SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 issue2  suppl.1Fitoplâncton de rede da Lagoa do Campelo, Campos, Rio de Janeiro, Brasil: uma contribuição a seu conhecimentoProjeto urbanístico para o Vale do Rio Jahu (perímetro urbano do município de Jahu): projeto paisagístico author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306

Acta Bot. Bras. vol.1 no.2 supl.1 Feira de Santana Dec. 1987

https://doi.org/10.1590/S0102-33061987000300021 

A vegetação arbórea do Parque Estadual do Morro do Diabo, município de Teodoro Sampaio, Estado de São Paulo

 

 

João Batista Baitello; João Aurélio Pastore; Osny Tadeu de Aguiar; Francisco Corrêa Sério; Carlos Eduardo F. da Silva

Instituto Florestal de São Paulo - C.P. 1322 - CEP 01051 - São Paulo - SP

 

 


RESUMO

Fez-se o levantamento florístico da vegetação arbórea da floresta mesófila do Parque Estadual do Morro do Diabo, Município de Teodoro Sampaio, Estado de São Paulo (22º30'S, 52º20'W) pelos métodos de quadrantes e parcelas, incluindo as árvores com diâmetro à altura do peito igual ou superior a 10 cm. A utilização dos dois métodos deu-se em função das características fisionômicas, solo e drenagem dos locais amostrados. O método de quadrante envolveu 462 pontos com intervalos de 30 m., e o método de parcelas ca. 26.900 m2 (ca. 2,7 ha.). Os parâmetros fitossociológicos serão abordados em futuros trabalhos. Os dados florísticos subsidiaram o reassentamento dos grupos faunísticos, em especial o Leontopithecus chrysopygus Mikan, 1823 (mico-leão-preto), dentro das áreas remanescentes. O "check list" inclui também algumas espécies coletadas aleatoriamente em outras áreas do Parque. Constatou-se nas áreas de amostragem e adjacentes 113 espécies, 95 gêneros e 42 famílias, das quais 6 contribuíram com 56% das espécies levantadas. As famílias mais representativas no Parque, envolvendo todos os locais de coleta são: Leguminosae (13 Faboideae, 6 Caesalpinioideae e 6 Mimosoideae), Rutaceae 11, Meliaceae 8, Lauraceae 7, Euphorbiaceae 7 e Myrtaceae 6. A listagem das espécies revela que o Parque Estadual do Morro do Diabo apresenta uma vegetação de grande heterogeneidade florística.


ABSTRACT

In a mesophyll forest at the State Park of "Morro do Diabo", in the municipality of Teodoro Sampaio, State of São Paulo (22º30'S, 52º20'W) the floristic composition was surveyed. The point centered quarter and quadrant methods were used to survey trees with a diameter equal or greater than 10 cm at breast height. These methods were used as a function of soil features, drainage and physionomical characteristics of the place where the samples were taken. The quarter method sampled 462 points with intervals of 30 m, and the other one had an area of approximately 26.900 m2. The phytosociological parameters will be reported in a future paper. The floristic data were important to the resettlement of launistic groups, particulary Leontopithecus chrysopygus Mikan, 1823 ("mico-leão-preto") within remaining areas. The check list also included some species colected in other areas of the Park. There were verified in the sampling areas and surrondings, 113 species, 95 genera and 42 families of trees. Six (6) families contributed with 56% of the total num ber of species. The most representative families in the Park were the following: Leguminosae 25 (13 Faboideae, 6 Caesalpinioideae and 6 Mimosoideae), Rutaceae 11, Meliaceae 8, Lauraceae 7, Euphorbiaceae 7 and Myrtaceae 6. The checklist showed that the State Park of "Morro do Diabo" has a great floristic heterogeneity.

Key-words: forest, floristic composition, State Park of "Morro do Diabo".


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Referências Bibliográficas

ASSUMPÇÃO, C.T.; LEITÃO FILHO, H.F. & CESAR, O. 1982. Descrição das matas da Fazenda Barreiro Rico, SP. Revta brasil Bot., São Paulo, 5(1/2): 53-66.         [ Links ]

BERTONI, J.E.A.; STUBBLEBINE, W.H.; MARTINS, F.R. & LEITÃO FILHO, H.F. 1982. Nota prévia; comparação fitossociológica das principais espécies de florestas de terra firme e de várzea na Reserva Estadual de Porto Ferreira (SP). In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, Campos do Jordão - SP., set. 12-18, 1982. Anais.         [ Links ]..Silvic. São Paulo, São Paulo, 16A:563-571. Pt. 1 (Edição Especial)        [ Links ]

CAMPOS, J.C.C. & HEINSDIJK, D. 1970. A floresta do Morro do Diabo. Silvic. São Paulo, São Paulo, 7:43-58.         [ Links ]

DESHLER, W.O. 1975. Recomendações para o manejo do Morro do Diabo. São Paulo, Instituto Florestal. Public. IF, 6. São Paulo.         [ Links ]

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. 1970. Mapa da Vegetação. Departamento de Geografia.         [ Links ]

MAINIERI, C. 1970. Madeiras do Parque Estadual do Morro do Diabo. Silvic. São Paulo, São Paulo, 7: 147-150.         [ Links ]

SÃO PAULO. Leis, decretos, etc. 1986. Decreto nº 25.342 de 4 de junho de 1986. Diário Oficial, São Paulo, 96(104): 4,5 de jun. 1986.         [ Links ]

SILVA, A.F. 1980. Composição florística e estrutura de um trecho da mata atlântica de Ubatuba (SP). Dissertação de Mestrado. UNICAMP. Campinas.         [ Links ]

VENTURA, A.; BERENGUT, G. & VICTOR, M.A.M. 1965-66. Características edafoclimáticas das dependências do Serviço Florestal do Estado. Silvic. São Paulo, São Paulo, 4/5(4): 57-140.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License