SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 issue1Contribution to the study of the algal genus Euglena (Euglenophyceae) near Rio de Janeiro, BrazilValidation of the name Sorghastrum albescens (Hackel) Flores (Gramineae, Andropogoneae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306

Acta Bot. Bras. vol.3 no.1 Feira de Santana July 1989

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33061989000100004 

Composição florística e estrutura comunitária da floresta de galeria do córrego da Paciência, Cuiabá, (MT)

 

Floristic composition and community structure of a gallery forest along the Córrego da Paciência, Cuiabá, Mato Grosso, Brazil

 

 

Ary Teixeira de Oliveira-Filho

Departamento de Ciencias Florestais, Escola Superior de Agricultura de Lavras, 37200 Lavras, MG.

 

 


RESUMO

A floresta de galeria de um dos braços do córrego da Paciência, no sopé da chapada dos Guimarães, Mato Grosso (15º 21'S. 55º 49' W), foi inventariada por meio de 67 parcelas de 30m2 (0,201 ha), sendo amosdos os indivíduos com circunferência ao nível do solo > 9cm em três setores da floresta; Nascentes, Vereda e Cachoeira. Foram calculados os parâmetros fitossociológicos das espécies e das famílias botânicas para toda a área amostral e para cada um dos três setores da floresta. Foram obtidas medidas de dissimilaridade florística e estrutural entre os três setores amostrais e medidas de dissimilaridade florística entre a floresta do presente estudo e cinco outras florestas riparias do Distrito Federal e dos estados de São Paulo e Mato Grosso. As seis florestas apresentaram entre si índices muito altos de dissimilaridade florística, embora algumas delas apresentassem espécies em comum entre as mais abundantes. Os três setores amostrais mostraram igualmente uma considerável dessemelhança florística e estrutural entre si. O clima, os solos e a geomcrfologia das bacias hidrográficas são evocados como responsáveis pelas diferenças interregionais entre as florestas riparias. Já as dessemelhanças intrarregionais podem ser atribuídas à fertilidade dos solos e, sobretudo, ao regime de água nos solos e nos próprios rios, os quais, por sua vez, variam com a topografia local. Os padrões de distribuição espacial marcadamente diferentes que podem ser observados para várias espécies de árvores podem ser atribuídos à elevada heterogeneidade ambiental, peculiar às florestas de galeria.

Palavras-chave: floresta de galeria, mata ciliar, florística, fitossociologia, Mato Grosso.


ABSTRACT

The gallery forest which occurs along one of the branches of the Córrego da Paciência, southern Mato Grosso, Brazil (15º 21'S, 55º 49'W), was surveyed by 67 plots of 30m2 each (0.201 ha). Individuals > 9cm in circumference at ground level were recorded. Three sites of the forest were sampled: Nascentes, Vereda and Cachoeira. Phytosociological parameters were calculated for the vegetation of the whole sampled area, and of each of the forest sites. Structural and floristic dissimilarity measures were obtained in a comparison among the three forest sites. Floristic dissimilarity measures were also obtained in a comparison of the forest of the present study and five other riparian forests from Central and Southeastern Brazil. The six forests were highly dissimilar in floristic composition although some of them have some abundant species in common. The three forest sites also presented high dissimilarity indexes in floristic composition and community structure. Climate, soil and geomorphology of the catchment areas may be responsible for inter-regional differences among riparian forests. The intra-regional differences may be associated with variations in soil fertility, soil moisture and flood level regimes, all of which may also vary locally with topography. Distinct spatial distribution patterns, clearly observed among many gallery forest species, may be ascribed to the high environmental heterogeneity which is peculiar to this vegetation type.

Key words: gallery forest, riparian vegetation, floristic composition, phytosociology, Mato Grosso.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Agradecimentos

Os estudantes do curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Mato Grosso auxiliaram os trabalhos de campo, o Prof. Dr. George J. Shepherd orientou o processamento dos dados, a leitura crítica do manuscrito foi atenciosamente realizada pelos Profs. Dr. Fernando R. Martins, Dr. Antonio R. Soares e Dr. James A. Ratter. A todos agradeço.

 

Referências Bibliográficas

ASKEW, G. P.; MOFFAT, D. J.; MONTGOMERY, R. F. & SEARL, P. L. 1971. Soil and soil moisture as factors influencing the distribution of the vegetation formations of the serra do Roncador, Mato Grosso. In: Ferri, M. G., coord. III Simpósio sobre o cerrado. Ed. Univ. de São Paulo, São Paulo. p. 150-160.         [ Links ]

BERTONI, J. E. A. 1984. Composição florística e estrutura fitossociológica de uma floresta do interior do estado de São Paulo: Reserva Estadual de Porto Ferreira. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.         [ Links ]

BERTONI, J. E. A.; STUBBLEBINE, W. H.; MARTINS, F. R. & LEITÃO FILHO, H. F. 1982. Nota prévia: comparação fitossociológica das principais espécies de florestas de terra firme e de várzea na Reserva Estadual de Porto Ferreira (SP). Silvicultura em São Paulo 16A: 563-571.         [ Links ] Anais do Congresso Nacional de Essências Nativas, Campos do Jordão.         [ Links ]

BERTONI, J. E. A. & MARTINS, F. R. 1987. Composição florística de uma floresta riparia na Reserva Estadual de Porto Ferreira, SP. Acta Botânica Brasílica 1:17-26.         [ Links ]

BLACK, G. A.; DOBZHANSKY, J. & PAVAN, C. 1950. Some attempts to estimate species diversity and population density of trees in Amazonian forests. Botanical Gazette III: 413-425.         [ Links ]

BOMBLED, J. s. d. Meio século de meteorologia. 3v., Gráfica Universitária, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá         [ Links ].

BROWER, J. E. & ZAR, J. H. 1984. Field and laboratory methods for general ecology. Ed. Wm. Brown, Dubuque.         [ Links ]

CAMARGO, A. P. 1963. Clima do cerrado. In: Ferri, M. G., coord. Simpósio sobre o cerrado. Ed. Univ. de São Paulo, São Paulo p. 75-95.         [ Links ]

CAMARGO, J. C. G.; CESAR, A. L.; GENTIL, J. P.; PINTO, S. A. F. & TROPPMAIR, H. 1971. Estudo fitogeográftco da vegetação ciliar do rio Corumbatai (SP). Série biogeográfica nº 3. Instituto de Geografia, Univ. de São Paulo.         [ Links ]

CAVASSAN, O.; CESAR, O. & MARTINS, F. R. 1984. Fitossociologia da vegetação arbórea da Reserva Estadual de Bauru, estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica 7: 91-106.         [ Links ]

COLINVAUX, P. 1986. Ecology. John Wiley & Sons, N. York.         [ Links ]

COUTO, E. G.; RESENDE, M. & REZENDE, S. B. 1985. Terra ardendo. Ciência Hoje 16:48-57.         [ Links ]

CURTIS, J. T. & McINTOSH, R. P. 1950. The inter-relations of certain analytic and synthetic phytosociological characters. Ecology 31: 434-455.         [ Links ]

DE VUONO, Y. S. 1985. Fitossociologia do estrato arbóreo da floresta da Reserva Biológica do Instituto de Botânica (São Paulo, SP). Tese de doutoramento, Universidade de São Paulo, São Paulo.         [ Links ]

EDIBAP. 1979. Estudo integrado da Bacia do Alto Paraguai. Ministério do Interior, Empresa de Desenvolvimento Integrado da Bacia do Alto Paraguai, Brasília.         [ Links ]

EVERITT, B. 1980. Cluster analysis. Halsted, N. York; Heinemann, London.         [ Links ]

GAUCH, H. G. 1982. Multivariate analysis in community ecology. Cambridge Un. Press, Cambridge.         [ Links ]

GIBBS, P. E. & LEITÃO FILHO, H. F. 1978. Floristic composition of an area of gallery forest near Mogi Guaçu, state of São Paulo, S. E. Brazil. Revista Brasileira de Botânica 1: 151-156.         [ Links ]

GIBBS, P. E.; LEITÃO FILHO, H. F. & ABBOT, R. J. 1980, Application of the point-centred quarter method in a floristic survey of an area of gallery forest at Mogi Guaçu, SP, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 3: 17-22.         [ Links ]

JOLY, C. A. & CRAWFORD, R. M. M. 1982. Variations in tolerance and metabolic response to flooding in some tropical trees. Journal of Experimental Botany 33: 799-809.         [ Links ]

LEITÃO FILHO, H. F. 1982. Aspectos taxonômicos das florestas do estado de São Paulo. Silvicultura em São Paulo 16A: 197-206.         [ Links ]

MARTINS, F. R. 1979. O método de quadrantes e a fitossociologia de uma floresta residual do interior do estado de São Paulo: Parque Estadual de Vaçununga. Tese de doutoramento, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.         [ Links ]

MARTINS, F. R. 1982. A diversidade ecológica arbórea de florestas brasileiras. Resumos da 34º Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Campinas, p. 550-551.         [ Links ]

MATTEUCCI, S. D. & COLMA, A. 1982. Metodologia para el estúdio de la vegetación. General Secretariat of the Organization of American States, Washington.         [ Links ]

MATTHES, L A. F. 1980. Composição florística, estrutura e fenologia de uma floresta residual paulista: Bosque dos Jequitibás (Campinas, SP). Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.         [ Links ]

MATTHES, L. A. F.; LEITÃO FILHO, H. F. & MARTINS, F. R. 1988. Bosque dos Jequitibás (Campinas, SP): composição florística e estrutura fitossociológica do estrato arbóreo. In: Congresso da Sociedade Botânica de São Paulo, 5º, Anais, Botucatu, p. 55-76.         [ Links ]

MAY , R. 1979. Patterns of species abundance and diversity, n: Cody, M. L. & Diamond, J. M., eds. Ecology and evolution of communities. Bellknap. Cambridge, p. 81-120.         [ Links ]

OLIVEIRA-FILHO, A. T. 1988. A vegetação de um campo de monchões - microrrelevos associados a cupins - na região de Cuiabá (MT). Tese de doutoramento, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.         [ Links ]

OLIVEIRA-FILHO, A. T. & MARTINS, F. R. 1986. Distribuição, caracterização e composição florística das formações vegetais da região da Salgadeira, na chapada dos Guimarães (MT). Revista Brasileira de Botânica 9: 207-223.         [ Links ]

PAGANO, S. N.; LEITÃO FILHO, H. F. & SHEPHERD, G. J. 1987. Estudo fitossociológico em mata mesófila semidecídua no município de Rio Claro (estado de São Paulo). Revista Brasileira de Botânica 10: 49-62.         [ Links ]

PIRES, J. M.; DOBZHANSKY, J. & BLACK, G. A. 1953. An estimate of the number of trees in an Amazonian forest community. Botanical Gazette 114: 467-477.         [ Links ]

PRANCE, G. T.; RODRIGUES, W. A. & SILVO, M. F. 1976. Inventário florestal de um hectare de mata de terra firme, Km 30 da estrada Manaus-Itacoatiara. cta Amazônica 6: 9-35.

RATTER, J. A. 1980. Notes on the vegetation of Fazenda Água Limpa (Brasília, DF, Brazil). Royal Botanic Garden, Edingurgh.         [ Links ]

RATTER, J. A.; RICHARDS, P. W.; ARGENT, G. & GIFFORD, D. R. 1973. Observations on the vegetation of northeastern Mato Grosso - 1. The woody vegetation types of the Xavantina-Cachimbo Expedition area. Philosophical Transactions of the Royal Society of London, B. Biological Sciences 266: 449-492.         [ Links ]

RATTER, J. A.; ASKEW, G. P.; MONTGOMERY, R. F. & GIFFORD, D. R. 1978. Observations on forestes of some mesotrophic soils in Central Brazil. Revista Brasileira de Botânica 1: 47-58.         [ Links ]

SILVA, A. F. & LEITÃO FILHO, H. F. 1982. Comparação florística e estrutura de um trecho de mata atlântica de encosta no município de Ubatuba (São Paulo, Brasil). Revista brasileira de Botânica 5: 43-52.         [ Links ]

TROPPMAIR, H. & MACHADO, M. L. A. 1974. Variação da estrutura da mata-galeria na bacia do rio Corumbataí (SP), em relação à água no solo, ao tipo de margem e traçado do rio. Série Biogeográfica nº 8. Instituto de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.         [ Links ]

WISHART, D. 1969. An algorithm for hierarchical classifications. Biometrics 27:165-170.         [ Links ]

 

 

Recebido em 30.09.88.
Aceito em 02.04.89

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License