brasil, não é diferente. Pesquisa da Fundação Perseu Abramo, em 2010 1 , apontou que uma em cada cinco mulheres já sofrera algum tipo de violência, em suas diversas facetas e por práticas socialmente aceitas. Presentes já nas relações de namoro entre adolescentes brasileiros 2 , essa forma de violência relacional constitui um repertório “banalizado” na vida de muitas mulheres e meninas brasileiras.

A publicação do The Lancet aponta para quatro perspectivas fundamentais no planejamento de ações de enfrentamento, independente das peculiaridades contextuais de diferentes países e culturas. O primeiro ponto se refere à avaliação dos impactos de programas de prevenção das violências de gênero. De acordo com o relatório da OMS sobre prevenção de violências 3 , também lançado em 2014, a violência entre parceiros íntimos está presente na agenda política de muitos dos países, mas ainda são necessárias mais iniciativas que contemplem mudanças nas normas sociais e culturais presentes nas relações de gênero e que fomentam a assimetria entre homens e mulheres.

Nesse sentido, Ellsberg e colaboradores abrem a revista chamando a atenção para a necessidade de avaliações rigorosas de iniciativas que busquem a prevenção desse fenômeno, particularmente entre países de média e baixa renda. Contudo, parece-nos importante destacar que devido ao alto custo financeiro, e muitas vezes por falta de expertise em análises avaliativas, muitas iniciativas acabam por não realizar essa etapa fundamental nos processos de intervenção. Promover uma cultura de avaliação que permita a identificação de boas práticas e a proposição das estratégias avaliativas em outros contextos é fundamental. Além disso, por se tratar de um fenômeno multifacetado, faz-se necessário pensar em desenhos metodológicos que favoreçam a reflexão mais ampla e abrangente sobre as iniciativas e os resultados no enfrentamento da violência contra as mulheres e meninas 3 .

O segundo aspecto abordado por García-Moreno e colaboradores reafirma a importância do setor saúde e seus desafios no enfrentamento dessa forma de violência. Apesar da incorporação da temática nas práticas cotidianas desse setor, ainda faz-se necessário o desenvolvimento de processos de formação e capacitação continuados para profissionais da rede de atenção, para que possam lidar com esse fenômeno de maneira integrada e abrangente, desconstruindo concepções de gênero que reforçam a vulnerabilidade das mulheres e meninas. Nesse sentido, é imperativo que as formações curriculares nas diferentes carreiras da saúde contemplem os vieses de gênero, sexualidade e violência 4 .

O terceiro ponto desenvolvido na publicação por Jewkes e colaboradores ressalta a importância do envolvimento dos homens e meninos em iniciativas que favoreçam a igualdade de gênero. A participação masculina na promoção da equidade tem sido fortemente recomendada por diferentes instâncias internacionais, como as plataformas de ação das Conferências de População e Desenvolvimento (Cairo, Egito, 1994) e das Mulheres (Pequim, China, 1995). O artigo menciona o pioneirismo brasileiro com a iniciativa do Progra- ma H 5 como um modelo de envolvimento de homens jovens em relações mais equitativas entre homens e mulheres. Contudo, parece-nos fundamental aprofundar a sistematização e a avaliação das experiências dos programas de atenção a homens autores de violência contra as mulheres em países do chamado Sul Global.

Por último, Micau e colaboradores apontam que somente com transformações nas normas sociais que produzem e reproduzem iniquidades de gênero e relações assimétricas de poder é que podemos esperar uma sociedade mais justa e igualitária em que mulheres e meninas possam viver uma vida livre de violência.

REFERÊNCIAS

1. Venturi G, Godinho T, organizadores. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: SESC/Fundação Perseu Abramo; 2013. [ Links ]

2. Minayo MCS, Assis SG, Njaine K, organizadoras. Amor e violência: um paradoxo das relações de namoro e do “ficar” entre jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2011. [ Links ]

3. World Health Organization. Global status report on violence prevention 2014. Geneva: World Health Organization; 2014. [ Links ]

4. Schraiber LB, d'Oliveira AFPL. La perspectiva de género y los profesionales de la salud: apuntes desde la salud colectiva brasileña. Salud Colect 2014; 10:301-12. [ Links ]

5. Ricardo C, Nascimento M, Fonseca V, Segundo M. Program H and Program M: engaging young men and empowering young women to promote gender equity and health. Washington DC: Pan American Health Organization; 2010. [ Links ]

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.